Paiva Netto escreve: “Não há morte em nenhum
ponto do Universo”

Unesco — Paris Em prestigiado evento da ONU,
LBV é aplaud...
Sumário

6

20

26

45

47

32

64

	 6	 Paiva Netto escreve: “Não há morte em
nenhum ponto do Universo”
10 Cartas, e-mail...
Ao leitor

Reflexão de BOA VONTADE

“Nestes tempos de globalização de benefícios mal
distribuí­ os, principalmente para as...
“Não há morte
em nenhum ponto do

José de Paiva Netto, jornalista,
radialista e escritor.
É diretor-presidente da LBV.

6
...
Arquivo pessoal

Reprodução BV

samento judaico, vida e
vivência confortadora.
morte formam um todo,
Deveriam, sobretudo, ...
ções profundas naquilo que cada te carnal, sucumbe na irrealidade
um de nós vai fazer com sua vida. desesperadora. Urge le...
André Fernandes

Divulgação

Reprodução BV

todos os que querem o bem de seu
Povo — que nenhum país progride
A morte não i...
Cartas, e-mails, livros e registros

Fotos: Clayton Ferreira

Palavras da
apresentadora de TV
Sabrina Sato, durante
visita...
Conflitos que marcaram o Estado gaúcho

é citada a previsão de um dos grandes
biólogos do mundo [James Lovelock]
que pouco...
Cartas, e-mails, livros e registros

Receitas de Mãe Canô

Divulgação

Nizete Souza

Revista de qualidade

O trabalho e as...
TEMPLO DA BOA VONTADE
Aclamado pelo Povo como uma
das Sete Maravilhas de Brasília.
SGAS 915 — lotes 75/76
Brasília/DF — Br...
Cartas, e-mails, livros e registros

In memoriam

Defensor da Paz e da Espiritualidade
Fernando Franco

Aos 84 anos, falec...
Vivian Ribeiro

Lucian Fagundes

Estilo Ipanema, novo livro do
cardiologista dr. Carlos Scherr

O presidente da Ordem dos ...
Cartas, e-mails, livros e registros

Snezana Kerim: “Neste Templo da LBV senti muita
Paz interior e harmonia”.

Janine Mar...
Opinião Esportiva
Coluna do Garotinho

As cidades da Copa do Mundo

José Carlos Araújo

Arquivo pessoal

especial para a B...
Xinhua/Zhang Yan/AE

Eleições/EUA

Barack Obama: primeiro
presidente afro-americano dos EUA
EM FAMÍLIA O presidente eleito...
Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

Divulgação

EFE/Matthew Cavanaugh/AE

Divulgação

oferecem oportunidades p...
Ike Levy

Perfil
Luciana Mello

O talento e
o alto-astral
de Luciana
Mello

Sangue bom

do Bem

Leila Marco

20

| BOA VON...
No bate-papo, a cantora falou
ainda sobre a participação dela
e dos familiares nas iniciativas
socioeducacionais da Legião...
Perfil

com problemas e quando subo
no palco e começo a cantar, some
tudo, parece até mágica. Para
mim, realmente, cantar ...
BV — Como foi essa coisa de
começar a carreira cedo?
Luciana Mello — Meus pais
nos descobriram. Jair e eu temos
uma difere...
• www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade....
Notícias de Brasília

OAB e LBV no combate à violência

Da Redação

A

Legião da Boa Vontade
(LBV) participou como
delegad...
Abrindo o Coração
Patricya Travassos

De bem
com a vida!

Atriz e apresentadora de TV, Patricya Travassos revela como busc...
Do outro lado do
mundo
BOA VONTADE — A opção por
uma vida mais saudável a acompanhava já na infância?
Patricya Travassos —...
André Fernandes

Abrindo o Coração

Jorge Fernando, ator e diretor de TV.

“A pessoa pode se alimentar
superbem e fazer ex...
BV — Como você aplica o conceito de qualidade de vida no
dia-a-dia?
Patricya — Eu procuro, ao
máximo, fazer exercícios. (....
Terceiro Setor
4o Encontro Paulista de Fundações

O desafio da transparência
N
Daniel Guimarães
Fotos: Elias Paulo

o dia ...
José Eduardo Sabo

Tomáz de Aquino

cia só se faz com inter-relacionamento. As fundações, como todos
sabemos, são entes ju...
Vocação

Roberta Goldfarb

Música
Chitãozinho & Xororó e as raízes do Brasil

para o sucesso
A

história de muitos artista...
Divulgação

Divulgação

Chitãozinho & Xororó em cena
do filme Rancho Fundo, em
1971. Anos depois, na década
de 1980, no pr...
Responsabilidade Social
As boas práticas da iniciativa privada

R esponsabilidade social

Photos.com

dever de todos

C

a...
Fotos: Arquivo BV

Responsabilidade Social

2

Cristiani Ranolfi

1

3

4

Equipe da LBV com executivos das empresas: Celp...
Leontina Maciel

Cristiani Ranolfi

Responsabilidade Social

Da esquerda para a direita: executivos da Coelce e da Coelba ...
Responsabilidade Social

Na abertura, a
apresentação da
Orquestra Criança
Cidadã emocionou os
presentes.

Compromisso
com ...
Responsabilidade Social

José Humberto Castro,
presidente da Celpe,
ao lado de Valdenir
Ferreira, da LBV.

Guaraciaba Frag...
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Revista Boa Vontade, edição 223
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Revista Boa Vontade, edição 223

3,064 views

Published on

A Revista Boa Vontade tem por objetivo levar informações por meio de matérias que abordam temas voltados à cultura, educação, política, saúde, meio ambiente, tecnologia, sempre aliados à Espiritualidade como ferramenta de esclarecimento, auxílio, entendimento e compreensão.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,064
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revista Boa Vontade, edição 223

  1. 1. Paiva Netto escreve: “Não há morte em nenhum ponto do Universo” Unesco — Paris Em prestigiado evento da ONU, LBV é aplaudida por autoridades de diversos países NATAL PERMANENTE DA LBV Brasil solidário Centenas de artistas unem-se à sociedade na tradicional Campanha da LBV: mais de 460 toneladas de alimentos em socorro a milhares de famílias em vulnerabilidade social. Jorge Fernando, ator e diretor de TV, é padrinho da Campanha da LBV. Luciana Mello Sucesso em família Patricya Travassos Bem-estar e alto-astral Miele Olhar sobre a Bossa Nova Chitãozinho & Xororó e as raízes do Brasil Responsabilidade Social Ações bem-sucedidas da iniciativa privada em prol do meio ambiente Combate à pedofilia Projeto de Lei 250/08, do Senado Federal, aumenta rigor para criminosos
  2. 2. Sumário 6 20 26 45 47 32 64 6 Paiva Netto escreve: “Não há morte em nenhum ponto do Universo” 10 Cartas, e-mails, livros e registros 1 7 Opinião Esportiva 18 Eleições/EUA 20 Perfil Luciana Mello 2 4 boavontade.com 2 5 Notícias de Brasília 26 Abrindo o Coração Patricya Travassos Paiva Netto escreve: “Não há morte em nenhum ponto do Universo” Unesco — Paris Em prestigiado evento da ONU, LBV é aplaudida por autoridades de diversos países NATAL PERMANENTE DA LBV Brasil solidário Centenas de artistas unem-se à sociedade na tradicional Campanha da LBV: mais de 460 toneladas de alimentos em socorro a milhares de famílias em vulnerabilidade social. Jorge Fernando, ator e diretor de TV, é padrinho da Campanha da LBV. Luciana Mello Sucesso em família Patricya Travassos Bem-estar e alto-astral Miele Olhar sobre a Bossa Nova Chitãozinho & Xororó e as raízes do Brasil Responsabilidade Social Ações bem-sucedidas da iniciativa privada em prol do meio ambiente Combate à pedofilia Projeto de Lei 250/08, do Senado Federal, aumenta rigor para criminosos créditos das Fotos de Capa: Chitãozinho & Xororó: Clayton Ferreira; Jorge Fernando: André Fernandes; Luciana Mello: Ike Levy; Miele: Vivian Ribeiro; Patricya Travassos: Divulgação 4 | BOA VONTADE 30 Terceiro Setor 32 Música Chitãozinho & Xororó e as raízes do Brasil 34 Responsabilidade Social 40 Comunicação Social 42 Especial Combate à pedofilia 45 Opinião Política Mentes criminosas, vidas despedaçadas 47 18 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente 42 69 50 Pedagogia do Cidadão Ecumênico 56 Educação 59 Comportamento 62 Cultura 64 Samba & História Entrevista com Miele 69 Natal Permanente da LBV Desafio do tamanho do coração brasileiro 90 Opinião — Mídia Alternativa 94 Nações Unidas/Unesco — Paris 104 Saúde 108 Espírito e Ciência 114 Melhor Idade 116 Sete de Setembro 119 Sete de Setembro/Internacional 120 Arte na Tela 122 Literatura 126 Soldadinhos de Deus 128 Ação Jovem LBV 130 Em Pauta
  3. 3. Ao leitor Reflexão de BOA VONTADE “Nestes tempos de globalização de benefícios mal distribuí­ os, principalmente para as multidões incontáveis dos d ‘sem-acesso’ (como os denomina o jornalista e Legionário da Boa Vontade Francisco de Assis Periotto), toda nação tem o dever, mais do que o direito, de ser criativa, de tornar-se economicamente estável, expandindo sua indústria, seu comércio e serviços; de modernizar a instrução e a Educação de sua gente (a tudo iluminando com o toque da Espiritualidade, que depreende ética no seu mais exalçado sentido e correspondente ação), sua rede de comunicações e de transportes; de buscar a integração harmônica com os demais povos; de atingir internacional prestígio. É o óbvio, mas, por essa mesma causa, deve ser proclamado. Fora disso, vigora a barbárie que por aí vemos — a cada dia menos disfarçada — e que, por mais incrível que pareça, a maioria talvez não a meça devidamente, pois há um minucioso esforço para manter as massas distraídas, como na era dos césares romanos. Entretanto, com certeza, elas gradativamente irão percebendo os perniciosos efeitos. Isso é fatal. Apenas uma questão de tempo (...).” Trecho extraído do artigo “Oito Objetivos do Milênio”, de autoria do jornalista e escritor Paiva Netto. O material integra a revista Globalização do Amor Fraterno (disponível em sete idiomas), mensagem especial da LBV dirigida à ONU, entregue a autoridades e delegações internacionais. BOA VONTADE Revista apolítica e apartidária da Espiritualidade Ecumênica ANO 52 • No 223 • AGO/SET/OUT/2008 Edição fechada em 5/11/2008 BOA VONTADE é uma publicação das IBVs, editada pela Editora Elevação. Registrada sob o no 18166 no livro “B” do 9º Cartório de Registro de Títulos e Documentos de São Paulo. Diretor e Editor-responsável: Francisco de Assis Periotto - MTE/DRTE/RJ 19.916 JP Coordenador Geral: Gerdeilson Botelho Jornalistas Colaboradores Especiais: Carlos Arthur Pitombeira, Hilton Abi-Rihan, José Carlos Araújo e Mario de Moraes. Equipe Elevação: Adriane Schirmer, Cida Linares, Daiane Emerick, Danielly Arruda, Débora Verdan, Felipe Tonin, Gizelle de Almeida, Jefferson Rodrigues, João Miguel Neto, Joílson Nogueira, Jonny César, Larissa Tonin, Leila Marco, Leilla Tonin, Maria Corina Rocha, Maria Aparecida da Silva, Mário Augusto Brandão, Natália Lombardi, Neuza Alves, Raquel Bertolin, Rodrigo de Oliveira, Rosana Bertolin, Sarah Jane, Silvia Ligieri, Simone Barreto, Walter Periotto, Wanderly Albieri Baptista e William Luz. Projeto Gráfico: Helen Winkler Impressão: Editora Parma Endereço para correspondência: Rua Doraci, 90 • Bom Retiro • CEP 01134-050 • São Paulo/SP • Tel.: (11) 3358-6871 • Caixa Postal 13.833-9 • CEP 01216-970 Internet: www.boavontade.com / E-mail: info@boavontade.com A revista BOA VONTADE não se responsabiliza por conceitos e opiniões em seus artigos assinados. Esta edição traz a cobertura completa da Campanha Natal Permanente da LBV — Jesus, o Pão Nosso de cada dia!, que reuniu mais de 200 personalidades, entre atores, esportistas, cantores e jornalistas. A exemplo do ator e diretor de TV Jorge Fernando, padrinho da iniciativa, os amigos da Boa Vontade estiveram em estúdios de nove capitais do Brasil para gravar vídeos e ser fotografados para as peças publicitárias da Campanha. Nos bastidores, fotógrafos, maquiadores e tantos outros profissionais gentilmente doaram tempo, talento e empenho em favor dessa ação gigantesca, que pretende arrecadar com a sua ajuda, amigo leitor, mais de 460 toneladas de alimentos não-perecíveis para serem entregues a famílias em situação de risco social. Em“Não há morte em nenhum ponto do Universo”, o jornalista Paiva Netto destaca no título o pensamento do fundador da LBV, Alziro Zarur (1914-1979), e demonstra o profundo impacto que a descoberta dessa feliz realidade promove na vida do indivíduo e, conseqüentemente, da sociedade mundial. Em outra reportagem, tem-se um olhar sobre o que mudou 60 anos depois da validação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, tema da 61a Conferência Anual das Organizações Não-Governamentais do Departamento de Informação das Nações Unidas, realizada em Paris/França. A participação da LBV, com a experiência de quase seis décadas em defesa dos princípios dessa Carta, foi aplaudida por autoridades governamentais e delegações de diversos países. A revista destaca ainda o bate-papo com o showman Luiz Carlos Miele, que fala sobre os 50 anos da Bossa Nova. Outros talentos contam sua história de vida e como a música surgiu em família: a dupla Chitãozinho & Xororó e a cantora e compositora Luciana Mello. Na entrevista com Patricya Travassos, a atriz e apresentadora mostra como consegue, em meio à correria diária, alcançar qualidade de vida. Acompanhe reportagem especial com três importantes autoridades em defesa da infância e da juventude. O desembargador Siro Darlan avalia os 18 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Os senadores Magno Malta e Demóstenes Torres analisam o Projeto de Lei 250/08, em tramitação no Senado Federal, e expõem seus pontos de vista sobre novos mecanismos implantados para intensificar ainda mais o combate à pedofilia. Para terminar a leitura em alto-astral, fique sabendo por que a prece tem sido cada vez mais investigada nos laboratórios e considerada energia poderosa à disposição do Ser Humano. BOA VONTADE | 5
  4. 4. “Não há morte em nenhum ponto do José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor. É diretor-presidente da LBV. 6 | BOA VONTADE aparente ausência de seus entes queridos. Mas tenham certeza de que realmente os mortos não morrem. Um dia, todos haveremos Alziro Zarur de nos reencontrar. “Tudo o que é natural/ Não é um sofrimento./ A noite não é negra/ E nem a morte é triste./ A noite é puro engano,/ A morte não existe/ E a dor é uma ilusão do nosso sentimento.” Alentadora mensagem a nós legada pelo poeta português Teixeira de Pascoaes (1877-1952), coincidentemente nascido num “dia de finados”. Que Deus o tenha Teixeira de Pascoaes em bom lugar. Arquivo BV Q uando meus pais faleceram, muito padeceu o meu coração. Contudo, prontamente comecei a entoar comovido colóquio com o Criador, amenizando a saudade e lhes transmitindo palavras de paz e de gratidão. Logo senti que continuavam vivos, porque os mortos não morrem. E toda vez que se ora, a Alma respira, fertilizando a existência humana. Fazer prece é essencial para desanuviar o horizonte do ser. Alziro Zarur (1914-1979) ensinava que “Deus não nos criou para nos matar” e que “não há morte em nenhum ponto do Universo”. Assunto que voltaremos a abordar. Minha solidariedade, pois, aos que sofrem a Reprodução BV João Preda Universo“
  5. 5. Arquivo pessoal Reprodução BV samento judaico, vida e vivência confortadora. morte formam um todo, Deveriam, sobretudo, lusendo aspectos diferencubrar acerca da morte e tes da mesma realidade, não pretender explicações complementares uma da essencialmente materiais outra”. para um fenômeno irreAllan Kardec Temos ainda a consimovível que envolve o deração de Allan Kardec (1804- Espírito, que não se encontra re1869), o sábio de Lyon, em seu sumido à mente humana. Quando livro A Gênese, sobre o relacio- desperta no Outro Lado, a surpresa namento compulsório entre este para muita gente é imensa. mundo e o seu correspondente Há quem possa sorrir dessas invisível: “Pelas relações que modestas ilações. No entanto, inhoje pode estabelecer com aque- dispensáveis cultores do intelecto les que deixaram a Terra, possui não se podem designar a si próprios, o Homem não só a prova mate- digamos para argumentar, como rial da existência e da partidários de convicções individualidade da Alma, inamovíveis. Semelhante como também compreenpostura não se apraz com de a solidariedade que a boa índole de seu labor. liga os vivos aos mortos De outra maneira, seu juízo deste mundo e os deste deixaria de ser ciência, visto Rui Barbosa mundo aos dos outros que a incessante investigaplanetas”. ção, liberta do convencionalismo Rui Barbosa (1849-1923), cerceador, provoca justamente o jornalista, escritor, parlamentar, crescimento da cultura. ministro da Fazenda, diplomata, O dr. Stephen notável jurista brasileiro, captou Hawking, renomado esse divino propósito: “A morte físico britânico, desde não extingue, transforma; não jovem ocupando a cáaniquila, renova; não divorcia, tedra de Isaac Newton Stephen Hawking aproxima”. como Lucasian ProfesDe fato, “mortos” e vivos, for- sor de Matemática na Universidade mamos todos uma única família. de Cambridge, oferece-nos este ra- Divulgação Lições do fenômeno inafastável Dia virá em que grandes pensadores não mais prescindirão dessa Os saudosos pais do dirigente da LBV, Seu Bruno e Dona Idalina. Arquivo BV Photos.com A ocasião me recorda o pronunciamento do saudoso papa João Paulo II (1920-2005), em 2 de novembro de João Paulo II 1983, ao se dirigir aos peregrinos reunidos na Basílica de São Pedro, em Roma: “O diálogo com os mortos não deve ser interrompido, pois na verdade a vida não está limitada pelos horizontes do mundo (...)”. Daí a precisão de refletirmos sobre esse ponto. É compreensível que sintamos falta dos que partiram. Todavia, não nos devemos exceder em lágrimas, porque a nossa aceitável dor pode perturbar-lhes, no Plano Espiritual, a adaptação à nova conjuntura. Nesse entendimento, cumpre recordar o comentário de Immanuel Kant (1724-1804), escritor, filósofo e cientista alemão: “Esta vida é apenas uma parte da vida; apenas um primórdio embrionário que será sucedido por um novo despertar”. Immanuel Kant O profeta Maomé (570-632), “que a Paz e a bênção de Deus estejam sobre ele!”, por sua vez, proclama: “Deus lhes concedeu a recompensa terrena e a bemaventurança na outra vida, porque Deus aprecia os benfeitores!”. Doutora em Língua Hebraica, Literaturas e Cultura Judaica pela USP, a professora Jane Bichmacher de Glasman Jane de Glasman revela que “no pen- Reprodução BV Divulgação Dia de Finados
  6. 6. ções profundas naquilo que cada te carnal, sucumbe na irrealidade um de nós vai fazer com sua vida. desesperadora. Urge levar em alta Então seria verdade afirmar que conta que a reforma do social vem não podemos entender essa vida pelo espiritual. Não somos apenas completamente até ter um vislumbre corpo, porém, acima de tudo, Espído que acontece além dela”. rito. Na negativa sistemática dessa A vida prossegue mesmo no concepção, também reside o fundacadáver, que se dispõe na multi- mento de todas as crises, incluída dão de minúsculas formas. a econômico-financeira que, na Como escrevi em Voltamos!, não atualidade, sobressalta os povos. O devemos fugir da pesquisa imparcial individualismo exacerbado anuncia sobre a morte. Se existe uma impos- o coração estéril, haja vista os escasibilidade neste orbe, é a de brosos casos de pedofilia, alguém conseguir desviá-la contra os quais inocentes do próprio caminho. Declaaguardam ser fortemente rou o Buda (aprox. 556-486 defendidos. Um desvio a.C.): “Erguei-vos, pois! comportamental que reNão sejais indolentes! Agi quer tratamento e aplicação Buda de acordo com a Lei. Aquerigorosa da Lei. le que observa a Lei vive feliz neste mundo e em todos os outros”. Estradas novas A morte não é o término da existência humana. Amor Solidário e reta Você não acredita? Tem todo o Justiça O sempre lembrado Zarur, há direito. Mas se for verídico?! Premie-se, minha amiga, meu décadas, concluiu que “Deus criou o Ser Humano de tal forma que amigo, com o direito à dúvida, ele só pode ser feliz praticando o base do discurso científico, que, na Bem”. Razão por que necessário se perquirição incessante, continua faz a constância do Amor Solidário rasgando estradas novas para a Hue do respeito à reta Justiça, desde o manidade. Disse Jesus, o Cristo Ecumênicoração do homem de pensamento mais refinado até o do ser mais sim- co: “Deus é Deus de ples, a fim de derruir a mentalidade vivos, não de mortos. esterilizadora do ódio que vive a Por não crerdes nisso, castrar o avanço menos delituoso da errais muito” (Evangecivilização, que, nos tempos atuais, lho, segundo Marcos, lançada à condição excessivamen- 12:27). Marcos Reprodução BV Reprodução BV Divulgação ciocínio: “Restringir nossa atenção aos assuntos terrestres seria limitar o espírito humano”. É pertinente citar o trabalho do respeitado psicólogo norte-americano e Ph.D. em filosofia, dr. Raymond Moody Jr., M.D., sobre as experiências de Raymond Moody Jr. quase-morte. Em seu livro A vida depois da vida, ao apresentar o resultado de centenas de casos pesquisados por ele, constata: “(...) Parece-me estar aberta a possibilidade de que nossa incapacidade atual de construir ‘provas’ pode não representar uma limitação imposta pela natureza das experiências de quase-morte em si. Em vez disso, talvez seja uma limitação dos modos de pensamento científico e lógico atualmente aceitos. Talvez a perspectiva dos cientistas e lógicos do futuro será muito diferente — deve-se lembrar que historicamente a metodologia lógica e científica não são sistemas fixos e estáticos, mas sim processos dinâmicos e crescentes. (...) Aquilo que aprendemos sobre a morte pode fazer uma importante diferença na maneira como vivemos nossa vida. Se as experiências do tipo que discuti aqui [no livro] são reais, elas têm implica- A morte não é o término da existência humana. Você não acredita? Tem todo o direito. Mas se for verídico?! Premie-se, minha amiga, meu amigo, com o direito à dúvida, base do discurso científico, que, na perquirição incessante, continua rasgando estradas novas para a Humanidade. 8 | BOA VONTADE
  7. 7. André Fernandes Divulgação Reprodução BV todos os que querem o bem de seu Povo — que nenhum país progride A morte não interrompe a sem boas escolas, posto que, entre vida, portanto o aprendizado não outros benefícios, elas exalçam o tem fim. Na Terra ou no céu da pendor criativo do estudante, proTerra, prosseguimos trilhando o movendo a adequada capacitação. caminho da Eternidade. E, no milênio terceiro, a De acordo com o nobre Espiritualidade Ecumênimédico e político brasica das massas tornar-se-á leiro dr. Adolfo Bezerra fator inarredável. Desce de Menezes (1831-1900), das alturas a certidão de “a morte é como um sopro óbito da era macabra da Bezerra de Menezes que realiza o transporte intolerância religiosa ou da Alma do estado de dimensão acadêmica, por vezes semeada no física para o de vibração espiri- altar ou na banca de estudo. tual. A Vida é eterna”. Que a Paz de Deus O conceituado pasesteja agora e sempre com tor norte-americano Billy todos. E vamos em frente, Graham, confiante, sinatrabalhando, realizando e lizou: “(...) este mundo atuando com decisão, coranão é o nosso lar definigem, solidariedade, porque tivo. Se nossa esperança Deus, entendido como Billy Graham está verdadeiramente em Amor, está presente para Cristo, somos peregrinos neste vivos, “mortos”, crentes e ateus. mundo, a caminho de nosso lar eterno no céu”. Martin Luther King, Entretanto, de modo algum Barack Obama e essa consciência deve ser pre- protecionismo texto para o suicídio, porquanto “Eu tenho um sonho de que se trata de atrocidade contra o um dia meus quatro filhos vivam corpo humano que nos serve de em uma nação onde não sejam instrumento educativo. julgados pela cor de sua pele, Em meu livro As Profecias sem mas pelo seu caráter.” Ao proferir Mistério*, capítulo “Progresso esse discurso, em 28 de agosto sem destruição”, pondero — como de 1963, nos degraus do Lincoln Memorial, como ápice da Marcha de Washington, numa manifestação que reuniu aproximadamente 200 mil pessoas em defesa dos direitos civis para os negros, o pastor, ativista político e líder pacifista Martin Luther King Jr. (1929-1968) não imaginava que, quaren- Martin Luther King Jr. ta anos após sua morte, os Estados Unidos da América estariam elegendo o primeiro presidente afro-americano da história de seu país. Não estou aqui para discutir política. Contudo, esse fato notável, embora não represente o fim do racismo nas Barack Obama terras do Tio Sam, constitui avanço dos mais significativos para bani-lo das consciências, não só norteamericanas, mas de todos os povos. A eleição de Barack Obama surtirá os mais diferentes efeitos na existência das nações. Peço a Deus que o ampare e nos livre do protecionismo deles. Amém! Reprodução BV Espiritualidade Ecumênica Divulgação Pirâmide das Almas Benditas Aclamado pelo Povo como uma das Sete Maravilhas de Brasília/DF, o conjunto ecumênico da LBV surge imponente, na foto ao lado. O Templo da Boa Vontade tornou-se referência de milhões de peregrinos e turistas que vão ao TBV em busca da meditação, da Paz interior e também para orar por amigos e entes queridos que estão na Pátria Espiritual. VISITE: SGAS 915, lotes 75/76 Tel.: (61) 3245-1070 — www.tbv.com.br. * As Profecias sem Mistério (1998) — Lançamento da Editora Elevação que integra a série O Apocalipse de Jesus para os Simples de Coração, que, com as obras Somos todos Profetas e Apocalipse sem medo, já vendeu quase um milhão e meio de exemplares. Adquira já a coleção pelo 0800 77 07 940 ou, se preferir, acesse o site www.elevacao.com.br. BOA VONTADE | 9
  8. 8. Cartas, e-mails, livros e registros Fotos: Clayton Ferreira Palavras da apresentadora de TV Sabrina Sato, durante visita ao conjunto educacional da LBV na capital paulista, às vésperas do Dia da Criança. A notícia foi destaque em diversos sites do País. 10 | BOA VONTADE Nas Fronteiras da Intolerância — Einstein, Hitler, a Bomba e o FBI é o mais recente livro do astrônomo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão, lançado em 15 de outubro, no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), no Rio de Janeiro/RJ. O trabalho apresenta “uma mensagem de otimismo em nosso futuro”, resume o autor. “Na obra há uma questão interessante, que é a intolerância política, na comunidade científica, enfim, sob todos os aspectos”, pondera. O astrônomo acrescenta: “Pego um caso especial que é o do Einstein, a intolerância sofrida por ele na Alemanha, além da perseguição que enfrentou durante toda a vida, na infância (…). Ele foi um dos defensores da liberdade de idéias, da liberdade de pensamento, lutou bastante por isso, como o nosso José de Paiva Netto luta aqui, por uma visão muito tolerante em relação às religiões, às pessoas, isso é bom. O Paiva Netto faz nisso um grande trabalho. Acredito que gostará do meu livro”. Na ocasião do lançamento, o professor Mourão recebeu os cumprimentos fraternos da Legião da Boa Vontade, em nome de seu diretor-presidente, e retribuiu: “Muito obrigado! Eu dou os parabéns a ele pela Obra que faz pelo Brasil!”. O amigo cientista enviou também um exemplar do título ao dirigente da LBV, com a seguinte dedicatória: “Para o jornalista Paiva Netto, como prova de estima e admiração, afetuosamente, Ronaldo Rogério de Freitas Mourão”. BOA VONTADE e o centenário da ABI O trabalho desenvolvido por Paiva Netto na área de comunicação é muito interessante, a exemplo da revista BOA VONTADE, que destaca na edição nº 222 os 100 anos da ABI (Associação Brasileira de Imprensa). O seu conteúdo é de uma qualidade editorial e gráfica muito boa. Fico grato pelo carinho, pela atenção, e continuo fazendo votos de sucesso, participando e torcendo, de alguma maneira, por esse trabalho, feito de forma solidária, afetiva, para uma parcela da nossa população que tanto tem necessidade. (Lênin Novaes, membro do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira de Imprensa) Perigo real Vivian Ribeiro “Todo mundo tem que vir passar um dia e conhecer de perto a LBV. É sensacional o trabalho. Tem aula de coral, de dança, as classes são todas separadinhas, as professoras ensinando tudo direitinho. A criança se sente em casa. Isso é muito legal! Todos vocês estão convidados a vir aqui na LBV e conhecer de perto o trabalho, a estrutura, essa Casa maravilhosa.” “Intolerância política na comunidade científica, sob todos os aspectos.” O Instituto Ambiental Vidágua tem um trabalho vocacional como o da LBV, uma das maiores entidades do mundo, com uma ação espetacular não só para cuidar do Ser Humano, mas do meio ambiente, que dá vida a todos nós. (...) É o que o Paiva Netto fala: “A destruição da Natureza é a extinção da Raça Humana”. Isso é muito sério, não é mais uma visão apocalíptica, basta ver o relatório do IPCC, da ONU. (...) Vi uma reportagem na revista BOA VONTADE, edição nº 222, que traz material excelente, em que Kláudio Nunes Arquivo pessoal M U R A L
  9. 9. Conflitos que marcaram o Estado gaúcho é citada a previsão de um dos grandes biólogos do mundo [James Lovelock] que poucos cientistas têm coragem de fazer: o aquecimento global pode matar 6 bilhões de pessoas neste século. (Kláudio Cóffani Nunes, advogado, é Vivian Ribeiro A classe artística, amigos e familiares participaram de prestigiada sessão de autógrafos do livro Saga Lusa – O relato de uma viagem, de autoria da cantora e compositora Adriana Calcanhotto, no dia 28 de outubro, em Ipanema, no Rio de Janeiro/RJ. Adriana descreve na obra situações que vivenciou em decorrência de uma intoxicação com remédios para gripe. O forte mal-estar a impediu de fazer o show de lançamento do álbum Maré em Portugal, mas resultou em sua primeira obra literária. Na noite de lançamento, a cantora foi saudada pelos representantes da LBV e encaminhou ao dirigente da Instituição um exemplar da obra com a dedicatória: “Para o Paiva Netto, com o carinho da Adriana. Organizado pelo professor e historiador Gunter Axt e com a coordenação editorial de Marília RyffMoreira Vianna, o livro As Guerras dos Gaúchos — História dos Conflitos do Rio Grande do Sul conta, em 524 páginas, a trajetória de lutas que agitaram este Estado do sul do Brasil nos séculos 19 e 20. A obra reúne 23 eminentes analistas convidados a discorrer sobre 24 conflitos e a representatividade desses acontecimentos para a sociedade da época. Centenas de pessoas, entre estudiosos e interessados no tema, compareceram ao lançamento, no dia 29 de setembro, no Museu Júlio de Castilhos, em Porto Alegre/RS. Uma das presenças de destaque no evento foi a do jornalista Domingos Meirelles, que também é colaborador do livro com a pesquisa sobre a marcha da coluna liderada por Luís Carlos Prestes e Miguel Costa, a partir de 1924. Meirelles autografou um dos exemplares da obra ao dirigente da Legião da Boa Vontade (LBV), no qual escreveu: “Ao querido amigo Paiva Netto, na esperança de que se comova com o exemplo e o martírio dos jovens tenentes da Coluna Prestes. Com a admiração e o carinho deste velho colega do Colégio Pedro II”. Em entrevista à BOAVONTADE, Domingos Meirelles — que é diretorfinanceiro da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e grande amigo da LBV — comentou o vínculo entre Adriana Calcanhotto ao lado do escritor Ferreira Gullar Mathias Cramer/temporealfoto.com Calcanhotto lança primeiro livro Jornalista Domingos Meirelles ao lado de Vera Quednau, da LBV. essas tradicionais instituições: “No início, Alziro Zarur [1914-1979] usava o auditório da ABI para suas palestras; temos algumas fotos dele no palco, dirigindo-se às pessoas. Há realmente uma ligação muito estreita e afetiva entre a ABI e a LBV. Um grande abraço para o Paiva Netto”. Além de lembrar o histórico relacionamento das duas Casas, desde os idos de 1940, época em que o saudoso jornalista e poeta Alziro Zarur iniciava as atividades da Instituição na ABI, Meirelles ressaltou: “Acompanho de perto a LBV, porque possuo muitos amigos na Obra. Conheço o trabalho no Rio de Janeiro, que é extraordinário, e também em São Paulo. Já visitei e passei o dia inteiro na LBV. Tenho um carinho especial pela Instituição e pelas pessoas que nela atuam e acabam devotando a vida a essa missão nobre que ela presta aos mais desassistidos, que necessitam de algum tipo de apoio ou de consolo espiritual”. coordenador da Campanha Carbono Zero, do Instituto Ambiental Vidágua, Bauru/SP) BOA VONTADE | 11
  10. 10. Cartas, e-mails, livros e registros Receitas de Mãe Canô Divulgação Nizete Souza Revista de qualidade O trabalho e as matérias jornalísticas da Legião da Boa Vontade dis­ utem as necessidades primordiais c para avançar em conquistas sociais, para a população ter uma melhora na qualidade de vida. A BOA VONTADE possui temas ambientais, de interesse 12 | BOA VONTADE do público, orientação, entre outros. Os profissionais que produzem essas reportagens são qualificados. Enfim, fiquei satisfeito em receber essa importante revista e conhecer mais o belíssimo trabalho da LBV. (Sérgio Gomes Nunes, delegado da Receita Federal em Londrina/PR) Eduardo Knapp Nizete Souza Em O Sal é um Dom — Receitas de Mãe Canô, a autora do livro, Mabel Velloso (na foto ao lado, com algumas das crianças atendidas pela LBV), filha da personagem Dona Canô principal dessa história, oferece ao público bem mais que saborosas receitas típicas do Recôncavo Baiano. A escritora-poeta conta um pouco do dia-a-dia de uma família que, reunindo-se à mesa e compartilhando, soube se manter unida. E como a música sempre esteve presente naquele lar... Principalmente, ao fim de cada almoço ou jantar, familiares e amigos aproveitavam a ocasião para as animadas cantorias, sem faltar um bom samba de roda. A obra tem a apresentação de outra filha de Dona Canô, Maria Bethânia, e reúne 100 receitas da matriarca (ilustradas por fotografias de Maria Sampaio), que servem também de fio condutor de uma história cheia de sabores e amor. Durante a noite de autógrafos, 30 de setembro,14 dias Maria Bethânia depois de Dona Canô completar 101 anos de idade, em Salvador/BA, quem prestigiou o evento pôde saborear alguns dos famosos pratos. Em entrevista à BOA VONTADE, Mabel afirmou que o trabalho significa a realização de um sonho, um momento de “muita alegria por ter tantos amigos em volta, inclusive vocês da LBV, que admiro tanto. Obrigada, grande abraço”. A matriarca dos Vellosos, amiga e colaboradora da LBV, também ressaltou: “Paiva Netto sempre me considerou, conto com a sua amizade sincera. Ele foi a [minha casa em] Santo Amaro, me conheceu e ficamos amigos. Contribuo com o que posso (...), nunca faltou”. Na dedicatória registrada no exemplar do livro, a autora resumiu o carinho da família pela Instituição e seu dirigente: “A José de Paiva Netto, as receitas, os temperos, os carinhos de mãe Canô e meus”. Por um final feliz Dr. Flávio Gikovate No campo do relacionamento humano, o psicoterapeuta Flávio Gikovate investe em seu mais recente livro: Uma História do Amor... com final feliz! Segundo o especialista, é claro o terreno perdido pelo romantismo ante as mudanças sociais, os avanços tecnológicos da sociedade moderna, que levam ao crescimento da individualidade. Para o escritor, no entanto, há um caminho alternativo, chamado por ele de “+amor”, sentimento este capaz de criar laços para a vida toda. No lançamento dessa obra em Curitiba/PR, o autor dedicou um dos exemplares ao diretor-presidente da LBV, com os seguintes dizeres: “A José de Paiva Netto, um abraço do Flávio Gikovate”. Cada vez que tenho em mãos a revista BOA VONTADE, fico impressionada com a qualidade. O conteúdo dela nos traz um aprendizado amplo, de diversos segmentos, repassando cultura, conhecimento e educação. (Rosana dos Anjos, jornalista, São José do Rio Preto/SP)
  11. 11. TEMPLO DA BOA VONTADE Aclamado pelo Povo como uma das Sete Maravilhas de Brasília. SGAS 915 — lotes 75/76 Brasília/DF — Brasil Tel.: (61) 3245-1070 www.tbv.com.br João Periotto Arquivo BV Dona Mariza Gomes da Silva, em entrevista à Super RBV de Comunicação. coisa que visitei quando cheguei a Brasília foi justamente o Templo da Boa Vontade, por causa do Cristal e por esta Paz. Haviam me falado dele e fiz questão de ver. Esses 19 anos têm de ser bem comemorados. Paiva Netto e vocês todos da LBV estão de parabéns”. Dona Mariza referiu-se à proposta de Ecumenismo Irrestrito do Templo da Boa Vontade. “A importância da religiosidade é exatamente esta: de todas as pessoas estarem ligadas pelo Amor, pela Fraternidade”, disse. Ao finalizar, ela deixou uma mensagem especial sobre a obra socioeducacional realizada pela Legião da Boa Vontade: “Continuem esse trabalho maravi- Em evento recente, em Montes Claros/MG, o vice-presidente da República, José Alencar, recebe a revista BOA VONTADE das mãos da Legionária Azeli Rita de Sá. José Gonçalo A Galeria de Arte do Templo da Boa Vontade (TBV), em Brasília/ DF, recebeu, entre 3 e 5 de outubro, a 26ª Exposição Nacional de Pintura em Porcelana e Faiança, promovida pela Associação Brasiliense de Arte em Porcelana (ABAP). Dela participaram mais de 70 expositores e oito ateliês. Além de divulgar esse tipo de arte, a mostra fez parte do calendário do evento “Outubro no TBV”, mês comemorativo dos 19 anos do Templo da Boa Vontade (celebrados no dia 21). Para descerrar a fita inaugural da exposição, foram convidadas Mariza Gomes da Silva, esposa do vice-presidente da República, José Alencar, e a presidente da ABAP, Bell Stipp. “Realmente a mostra é sempre surpreendente. Todos os artistas são de primeira grandeza; fica difícil falar qual é o mais bonito, os temas são muito interessantes”, comentou dona Mariza em entrevista à Super Rede Boa Vontade de Comunicação (TV, rádio, revista e internet). A esposa do vice-presidente destacou ainda a importância do TBV, que recentemente foi aclamado por voto popular uma das Sete Maravilhas da capital do País: “A primeira José Gonçalo Sra. Mariza Gomes da Silva prestigia exposição no TBV Bell Stipp, presidente da ABAP, homenageou o TBV com um vaso de porcelana, que traz desenhos alusivos a diversas religiões, para harmonizar com o Ecumenismo Irrestrito do monumento. Ao lado, Paulo Medeiros, da LBV. lhoso com as crianças, que o Brasil precisa tanto. Isso fará com que a Paz venha realmente”. BOA VONTADE | 13
  12. 12. Cartas, e-mails, livros e registros In memoriam Defensor da Paz e da Espiritualidade Fernando Franco Aos 84 anos, faleceu o médium, jornalista e escritor Jorge Rizzini, em 17 de outubro, depois de deixar a Argentina, no vôo de volta para o Brasil. Conhecido pesquisador psíquico, natural de São Paulo/SP, ele nasceu em 25 de dezembro de 1924. Ganhou a fama de guardião da Espiritualidade, justamente pela determinação em defender os ideais do Mundo Invisível e por ter convivido com Chico Xavier, Waldo Vieira e Yvonne do Amaral Pereira. Entre as honrarias que recebeu, estão as láureas pela União Brasileira de Escritores e pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. Foi diretor do Museu da Imagem e do Som, da União Brasileira de Escritores, presidente do Clube dos Jornalistas Espíritas de São Paulo e autor de dezenas de livros, inclusive sobre a Fenomenologia Mediúnica, dos quais se destacam Materializações de Uberaba, Caso Arigó e Kardec, Irmãs Fox e Outros, além da biografia sobre o amigo Herculano Pires. O professor Jorge Rizzini foi um dos palestran- tes da Segunda Sessão Plenária do Fórum Mundial Espírito e Ciência, da LBV, ocorrida em Brasília/DF, em outubro de 2004, no Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica, o ParlaMundi da LBV. Sobre o evento, Rizzini expressou:“Quero cumprimentar José de Paiva Netto por seu idealismo fora de série, por sua coragem e garra de realizar um evento de tamanha importância como é este que estamos presenciando: Espírito e Ciência. É uma emoção poder participar desta festa que atinge até mesmo o Astral Superior”. Pouco antes de falecer, Rizzini afirmara que a primeira coisa a fazer, logo na chegada ao Plano Espiritual, seria reencontrar a mãe. A Legião da Boa Vontade e seu dirigente dedicam ao Espírito eterno desse amigo as mais sinceras vibrações de Paz e serenidade, extensivas a toda a família e amigos. (Colaboração: Walter Periotto) Café filosófico Cida Linares A leitora da revista BOA VONTADE Templo da Boa Vontade, em Brasília/ e estudante de Biblioteconomia da Fun- DF, só pelas imagens de TV e dissedação de Sociologia e Política de São me que quer visitá-lo. Aliás, numa das Paulo (FESPSP) Maria José Gonzaga aulas expositivas, quando comentei o conteúdo ecumênico dos textos do do Monte escreve à nossa redação: “Sou leitora assídua da revista jornalista Paiva Netto, ele teceu o BOA VONTADE e estou entusiasma- seguinte comentário: ‘O Paiva é poeta também. Gosto muito dele, da pelos 19 anos do Templo pois tem eloqüên­ ia nos seus c da Paz, completados agora, discursos e um poder de conem 21 de outubro. Muito vencimento admirável’. a propósito, meu professor “A convite do profesde Filosofia, Luiz Augusto sor Borges, participei, em Contador Borges (doutor Maria José do Monte setembro deste ano, de um em Filosofia, poeta, ensaísta e tradutor) tem grande simpatia pela café filosófico, evento mediado LBV. O professor Borges conhece o por ele mensalmente na Casa das 14 | BOA VONTADE Rosas, na Avenida Paulista, em São Paulo/SP. Ao término do encontro, ele, seu amigo, o também filósofo e professor doutor Valter José Maria, e eu confabulávamos sobre o tema da palestra e mencionei o trabalho educacional da LBV. Ao dizer isso, o professor Valter exclamou: ‘Paiva Netto! O Irmão Paiva! Conheço e ouço. É incrível, Borges, a gente o ouve e não encontra nenhum erro de português!’. E o professor Borges confirmou: ‘É isso mesmo, eu sei disso’. “Parabéns ao diretor-presidente da LBV. Ele é ético com muita estética”.
  13. 13. Vivian Ribeiro Lucian Fagundes Estilo Ipanema, novo livro do cardiologista dr. Carlos Scherr O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), do Rio Grande do Sul, dr. Claudio Lamachia, reservou espaço na agenda para visitar, no dia 15 de setembro, duas unidades da Legião da Boa Vontade (LBV) no Estado gaúcho: o centro comunitário, em Porto Alegre/RS, e o Lar e Parque Alziro Zarur, em Glorinha/RS. A estrutura física das unidades da Instituição também foi destacada pelo dr. Claudio: “Pude verificar a organização do Lar, das casas onde as crianças dormem, o carinho com que são tratadas, a limpeza e a organização. Isso realmente chama muita atenção. (...) Aqui se inspira toda essa situação de Paz e de tranqüilidade. Caminhar nesta área tão bem cuidada, que abriga crianças, que trabalha no presente projetando o futuro, é importantíssimo”, afirma. Outro aspecto que chamou a atenção do visitante foi a Pedagogia do Cidadão Ecumênico*, linha educacional implementada pela LBV: “(...) Sempre que nós tivermos a educação com esta visão que eu presenciei aqui hoje, seguramente nós estaremos caminhando a passos largos para a correção dos equívocos que ainda temos na nossa sociedade”. Em nome dos gaúchos, finalizou a entrevista exaltando: “Eu, que nasci em Porto Alegre e recebi esta homenagem aqui na nossa cidade, tenho de devolver essa homenagem dizendo ao Paiva Netto da nossa satisfação em tê-los no Rio Grande do Sul. É um trabalho que deve servir de paradigma para outras entidades!”. Uma concorrida noite de autógrafos, no dia 5 de novembro, no Rio de Janeiro/RJ, marcou o lançamento do livro Estilo Ipanema — Viva com saúde sem abrir mão do prazer, de autoria do renomado cardiologista dr. Carlos Scherr. Na obra, o autor propõe uma mudança permanente nos hábitos de vida, a fim de diminuir a incidência de doenças cardiovasculares e tantas outras preocupantes, a exemplo do diabetes. “Levar uma vida saudável não é ruim, nem chato e desagradável. Você pode viver mais e com saúde sem precisar levar uma vida de restrições, com proibições e chata. É só adotar o estilo Ipanema”, convida o dr. Scherr, em entrevista à Super Rede Boa Vontade de Comunicação (TV, rádio, internet e revista). Ao ser saudado pelos representantes da LBV, o cardiologista expressou: “Eu tenho o maior carinho por Paiva Netto e a maior admiração pelo trabalho dele, por essa oportunidade que ele dá de levar as informações que o povo tanto precisa”. Na seqüência, autografou um exemplar da obra, com a mensagem: “Para o querido Paiva Netto. Espero que seja útil. Com um abraço, Carlos Scherr”. Vivian Ribe * Saiba mais sobre a Pedagogia do Cidadão Ecumênico na reportagem especial sobre o assunto na página 50. iro Presidente da OAB-RS visita a LBV Reflexões da Alma é sucesso em Portugal Fiquei entusiasmada com Reflexões da Alma, de Paiva Netto, editado aqui. Dirigi-me à loja Fnac e o livro já estava esgotado. Mais tarde, comprei-o e fiquei muito contente. (...) Esta obra é um guia prático. No nosso dia-a-dia podemos abri-la e encontrar, com certeza, resposta aos nossos problemas, à nossa situação no momento. É também um livro científico, e muito mais: trata de cultura, de arte; encontramos em Reflexões da Alma mais de vinte pinturas. Interesso-me muito pela cultura em geral e nele encontro mais de 200 nomes de pessoas de todos os séculos. Evidentemente, também de pessoas da Alemanha; eu sou alemã, mas radicada em Portugal. Ele não é para ser lido de uma vez só, é para o futuro, porque vamos descobrir nele, todos os dias, novidades, como estou a descobrir. (Helga Giebelhausen de Campos, Porto, Portugal) BOA VONTADE | 15
  14. 14. Cartas, e-mails, livros e registros Snezana Kerim: “Neste Templo da LBV senti muita Paz interior e harmonia”. Janine Martins Fotos: José Gonçalo O Templo da Boa Vontade (TBV), uma das Sete Maravilhas de Brasília/DF, recebeu, no dia 5 de agosto, a visita da sra. Snezana Kerim, esposa do dr. Srdjan Kerim, que presidiu a 62a Sessão da AssembléiaGeral da Organização das Nações Unidas (ONU). Acompanhada pela diplomata Maria Silvia, do Itamaraty, a sra. Kerim se mostrou maravilhada com o Templo do Ecumenismo Irrestrito. “Sinto que não quero mais voltar para casa, gostaria de ficar mais. Neste Templo da LBV senti muita Paz interior e harmonia. É algo surpreendente, lembrarei por toda a minha vida!”, declarou emocionada. Depois de fazer a caminhada pela espiral da Nave do TBV, a visitante comentou: “Tudo aqui é diferente dos lugares que conheci, já viajei muito. (...) A gente caminha na parte escura [da espiral], faz uma prece e, depois, volta pela parte clara com a sensação de estar purificada. Algo mudou; interiorizei mais e mais Paz. Adorei!”. Impressionada com tudo o que vivenciou no ambiente, a sra. Kerim fez questão de mandar um recado ao dirigente da Legião da Boa Vontade e fundador do Templo da Paz: “Gostaria de dizer algumas palavras especiais ao presidente José de Paiva Netto, que me concedeu a oportunidade de estar aqui, de fazer parte do Templo por um momento e senti-lo de forma especial. Muito obrigada”. Alguns dos alunos da Escola 16 | BOA VONTADE Da esq. à dir.: Maria Silvia, diplomata do Itamaraty; o representante da LBV Paulo Medeiros; a sra. Snezana Kerim, esposa do dr. Srdjan Kerim, que presidiu a 62a Sessão da Assembléia-Geral da ONU; e o jornalista Gilberto Amaral. de Educação Infantil da LBV em Taguatinga, cidade-satélite do Distrito Federal, prepararam recepção especial para a sra. Kerim no Salão Nobre do monumento. Os meninos e as meninas a presentearam com flores, um cartão confeccionado pelos próprios estudantes e uma réplica do cristal do TBV instalado no pináculo da Pirâmide da Paz. “As crianças da LBV são adoráveis, cheias de Amor. Elas nos mostram como devemos viver toda nossa vida para mantermos sempre este sentimento e essa Paz conosco”, afirmou a sra. Snezana Kerim, que recebeu também publicações da LBV em inglês. Algumas das crianças atendidas pela LBV prestaram homenagem à visitante “Tudo aqui [no Templo da Boa Vontade] é diferente dos lugares que conheci, já viajei muito. (...) A gente caminha na parte escura [da espiral], faz uma prece e, depois, volta pela parte clara com a sensação de estar purificada. Algo mudou; interiorizei mais e mais Paz. Adorei!” Snezana ao centro da Nave do TBV
  15. 15. Opinião Esportiva Coluna do Garotinho As cidades da Copa do Mundo José Carlos Araújo Arquivo pessoal especial para a BOA VONTADE José Carlos Araújo, comunicador da Rádio Globo do Rio de Janeiro. J á começou a preparação para a Copa do Mundo de 2014. E o Brasil tem tudo para fazer a mais empolgante de todas as edições, em todos os aspectos. Raro é o país que pode oferecer tanta magnitude como o nosso. Primeiro, por ser uma nação de dimensões continentais, tem de tudo para todos: clima, opções de turismo e um grande número de capitais, todas em condições de serem cidades-sede. A partir de agora, cada uma das 18 cidades candidatas tem prazo de seis meses para convencer a FIFA, por meio de projetos. Certamente, todas as candidatas são cidades admiráveis e podem unir o amor pelo esporte e o glamour de uma Copa do Mundo com incontáveis oportunidades de turismo. Está formado o cenário para mostrar à FIFA toda a grandiosidade do Brasil, que tem muito mais do que Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre. Que outro país pode oferecer tanto? Natal, Salvador, Florianópolis... E que tal uma Copa do Mundo em plena Amazônia, com jogos em Manaus e em Belém? Agora, sediar jogos da Copa do Mundo de 2014 depende de cada cidade. Porque não basta ter belezas naturais. É preciso mais. A FIFA exige estádios seguros e confortáveis, uma rede hoteleira capaz de receber as pessoas que chegarão do mundo todo e, é claro, a tecnologia mínima para atender a um evento do porte dessa competição. Já é hora de correr contra o tempo, porque o relógio não pára. A Copa de 2014 parece distante, mas está muito mais próxima do que se imagina, quando, entre outros pontos, são exigidos estádios que, se ainda não tiverem de ser construídos, deverão ser amplamente reformados. As cidades — e disso não escapam as grandes capitais, como São Paulo e Rio de Janeiro — terão de oferecer condições de transporte que passem ao largo de seus habituais congestionamentos. Isso pode ser traduzido em novas linhas de metrô, faixas exclusivas para veículos e outras soluções que precisam ser pensadas desde já. São seis meses para botar no papel o que se pretende fazer e, se a cidade for escolhida, menos de seis anos para realizar todo o prometido. Não basta sonhar e propor; tem de tornar o sonho real. É importante lembrar que uma Copa do Mundo não é um mero evento esportivo, mas, sim, um enorme programa econômico, social e turístico. Principalmente, é um desafio à criatividade dos organizadores. Uma Copa do Mundo envolve muitos interesses, talvez até maiores do que fazer gols e se tornar campeão. O Brasil tem condições de oferecer, talvez, a mais importante de todas as Copas do Mundo. Pode mostrar ao Planeta toda a sua capacidade inventiva e desenvolver um evento inesquecível sob todos os aspectos. Só precisa ter planejamento, organização e seriedade para cumprir tudo o que se comprometer a realizar. BOA VONTADE | 17
  16. 16. Xinhua/Zhang Yan/AE Eleições/EUA Barack Obama: primeiro presidente afro-americano dos EUA EM FAMÍLIA O presidente eleito Obama, com as filhas, Sasha e Malia, e a esposa, Michelle, chegam à festa da vitória. Leila Marco 18 | BOA VONTADE partido desde Lyndon B. John- a avó, Madelyn Dunham, que son, que teve 61,1% dos votos falecera três dias antes. Em seu pronunciamento após em 1964. No discurso da vitória, evocou a confirmação do resultado, o o lema que o projetou na cam- candidato republicano, John panha: “A mudança chegou aos McCain, congratulou-se com o Estados Unidos. Vocês colocaram novo presidente: “Esta é uma as mãos no arco da história e eleição histórica, e reconheço o significado especial que escolheram a esperança ela tem para os afroem um novo dia”. Obama americanos e para o ainda agradeceu à equipe orgulho todo especial que o assessorou, a seu que deve ser deles nesta vice, Joe Biden, à esposa, noite. Sempre acreditei Michelle, e às duas filhas, Joe Biden que os Estados Unidos e, emocionado, lembrou Divulgação A noite de terça-feira, 4 de novembro, entrou definitivamente para a posteridade, ao ser confirmado o que quase todas as pesquisas eleitorais indicaram: os Estados Unidos decidiram pela renovação. O democrata Barack Hussein Obama, 47, falou à multidão que o aguardava, em Chicago, já como o primeiro presidente afro-americano e o 44º da história dos EUA. Além desse expressivo fato, o democrata conseguiu o maior percentual já registrado pelo seu
  17. 17. Divulgação Divulgação Divulgação Divulgação Divulgação EFE/Matthew Cavanaugh/AE Divulgação oferecem oportunidades para todos os que são trabalhadores e que têm vontade de trabalhar. O senador Obama acredita nisso também”. Ao término, afirmou: “Desejo boa sorte ao homem que foi meu oponente e será meu presidente”. Obama, que em árabe significa “abençoado”, nasceu a 4 de agos1 2 to de 1961, em Honolulu (Havaí). DOIS MOMENTOS (1) A imagem, de 1979, registra o afetuoso abraço de dona Filho de Barack Hussein Obama Madelyn Dunham no neto Obama, por ocasião da cerimônia de formatura dele no (de origem queniana) e de Ann Ensino Médio, no Havaí. (2) Ele cumprimenta o candidato republicano, John McCain. Dunham (nascida no Estado do Kansas), passou a infância no Havaí e na Indonésia. Reino Unido e do Canadá, logo pacífica contra a Quando jovem, trabalhou em ressaltaram apoio, expressando a opressão racial. comunidades pobres, e vontade de estreitar, ainda “Estou certo de sua destacada formação mais, os laços. Na França que, sob a lideacadêmica se deu em e na Rússia, ficou claro rança de Vossa prestigiados centros de eso desejo de fortalecer as Excelência, os Luiz Inácio Lula da Silva tudo dos EUA: é bacharel relações com os EUA. Estados Unidos em Ciência Política pela Em Israel, o presidente responderão a esses desafios insUniversidade de Colúm- Shimon Peres Shimon Peres afirmou: pirados pela ‘intensa urgência do bia, de Nova York/NY, e “O mundo precisa de um agora’ demancursou a Faculdade de Direito de grande líder. (...) Deus o aben- dada por Martin Harvard, em Cambridge, Massa- çoe”. No Quênia, o dia foi de festa, Luther King”. chusetts. Foi o primeiro presidente sendo decretado feriado nacional. Primeiro goda Harvard Law Review, uma Segundo a agência de notícias vernante negro revista de Direito editada pela EFE, o presidente da Autoridade da África do Sul, universidade. Nacional Palestina (ANP), Nelson Mande- Martin Luther King Também atuou em Mahmoud Abbas, igual- la registrou felifavor dos Direitos Humamente parabenizou Obama, citações ao democrata. Em carta nos e ministrou aulas de por meio de seu porta-voz, divulgada por sua Fundação, ManDireito Constitucional. Saeb Erekat:“Felicitamos dela parabeniza o Em 1996, foi eleito para o futuro presidente Obama presidente eleito o Senado de Illinois (ór- Mahmoud Abbas e esperamos que continue e faz um apelo gão do poder legislativo envolvido no processo de para que ele lute local), onde permaneceu até 2004, paz entre israelenses e palestinos”. contra a pobreano em que se tornou senador do O presidente Luiz Inácio Lula za: “Sua vitória Congresso americano. da Silva encaminhou mensagem demonstrou que ao novo líder norte-americano, nenhuma pessoa Nelson Mandela Repercussão mundial enfatizando que esta também re- no mundo deve deixar de sonhar Ao ser confirmado presidente, presenta uma vitória dos ideais de em transformar o mundo em um diversas nações, a exemplo do Direitos Humanos e da resistência lugar melhor”. BOA VONTADE | 19
  18. 18. Ike Levy Perfil Luciana Mello O talento e o alto-astral de Luciana Mello Sangue bom do Bem Leila Marco 20 | BOA VONTADE C antar faz bem, melhora o humor e o astral, eleva o Ser Humano. Para uma das vozes mais belas da nova geração da música brasileira, a cantora e compositora Luciana Mello, ainda é mais: parece marca impressa no próprio DNA. “Eu canto o dia inteiro, como o meu pai. (...) Penso, e o meu pensar é cantando. As coisas vêm para mim em forma de música”, conta a caçula dos Rodrigues, explicando o talento inato. O dom de cantar, aliás, foi cultivado e multiplicado no amor em família: ela, o pai, Jair Rodrigues, e o irmão, Jair Oliveira, todos grandes intérpretes e compositores. Em entrevista à BOA VONTADE, outro ponto também surgiu forte: o amadurecimento profissional de Luciana, cuja carreira se iniciou precocemente, antes dos 5 anos, graças à percepção do pai, que soube ver o talento e a disposição da menina. Por isso, apesar de jovem, Luciana completa 25 anos de carreira, sabendo exatamente aonde quer chegar e o que deseja passar para o público. Um bom exemplo é o disco Nêga, com o qual a cantora trabalha desde o ano passado. Foram três anos, depois do CD L.M., para concretizar esse passo: “É muito legal, mas trabalhoso. Tem de saber o que quer, estar seguro para ter essa liberdade. Você escolhe o repertório, e a sua cara está em todos os pedacinhos”.
  19. 19. No bate-papo, a cantora falou ainda sobre a participação dela e dos familiares nas iniciativas socioeducacionais da Legião da Boa Vontade: “É sempre o maior prazer fazer parte dos projetos da LBV. A gente participa há muito tempo, fazendo as ações sociais da LBV (...) desde moleca, desde os 14, 15 anos”. É com essa alegria de viver que Luciana Mello abre o coração e conta os planos, entre os quais a gravação, em fevereiro de 2009, do primeiro DVD. BOA VONTADE — Nêga traz diferentes ritmos e muito de sua característica como compositora e intérprete. Foram quase três anos preparando este material... Luciana Mello — No L.M., que foi o CD anterior, estava numa gravadora grande. E esse processo de ir para um selo independente demora um pouco mesmo. Na verdade, passou até muito rápido, não pensei em ficar três anos sem gravar. O Nêga saiu pela S de Samba. É muito legal, mas trabalhoso. Tem de saber o que quer, estar segura para ter essa liberdade. Você escolhe o repertório, e a sua cara está em todos os pedacinhos, nos detalhes; na foto, na diagramação, não só as músicas, os arranjos... Fica seu filho, uma propriedade sua. Nesses três anos, consegui ouvir de tudo, amadurecer idéias, e como pessoa também. Esse amadurecimento ajuda na hora de fazer um disco, de escolher o que deseja. Busquei essa simplicidade do som, a coisa mais natural para o meu ouvido, e achei muito bom que as pessoas gostaram. BV — No CD, chamam a atenção alguns versos, como na música Na veia da Nêga: “Um povo forte, de sangue bom do bem”. Luciana Mello — Fiz essa música com o Jair Oliveira. Pensei nessa letra em uma madrugada, acordei pensando: ... na veia da nêga/ que corre sangue bom do bem/ na veia da nêga. E liguei para o Jair, porque sempre brinco, ele fica até bravo comigo. Eu digo: “Você é melhor de letra do que eu”, e ele diz: “Que bobagem é essa, tem de fazer!”. E falei: “Vamos fazer juntos, me ajuda?”. Uma música pra frente, pra cima, que é como sou. As pessoas passam FAMÍLIA QUE TRABALHA UNIDA Jair Rodrigues (pai), os filhos, Luciana e Jair Oliveira, e a mãe, Clodine. Fotos: Ike Levy “Tenho 100% de confiança nessas pessoas (meus pais e irmão). Sei que é para o meu bem. Quando estou errada, minha mãe não passa a mão na cabeça, aí repenso e sigo em frente.” BOA VONTADE | 21
  20. 20. Perfil com problemas e quando subo no palco e começo a cantar, some tudo, parece até mágica. Para mim, realmente, cantar faz muito bem! Acho que isso acontece para todo mundo, a música leva embora tudo de ruim. E essa canção tem algo curioso, porque estávamos na Sala São Paulo, com Jair e meu pai, para gravar um programa de TV, demorou bastante e o Jair tocou no violão Rosas e Mel, então eu disse: “Essa nunca escutei, guarda, que vou gravá-la no meu próximo disco”. O Jair me disse: “Fiz ontem lá em casa”. Essa é a vantagem de ser irmã de compositor (risos). Divulgação BV — Falando de força, a música Rosas e Mel parece uma prece, alivia o coração. Luciana Mello — É a minha cara, canto o dia inteiro, como o meu pai; quando ele faz show, sai assobiando do palco. Mesmo no trânsito, ajuda BV — Na sua casa o canTom Zé a aliviar o estresse. Penso, tar é em família. Eles ese o meu pensar é cantando. As tão sempre presentes em seu coisas vêm para mim em forma de trabalho? música. Não pensem que a gente Luciana Mello — Sim! Misobe no palco e está tudo bem nha mãe ajuda muito, é preciso sempre, muitas vezes estamos alguém com o pé no chão para Fotos: Cida Linares Luciana Mello já participava da Ronda da Caridade, da LBV, no ano de 1997. 22 | BOA VONTADE “É sempre o maior prazer fazer parte dos projetos da LBV. A gente participa há muito tempo, fazendo as ações sociais da LBV (...) desde moleca, desde os 14, 15 anos.” segurar três artistas; não é fácil. Trabalhar em família é muito bom. O Jair produziu os meus quatro CDs-solo. No primeiro, em 1995, ele trabalhou três faixas, porque estava nos EUA; a nossa comunicação é fácil. Fiz um disco muito rápido, em quatro meses, foi uma loucura: ler repertório, ensaiar, gravar, fazer mixagem, masterizar, cuidar da capa, acho que não sairia nada se ele não me conhecesse, pois o produtor e o artista têm de ter uma afinidade grande, união, harmonia. O Jair é muito profissional, já produziu discos para o nosso pai, para o Tom Zé, o MPB4 (...) sabe separar as coisas. Ele liga uma chave para o artista e outra Wilson Simonal para o produtor. E em família é tudo muito legal, apesar de uns quebra-paus; mesmo que alguma coisa dê errada, a gente sempre ouve o outro. Tenho 100% de confiança nessas pessoas, sei que é para o meu bem. Quando estou errada, minha mãe não passa a mão na cabeça, aí repenso e sigo em frente. Divulgação por dificuldades, mas sempre tento levantar a bola. Enfim, não posso pedir mais nada a Deus, tenho só de agradecer a família incrível, a saúde, um trabalho maravilhoso, amo o que faço. Achei legal as pessoas terem esse tipo de leitura, recebi bastantes e-mails de pes­ oas negras s dizendo: “Puxa, legal! Você fez uma música que fala dos negros, me deu uma força!”. BV — Galha do Cajueiro está também nesse CD. Por que escolheu uma canção mais antiga? Luciana Mello — Sempre gostei dela e queria uma música antiga; lembrei-me de quando era criança e escutava essa canção. E Galha do Cajueiro é uma homenagem ao [Wilson] Simonal e ao seu trabalho. Infelizmente, o talento dele foi reconhecido por pouquíssimo tempo, eu diria. As
  21. 21. BV — Como foi essa coisa de começar a carreira cedo? Luciana Mello — Meus pais nos descobriram. Jair e eu temos uma diferença de quatro anos, sou a caçulinha; começamos com 5 anos. Meu pai diz que via muito na gente o interesse musical. Ele sempre trazia produtores musicais, artistas, e nós olhávamos as pessoas em nossa casa, as mesmas que víamos na TV. Quando meu pai estava ensaiando o repertório, se num determinado momento esquecia, a gente o lembrava. Ele afirmava: “Essas crianças sabem a música que estou acabando de aprender!”. E aí nos chamou para gravar com ele a música O Filho do Seu Menino, do Hildo Hora, arranjador e compositor. Depois, tive muita aula de canto, música e piano, e minha mãe me incentivava a fazer teatro, dança. BV — Com seu pai, você fez um pot-pourri de Dois na Bossa, gravado originalmente pelo próprio Jair Rodrigues e Elis Regina, na década de 1960. Muita responsabilidade? Luciana Mello — Isso mesmo. Tinha 12 anos de idade e cantei no mesmo tom da Elis. Na época não tive essa coragem toda, mas meu pai disse: “Vai, filha!”. Ele realmente me deu muita força. BV — Já está trabalhando no seu primeiro DVD? Luciana Mello — Sim. No ano que vem, vou gravar, será no Au- ditório do Ibirapuera. Na verdade, é um trabalho de nove anos, um reconhecimento de toda a equipe, até o pessoal do escritório, todos os meninos da banda. Sempre digo que não sou só eu, Luciana Mello, é toda essa rapaziada que está a meu lado. Também estou num projeto com Jair, meu irmão, que se chama O Samba me cantou. Vai ser muito chique: o Jair de terno e eu de vestidão, quatro músicos no palco, a formação tradicional de samba: um violão de sete cordas, duas percussões e um cavaquinho. Vamos começar com esse projeto no início do próximo ano. BV — Que recado daria aos jovens que estão começando? Luciana Mello — Não pensem muito em fazer televisão; toquem em shows, ao vivo. Há muitas casas pequenas, às vezes, sem aquele som deslumbrante, enfim, não é fácil, mas o artista tem de trabalhar, tem de ser visto. O que fiz no projeto Artistas Reunidos foi isso, tocamos até alguém nos ver, até dar sorte. Ralei muito. BV — Falando em incentivo, em ser solidário, você e sua família, aliás, sempre demonstraram esse lado... Luciana Mello — Temos o dever como cidadãos neste mundo. O que adianta ser alguém e olhar para o lado e ver uma pessoa passar necessidade? Gosto de colaborar com uma iniciativa, comprar alguma coisa, cobertores, remédios etc. A gente pode ajudar com um sorriso, um carinho, ir lá e fazer uma comida, mexer uma Ike Levy pessoas poderiam ouvir mais o que ele fez. Sempre ouço Simonal, gosto muito dele. panela, isso qualquer um pode. Eu fiz a Ronda da Caridade da LBV nas ruas, fui até as praças do Centro [de São Paulo] ajudar. Havia muita comida para distribuir, foi muito bom. BV — Qual mensagem gostaria de deixar aos leitores da boa vontade e aos colaboradores da LBV? Luciana Mello — Deixo todo o meu carinho por fazerem a diferença em todo este Brasil. Espero que continuem, que cada vez mais pessoas consigam se juntar, falar com seus vizinhos para ajudar. Assim a gente colabora também com o Planeta. A todos da LBV, muito obrigada! Com certeza, estaremos juntos sempre. BOA VONTADE | 23
  22. 22. • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade. com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www. boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www. boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www. boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www. boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www. boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www. boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • www.boavontade.com • boavontade.com bel é m / pa Ação socioambiental Auto-estima e geração de renda As ações do programa Espaço de Convivência, oferecido pelo Centro Comunitário e Educacional da LBV, em Ribeirão Preto/SP (Rua Rio de Janeiro, 383, Campos Elíseos, tel.: (16) 3610-0006), vêm mudando para melhor a vida de mulheres em situação de risco social. Uma das atividades é o projeto socioambiental de confecção de sabão caseiro a partir da reutilização do óleo de cozinha. A estudante de Serviço Social Amanda Thomazinho, que ministra o curso voluntariamente, viu na LBV a possibilidade de desenvolver uma ação capaz de ajudar o meio ambiente e também uma forma de gerar renda às famílias atendidas. Dar condições às famílias para que saiam da situação de risco social é uma das metas que norteiam as ações que a LBV promove em suas diversas unidades pelo Brasil. Na capital paraense, enquanto as crianças freqüentam as aulas da Escola de Educação Infantil Jesus, as mães participam de oficinas de geração de renda. Isso tem contribuído para a socialização e a auto-estima delas. Num desses cursos, o de macramê, as mulheres aprendem a técnica de tecer fios sem a utilização de máquina. Com o uso da imaginação, pouco a pouco elas fazem surgir cortinas, estantes, abajures e bolsas, entre outros utensílios. A atividade, ministrada pelo professor voluntário Natanael Barbosa de Faro, conta com o apoio da ONG Moradia e Cidadania. Rui Portu gal RIBEIRÃO PRETO “Graças a Deus e à LBV, que me deram esta oportunidade, já tenho clientes que compram meus materiais feitos em macramê. Está melhorando a vida da minha família!” Kelly Cardoso Mãe atendida pela Instituição em Belém/PA Arquivo BV V I S I T E , A PA I X O N E - S E E A J U D E A L B V ! Travessa Padre Eutíquio, 1976 — Batista Campos — Belém/PA — Tel.: (91) 3225-0071 C ampo g rande / ms Fotos: Analice Barcelá LBçVo! Modernização e ampliação da escola éa ã A Legião da Boa Vontade reformou e ampliou o seu Centro Educacional, Cultural e Comunitário na capital sul-mato-grossense para melhorar ainda mais o atendimento às comunidades em situação de vulnerabilidade social. O empreendimento é composto por quatro amplas salas para atividades, um ambiente de coordenação pedagógica, sala para o serviço social, recepção e área administrativa. Na parte externa, o projeto contempla a construção de uma quadra esportiva para recreação das crianças atendidas pela Instituição. Ajude a LBV em Campo Grande/MS: Av. Marechal Deodoro, 5.055, Aero Rancho — Setor VII — Tel.: (67) 3317-6300. 24 | BOA VONTADE
  23. 23. Notícias de Brasília OAB e LBV no combate à violência Da Redação A Legião da Boa Vontade (LBV) participou como delegada da “Conferência Brasil contra a Violência — Superação da Violência e Promoção da Cultura de Paz”, promovida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em sua sede na capital federal, entre os dias 3 e 5 de setembro. No encontro foram discutidos os números e as causas da violência no País; anualmente os homicídios, os suicídios e o trânsito levam à morte mais de 90 mil pessoas, segundo dados oficiais do Governo. As cerimônias de abertura e encerramento foram conduzidas pelo dr. Cezar Britto, presidente do Conselho Federal da OAB, e pelo dr. José Augusto Lopes, coordenador-geral da conferência. O evento reuniu lideranças de diversos segmentos da sociedade, presidentes de seções estaduais da OAB, intelectuais, políticos e representações religiosas, a exemplo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e do Conselho das Igrejas Cristãs do Brasil. Destaque também Patrus Ananias para a presença dos ministros de Estado Patrus Ananias, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; Tarso Genro, da Justiça; Nilcéa Tarso Genro Freire, da Secretaria Fotos: Lina Silva Dr. José Augusto Lopes, coordenador-geral do evento, Enaildo Viana, da LBV, e dr. Cezar Britto, presidente do Conselho Federal da OAB. Número de mortes provocadas no Brasil (2006) 47.477 homicídios 34.954 mortes no trânsito 8.344 suicídios São em média 249 óbitos por dia, relacionados à violência, número superior às mortes causadas por um acidente de avião. Fonte: Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde Especial de Políticas para as Mulheres; João Otávio Noronha, do Superior Tribunal de Justiça. Todos eles falaram das providências que têm sido tomadas pelo Governo e enfatizaram a importância da participação da sociedade no combate à violência. O representante da LBV na conferência, radialista Enaildo Viana, relata: “Após cada painel, a Legião da Boa Vontade se dirigia aos debates dos temas, e os conceitos dela sobre a necessidade de se trabalhar a cidadania plena, despertando o sentido de Educação com Espiritualidade, foram acolhidos e inseridos no relatório final”. Em entrevista à Super Rede Boa Vontade de Comunicação (TV, rádio, internet e revista), cujo lema é justamente “Educação e Cultura, Saúde e Trabalho com Espiritualidade Ecumênica”, o dr. Cezar Britto agradeceu a divulgação constante do tema pela rede e comentou: “A violência vem assustando a todos nós. Veja os números de mortes provocadas que ocorrem diariamente em nosso País, apresentados pelo Ministério da Justiça. Além da violência contra a mulher, o negro, a criança, o idoso, enfim, as minorias. Precisamos mudar isto. E tem de ser um mutirão do poder constituído com a sociedade civil, a exemplo da LBV e outras organizações”. BOA VONTADE | 25
  24. 24. Abrindo o Coração Patricya Travassos De bem com a vida! Atriz e apresentadora de TV, Patricya Travassos revela como busca a saúde do corpo e da mente onciliar os compromissos de atriz, apresentadora de TV, comediante, mãe e escritora não parece tarefa fácil. O que dizer, então, de acrescentar a essa lista o desafio de alcançar qualidade de vida em meio ao corre-corre de uma grande metrópole? Patricya Travassos responde sem titubear: “É um somatório de coisas, principalmente é você, dentro de você, fazer uma alquimia de não emburacar no estresse”. A vocação de lidar com a arte e o desejo de estabelecer um equilíbrio entre a saúde do corpo e a mental é um intento que acompanha a atriz desde cedo. Logo na infância, adotou a dieta vegetariana e, aos 20 anos, após viagem à China, ampliou os horizontes a respeito da medicina alternativa. Da experiência pessoal para o campo profissional, Patricya pôde aprimorar o conhecimento que colheu ao longo do tempo para compartilhar com os telespectadores do programa Alternativa Saúde, da GNT. Naquela mesma época da viagem ao Oriente, iniciou sua carreira na dramaturgia, ingressando no famoso grupo de teatro Asdrúbal Trouxe o Trombone, ao lado de Regina Casé, Luiz Fernando Guimarães e 26 | BOA VONTADE Divulgação C Sarah Jane
  25. 25. Do outro lado do mundo BOA VONTADE — A opção por uma vida mais saudável a acompanhava já na infância? Patricya Travassos — Eu era pequenininha quando falei para minha mãe que queria parar de comer carne porque eu não gostava de comer bicho. Ela achou que ia ser fogo de palha e deixou. E aquilo foi levando a outras coisas; fui aprendendo a cozinhar, a fazer comidas mais saudáveis sem carne. Venho de uma geração, a dos anos 1970, que começou a contemplar uma filosofia mais oriental, a se conectar com outro tipo de percepção da vida. Minha mãe trabalhava com turismo — acho que ela foi a primeira brasileira a entrar na China dos anos 1970, na época de Mao Tsé-Tung, que era completamente comunista, fechada. Não havia turismo na China. Ela conseguiu um visto e levou alguns grupos para lá. E pude ir em 1975, um ano antes de Mao Tsé-Tung morrer. “Eu era pequenininha quando falei para minha mãe que queria parar de comer carne porque eu não gostava de comer bicho.” BV — Quais boas lembranças da viagem? Patricya — Lá eu vi vários tipos de tratamento. A acupuntura, no Brasil daquela época, era considerada uma coisa extremamente exótica; e lá eu vi operações com as pessoas sentadas, acordadas, anestesiadas pelas agulhas. Percebi que não era uma medicina exótica. Ela era superfundamentada em 10 mil anos de experiência chinesa; ela só não era fundamentada nos padrões a que a gente está acostumada. E na China se fazia também muito fitoterápico; lá reabilitaram todo o conhecimento sobre as ervas, chás e as formas de cura através da Natureza, assim como conhecimentos de cura que tinham e estavam sendo perdidos. E eles misturavam as duas medicinas, iam até onde podiam com uma medicina e entravam com a outra quando era necessário. A partir daí eu comecei a ver as coisas de outra forma, isso nos anos 1970, muito antes de as pessoas começarem a pensar nisso. Vi, in loco, como aquela medicina espalhada pelo país inteiro era baseada em conceitos milenares. Aquilo foi importante para mim, Divulgação Evandro Mesquita, entre outros, criando e atuando nas peças Trateme leão e Aquela coisa toda. De lá para cá não parou e, simultaneamente, lida com os mais diferentes meios culturais. Aliás, entre uma atividade e outra, a atriz da Rede Record atendeu a equipe da revista BOA VONTADE para a entrevista que se segue. porque não era uma experiência exótica; era uma realidade, uma forma de cura, superlegal, pois não era invasiva, não tinha química. (...) Gostaria de ir novamente, porque antes conheci uma China completamente virgem, um país parado no tempo, fechado para o mundo; os carros eram antigos, tudo era antigo. Eu gostaria de ver a China de agora, moderna. Nos palcos BV — Recentemente você estreou a peça Monstra, criada a partir de crônicas suas... Patricya — As crônicas eu escrevo há uns quatro anos para a revista Marie Claire. Quis escrever para uma revista justamente para ter uma rotina de escrever. Então, pensei assim: “Daqui a uns três anos posso publicar um livro”. E foi o que aconteceu. Dei o nome de Monstra porque é o título de uma das crônicas; gosto desse nome, pois causa estranheza. O livro saiu e eu comecei a perceber que ele poderia virar um filme, um programa de televisão. O Jorge Fernando, diretor da TV Globo, é meu amigo de bastante tempo, e a gente já BOA VONTADE | 27
  26. 26. André Fernandes Abrindo o Coração Jorge Fernando, ator e diretor de TV. “A pessoa pode se alimentar superbem e fazer exercícios e ainda ser uma pessoa extremamente estressada por dentro, sempre antecipando o problema, trazendo o rancor do passado, ódios, raivas, desilusões. É aí que mora o perigo: na cabeça da gente.” fez vários trabalhos juntos. Ele foi ao lançamento do meu livro e dias depois me ligou, falando: “A gente podia fazer uma peça”. Eu lhe disse: “Ah, Jorginho! Você não tem tempo, vai ficar me enrolando!”. E ele: “Não! Tenho sim! Tenho uma brecha boa na minha agenda, tal dia, tal época”. A irmã dele é produtora e ele me disse que ela estava com disponibilidade. As coisas foram caminhando e tudo o que a gente tentava, conseguia. Então, foi o momento de fazer. A partir disso, fiz uma adaptação para virar peça, usando sete crônicas do livro; e uma delas traz a situação que permeia toda a história. Criei um ambiente onde as coisas aconteciam, e o Jorginho dirigiu. BV — O lado cômico é uma das suas características profissionais. É também um lado pessoal? Patricya — (...) Se as pessoas têm uma ligação com o humor, não quer dizer que sejam palha- Alexandre Campbell Patricya Travassos e Cynthia Howlett no programa Alternativa Saúde 28 | BOA VONTADE ças o dia inteiro. Na verdade, o humor é um ponto de vista, uma maneira de ver as coisas. É claro que tenho um percentual crítico muito grande, da forma como eu vejo as coisas. Quando você tem uma coisa crítica, de certa forma, vê pelo lado engraçado as situações. Mas isso não quer dizer que eu, sendo vítima de alguma situação burocrática, chata, esteja rindo o tempo todo, não! Fico estressada e tudo mais. Luz, câmera, gravação! BV — O programa Alternativa Saúde tem a ver com suas atitudes no dia-a-dia? Patricya — Tem. Quando comecei a apresentá-lo é que passei a perceber que tinha uma bagagem pessoal de autoconhecimento, de percepção corporal, de cuidar da minha alimentação, diferente de muitas outras pessoas. Percebi que eu era mais cuidadosa, enfim, que meu caminho tinha me levado a coisas que, pessoalmente, me interessavam e me davam certa bagagem sobre o tema, e isso poderia colaborar muito nesse setor. Apresento o programa há 11 anos. Nesse período acumulei muita coisa, aprimorei esse conhecimento. (...) No início ele era visto como um programa exótico. Hoje em dia, não há nenhum jornal que não tenha um caderno de saúde, de qualidade de vida. Todo mundo tem atualmente uma preocupação ecológica. Então, o que era visto como uma coisa de bicho-grilo,
  27. 27. BV — Como você aplica o conceito de qualidade de vida no dia-a-dia? Patricya — Eu procuro, ao máximo, fazer exercícios. (...) A pessoa, porém, pode se alimentar superbem e fazer exercícios e ainda ser uma pessoa extremamente estressada por dentro, sempre antecipando o problema, trazendo o rancor do passado, ódios, raivas, desilusões. É aí que mora o perigo: na cabeça da gente. Por isso, o mais importante de tudo, para você ter qualidade de vida, é saber onde está a sua mente. (...) O dia em que a gente tiver um Ser Humano controlado, equilibrado, não vai haver mais guerra nem destruição planetária. As pessoas fazem isso porque estão num descontrole total. É uma revolução individual; se cada um cuidar de si, cuidar dessa raiva, desse ódio, desse descontrole, desse desequilíbrio, a gente cria um mundo novo. Valores e crenças BV — Onde você busca energia para conciliar a vida de atriz, escritora e apresentadora? Patricya — Sou igual a todas as mulheres com filhos, família, casa, trabalho, que também que- Divulgação GNT anos atrás, hoje é lugar-comum. Você vê pela quantidade de revistas nas bancas e os jornais sobre o assunto. Enfim, virou uma coisa de todo mundo, de perceber, de tomar conta da saúde, virou uma coisa natural e uma preocupação geral. “O grande pulo da Humanidade ocorrerá quando ela perceber que Deus está dentro dela.” Patricya grava programa na Califórnia rem se manter bem-dispostas, com boa aparência. Sou igual a todo mundo. A diferença é que eu lido num universo artístico, criativo. Mas o segredo é cuidar do dia-a-dia, do que é agora. Se hoje tenho algo para fazer e sinto que estou muito estressada, tento virar para a direita, para a esquerda, para ver se eu acho um lugar mais confortável dentro de mim, para as coisas não ficarem tão estressantes. Não existe receita de bolo. É cuidar do dia-a-dia! Também não existe o “agora eu serei assim!” e você se torna. O Ser Humano é uma coisa viva, o tempo todo mudando. BV — Você tem uma forma de se ligar com Deus? Patricya — Deus é um nome que a gente dá a uma energia que emana. (...) Não O vejo como uma pessoa, mas como uma energia que cria tudo, que faz as células vibrarem, que faz os átomos rodarem, que faz os planetas existirem, que faz o Universo, tudo. Acho que a gente está dentro de uma coisa única, toda emanada por uma energia chamada Deus. Mas ainda temos uma forma muito infantil de ver Deus. Às vezes, temos até que vesti-Lo com uma roupa de velhinho, para parecer um Papai Noel. E esse Papai Noel não existe. (...) O grande pulo da Humanidade ocorrerá quando ela perceber que Deus está dentro dela. Isso não é uma ilustração, é uma realidade. BV — Qual sua recomendação para que os jovens de hoje tenham uma vida plena e saudável? Patricya — Isto já foi escrito e dito umas “trezentas” vezes, de diversas formas: “Conhece-te a ti mesmo”. É isso! É se conhecer em todos os níveis: emocional, espiritual, psicológico e físico. O corpo expõe muito, ele marca os lugares, as dores, os sapos que foram engolidos. Quando você se percebe fisicamente, percebe muita coisa. BOA VONTADE | 29
  28. 28. Terceiro Setor 4o Encontro Paulista de Fundações O desafio da transparência N Daniel Guimarães Fotos: Elias Paulo o dia 13 de setembro, ocorreu em São Paulo/SP o 4o Encontro Paulista de Fundações, realizado no Colégio Rio Branco, da Fundação de Rotarianos de São Paulo, com o tema “Transparência e Sucesso das Fundações: As Fundações em São Paulo, no Brasil e no Mundo”. O evento reuniu centenas de profissionais que atuam na área e gestores fundacionais. A Fundação de Rotarianos de São Paulo foi homenageada com o título de Membro Benemérito da Associação Paulista de Fundações (APF). Durante essa solenidade especial, Eduardo Marcondes Filinto da Silva, Eduardo de Barros Pimentel e Cicely Moitinho Amaral passaram a figurar como membros honorários da APF. Cicely, que participou da fundação da APF, declarou à revista BOA VONTADE: “Foi muito importante para mim. Uma coisa que eu não esperava e achava que não merecia”. O desembargador José Renato Nalini, do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, também presidente da Academia Paulista de Le- Eduardo Filinto da Silva 30 | BOA VONTADE Eduardo Pimentel O 4o Encontro Paulista de Fundações foi aberto pelos alunos da Escola de Crianças Surdas, mantida pela Fundação de Rotarianos de São Paulo. Na foto, o público aplaude a apresentação do Hino Nacional por meio da Língua Brasileira de Sinais (Libras). tras (APL), abriu o ciclo de palestras explanando sobre “As Fundações e a Solidariedade Humana”. Em entrevista, elogiou o tema do encontro: “Quando uma fundação, uma associação de fundações se propõe a discutir a sua transparência, ela mostra que está assumindo um papel pedagógico”. “Foi muito contributivo para a nossa federação. Nós levamos informações fantásticas e contatos com o Brasil todo”, destacou a diretora da Federação das Fundações e Associações do Estado do Espírito Santo, Lourdes Ferolla Leandro. A presidente da Associação das Fundações do Estado do Ceará, Stefânia Pinheiro, concorda: “É um momento em que nós, que estamos envolvidos na ação social, aprofundamos a nossa percepção do quanto é importante (...) fortalecer a atuação das nossas fundações. Num momento como esse, a gente recarrega as baterias e sai daqui estimulada a continuar lutando para vencer os desafios, que não são pequenos!”. Uma constante em todas as palestras foi que a transparência das entidades fundacionais não é um aspecto puramente técnico, é muito mais abrangente. Para o procurador de Justiça do Distrito Federal, José Eduardo Sabo Paes, “transparên- Cicely Moitinho Lourdes Ferolla José Renato Nalini Stefânia Pinheiro
  29. 29. José Eduardo Sabo Tomáz de Aquino cia só se faz com inter-relacionamento. As fundações, como todos sabemos, são entes jurídicos, mas é indispensável a presença das pessoas. E a atuação dos órgãos da fundação, ou seja, das pessoas da fundação, deve ser transparente, e transparência com valores, que são importantes para a dignidade – tanto das pessoas como da própria fundação”. Novos caminhos Além de esclarecer o público presente a respeito das mais recentes mudanças jurídicas e contábeis que afetam as entidades, os especialistas participantes também fizeram propostas para melhorar a legislação do Brasil nesta área. Para o procurador de Justiça Tomáz de Aquino Resende, presidente da Associação Nacional de Procuradores e Promotores de Justiça de Fundações e Entidades de Interesse Social (Profis), o poder público “ainda não se sensibilizou para esta questão do ponto de vista de ser uma política pública”. Resende, que coordena o Centro de Apoio às Alianças Intersetoriais de Minas Gerais, defende que o Estado não deve financiar as fundações, mas fomentá-las, incentivar a criação e o funcionamento dessas instituições. Enquanto as mudanças não vêm, o caminho, para o prof. dr. Eduardo José Vanti Sancho, presidente da Fundação Jean-Yves Neveux, é “se espelhar nas experiências internacionais, não ter medo, não ter vergonha de aprender com aquilo que já está feito; algumas vezes até copiar e adaptar à nossa Eduardo Sancho realidade”. As principais propostas resultantes do evento foram compiladas na 4a Carta de São Paulo, que este ano teve como tema “União e defesa das fundações”. Para a presidente da APF, Dora Silvia Cunha Bueno, que também preside a Confederação Brasileira Dora Silvia Bueno de Fundações (Cebraf), este “é mais um documento que a Associação Paulista de Fundações está produzindo em defesa do movimento fundacional, não só paulista, mas também brasileiro”.
  30. 30. Vocação Roberta Goldfarb Música Chitãozinho & Xororó e as raízes do Brasil para o sucesso A história de muitos artistas brasileiros serviria de enredo para livros ou para o cinema. Talvez pela própria dimensão continental do País, pela riqueza e variedade de sua cultura ou, ainda, pela dificuldade que a maioria enfrenta para ascender em uma profissão disputada, cujo êxito é reservado a poucos. Apesar de todas essas barreiras, alguns parecem ter sido caprichosamente vocacionados para alcançar o rol dos grandes astros, e um Edilson Moreno exemplo disso é a carreira dos irmãos e cantores sertanejos Chitãozinho & Xororó, nascidos em Astorga, no Paraná. Ninguém pode negar, mesmo os que não acompanham de perto o trabalho da dupla, que eles foram pioneiros em misturar a tradicional música sertaneja com instrumentos elétricos, abrindo, em meados da década de 1980, o mercado a esse gênero nos grandes centros. Além desse mérito, a dupla tem na trajetória fatos muito interessantes para contar. Talento de berço O talento surgiu precoce- 32 | BOA VONTADE mente no próprio lar, ouvindo o pai, Marinho, e a mãe, Araci, cantando. Conforme está relatado na biografia publicada no site da dupla, a descoberta veio por acaso, quando uma das irmãs rasgou o caderno no qual seu Marinho anotava as letras que compunha. Para surpresa do pai, os dois conheciam todas as músicas e ajudaram a recuperar o registro delas, interpretando as canções. Xororó fez a primeira voz, imitando a mãe, e Chitãozinho, a segunda, à semelhança do pai. Foi na figura paterna, aliás, que encontraram um grande estímulo para a profissão: “O nosso
  31. 31. Divulgação Divulgação Chitãozinho & Xororó em cena do filme Rancho Fundo, em 1971. Anos depois, na década de 1980, no primeiro programa de TV da dupla, que ia ao ar todo domingo no SBT, no qual, além de cantar sucessos, eles recebiam outras duplas e cantores sertanejos. Fotos: Clayton Ferreira pai, infelizmente, não está mais com a gente, mas chegou a nos ouvir nas paradas, nos primeiros lugares. Ele nos trouxe a São Paulo para começar a carreira. Viu em nós a possibilidade de realizar um sonho que havia deixado, que era cantar. Isso ajudou muito no início, levando a gente nas madrugadas, nos programas de rádio ao vivo para cantar. Estava sempre ao nosso lado, ensinando aquilo que sabia”, recorda Xororó. O incentivo valeu: em 1970, lançam o primeiro disco Galopeira, mas é com a música Fio de cabelo (1982) que experimentam sucesso em todo o País, com a vendagem de 1,5 milhão de cópias. Conquistam, desde então, um público fiel. Neste ano completam 38 anos de carreira e garantem que, se tivessem que voltar no tempo, fariam tudo de novo. “Trabalhando muito e divertindo-se, graças a Deus, com muita harmonia”, diz Chitãozinho. No novo show, “Saudade de Minha Terra”, com o qual têm viajado pelo Brasil, cantam um pouco de tudo, das primeiras canções até as músicas do mais recente DVD, Grandes Clássicos Sertanejos, lançado no fim de 2007. “Acho que o sucesso é conseqüência do trabalho. Nunca fizemos nenhum disco pensando: ‘Vamos chegar a tantos exemplares vendidos ou aos primeiros lugares das paradas’. Não, mas simplesmente há muitos anos cantamos aquilo que gostamos e que o nosso público realmente A dupla exibe o exemplar da revista BOA VONTADE e do livro Reflexões da Alma, de autoria do escritor Paiva Netto. aprecia, graças a Deus. É mara- VONTADE, mandaram um revilhosa essa afinidade público-fã cado ao dirigente da Legião da e artista, procuramos tratar todo Boa Vontade, agradecendo o mundo da melhor forma possí- livro Reflexões da Alma. Ressalvel”, explica Xororó. tou Chitãozinho: “Superabraço, Um desses momentos especiais obrigado, Paiva Netto, por esse de interatividade ocorreu neste carinho, parabéns pelo seu traba15 de agosto, quando fizeram um lho, realmente é uma Instituição show para homenagear a cidade muito respeito, não só no de de Campinas, no inBrasil como em outros terior de São Paulo, países do mundo, e no qual estiveram esse livro é o representes mais sultado. Muito de 150 produobrigado por A dupla Chitãozinho & Xororó tores de algoesse presenjá lançou ao longo da carreira dão de todo o te”. E, acom29 álbuns, atingindo a incrível Brasil. panhando o irmarca de mais de 30 Na ocasião, mão, completou milhões de discos além da entreXororó: “Valeu, vendidos. vista exclusiva muito obrigado e concedida à BOA um superabraço”. Marcas extraordinárias BOA VONTADE | 33
  32. 32. Responsabilidade Social As boas práticas da iniciativa privada R esponsabilidade social Photos.com dever de todos C ada vez mais, as empresas vêm se preocupando em colocar em prática o conceito de sustentabilidade. Setores importantes da economia, como os de energia, telefonia e tecnologia, estão multiplicando as que reúnem, a um só tempo, prática comercial e medidas de responsabilidade socioambiental. Para a maioria dessas iniciativas do setor privado, esta não representa apenas uma questão de sobrevivência — em face dos graves problemas relacionados aos recursos naturais e à miséria no mundo — mas também um avanço de mentalidade dos agentes econômicos, pois têm como objetivo a melhoria da qualidade de vida da sociedade como um todo. Nesse sentido, o papel do cliente-consumidor é fundamen34 | BOA VONTADE Da Redação tal sempre que exige uma atitude responsável da empresa. Pensando nisso, reservamos esta seção da revista BOA VONTADE para exaltar as boas práticas da iniciativa privada, destacando o que tem sido feito em busca da sustentabilidade. No Rio Grande do Norte, por exemplo, a Cosern patrocina ações de promoção da cultura potiguar ao direcionar investimentos a organizações voltadas para o desenvolvimento de comunidades em situação de risco social. Nessa mesma linha, o Grupo Telefônica investe em projetos sociais e em ações de patrocínio como forma de contribuir com as comunidades em que está presente. Desde março de 1999, a Fundação Telefônica dedica-se a impulsionar o desenvolvimento social através da educação e da defesa dos direitos das crianças e dos jovens, preferencialmente por meio da aplicação das tecnologias de telecomunicação e informação.  O grupo busca principalmente democratizar o acesso da população à cultura e promover o uso social das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC). A empresa Ampla igualmente se mostra engajada nessa luta. Suas atividades de gestão ambiental seguem os princípios da política corporativa, adotada em todas as unidades do grupo Endesa, nos 12 países em que opera. Para isso, mantém suas atividades na gestão de resíduos, com a colocação de caixas coletoras e separadoras de óleos isolantes, utilizados nos transformadores das subestações, e a construção
  33. 33. Fotos: Arquivo BV Responsabilidade Social 2 Cristiani Ranolfi 1 3 4 Equipe da LBV com executivos das empresas: Celpa (1), Oi (2), Cosern (3) e Brasil Telecom (4). de fossas sépticas nas usinas hidrelétricas para evitar a contaminação de bacias hidrográficas. Também consciente da importância da responsabilidade corporativa, a Oi deu o pontapé inicial para a criação do Instituto Telemar, futuramente denominado Oi Futuro, instrumento institucional que tem a missão de colaborar para reduzir as distâncias sociais no Brasil. A Brasil Telecom é outra empresa do setor privado também consciente de sua importância para o desenvolvimento sustentável do Planeta, por meio do equilíbrio econômico, social e ambiental, alinhado às boas práticas de governança corporativa, ética e transparência. Reconhece também que esta responsabilidade se estende a todos os cidadãos com os quais se relaciona: funcionários, acionistas, clientes, fornecedores e comunidade. No Pará, a Celpa, entre outras atividades, fomenta o replantio de 300 hectares da área do Parque Ambiental de Belém, em parceria com a Secretaria Executiva de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente do Estado. Aliás, além desse cuidado com o meio ambiente, a empresa também se mostra preocupada com o auxílio às comunidades que vivem nos bolsões de pobreza. Desta forma, desenvolve, em parceria com a Legião da Boa Vontade, serviços para atender a esse público. Recentemente, o trabalho foi ainda mais fortalecido quando a LBV apresentou aos colaboradores internos do Grupo Rede/Celpa as unidades de atendimento da Instituição, entre elas a Escola de Educação Infantil Jesus, situada em Belém, na qual são atendidas crianças de 3 a 5 anos. Com a demonstração das iniciativas fomentadas dia a dia, muitas pessoas que fazem parte da empresa de energia elétrica ficaram surpresas. “Eu já conhecia o trabalho da LBV, até mesmo porque recebo a revista Boa Vontade. Mas essa apresentação veio para enriquecer ainda mais a Instituição”, afirmou Jackson Santos, do Departamento de Comunicação do Grupo Rede/Celpa. BOA VONTADE | 35
  34. 34. Leontina Maciel Cristiani Ranolfi Responsabilidade Social Da esquerda para a direita: executivos da Coelce e da Coelba com representantes da LBV. O jornalista Emanuel Siqueira, integrante do Grupo Rede/Celpa, afirmou que “já sabia da existência da Legião da Boa Von­ ade, mas não da t dimensão do trabalho realizado pela Instituição. A LBV está de parabéns, pois os recursos são bem aplicados por ela”. No Centro-Oeste, outra iniciativa da Celg estimula a consciência socioambiental: pelo talão de energia, os clientes da empresa goiana podem colaborar para instituições que realizam importante trabalho social, além de investir em projeto experimental que pretende levar energia solar a cerca de 2.500 famílias de baixa renda. No Nordeste, a Coelba incentiva a discussão do tema e de ações voltadas à preservação ambiental em comunidades pobres da Bahia, por meio de um Comitê de Responsabilidade Social. A Coelce, do Ceará, desenvolve a campanha institucional “Ecoelce”, que já conseguiu converter 1,5 milhão de quilos de lixo reciclável, com o sistema de coleta seletiva, em bônus na conta de luz. Segundo a empresa, graças a essa iniciativa, até agora foi possível economizar 33 milhões de litros de água e 1 milhão de kWh de energia, além de garantir a preservação de 13 mil árvores. Vale destacar que um crescente número de organizações, empresas e governos conscientes de seu papel nas ações de cidadania — embora ainda falte muito a ser feito em benefício de nosso Planeta — está atento à tendência cada vez maior do consumidor em preferir produtos de empresas socialmente responsáveis. 53 anos de existência da Celg Joílson Nogueira A celg Distribuição S.A. completou, no dia 19 de agosto, 53 anos de existência. Fundada pelo governador José Ludovico de Almeida, a empresa passou a ser responsável pelas atividades de produção, transmissão e distribuição de energia elétrica, tornando-se a maior do setor público e privado do Estado de Goiás. Cumprindo integralmente com sua responsabilidade social, ela desempenha e apóia diversos progra36 | BOA VONTADE mas socioeducacionais. Um exemplo é a parceria entre a companhia e a Legião da Boa Vontade, que beneficia milhares de pessoas em situação de vulnerabilidade social. Em comemoração do aniversário da Celg, a LBV enviou um cartão de saudações à diretoria e aos colaboradores internos da empresa, destacando seus importantes serviços prestados à comunidade e à Instituição. Enio Andrade Branco, presidente da Celg, destinou, em forma de agra- decimento, uma correspondência, que se segue: “Aos Amigos da LBV, registro e agradeço, sensibilizado, os cumprimentos pelos 53 anos da Celg, ressaltando que os nobres princípios da LBV são de grande importância para as empresas, notadamente para a Celg, na formulação de projetos que contribuam para a valorização e o aprimoramento do ser humano. Cordialmente, Enio Andrade Branco, presidente da Celg Distribuição S.A.”.
  35. 35. Responsabilidade Social Na abertura, a apresentação da Orquestra Criança Cidadã emocionou os presentes. Compromisso com a integração social Seminário Nacional de Energia Elétrica, promovido pela Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), reúne profissionais em Pernambuco E ntre os dias 6 e 10 de outubro, a cidade de Olinda — eleita a primeira Capital Brasileira da Cultura — abrigou o XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica (Sendi). O evento ocorreu no Teatro Ariano Suassuna, no Centro de Convenções de Pernambuco. Promovido a cada dois anos pela Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), o seminário é o maior encontro do ramo energético para a troca de experiências entre as concessionárias do País. Vânia Besse Fotos: Diogo Franco Cristiani Ranolfi e Valdenir Ferreira, representantes da LBV no Nordeste, visitam o estande da Coelce e posam ao lado de José Nunes de Almeida Neto e de Abel Rocha, respectivamente, diretor institucional e de comunicação e diretor-presidente da Coelce; de Ubirajara Fontenele e Márcio Fontenele, da Lotran Logística; e de José Alves, diretor regional do Grupo Endesa Brasil. BOA VONTADE | 37
  36. 36. Responsabilidade Social José Humberto Castro, presidente da Celpe, ao lado de Valdenir Ferreira, da LBV. Guaraciaba Fragozo, da LBV em Pernambuco, com Arnaldo Haimenis e Vicente Ximenes, respectivamente, presidente e supervisor nacional de Qualidade do Grupo Provider Soluções Tecnológicas. Também participam universidades e fornecedores, que expõem novas tecnologias e produtos para o setor. Compareceram à solenidade inaugural do XVIII Sendi as seguintes autoridades e personalidades: o presidente do Grupo Neoenergia, Marcelo Corrêa; o presidente da Abradee, Luiz Carlos Guimarães; o presidente do Conselho Diretor dessa associação, José Jorge; o secretário estadual de Recursos Hídricos, João Bosco de Almeida, representando o governador de Pernambuco, Eduardo Campos; o secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Antonio Perez Puente, representando o ministro Edison Lobão; a prefeita de Olinda, Luciana Santos; o superintendente de Regulação dos Serviços de Distribuição, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Jaconias de Aguiar; o diretorgeral da entidade Operador Nacional do Sistema Elétrico 38 | BOA VONTADE (ONS), dr. Hermes Chipp; o presidente da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe), José Humberto Castro; o secretário de Serviços Públicos, Amaro João, representando o prefeito do Recife, João Paulo Lima e Silva; e o superintendente de operações da Celpe e coordenador-geral do evento, José Cherem. Sendo uma das marcas desse seminário a responsabilidade social, a apresentação da Orquestra Criança Cidadã, na cerimônia de abertura, empolgou todos os presentes. Formada por meninos e meninas residentes no Coque, bairro recifense com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), a Orquestra Criança Cidadã é uma das organizações não-governamentais apoiadas pela Celpe. Ao longo de quatro dias, concessionárias e universidades mostraram mais de 200 trabalhos, enfatizando tecnologia, atendimento ao consumidor, perdas e inadimplências, novas metodologias para planejamento estratégico Luiz Carlos Guimarães, presidente da Abradee, com a revista BOA VONTADE. das holdings, entre outros assuntos relativos ao segmento. No término do primeiro dia, foram premiados os ganhadores do II Rodeio Nacional de Eletricistas. Competiram 37 equipes, demonstrando espírito de confraternização e de Solidariedade, aliado à segurança e agilidade nas atividades de manutenção elétrica. Em primeiro lugar ficou a Ampla Energia e Serviços S.A., do Rio de Janeiro/ RJ; em segundo, a Celpe; e em terceiro, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Representantes da Legião da Boa Vontade (LBV) cumprimentaram os organizadores do evento e diretores de empresas, como a Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e a Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba), do Grupo Neoenergia; a Companhia Energética do Ceará (Coelce) e a Ampla, do Grupo Endesa Brasil; o Grupo Rede Energia; a Bandeirante Energia S.A., do Grupo EDP Energias do Brasil; e o Grupo Provider Soluções Tecnológicas.

×