Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Índice Tornozelo-Braquial (ITB)

Indicações e descrição sumária de como se realizar o ITB em nível ambulatorial.

Índice Tornozelo-Braquial (ITB)

  1. 1. ÍNDICE TORNOZELO-BRAQUIALDaniel Valente Batista * Apesar de tudo, não há, até agora, exame substituto para o paciente Leon SchiffMÓDULO IV – EXAMES COMPLEMENTARESINTRODUÇÃO A avaliação complementar do Aparelho Cardio-Circulatório é composta por umagrande quantidade de métodos complementares. Muitos desses são métodos caros deabordagem diagnóstica e terapêutica que, muitas vezes, não são acessíveis em tempohábil a grande parte da população que sofre com afecções cardíacas. Fugindo dessa constante, o Índice Tornozelo-Braquial (ITB) é um examecomplementar barato e facilmente exeqüível por médicos não especialistas ou mesmoprofissionais não-médicos, desde que recebam treinamento adequado. A Medida doITB é um exame de alta sensibilidade (estudos relatam 90 a 97%) e alta especificidade(98-100%) para detecção de estenoses arteriais que comprometam 50% ou mais da luzdo vaso. Essa estatística foi baseada na correlação dos pacientes com ITB <0,9 ecompararados com os resultados de angiografia. O ITB é um preditor independente de eventos cardiovasculares e correlaciona-secom a morbi-mortalidade cardiovascular quando a relação é menor que 0,9. A importância do uso desse exame para diagnóstico da Doença ArterialObstrutiva de Membro Inferior se dá pelo fato de ser não invasivo e do aumento dessapatologia na população com o passar do tempo. O estudo NHANES verificou aprevalência de DAOMI na população americana nos anos de 1999 e 2000 e verificou asseguintes taxas: entre 40-49 anos foi de 0,9%, 50-59anos foi de 2,5%, 60-69 anos foi de4,7% e acima de 70anos foi de 14,5%.O EXAME O cálculo do ITB consiste na avaliação das medidas das Pressões Sistólicas nosmembros superiores (artéria braquial) e inferiores, na altura do tornozelo ( artérias tibialposterior e pediosa). Cada artéria tem sua PAS avaliada através de um Doppler vascularportátil e são obtidas duas medidas consecutivas da PAS em cada vaso. Dessa forma, aofinal do exame teremos 12 medidas de PAS para o cálculo do índice.*Acadêmido de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará.Membro integrante da Liga do Coração – UFC.
  2. 2. O índice é calculado bilateralmente através da seguinte razão:ITB Direito: Maior PAS do tornozelo direito Maior Média da PAS braquialITB Esquerdo: Maior PAS do tornozelo esquerdo Maior Média da PAS braquial Note, portanto, que o numerador varia conforme a pressão no tornozeloesquerdo ou direito, mas o denominador é fixo e é representado pela maior medida daPressão Arterial Sistólica (PAS) atingida no membro superior , ou seja, se a maiormédia foi atingida no Braço Direito essa média irá entrar tanto na medida do ITBDireito quanto do Esquerdo. Por exemplo: se o paciente teve no braço direito as PAS de 122 e 126 mmHg, amédia será de 124 mmHg e se no braço esquerdo tiver sido de 130 e 134, a média seráde 132 mmHg. Assim, o valor de 132 será utilizado no denominador tanto do ITBesquerdo quando do direito, o que irá mudar será apenas o numerador. Para realização do exame o paciente deverá seguir as mesmas recomendaçõespara aferição da Pressão Arterial, ou seja, não fazer o exame de bexiga cheia, não terfumado ou tomado café nos últimos 30 minutos, estar em repouso nos últimos 5minutos, não cruzar os braços ou as pernas e também não falar. O repouso de 5 minutose o ambiente tranqüilo de realização do exame SÃO FUNDAMENTAIS e se nãorespeitadas essas condições o Exame é claramente alterado. O exame é feito com o paciente deitado e utiliza-se um Doppler vascular de altafreqüência ( 5 a 10 MHz) para aumentar a acurácia do exame.(O valor do aparelho variade 600 a 900 reais) Contudo, a aferição pressórica também poderá ser feita pelo métodopalpatório e auscultatório convencional, principalmente em locais onde não se dispõemdo Doppler( em interiores,por exemplo). Após colocar o esfingnomanômetro adequadoao tamanho do paciente, localiza-se a artéria a ser aferida com o auxílio do Doppler e daanatomia da região. Uma vez localizada, são feitas duas medidas seqüenciais da PAScom intervalos de menos de 30 segundos cada uma e as medidas são anotadas em fichaanexa. A artéria braquial tem sua localização na fossa cubital em região medial aotendão do bíceps braquial, a artéria pediosa ou dorsal do pé tem sua a localização naregião dorsal do pé numa região eqüidistante entre os maléolos lateral e medial e aartéria tibial posterior fica localizada atrás do maléolo medial. O Exame feito por pessoa treinada (idealmente em dupla) dura cerca de 20 a 30minutos.
  3. 3. Esfignomanômetros de coluna de mercúrio ou anaeróides podem ser utilizados edevem ser ajustados de acordo com a circunferência do braço de cada paciente. Não sedeve usar os automáticos pela elevada variação das medidas obtidas com essesaparelhos. As medidas do Índice Tornozelo-Braquial são feitas de Rotina nos dias de terça-feira pela manhã no Ambulatório de Hipertensão do HUWC numa atividade da Liga doCoração.Circunferência do Braço Largura da Bolsa Inflável Denominação do Manguito< 25 cm 10-11cm Adulto pequeno ou magro25-32 cm 12-13 cm Adulto>32 cm 15-17 cm Adulto Grande ou obesoReproduzido de Hiatt, WR. N Engl J Med 2001; 344:1608.
  4. 4. INDICAÇÃO DO EXAME Na teoria, todos os pacientes com mais de 50 anos e assintomáticos queprocuram assistência para uma avaliação cardiovascular devem ter a doença arterialobstrutiva periférica rastreada através da medida do ITB. O ITB se encaixa como examede rastreio pelo baixo-custo, fácil realização, não apresentar ônus ou riscos ao paciente epela capacidade de detectar a doença ainda de maneira assintomática. Além disso,outras indicações para a realização do exame são: Todos os indivíduos maiores de 65 anos Os maiores de 50 que sejam: o Diabéticos o Fumantes o Ex-Fumantes (>10 maços/ano) Qualquer idade: o História pessoal de processo obstrutivo em outro território vascular, como:cerebral, carótica ou coronariano o História familiar de doença arterial oclusiva em qualquer território o Queixas sugestivas de claudicação intermitente (dor ou desconforto nos membros que surge com o esforço) o Alterações no Exame Clínico que apontem para Doença Arterial Oclusiva: diminuição de pulsos, extremidades frias, alterações tróficas de pele e pêlos, etc. o Como controle para sucesso após revascularização do território afetado. Outras indicações: o Maiores que 50 anos:  Com hipertensão arterial sistêmica  Portadores de Hipercolesterolemia  Portadores de hiper-homocisteinemia  Portadores de níveis elevados de Proteina C reativa o Qualquer idade:  Para diagnóstico diferencial com dor em membros inferiores
  5. 5.  Para guiar a prescrição de fármacos beta-bloqueadores uma vez que há contra-indicação do uso dessa classe de remédios em pacientes portadores de Doença Arterial Obstrutiva em Membros Inferiores (DAOMI)Adaptado de Indice Tornozelo-Braquial:Importância e uso na prática clínica. Marcia Makdisse. SãoPaulo. Editora Segmento.2004APLICAÇÃO PRÁTICA DO EXAME Como mencionado anteriormente os valores do ITB abaixo de 0,9 tem umasensibilidade e especificidade acima de 95% para diagnósticos de DAOMI ecorrelaciona-se com um aumento de morbi-mortalidade cardiovascular em diversosestudos. Quando o índice fica entre 0,9 e 0,4 o paciente tem doença obstrutiva leve amoderada e valores abaixo de 0,4 significam doença grave. Nesse último estágio odoente, muito provavelmente, já tem a clínica de claudicação. Valores entre 0,9 e 1,3são os valores considerados dentro da normalidade. Devemos lembrar, no entanto, que o valor de corte 0,9 é passível de mudanças adepender da publicação de novos estudos que correlacionem esse valor ( ou um valordiferente) e a morbi-mortalidade associada.Alguns autores propõem, por exemplo, queessa razão seja elevada para 1,0. Uma das indicações do exame também é para avaliar a presença de doençaobstrutiva em pacientes que se beneficiariam do uso de beta-bloqueadores como,porexemplo, pacientes com Insuficiência Cardíaca. Evita-se o uso dessas drogas pois obloqueio do efeito beta na circulação arterial periférica causaria uma vasoconstricção econseqüente piora da doença obstrutiva nesses pacientes, a despeito do benefíciocardíaco alcançado com o beta-bloqueio. De maneira geral, recomenda-se cautela emdoentes com ITB 0,41-0,9 e uso de beta-bloqueadores com bloqueio alfa (tipocarvedilol). Em pacientes com ITB <0,4 não recomenda-se o uso de quaisquer beta-bloqueador. 0,91-1,3 em pacientes sem sintomas: Em pacientes com ITB normal o exame deve ser repetido anualmente e reduçõesdo índice maiores do que 0,15 devem ser consideradas diminuições REAIS, ou seja,fora da faixa de erro intra ou inter-observador e devem, portanto, ser valorizadas. 0,91-1,3 em pacientes sintomáticos (dor associada a movimentação) ou alteração no exame físico (diminuição/ausência de pulsos periféricos, diminuição de temperatura, queda de pelos,etc):‘ Se o valor for normal em repouso, mas estiver próximo do limite inferior (entre0,91 e 1,0) sugere-se que os pacientes sejam submetidos ao ITB de esforço através darealização do ITB associado a caminhada em esteira ergométrica e com protocolos
  6. 6. específicos. O paciente te ITB medido em posição supina 1 minutos antes e após oesforço. Uma redução do ITB após o esforço de maneira significativa é diagnóstica deDoença Arterial Obstrutiva. Caso não se disponha do teste de esforço e a suspeita de doença obstrutiva aindase faça presente recomenda-se o encaminhamento para a cirurgia vascular. 0,41-0,9 com ou sem sintomas: Repetir a medida do ITB com 12 semanas para confirmação. Se diagnósticoconfirmado deve-se iniciar controle de fatores de risco para doença cardiovascular(diabetes, HAS, dislipidemia,obesidade...). Se paciente sintomático pedir parecer dacirurgia vascular <0,4 com ou sem sintomas: Esses pacientes tem doença arterial obstrutiva grave e devem ser encaminhadospara a cirurgia vascular. Além disso, deve ser feita prevenção secundária para doençacardiovascular nos mesmos moldes dos pacientes entre 0,41-0,9. Valores > 1,3: Pacientes com valores acima de 1,3 geralmente apresentam doençaaterosclerótica difusa em vasos e calcificação da camada média e rigidez da parede quefaz com que as artérias fiquem não compressíveis e,assim, os valores do ITB sejamelevados.Tal situação pode ocorrer em idosos, diabéticos e pacientes com doença renalcrônica. Eles devem ter sua ITB repetido com 12 semanas e, se a alteração permanecer,ser encaminhados ao cirurgião vascular para melhor avaliação. Para maiores informações recomendamos a leitura adicional disponibilizada nabibliografia. BIBLIOGRAFIA Indice Tornozelo-Braquial:Importância e uso na prática clínica. MarciaMakdisse. São Paulo. Editora Segmento Farma, Primeira Edição. 2004 Jaff MR. Diagnosis of Peripheral Arterial Disease: Utility of the VascularLaboratory. Clin Conerstone 4:16-25 Newman AB e cols. Mortality over Four years in SHEP Participants with LowAnkle-brachial index. J Am Geriatr Soc 1997;45:1472-8 Duprez D.HOPE Brings Hope for the use of the Ankle-brachial Index asCardiovascular Risk Marker. Eur Heart J 2004;25:1-2
  7. 7. Resnick HE e cols. Relationship of High and Low Ankle Brachial Index to All-Cause and Cardiovascular Disease Mortality: The Strong Heart Study. Circulation 2004;109:733-9 Vasilomanolaskis E e cols. Treadmill Stress Testing in Geriatric Patientes. J AmColl Cardiol 1984;3:520-6. Belch JJ e cols. Critical Issues in Peripheral Arterial Disease Detection andManagement: A Call to Action. Arch Intern Med 2003;163:884-92. Brearly e cols. Peripheral Pulse Palpation: an Unrealible physical sign. Ann RColl Surg Engl 1992;74:169-71 Donnelly R e cols.ABC of Arterial and Venous Disease: Non-invasive Methodsof Arterial and Venous Assessment. BMJ 2000;320:698-701 Hirsch e cols.PeripheralArterial Disease Detection, Awareness, and Treatment inPrimary Care. JAMA 2001;286:1337-24. Meijer WT e cols. Peripheral Arterial Disease in the Elderly. The RotterdamStudy.Arteioscler Thromb Vasc Biol.1998;18:185-92. Selvin, E, Erlinger, TP. Prevalence of and risk factors for peripheral arterialdisease in the United States: results from the National Health and Nutrition ExaminationSurvey, 1999-2000. Circulation 2004; 110:738.

×