Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Inicial da Ação do DPF Mauat contra o Blog

3,738 views

Published on

Na inicial da ação que movem contra o Blog, o DPF Eduardo Mauat e sua advogada, Márcia Eveline Mialik Marena, irmã da delegada Erika Mialiki Marena, escondem fatos como o e-mail enviado ao mesmo e à cúpula da Polícia Federal meses antes da publicação da reportagem, sem que nenhum deles atendesse ao pedido de explicações.

Published in: Law
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Inicial da Ação do DPF Mauat contra o Blog

  1. 1. Rua Silveira Peixoto, 950, 15º andar, cj 152 Curitiba – Paraná (41) 3328-1456 Assinado eletronicamente por Marcia Eveline Mialik Marena Confira autenticidade em https://www.tjrs.jus.br/verificadocs, informando 0000482737079. Página 1/12 sEXCELENTÍSSIMO JUIZ DE DIREITO DO º JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE SANTA CRUZ DO SUL – RIO GRANDE DO SUL. EDUARDO MAUAT DA SILVA, brasileiro, solteiro, Delegado de Polícia Federal, matrícula nº. 8190 e portador da Carteira de Identidade 204.xxx.xxx-4 expedida pela SSP/RS, inscrito no CPF sob o n. 685.xxx.xxx-87, lotado na Delegacia de Polícia Federal de Santa Cruz do Sul, com endereço na xxxxxxxx, 2117, Santa Cruz do Sul, RS, CEP xxxxx-010 (nos termos do art. 76, parágrafo único do Código Civil), por intermédio de sua procuradora ao final subscrita, com endereço para os fins do art. 39, I, do CPC na Rua xxxxxx, xxx, conj. xx, Batel, Curitiba, Paraná, CEP xxxxx-120, vem propor apresente AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS emdesfavordeMARCELOJOSÉCRUZAULER, brasileiro, blogueiro, inscrito noCPF sob o n. 385.xxx.xxx-72, com endereço na Rua xxxx, 1761, Engenho Dentro, Rio de Janeiro – RJ, CEP xxxxx-042 de agora em diante designado "Réu”, o que faz com fulcro nos pontos de fato e de Direito doravante articulados. I – CONSIDERAÇÕES INICIAIS. 1. No dia 07 de julho de 2016 o Blog Marcelo Auler, controlado pelo Réu, publicou “matéria” de cunho difamatório e injurioso contra o Autor, expondo-o e colocando em dúvida sua seriedade de caráter enquanto Delegado de Polícia Federal em razão de sua atuação no Grupo de Trabalho da Operação Lava Jato.
  2. 2. Rua Silveira Peixoto, 950, 15º andar, cj 152 Curitiba – Paraná (41) 3328-1456 Assinado eletronicamente por Marcia Eveline Mialik Marena Confira autenticidade em https://www.tjrs.jus.br/verificadocs, informando 0000482737079. Página 2/12 2. Na matéria intitulada “Delegado Eduardo Mauat: foi por ideologia ou pelas diárias?” o Réu, através de uma construção confusa, aduz que o promovente, imbuído de espírito cobiçoso e mercenário, aceitou fazer parte do Grupo de Trabalho da Operação Lava Jato apenas para receber as diárias, como se aqueles que ficam em missão longe de suas residências não tivessem que arcar com nenhum custo de manutenção em uma cidade na qual não possuem estrutura. Insinua que as diárias tratam-se de um complemento salarial e seria o único ato motivador da permanência do Autor nos trabalhos da Operação Lavajato como se essa permanência não dependesse, na verdade, de recrutamento superior, mas ficasse ao talante do próprio Autor. Veja-se: “A pretexto de continuar atuando na Operação Lava Jato, Mauat recebeu a promoção e pouco apareceu no seu novo posto detrabalho. Em um cálculo superficial, foram mais de 17 meses em que ele, lotado no Rio Grande do Sul, continuou trabalhando no Paraná. Se não abriu mão do dinheiro, fez jus a, no mínimo, R$ 102 mil (200x30x17) todo este período. Nada mal.” 3. Explica-se. O Autor é natural do Rio Grande de Sul, e desde sua posse na Polícia Federal no ano de 1999, nunca esteve lotado em seu Estado de origem. Em 2014, quando lotado em Curitiba/PR, e antes de integrar o grupo de trabalho da Operação Lavajato, já com os pais idosos e residente no Rio Grande do Sul, inscreveu-se em concurso interno de remoção da Polícia Federal para assim tentar uma lotação naquele Estado. No referido concurso de remoção (e não de “promoção”, como de modo malicioso o réu publica em seu artigo), o Autor logrou classificar-se para uma lotação nacidade de Santa Cruz do Sul/RS. Frisa-se, foi um concurso de REMOÇÃO e não de promoção como diversas vezes o Réu de forma emboscada coloca em sua publicação. 4. Importa esclarecer que o edital de abertura para o Concurso de Remoções é de março de 2014, sendo que o resultado final, em razão das diversas etapas previstas, como análise de pontuação e recursos, foi divulgado apenas em junho de 2014. 5. Na sequência à publicação do edital, e já sabendo que teria pontuação suficiente para ser contemplado com uma lotação almejada no Rio Grande do Sul, o Autor procedeu com a entrega da residência que alugava em Curitiba, tendo despachado toda sua mudança para a nova residência subsequentemente alugada na cidade de
  3. 3. Rua Silveira Peixoto, 950, 15º andar, cj 152 Curitiba – Paraná (41) 3328-1456 Assinado eletronicamente por Marcia Eveline Mialik Marena Confira autenticidade em https://www.tjrs.jus.br/verificadocs, informando 0000482737079. Página 3/12 Santa Cruz do Sul/RS, incluindo todos os custos advindo desta transição, frisando-se que inclusive chegou a providenciar o transporte de seus animais de estimação para o Rio Grande doSul. 6. Ao tempo da efetivação da remoção Autor, a Operação Lava Jato havia ganhado vulto em questão de volume e complexidade Tendo em vista a dificuldade em compor uma equipe especializada em crimes financeiros para fazer frente ao volume de trabalho, posto que até então todos os principais inquéritos da operação estavam a cargo de um único Delegado, a Administração Regional da Polícia Federal no Paraná, buscando dar maior eficácia no desenrolar das investigações e, considerando a vasta experiência do Autor na condução de investigações na matéria, solicitou ao mesmo que integrasse a equipe do Grupo de Trabalho da Operação antes de que partisse em definitivo para sua nova lotação, para onde, frise-se, já havia encaminhado sua mudança. Na mesma ocasião outros delegados também foram chamados a compor o grupo de Trabalho da operação Lavajato, tendo variado em meses a permanência de cada qual, devido a fatores os mais diversos. 7. No caso do Autor, tendo concordado em permanecer por um pouco mais de tempo em prol do serviço, mesmo já tendo feito diversos dispêndios em razão de sua remoção, e por entender que o auxílio não demandaria muito tempo (até porque não havia ainda se iniciado a sequência de delações premiadas que catapultaram a operação Lavajato para mais de centena de desmembramentos, como é fato público), foi então formalizado o seu recrutamento por parte da Superintendência do Paraná à Superintendência do Rio Grande do Sul, ao tempo em que diversos outros recrutamentos de policiais de cargos diversos também estava sendo feitos. 8. Desde a deflagração da Operação, o Réu sempre usou seu site para atacar a referida investigação, em regra procedendo a ataques às pessoas de alguns de seus integrantes, notadamente aqueles pertencentes aos quadros da Polícia Federal. Fato curioso é que diversos foram os delegados que compuseram a equipe de investigação da Lava Jato na mesma condição do Autor, ou seja, recrutados em missão para permanecer extraordinariamente em Curitiba, no entanto, o Réu cuidou em atacar apenas o Autor, e apenas após 2016, coincidentemente após o Autor ter manifestado publicamente sua discordância com a decisão da Administração Geral da Polícia Federal em Brasília em
  4. 4. Rua Silveira Peixoto, 950, 15º andar, cj 152 Curitiba – Paraná (41) 3328-1456 Assinado eletronicamente por Marcia Eveline Mialik Marena Confira autenticidade em https://www.tjrs.jus.br/verificadocs, informando 0000482737079. Página 4/12 diminuir drasticamente e equipe de investigação, quando a demanda de trabalho se avolumava. 9. Outro fato que também chama a atenção é que a Operação Lava Jato recuperou bilhões de reais para os cofres públicos nacionais, algo sobre o qual o Réu se omite, decidindo usar o espaço de seu blog exclusivamente para divulgar matéria na qual retrata o Autor como um mero venal, interesseiro em razão de uma diária no valor R$200,00 (duzentos reais), repita-se, como se fosse um incremento salarial, em vez de uma verba de indenização, defasada há anos, e efetivamente usada para custear a hospedagem e alimentação do Autor no tempo em que ficou em Curitiba/PR. 10. O Réu aduz ainda que acaso o Autor estivesse de fato preocupado com a Operação deveria este ter renunciado ao recebimento das diárias. Como já esclarecido, o Autor teve que arcar com os custos para manutenção de duas residências nesse período, pois quando foi recrutado para a Operação, já havia enviado sua mudança para o Rio Grande do Sul, onde acreditava que em breve trabalharia. Por outro lado teve que custear hospedagem em caráter precário em Curitiba/PR, além de outros custos naturais de alguém que não está no local onde se encontram todos os seus pertences. 11. Também, ao contrário do que afirma o Réu, o Autor não passou 17 meses ininterruptos em Curitiba/PR em missão na Operação Lavajato, pois após alguns meses de recrutamento para a operação, e já removido para Santa Cruz do Sul/RS, como dito acima, o autor de fato se apresentou na sua nova lotação, e então passou ali a laborar, e, a fim de não comprometer o andamento dos trabalhos a seu cargo na Lavajato, passou a alterar períodos na Operação Lavajato com o trabalho em Santa Cruz do Sul/RS, como outros delegados recrutados também fizeram, isso a fim de não onerar os trabalhos da sua nova lotação, que necessitava de auxílio, mormente quando a mesma passou a ceder um segundo delegado para a Operação Lavajato, também em razão de sua expertise no tema. Portanto, o réu sequer procurou saber do total dos 17 meses que cita como tendo o Autor permanecido em Curitiba, quantos meses na verdade o mesmo retornou e trabalhou em sua nova lotação. O que demonstra mais uma vez a leviandade da matéria atacada e o compromisso unicamente com macular sua honra ecaráter.
  5. 5. Rua Silveira Peixoto, 950, 15º andar, cj 152 Curitiba – Paraná (41) 3328-1456 Assinado eletronicamente por Marcia Eveline Mialik Marena Confira autenticidade em https://www.tjrs.jus.br/verificadocs, informando 0000482737079. Página 5/12 Verifica-se ainda a falta de zelo para com a pesquisa das informações que embasaram a matéria, o que consta inclusive de um dos poucos comentários sérios ali postados. Vejamos: 12. Importante lembrar que os princípios da liberdade de imprensa e liberdade de informação não dão azo à publicação de ilações de forma irresponsável atacando a honra e imagem alheia. 13. O Código de Ética do Jornalista em seu artigo 12: I-ressalvadas asespecificidades daassessoriade imprensa, ouvir sempre, antes da divulgação dos fatos, o maior número de pessoas e instituições envolvidas em uma cobertura jornalística, principalmente aquelas que são objeto de acusações não suficientemente demonstradas ouverificadas. 13. Exatamente o tratamento que o Réu não deu ao caso. Por não ouvir o Autor antes de publicar matéria na qual afirma que o Autor recebeu diárias a título de incremente salarial, fica nítido o propósito de macular a honra e a imagem do Autor, implicando
  6. 6. Rua Silveira Peixoto, 950, 15º andar, cj 152 Curitiba – Paraná (41) 3328-1456 Assinado eletronicamente por Marcia Eveline Mialik Marena Confira autenticidade em https://www.tjrs.jus.br/verificadocs, informando 0000482737079. Página 6/12 mesmo em acusação de improbidade administrativa, já que acusa o Autor de deliberadamente ter fraudado sua remoção, apenas para ter um ganho salarial (diárias). Afirma assim o réu que o Autor ganhou diárias para residir no mesmo lugar que já se encontrava, ainda insistindo que a remoção do Autor foi uma “promoção”, com isso procurando dar a conotação de que o Autor teve algum ganho pecuniário permanente com a troca da lotação. 14. De uma rápida leitura do conteúdo do Blog Marcelo Auler, é visível que o Réu é um partidário devoto à causa dos políticos condenados pela Lava Jato e do chamado grupo dos dissidentes1 , imbuído em prejudicar a operação. Embora seja um direito seu assegurado pela constituição, é também visível seu inconformismo com o resultado e avanço das investigações da Lava Jato, o que o leva a escalonar uma campanha difamatória e caluniosa contra a equipe da Força Tarefa da Operação, e, no caso do Autor, a partir do momento em que este manifestou sua irresignação sobre a diminuição da equipe no momento em que os trabalhos e fases ostensivas da Lavajato se avolumavam. A partir daí passa a ficar clara a ânsia do réu por denegrir a imagem do Autor e associá-lo à prática da improbidade administrativa. 15. Na verdade o que se infere da matéria vergastada é que o Autor foi atacado pelo simples fato de ter desempenhado seu ofício de Delegado na Operação Lava Jato com denodo e responsabilidade, esse é o real fato gerador da matéria ofensiva. 16. Sem nenhuma responsabilidade com aquilo que divulga, joga o Réu com a reputação do Autor ficando claro o ânimo de caluniá-lo, difamá-lo e injuriá-lo. 17. É por tudo isso que o Autor possui legitimidade para ingressar em juízo e buscar tutela jurisdicional, pleiteando indenização em razão de ofensa a seu direito à honra objetiva, subjetiva e sua moral. É flagrante a constatação de que a obra do Blog Marcelo Auler promoveu o constrangimento, a humilhação pública e de que abalou a honra e imagem do Autor. 18. Em síntese, são osfatos. II - DO DIREITO 1 http://marceloauler.com.br/dissidentes-na-pf-nova-derrota-da-forca-tarefa/
  7. 7. Rua Silveira Peixoto, 950, 15º andar, cj 152 Curitiba – Paraná (41) 3328-1456 Assinado eletronicamente por Marcia Eveline Mialik Marena Confira autenticidade em https://www.tjrs.jus.br/verificadocs, informando 0000482737079. Página 7/12 19. A matéria aqui guerreada trouxe referências desabonatórias, criminosas e injustas ao Autor atingindo-lhe a boa fama e respeitabilidade, tais fatos, provocadores que são de prejuízo à sua reputação enquanto profissional, ensejam a busca pela indenização prevista na legislaçãoacima. 20. Houve abusiva intervenção no direito personalístico do Autor, pelo qual não visou o Réu ao objetivo jornalístico referente a um evento de interesse geral, pois não trouxe nenhum embasamento fático, mas unicamente o desejo de calcar uma fofoca sensacionalista contra o Autor. 21. Quando o direito a informação transborda os limites impostos na Constituição da República, ferindo direitos de terceiros entra em cena a responsabilidade civil justamente para resguardar os direitos constitucionais. O art. 5º, inciso X, da Constituição Federal estabelece que são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação. O direito à indenização mencionado na Constituição nos leva ainda aos artigos 186, 187 e 927 do Código Civil. Sendo a honra um atributo inerente à personalidade. 22. A verdade é que atos como este afetam a personalidade de qualquer indivíduo, sua honra, sua integridade psíquica, seu bem-estar íntimo, suas virtudes, causando-lhe mal-estar e até mesmo uma indisposição de natureza espiritual, além de todo transtorno que causa aos familiares e amigos que vêm uma exposição mentirosa do caráter do Autor sendo feita pelo réu pelo simples fato de ter integrado uma investigação de combate à corrupção, da qual o réu é notório inimigo. 23. O blog Marcelo Auler vêm agindo mal, avocando para si uma liberdade que nenhuma lei assegura, lastreada apenas no poder que o Réu julga portar. 24. O dano moral no caso encontra-se demonstrado, tendo em vista, entre outros fatores, a atribuição pública de fatos inverídicos sobre o Autor. Na verdade, ainda que não se tivesse demonstrado o dano, este existe in re ipsa tão-somente pela ofensa à honra e cominado com a disposição tendenciosa e inverídica ligado a ela, e dela o dano é presumido, sendo bastante para justificar a indenização.
  8. 8. Rua Silveira Peixoto, 950, 15º andar, cj 152 Curitiba – Paraná (41) 3328-1456 Assinado eletronicamente por Marcia Eveline Mialik Marena Confira autenticidade em https://www.tjrs.jus.br/verificadocs, informando 0000482737079. Página 8/12 25. Estão presentes neste caso, todos os pressupostos exigidos por lei para que exista a responsabilidade civil e a indenização, ou seja, o dano, a culpa de quem ocasionou o dano (Marcelo Auler) e a relação de causalidade entre o fato e o mesmo dano. Aliás, diga-se a propósito, o grau de culpa do Réu é profundo vez que faz uso da nobre função de jornalista para elaborar e divulgar “matérias” de cunho difamatório. 26. Por isso a indenização deve ser ampla e com dupla função de composição, quais sejam, o alcance dos meios de reequilíbrio e punição do agente do ilícito através da desmotivação e prevenção, evitando novas incursões na esfera jurídica alheia. 27. Alguns autores falam ainda que no arbitramento da indenização deverá ser considerado o enriquecimento injustificado da parte, quanto a isto, considerando os rendimentos do Autor como Delegado Federal temos que qualquer valor indenizatório máximo desta alçada não é suficiente para caracterizar enriquecimento de qualquersorte. 28. Além disto, a jurisprudência é uníssona quanto ao dever de indenizar nos casos de abuso da liberdade de informação: TRIBUNAL DE JUSTIÇA - RS - ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. GRS Nº 70032849705 2009/Cível APELAÇÃO CÍVEL. Responsabilidade civil. Indenização. Reportagem publicada pelo demandado com conteúdo ofensivo à honra e moral da demandante. Informação inverídica. ABUSO DA LIBERDADE DE INFORMAÇÃO. DANOS MORAIS CARACTERIZADOS. Sentença mantida. 1. Tendo o demandado veiculado em seu jornal matéria ofensiva, causando abalo à honra e moral da demandante, justa e legal a condenação daquele ao pagamento de indenização por danos morais, eis que violados os direitos de personalidade da parte Autor. APELO DESPROVIDO. UNÂNIME. Apelação Cível Quinta Câmara Cível Nº 70032849705 Comarca de São Gabriel CORREIO GABRIELENSE APELANTE ANA CRISTINA SAMARTIN RIBEIRO.
  9. 9. Rua Silveira Peixoto, 950, 15º andar, cj 152 Curitiba – Paraná (41) 3328-1456 Assinado eletronicamente por Marcia Eveline Mialik Marena Confira autenticidade em https://www.tjrs.jus.br/verificadocs, informando 0000482737079. Página 9/12 APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS - REPORTAGEM PUBLICADA PELA IMPRENSA LOCAL - DANO MORAL CONFIGURADO - OFENSA À HONRA DO APELADO - EXCESSO NO EXERCÍCIO DO DIREITO DE INFORMAR - INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS DEVIDA - SENTENÇA MANTIDA - RECURSO DE APELAÇÃO CONHECIDO E IMPROVIDO (MAIORIA). O exercício do direito de informar encontra limites no respeito aos direitos da personalidade. Da forma como foi escrita a notícia não severificou o simples exercício da liberdadedeinformar,poishouvenegligênciaaoveicular informações sem comprovar tais fatos e assumindo o risco de que tais afirmações pudessem causar danos ao apelado. O fato de o apelado ser pessoa pública o sujeita a críticas, mas não Autoriza o abuso. (TJPR ND-2.957.599 Rel. Conv. Luiz Mateus de Lima, DJPR 01/02/2006). 29. Da forma como foi feita a matéria, com alegações vazias e imaginárias imputando conduta desonrosa ao Autor leva a completa destituição da sua seriedade e de seu caráter informativo. A orientação do STJ constante RECURSO ESPECIAL Nº 1.159.903 - PE (2009/0177756-9) é no seguinte sentido: 1. Consoante a jurisprudência sedimentada nesta Corte Superior, os direitos à informação e à livre manifestação do pensamento, apesar de merecedores de relevante proteção constitucional, não possuem caráter absoluto, encontrando limites em outros direitos e garantias constitucionais não menos essenciais à concretização da dignidade da pessoa humana, tais como o direito à honra, à intimidade, à privacidade e à imagem. 2. Nodesempenhodanobrefunçãojornalística,o veículo de comunicação não pode descuidar deseu compromisso ético com a veracidade dos fatos
  10. 10. Rua Silveira Peixoto, 950, 15º andar, cj 152 Curitiba – Paraná (41) 3328-1456 Assinado eletronicamente por Marcia Eveline Mialik Marena Confira autenticidade em https://www.tjrs.jus.br/verificadocs, informando 0000482737079. Página 10/12 narrados e, menos ainda, assumir postura injuriosa ou difamatória com o simples propósito de macular a honra de terceiros. 30. Em que pese o grau de subjetivismo que envolve o tema da fixação da reparação, vez que não existem critérios determinados e fixos para a quantificação do dano moral, a reparação do dano há deve ser fixada em montante que desestimule o ofensor a repetir o cometimento do ilícito e recomponha o dano à honra suportado peloAutor. 31. Diante de todo o exposto, o direito do Autor é evidente, visto que foi demonstrado o dano moral, o nexo de causalidade e a culpa do Réu, e consequentemente a obrigação indenizatória. IV – CONCLUSÃO E PEDIDO O site Marcelo Auler divulgou matéria na qual acusa o Autor de atos ímprobos que nunca cometeu. Assim resta claro que o Autor está sendo ofendido diretamente no seu íntimo, na sua dignidade moral, na sua honra e caráter, isto é irrefutável, pois qual- quer cidadão se ofenderia se a ele fosse imputado publicamente e de forma irrespon- sável uma conduta desonrosa, criminosa e difamatória. Por isso, urge-se que se leve em consideração a função punitiva dos danos morais, seu conteúdo pedagógico e de- sestimulador, para que nenhum outro ser humano tenha que passar pela dor e humi- lhação suportado peloAutor. Ante o exposto, requer que V. Exa. digne-se de: • Julgar procedente a presente demanda, condenando o Réu ao pagamento de verba indenizatória ao Autor no valor de 40 salários mínimos, a título de danos morais de acordo com a repercussão do fato, a situação econômica das partes, os prejuízos suportados e a coibição da prática de ato similar no futuro.
  11. 11. Rua Silveira Peixoto, 950, 15º andar, cj 152 Curitiba – Paraná (41) 3328-1456 Assinado eletronicamente por Marcia Eveline Mialik Marena Confira autenticidade em https://www.tjrs.jus.br/verificadocs, informando 0000482737079. Página 11/12 • A citação do Réu, no endereço indicado, para que querendo, conteste a presente peça exordial, sob pena de sofrer os efeitos da revelia e a consequente confissão acerca da matéria de fato e de direito apresentada pela Autoria. • A condenação do Réu ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios e demaiscominações legais. • A condenação do Réu a publicar a sentença condenatória em seu site, seguida da matéria caluniadora ora atacada. Protesta provar o alegado por todos os meios em direito admitidos, especialmente pela prova testemunhal, depoimento pessoal, prova pericial, documental e tudo mais que for em direito permitido. Dáàcausaovalorde R$ 38.160,00 (trintaeoito mil, centoesessenta reais). Termos em que, Pedeeaguarda Deferimento. Curitiba, 04deabrilde2018. Márcia Eveline Mialik Marena OAB PR 43.740
  12. 12. Página 12/12 www.tjrs.jus.br Para conferência do conteúdo deste documento, acesse, na internet, o endereço https://www.tjrs.jus.br/verificadocs e digite o seguinte número verificador: 0000482737079 Este é um documento eletrônico assinado digitalmente conforme Lei Federal nº 11.419/2006 de 19/12/2006, art. 1º, parágrafo 2º, inciso III. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTO ASSINADO POR DATA MARCIA EVELINEMIALIK MARENA 04/04/2018 19h05min O

×