Teste

1,078 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,078
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
36
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Teste

  1. 1. Serviço Social 1° Semestre Aula 01Introdução ao Serviço Social
  2. 2. Aula 01Introdução ao serviço Social: equivocos, estigmas e aorganização do Serviço Social no Brasil. O Serviço Social surgiu a partir dos anos 1930, quando se iniciou o processo deindustrialização e urbanização no país. A emergência da profissão encontra-se rela-cionada à articulação dos poderes dominantes à época, com o objetivo de controlaras insatisfações populares e frear qualquer possibilidade de avanço do comunismono país. O ensino de Serviço Social foi reconhecido em 1953 e a profissão foiregulamentada como nível superior em 1957 com a lei 3252. A profissão manteve um viés conservador, de controle da classe trabalhadora,desde seu surgimento até a década de 1970. Com as lutas contra a ditadura e peloacesso a melhores condições de vida da classe trabalhadora, no final dos anos 1970 eao longo dos anos de 1980, o Serviço Social também experimentou novas influênciasa partir de 1993 quando foi sancionada a Lei 8662 que se encontra em vigor até hoje. Os assistentes sociais estão organizados mundialmente, e estão articulados global-mente, via uma entidade sólida como a FITS, com mais de 70 anos de história e commeio milhão de filiados. O Conjunto Nacional CFESS/CRESS (Conselho Federal deServiço Social/Conselhos Regionais de Serviço Social), agrega 75.000 filiados, osegundo maior do mundo. A ABEPSS (Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa emServiço Social), articula mais de 250 unidades de ensino. A ENESSO (Executiva Nacional de Estudantes de Serviço social), tem um fabulosonúmero de estudantes. Todas estas últimas são entidades nacionais de categoria. NaAmérica Latina, rearticulamos a ALAEITS no campo da formação e o Comitê Merco-sul, no âmbito do exercício profissional. O Serviço Social é um ramo de especialização do trabalho coletivo e traça reflexõessobre o trabalho do assistente social inserido na divisão social fortalecida pela globa-lização mundial. Presenciamos a precarização das condições de trabalho frente ao avanço da revolu-ção técnico-científica, a qual promove uma redução da demanda de trabalho geran-do o chamado “desemprego estrutural”, refletindo no agravamento da exclusão social.Essa preocupação vem sendo alvo de diversas pesquisas científicas. Considerando que a compreensão do Serviço Social está condicionada a sua rela-ção com processos históricos, culturais, sociais e econômicos, é fácil verificar a cons-tante necessidade de renovação.
  3. 3. O maior empregador de assistentes sociais ainda é o Estado, sobretudo na área dasaúde e da assistência social, contudo há uma abertura para novos postos de trabalhono setor privado e nas organizações não-governamentais (ONGs). Além disso, essesprofissionais são cada vez mais convidados a integrar equipes interdisciplinares queatuem na formulação, na implementação, na execução e na avaliação das políticassociais. É importante destacar algumas mudanças no espaço ocupacional de Serviço Social.Em nosso contexto a utilização da informática para o trabalho cotidiano do assistentesocial. Muitos dos profissionais a partir de 1998, se utilizam do computador para suasintervenções diárias. Podemos enfatizar que o chamado mundo da informação ocupao espaço no universo dos profissionais, aprimora a execução de suas tarefas cotidia-nas através da informática, por outro lado os mesmos assinalam que ainda persisteum crescimento quantitativo das demandas dos usuários, a falta de priorização daspolíticas sociais e a ausência de um compromisso do Estado com as necessidades dapopulação. O crescimento da economia o mercado de trabalho regional se ampliou para oServiço Social, principalmente nas instituições do Estado, ainda permanece fragmen-tado perante as políticas sociais desenvolvidas pelas instituições.Hoje o quadro social brasileiro é trágico e não é preciso citar exemplos e indicadoresporque todos conhecemos, e um dos exemplos mais claros, a falta de perspectivapara a nossa juventude. É preciso promover a inclusão social à população mais caren-te e excluída. O Serviço Social avançou muito e pode avançar muito mais. Neste ano conquistoua carga horária de 30 horas semanais. Um marco histórico. Tem que lutar por profis-sionais qualificados, bem remunerados e com condições de trabalho dignas, na pers-pectiva de reconhecimento de que o profissional da área social é estratégico paraafiançar direitos sociais e construir, de fato, uma rede de proteção social no Brasil. 1.1 – O exercício da profissão De acordo com a Lei de Regulamentação da Profissão de Assistente Social, somen-te podem exercer essa profissão as pessoas que têm diploma em curso de gradua-ção em Serviço Social, reconhecido e registrado pelo órgão competente, que é oMinistério da Educação. O exercício da profissão de Assistente Social requer prévio registro nos ConselhosRegionais de Serviço social (CRESS) que tenham jurisdição sobre a área de atuaçãodo interessado nos termos da lei. A designação profissional de Assistente Social, nãodevendo, em hipótese alguma, ser usado para identificar práticas assistenciais.
  4. 4. 1.2 – Quem é o Assistente Social O Assistente Social é um profissional com bacharelado em Serviço social, que exerce seu trabalho de forma remunerada nas organizações pública e privada, orga- nizações não-gorvenamentais, movimentos sociais, etc. Sua função deve ser desenvolvida com competência teórica, técnica, metodológi- ca, política e atribuições específicatras. Sua atuação se dá nas diversas expressões da questão social que afetam a qualidade de vida da população, em diferentes áreas (crianças e adolescente, idoso, deficientes, habitação, etc,) por meio das políticas publicas sociais. Tem como objetivo viabilizar os direitos dos usuários assegurados por lei. A atuação do Assistente Social está mais voltada, em especial, para a classe empobre- cida da sociedade. No entanto, como o objeto precípuo da profissão é efetivar direi- tos, sua atuação alcança outras parcelas da população. Exige-se do Assistente Social que seja um profissional ético, crítico, opositivo, com- petente, instrumentalizado e articulado com vistas à busca de melhoria de vida da população no que concerne à saúde, educação, moradia, assistência social, previdên- cia social,etc.1.3 – A natureza da profissão de Assistente Social Atuando nos problemas sociais que afetam a qualidade de vida das classes mais, pobres o Assistente Social deve primar pela efetivação de direitos assegurados pela legislação vigente no país. Nessa perspectiva, ele precisa estar revestido de conheci- mentos científicos e instrumentais técnicos para decifrar a realidade na qual está inserido, para intervir, de forma pro positiva, em uma perspectiva transformadora e emancipátoria e, assim, promover a qualidade de vida dos usuários de seus serviços. A atuação do Assistente Social pode ter caráter: a) socioeducativo; b) político-educativo; c) psicossocial; d) socioterapeuta; e) técnico-consultivo; f ) didático-pedagogico; g) político-administrativo; h) político-representativo.
  5. 5. O caráter socioeducativo deve estar presente em todas as intervenções do Assis-tente Social. Ao atuar na luta por acesso aos direitos sociais em organizações e movi-mentos populares, essa atuação tem caráter político educativo. Tem caráter picossocial quando o Assistente Social atua em pronto socorro e clini-ca ou ambulatório de saúde mental. Quando esse profissional presta serviço deassessorias, consultorias, supervisão e assistência técnica, seu trabalho tem um cará-ter técnico-consultivo. O caráter didático-pedagógico diz respeito à docência, à pes-quisa e à produção científica. Quando o Assistente Social atua na área de administração, planejamento e gestãode serviços sociais públicos em organizações governamentais e não-governarmen-tais, bem como nos setores privados, sua intervenção tem caráter político-adminis-trativo. Ao atuar na direção de entidades representativas da profissão, como no Con-selho Federal de Serviço Social (CFESS) e no Conselho regional de Serviço Social(CRESS), o trabalho do Assistente Social tem um caráter político-representativo. 1.4 – A competências do Assistente SocialA Lei 8.662/93, no artigo 4, expõe quais são competências do Assistente Social.São elas:Art. 4º Constituem competências do Assistente Social:I - elaborar, implementar, executar e avaliar políticas sociais junto a órgãos da administração públi-ca, direta ou indireta, empresas, entidades e organizações populares;II - elaborar, coordenar, executar e avaliar planos, programas e projetos que sejam do âmbito deatuação do Serviço Social com participação da sociedade civil;III - encaminhar providências, e prestar orientação social a indivíduos, grupos e à população;IV - (Vetado);V - orientar indivíduos e grupos de diferentes segmentos sociais no sentido de identificar recursose de fazer uso dos mesmos no atendimento e na defesa de seus direitos;VI - planejar, organizar e administrar benefícios e Serviços Sociais;VII - planejar, executar e avaliar pesquisas que possam contribuir para a análise da realidade sociale para subsidiar ações profissionais;VIII - prestar assessoria e consultoria a órgãos da administração pública direta e indireta, empresasprivadas e outras entidades, com relação às matérias relacionadas no inciso II deste artigo;IX - prestar assessoria e apoio aos movimentos sociais em matéria relacionada às políticas sociais,no exercício e na defesa dos direitos civis, políticos e sociais da coletividade;X - planejamento, organização e administração de Serviços Sociais e de Unidade de Serviço Social;XI - realizar estudos sócio-econômicos com os usuários para fins de benefícios e serviços sociaisjunto a órgãos da administração pública direta e indireta, empresas privadas e outras entidades.Fonte: http://www.leidireto.com.br/lei-8662.html
  6. 6. 1.5 – As atribuições do Assistente SocialA Lei 8.662/93, artigo 5, expõe quais são atribuições privativas do Assistente Social. São elas:Art. 5º Constituem atribuições privativas do Assistente Social:I - coordenar, elaborar, executar, supervisionar e avaliar estudos, pesquisas, planos, programas eprojetos na área de Serviço Social;II - planejar, organizar e administrar programas e projetos em Unidade de Serviço Social;III - assessoria e consultoria e órgãos da Administração Pública direta e indireta, empresas privadase outras entidades, em matéria de Serviço Social;IV - realizar vistorias, perícias técnicas, laudos periciais, informações e pareceres sobre a matéria deServiço Social;V - assumir, no magistério de Serviço Social tanto a nível de graduação como pós-graduação,disciplinas e funções que exijam conhecimentos próprios e adquiridos em curso de formaçãoregular;VI - treinamento, avaliação e supervisão direta de estagiários de Serviço Social;VII - dirigir e coordenar Unidades de Ensino e Cursos de Serviço Social, de graduação e pós-gradua-ção;VIII - dirigir e coordenar associações, núcleos, centros de estudo e de pesquisa em Serviço Social;IX - elaborar provas, presidir e compor bancas de exames e comissões julgadoras de concursos ououtras formas de seleção para Assistentes Sociais, ou onde sejam aferidos conhecimentos ineren-tes ao Serviço Social;X - coordenar seminários, encontros, congressos e eventos assemelhados sobre assuntos de Servi-ço Social;XI - fiscalizar o exercício profissional através dos Conselhos Federal e Regionais;XII - dirigir serviços técnicos de Serviço Social em entidades públicas ou privadas;XIII - ocupar cargos e funções de direção e fiscalização da gestão financeira em órgãos e entidadesrepresentativas da categoria profissional.Fonte: http://www.leidireto.com.br/lei-8662.html 1.6 – Equívocos da profissão Os equívocos da identidade profissional qieprecisam ser desconstruidos são: assis-tência social é igual à Assistente Social que, por sai vez, é igual a Serviço Social que éigual a assistencialismo. No quadro a seguir, você conhecerá o que é a assistênciasocial, quem é o Assistente Social, o que é o Serviço Social e o que se caracteriza porassistencialismo.
  7. 7. DENOMINAÇÃO CARACTERÍSTICAS Assistência Social É uma política regulamentada pela Lei Orgânica da Assistência Social. A assis- tência social é um direito garantido por lei, como um direito do cidadão e um dever do Estado. Assistente Social É o profissional graduado em curso supe- rior de Serviço Social, habilitado para atuar nas expressões da questão social, nas políticas sociais públicas, privadas e nas organizações não-governamentais. Profissão regulamentada pela Lei 8.662/93. Há código de Ética Profissional e organizações que fiscalizam e prote- gem o exercício profissional. Serviço Social É o nome do curso de nível superior que forma profissionais para exerce- rem a profissão de Assistente Social. Assistencialismo É a prática que se opõe à assistência social. É o acesso a um bem ou serviço por meio de doação, favor, que depende de boa vontade e interesse de alguém. No assistencialismo, não há garantias e nem direitos.1.7 – Desmitificando os estigmas da profissão A mídia, na atualidade, constantemente mostra e denuncia as desigualdades e asexclusões sociais, o sofrimento e as dificuldades com que vivem milhares de pessoasneste país. Além das demandas aos serviços sociais em relação às necessidades materiais, aspessoas buscam atenção, apoio, etc. Ao buscarem um serviço, terão a compreensão eapoio de um profissional que poderá ser confundido como um amigo, um salvador. A confusão é compreensível, pois parte de pessoas que muitas vezes têm sua iden-tidade não reconhecida socialmente, ou por se encontrarem em situação de baixaestima, devido aos diversos problemas que enfrentam cotidianamente. E, por outrolado, o Assistente Social é o profissional que mostra caminhos na solução dos maisvariados problemas.
  8. 8. Embora alguns serviços prestados pelo Serviço Social sejam confundidos comcaridade, favor, há de se desmistificar essa identidade atribuída. Ser compreensivo eatencioso são atributos pessoais, inerentes ao ser humano. Já os conhecimentos cien-tíficos são adquiridos ao longo da formação acadêmica, por meio de disciplinas dasmais diveras áreas do conhecimento. A formação de Serviço Social utiliza-se de conhecimentos da área de ciênciasociais aplicadas, como história, Direito, Filosofia, Psicologia, entre outras. No seufazer profissional, os conceitos dessas áreas são utilzados para compreender a realida-de em que as desigualdades ocorrem e, assim, buscar a resolução dos problemas, apartir de proposições. A formação de Serviço Social utiliza-se de conhecimentos da área de ciênciasociais aplicadas, como história, Direito, Filosofia, Psicologia, entre outras. No seufazer profissional, os conceitos dessas áreas são utilzados para compreender a realida-de em que as desigualdades ocorrem e, assim, buscar a resolução dos problemas, apartir de proposições. 1.8 – Alguns estigmas da profissão A profissão carrega estigmas atribuídos ao longo da construção de sua identi-dade, que precisam ser desconstruídos. O quadro a seguir apresenta alguns estigmassobre o exercício profissional do Assistente Social. Estigma (Não Verdadeiro) Identidade (Verdadeira) O Assistente Social exerce seu trabalho de O trabalho do Assistente Social forma remunerada, em organização públicas, é voluntário, é caritativo, é de benesse. privadas e organizações não governamentais, com atribuições específicas regulamentadas por lei. Os Assistentes Sociais são pessoas O Assistente Social é um profissional graduado “boazinhas”que ajudam os pobres e em curso superior de Serviço Social. Atende as oprimidos. necessidades sociais da população em geral, nas áreas de assistência social, saúde, habitação, educação, etc. A atividade em si não é conside- rada ajuda, pois o profissional atua na perspecti- va de assegurar direitos sociais garantidos pela Constituição Federal, visando ao fortalecimento da autonomia e da democracia.
  9. 9. O Assistente Social trabalha só com A realidade social e econômica do Brasil faz os pobres. com que o trabalho do Assistente Social se volte mais para a questão da pobreza, da população excluída de bens e serviços. É uma profissão que atua também largamente no setor empresarial, que tem outro perfil de usuário, além de outros serviços prestados por órgãos públicos que atendem a popula- ção em geral. Não é uma profissão exclusiva para determinado segmento da sociedade, é uma profissão para toda a sociedade.1.9 – Entidades representativas do Serviço Social São entidades representativas do Serviço Social a Executiva Nacional de ServiçoSocial (ENESSO), Conselhos Regionais de Serviço Social (CRESS), Conselho Federalde Serviço Social (ABEPSS). A ENESSO é a entidade máxima de representação dos estudantes de ServiçoSocial. A Coordenação Nacional da Executiva é eleita anualmente no EncontroNacional de Estudantes se Serviço Social (ENESS), que á instância máxima de deli-beração do Movimento Estudantil de Serviço Social. Tem por objetivo reunir osestudantes de todo país em torno dos temas pertinentes à conjuntura, movimentoestudantil, universidade, formação ético-político-profissional, cultura e outrostemas relevanes ao Serviço Social. O CRESS é uma autarquia federal de personalidade jurídica e de direito publico,regulamentado pela Lei n 8.662, de 7 de junho de 1993. Está vinculado ao CFEss,no entanto tem autonomia administrativa e financeira. Tem o poder de fiscalizar oexercício profissional do Assistente Social. O CFESS, regulamentado pela Lei n 8662/93, em conjunto com os CRESS, res-ponde pela fiscalização do exercício profissional do Assistente Social. O ConselhoFederal é representado por uma diretoria composta por 18 conselheiros, a qual éeleita a cada três anos pelo voto direto dos Assistente Sociais de todo país. A ABEPSS é constituída pelas unidades de ensino em Serviço Social, pelos sóciosinstitucionais e individuais (pesquisadores, docentes e discentes dos cursos degraduação e pós-graduação em Serviço Social). É uma entidade civil de naturezacientífica, de âmbito nacional, sem fins lucrativos. Com sede atual em Recife, buscamobilizar os profissionais de serviço social a ela associados, por meio da realizaçãode eventos como o Encontro Nacional de pesquisadores em Serviço Social(ENPESS).REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICACONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (BRASIL), Lei n 8662, de 7 de junho de1993, que regulamenta a profissão de Assistente Social.ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇOSOCIAL. (Ver Site)IAMAMOTO, M.V. O serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formaçãoprofissional. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

×