Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

1º Numero do Bioletter

675 views

Published on

Este é o primeiro numero do Bioletter, o Jornal do curso de Biologia da ESA IPBeja

Published in: Education, Technology
  • Be the first to comment

1º Numero do Bioletter

  1. 1. BioLetter Nº 1/2010: Março/Abril Jornal do Curso de Biologia Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja EDITORIAL 2010— Ano Internacional da estudantil. Surgiu, assim, o Bioletter , em cupações comuns sobre as ameaças cons- duas versões: o jornal e blog. tantes e crescentes à biodiversidade do Biodiversidade Este é um contributo, sem dúvida nosso planeta, e uma forma de envolvermos Num ano que pretende ser um marco modesto, face à dimensão do problema de um número cada vez maior de elementos da na problemática da conservação da bio- perda de biodiversidade que ameaça o comunidade estudantil. diversidade, os alunos do curso de licen- planeta Terra e, consequentemente, a São os jovens que poderão marcar a ciatura em Biologia (da Escola Superior espécie humana, tão dependente dos diferença, numa época em que a preserva- Agrária de Beja) pretenderam contri- recursos naturais, ainda que, negada ou ção da biodiversidade (natural e cultural) é buir, de forma activa, para a divulgação minorada por muitos “poderes” da nossa uma luta diária. Esperamos, por isso, con- desta preocupação global e criar uma sociedade global. tribuir para a sua consciencialização e plataforma de discussão e divulgação de É no entanto, uma forma de nos jun- mobilização. iniciativas, aberta a toda a comunidade tarmos à “aldeia global” que partilha preo- Maria Margarida Pereira Coordenadora de Curso de Biologia A Opinião de ….. António Domingos Abreu, Bastonário da Ordem dos Biólogos Há décadas que investigadores e divulgadores andam a tentar mostrar à sociedade a importância e o valor económico que dependem dos bens e serviços fornecidos pela diversidade biológica, nos seus diferentes níveis de organização funcional e, em particular, nos ecossistemas. Não foi fácil porém pregar esta evidência que, geralmente encontrava no valor intrínseco o seu mais alto reconhecimento. Com efeito, as sociedades desenvolvidas, na melhor das hipóteses, lá foram con- cedendo o chamado direito à existência da biodiversidade, em nome do valor universal do conceito de  Editorial vida. É o clássico valor espiritual da biodiversidade, bem reconhecido mas sem expressão de mercado,  A Opinião de …. logo muitas vezes ignorado quando se trata de proceder a avaliações e definição de estratégias. As alterações climáticas e a mudança global são factores decisivos para esta mudança. Passou a ser  Links úteis fácil entender que a perda de biodiversidade não é apenas o usual folclore associado aquelas espécies emblemáticas com que se foi construindo o ambientalismo idealista do século XX. Os actores agora são  Próximas Activida- outros. Bancos, multinacionais ligadas à produção, seguros, governos, vêm juntar-se aos militantes de des sempre. Hoje a biodiversidade é encarada de forma séria pelo mercado, que procura então aprender como assegurar uma posição privilegiada neste sector. Finalmente parece que a biodiversidade pode ser traduzida em Euros ou dólares. Aliás é essa a medida que deveria se utilizada para avaliar as suas fun- ções prestadas no turismo, na regulação climática, na depuração de contaminações, ou no fornecimento Nesta Edição( de matérias primas utilizadas desde a alimentação à farmacêutica, com toda a explosão que as biotec- nologias estão a sugerir neste início de novo século. Workshop de Cogume- 2 É tempo de procurar, não só conhecer e avaliar o valor objectivo da biodiversidade, mas sobretudo los Silvestres integrá-lo na equação que mede o desenvolvimento, seja ele o de uma empresa, região, ou de um país. Portugal tem na biodiversidade, uma nova oportunidade. O sucesso da afirmação de uma posição Craig Venter volta a dar privilegiada requer decisões urgentes e coerentes. Precisamos de conhecimento e inovação. Isso impli- 3 ca, no que diz respeito à I & D, na área da conservação da natureza e biodiversidade, que se definam cartas estratégias e compromissos que mudem rapidamente o paradigma ao estilo: “de projecto em projecto”, para uma verdadeira linha de ID&T sobre a biodiversidade a médio e longo prazo. Uma ID&T que dispo- Pólo Ictiológico do Gua- 3 nibilize informação segura de apoio à decisão e gestão do recurso biodiversidade. diana António Domingos Abreu Biólogos da ESAB na 4 Bastonário da Ordem dos Biólogos Europa
  2. 2. Página 2 BioLetter Workshop de Cogumelos Silvestres Aproveitando o ano inter- de de cogumelos que emergem 10h00, deu-se inicio ao work- nacional sobre a biodiversida- em solos nacionais e sensibili- shop de cogumelos, Como de, não nos podemos esquecer zar os participantes para a tema de abertura, iniciação à de todos os organismos vivos importância dos fungos nos micologia e morfologia de que habitam o planeta Terra. ecossistemas e preservação cogumelos, onde Luís Morgado Os fungos não foram esqueci- dos nossos recursos micológi- abordou os temas sobre graus dos, e como tal, foi realizado cos. Com a colaboração taxonómicos, as característi- Foto1: Pleurotus ostreatus. um workshop sobre cogumelos imprescindível dos biólogos e cas dos fungos e caracteriza- Cogumelos c omestíveis já silvestres no Ecocentro de oradores do Centro de Estu- ção das estruturas morfológi- são comercial izados, depois Compostagem Caseira, em dos da Avifauna Ibérica, Car- cas, identificação de macro- de emergirem do saco, Gasparões, Ferreira do Alen- los Vila-Viçosa e Luís Morga- fungos, identificação e taxo- estão prontos a ser c olhi- tejo, com objectivo de dar a do, no passado dia 06 de nomia de cogumelos. dos e cozinha dos. conhecer a enorme diversida- Fevereiro de 2010, pelas http://w w w .youtube.com/ w atch? v=4r6qiJoT0 ps &feature=player _embedded “Há quem passe pelo bosque e só veja lenha para a fogueira” Leon Tolstoi Depois de um reforço abordou temas sobre ecologia como outro tipo de activida- energético, seguiu-se a saída e habitats, gestão do recurso des a realizar no Ecocentro. de campo, onde se colheu, micológico, a importância eco- observou e identificou os lógica e sócio- económica do Agradecimentos: Associação cogumelos que ali surgiam, recurso. Foram feitas reco- de Estudantes da ESAB, Ins- num típico montado alenteja- lhas de esporos (esporadas), tituto Politécnico e Direcção no. Apesar de não haver muita dos cogumelos colhidos no da Escola Agrária, EC3- quantidade de cogumelos, a campo. e observações de Ecocentro de Compostagem variedade era imensa, o que estruturas do cogumelo ao Caseira, Carlos Vila-Viçosa, foi bastante positivo para os microscópio. Luís Morgado, e a todos os participantes. Com a chegada da primave- participantes no workshop. De regresso ao Ecocentro, ra e melhoria de condições Carlos Vila-Viçosa falou sobre climatéricas, aguardam-nos os recursos micológicos e mais saídas micológicas, tal Texto/ Fotos: Miguel Capela. Foto3 (à esquerda): Russula ssp; Foto2: Amanita muscaria Foto4 (à direita): Clathrus ruber. Nem todos os cogumelos são Foto 5 (em baixo): Montado. comestíveis: se for parecido com os que costuma apanhar, mas se lhe falta alguns aspec- tos característic os da espé - cie, e se não tiver a certeza, não arrisque. O cogum elo fará mais falta na natureza do que no seu prato. ht t p://ww w .d bio.ue vora.pt / ectoiberica/GUME/ http:// miscara.blog spot.c om/2 007/ 08/ associao- micolgica -marifusa. html http://w w w .fungos.net/
  3. 3. Nº 1/2010: Março/Abril Página 3 Craig Venter volta a dar cartas O nome Craig Venter poderá revistas científicas afirmam água que vai recolhendo dos não ser estranho ao ouvido. que a investigação abriu cami- locais por onde passa. O Isto deve-se ao facto de nho ao estudo do património objectivo? Sequenciar o este cientista ter descodifi- genético individual, para genoma de milhões de micror- cado o genoma humano de alcançar uma medicina perso- ganismos, esperando encon- uma só pessoa - ele próprio. nalizada. trar, em alguns deles, uma Esta investigação foi bas- Indiferente a tudo isto, bactéria capaz de transfor- tante criticada devido aos John Craig Venter está, des- mar a luz solar em energia elevados custos (dezenas de de 2003 ,a dar a volta ao limpa. milhares de dólares) envolvi- mundo a bordo do navio Sor- O cientista esteve nos dos nesta técnica de decifra- cerer II, ao estilo de Açores em 2009 e andará Fonte gem e ainda ao facto de “os “Charles Darwin e a origem pelo Mediterrâneo em 2010. “elproyectomatriz.wordpres resultados obtidos sobre a das espécies”. O cientista Se os prazos se cumprirem, s.com” variabilidade do genoma está convencido de que no acabará a sua aventura no humano são interessantes fundo dos oceanos estará a final do ano. Esperamos assim Sabia que… mas, por si só não trazem chave para a criação de fár- que a viagem seja frutuosa e nada de novo sobre o conheci- macos ajustáveis ao ADN de que em poucos anos tenhamos Craig Venter foi surfista na sua mento de doenças genéticas”, cada um. Mas o seu principal combustível sem emissões de juventude e passou pela Guerra comentou o director da objectivo é descobrir um CO2. do Vietname, onde foi Génescope (Centro Francês novo combustível, sem emis- paramédico no hospital de de Genética Molecular) à sões de CO2. Venter montou Texto de Eunice Santos um laboratório a bordo do campanha ? France Press. Aluno do 2º ano de Biologia Apesar das críticas as navio onde junta amostras de Pensamentos e reflexões Polo Ictiológico do Guadiana "Há um tempo em que Vai ser criado pólo dedicado não são detectadas por estas que gere o projecto Alqueva, é preciso abandonar as aos peixes do rio Guadiana paragens algumas há já deze- e uma das grandes dinamiza- roupas usadas que já em Mértola nas de anos, como o esturjão, doras do Baixo Alentejo. Mértola foi escolhida famoso pelas características Prevê-se que comece a têm a forma do nosso para acolher o pólo ictiológico gastronómicas das suas ovas funcionar em 2011. Numa corpo e esquecer os do Guadiana, ou seja, um cen- (caviar). próxima edição vamos tentar nossos caminhos que tro onde serão expostas e A promoção deste centro aprofundar este tema junto nos levam sempre aos estudadas espécies de peixes está a cargo do Instituto da de algum dos responsáveis mesmos lugares. É o originárias daquele rio, algu- Conservação da Natureza e pelo projecto. tempo da travessia e, mas delas em risco de extin- Biodiversidade (ICNB), com o se não ousarmos fazê- ção, como por exemplo o apoio da Câmara Municipal de Texto de Ivo Monteiro la, teremos ficado, para Saramugo, e outras que já Mértola e da EDIA, empresa Aluno do 2º ano de Biologia sempre, à margem de nós mesmos." Nova ameaça no rio Guadiana Fernando Pessoa De acordo com informações 70, numa bacia hidrográfica da ( Anaecypris hispanica ), ou fornecidas pelo nosso colabora- Catalunha (Espanha), . comercialmente importantes dor em Mértola, o biólogo Carlos A Portugal esta ameaça como o Sável (Alosa alosa), visto Carrapato, no dia 7 de Feverei- apenas chegou há cerca de 10 o Lucioperca ser uma espécie ro de 2010, foram capturados 2 anos, sendo detectado primeira- carnívora que se alimenta quase indivíduos da espécie Lúcioperca mente no rio Ave. exclusivamente de peixes, (Sander lucioperca) no Rio Gua- A chegada desta espécie ao podendo atingir 60 cm de com- diana. Guadiana, representa uma amea- primento. Esta é uma espécie invasora ça a várias outras espécies, natural da Europa Central, que algumas delas endémicas e em Texto de Ivo Monteiro e Sander lucioperca foi introduzida na década de risco, com o o Saramug o Carlos Carrapato Foto: Miguel Capela
  4. 4. BioLetter: Como tiveste conhecimento deste programa de estágios? Biólogos da ESAB na Europa Lia: Tomei conhecimento do Programa Leonardo da Vinci o ano passado, mas a parceria deste ano com o IPB foi através de uma amiga ex-aluna, que por sua Duas antigas alunas do curso de Biologia vão iniciar, vez foi informada por uma professora da Escola Superior Agrária. em Março, estágios profissionais, em Itália e na República Checa, ao abrigo do programa Leonardo da B.: Para que locais e instituições vais estagiar? L.: Vou estar 6 meses a viver no centro de Praga, República Checa e fui aceite Vinci. Resolvemos conhecer as expectativas de Lia para estagiar no Departamento de Hidrobiologia e Limnologia, pertencente à Valido antes da partida. Faculdade de Ciências da Universidade de Charles. B.: Que tipo de trabalho (ou áreas) vais desenvolver? L.:Apesar de ainda não estar definido o tema especifico, escolhi a Limnologia como área principal de trabalhos, sendo esta uma área com grandes avanços na Links úteis faculdade. Espero fazer parte de um projecto já a decorrer e que se prolonga- rá até 2013. http://ambiente.maiadigital.pt/educacao- B.: Quais as expectativas que levas? Que benefícios esperas recolher ambiental desta experiência? http://portal.icnb.pt/ICNPortal/vPT2007/ L.: Primeiro que tudo, espero adaptar-me facilmente à cultura, linguagem e ao http://www.naturlink.sapo.pt clima. Depois, sem dúvida, os benefícios virão ao enriquecer conhecimentos http://www.quercus.pt/scid/webquercus/ na área que gosto, com pessoas já destacadas no tema, e evoluir aprendendo http://www.ceai.pt com o sistema de ensino e funcionamento de uma faculdade estrangeira. Por http://www.lpn.pt/ último, não só concretizar um trabalho experimental, útil de modo a ser publi- http://www.e-escola.pt/canal.asp?nome=biologia cado, mas que também possa ser aproveitado para projectos ou estudos no http://www.ordembiologos.pt meu país. Por outro lado, seriam opções a considerar, se no futuro ocorrer http://www.johnkyrk.com/index.pt.html uma oportunidade de tirar um mestrado ou até mesmo trabalhar em Praga. http://speco.fc.ul.pt http://www.iucn.org Entrevista realizada por: Doutora Margarida Pereira IMPORTANTE Próximas Actividades .....para Março/Abril No dia 5 de Maio vai realizar- 15 a 19 Março: Avaliação do Impacte Ambiental. Organização: LPN, Lisboa. se, na Escola Superior Agrária http://projectos.lpn.pt/formacao de Beja, um Seminário para assi- nalar o Ano Internacional da 20/ Março: Vamos limpar Portugal ! Para se inscrever no PLP, registe-se em http:// Biodiversidade. limparportugal.ning.com As inscrições são gratuitas e devem ser enviadas para o nosso mail : 20 Março a Junho: Workshop “2010 Biodiversidade”. Local : Jardim Zoológico de Lisboa. biologia_ipb@hotmail.com http://www.zoo.pt Mais informações na próxima 22/Março: 10.º Congresso da Água. Local: Hotel Pestana Alvor Praia; http://www.aprh.pt/ BioLetter e também no blog. congressoagua2010 27 e 28 Março: IV Jornadas da Biologia da Conservação. Local: Campo Maior. Mais informa- Este pequeno jornal digital ções: aldeia.eventos@gmail.com pretende ser um elemento de ligação interactiva entre os alunos 2 a 4 de Abril: Identificação de Aves Marinhas e sua Observação em Portugal. Organização: do Curso de licenciatura em Biolo- SPEA. Contacto para mais informações: alexandra.lopes@spea.pt gia da Escola Superior Agrária de Beja e a comunidade estudantil e profissional com interesses na 10 e 11 Abril: Fotografia da Natureza em Castro Verde II. Local: Castro Verde. Organização: área da conservação da natureza. LPN. http://projectos.lpn.pt/formacao Contamos, por isso, com a colaboração de todos os interes- sados e aguardamos, com expec- tativa, notícias, sugestões e ESTAMOS TAMBÉM NO FACEBOOK informações que nos queiram enviar. Organização E EM http:// Só com a colaboração exter- na é possível alcançar os objecti- biologiaipb.blogspot.com vos a que nos propusemos com a Redacção criação da BioLetter. As vossas contribuições podem ser enviadas para o mail : Eunice Santos biologia_ipb@hotmail.com Correio electrónico: biologia_ipb@hotmail.com em ficheiro Word, e com identifi- Ivo Monteiro cação dos autores. Miguel Capela PARTICIPEM ! Comissão Técnico-Científica e Pedagógica do curso de Biologia

×