Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Um gato verde, um homem
velho e coisas que tais.
De como a Arte não pode mudar o Mundo

Colégio Oceanus
João Lima | 2013
I love cooking. Not for myself alone.
Cooking is about giving.
Christine Lagarde
Como fomos de um lado ao outro?
Então não é a Arte que pode
mudar o Mundo?
106
milhões de euros
2.911.767
visitantes
Então são os números que
mudam o Mundo?
Então afinal o que muda o
mundo?
"Estou sempre disposto a aprender,
mas nem sempre gosto que me ensinem.“
Winston Churchill
(esta é a parte do velho do título desta conversa)
( e agora… o gato verde!!!!)
Então a Arte não pode mesmo
mudar o Mundo?
"A pior das loucuras é, sem dúvida,
pretender ser sensato num mundo de doidos.”
Erasmo de Roterdão
Obrigado!
Um Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem Velho
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Um Gato Verde e um Homem Velho

900 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Um Gato Verde e um Homem Velho

  1. 1. Um gato verde, um homem velho e coisas que tais. De como a Arte não pode mudar o Mundo Colégio Oceanus João Lima | 2013
  2. 2. I love cooking. Not for myself alone. Cooking is about giving. Christine Lagarde
  3. 3. Como fomos de um lado ao outro?
  4. 4. Então não é a Arte que pode mudar o Mundo?
  5. 5. 106 milhões de euros
  6. 6. 2.911.767 visitantes
  7. 7. Então são os números que mudam o Mundo?
  8. 8. Então afinal o que muda o mundo?
  9. 9. "Estou sempre disposto a aprender, mas nem sempre gosto que me ensinem.“ Winston Churchill
  10. 10. (esta é a parte do velho do título desta conversa)
  11. 11. ( e agora… o gato verde!!!!)
  12. 12. Então a Arte não pode mesmo mudar o Mundo?
  13. 13. "A pior das loucuras é, sem dúvida, pretender ser sensato num mundo de doidos.” Erasmo de Roterdão
  14. 14. Obrigado!

×