A África no século XIX

28,385 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
28,385
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
97
Actions
Shares
0
Downloads
82
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A África no século XIX

  1. 1. África no século XIX
  2. 2.  A partir do momento que o continente africano não podia mais fornecer escravos, o interesse das potências colônias inclinou-se para a sua ocupação territorial. E isso deu-se por dois motivos, O primeiro A partilha deles é que ambicionavam explorar as riquezas africanas, minerais e agrícolas, existentes no O Alto Níger era controlado hinterland, até então só parcialmente conhecidas. O pela Companhia Real do Níger, segundo deveu-se à competição imperialista cada vez dos britânicos. A África Oriental maior entre elas, especialmente após a celebração da unificação da Alemanha, ocorrida em 1871. Por vezes estava dividida entre uma chegou-se a ocupar extensas regiões desérticas, companhia alemã, dirigida por como a França o fez no Saara (chamando-a de Karl Peters, e uma inglesa, França equatorial), apenas para não deixá-las para o adversário. comandada pelo escocês Antes da África ser dominada por funcionários W.Mackinnon. Cecil Rhodes metropolitanos, a região toda havia sido dividida entre era o chefe da companhia sul- várias companhias privadas que tinham concessões de exploração. Assim a Guiné estava entregue a uma africana que explorou a atual companhia escravista francesa. O Congo, por sua Zâmbia e Zimbawe, enquanto o vez, era privativo da Companhia para o Comércio e rei Leopoldo II da Bélgica Indústria, fundada em 1889, que o dividia com a companhia Anversoise, de 1892 . autorizava a companhia de Katanga a explorar o cobre do Congo belga.
  3. 3. O Congresso de Berlim Atendendo ao convite do chanceler  O congresso de Berlim deu enorme impulso do II Reich alemão, Otto von à expansão colonial, sendo complementado posteriormente por acordos bilaterais entre Bismarck, 12 países com interesse as partes envolvidas, tais como Convênio na África encontraram-se em Berlim franco-britânico de 1889-90, e o Tratado - entre novembro de 1884 a fevereiro anglo-germânico de Heligoland, de 1890. Até de 1885 -, para a realização de um 1914 a África encontrou-se inteiramente congresso. O objetivo de Bismarck é divida entre os principais países europeus (Inglaterra, França, Espanha, Itália, Bélgica, que os demais reconhecessem a Portugal e Alemanha). Com a derrota alemã Alemanha como uma potência com de 1918, e obedecendo ao Tratado de interesses em manter certas regiões Versalhes de 1919, as antigas colônias africanas como protetorados. Além alemãs passaram à tutela da Inglaterra e da França. Também, a partir desse tratado, as disso acertou-se que o Congo seria potências comprometeram-se a administrar propriedade do rei Leopoldo II da seus protetorados de acordo com os Bélgica (responsável indireto por um interesses dos nativos africanos e não mais dos mais terríveis genocídios de com os das companhias metropolitanas. africanos), convertido porém em Naturalmente que isso ficou apenas como uma afirmação retórica. zona franca comercial. Tanto a Alemanha, como a França e a Inglaterra combinaram reconhecimentos mútuos e acertaram os limites das suas respectivas áreas.
  4. 4. Interesses estrangeiros A África foi sistematicamente invadida por nações em busca de riquezas, de modo que sua população foi submetida a diferentes formas de poder e exploração, justificadas por preceitos religiosos, políticos ou econômicos e mesmo científicos. No século XIX, os religiosos lançaram-se à conversão dos africanos, como tentativa de salvar suas almas, alguns deles após longo período afirmando que elas não existiam. Os políticos, por sua vez, discursaram em prol do avanço da civilização ocidental, para que atingisse regiões e povos atrasados. Os cientistas, famintos pela elaboração de teorias que os conduzissem ao reconhecimento público, olharam a África como novo campo de descobertas. Não por acaso, foram abundantes os estudos que levaram à formulação da Teoria da Evolução e às fórmulas pseudocientíficas que geraram a Eugenia e as novas teses racistas. Naquele período, com a expansão das práticas do liberalismo econômico e declínio do mercantilismo, mais uma vez o “continente negro” presenciou os crimes e as atrocidades promovidas pela cobiça, mas agora legitimados pela preocupação científica de diversos grupos de intelectuais e institutos de pesquisa, bem como pela “legalidade” das decisões tomadas no final do século XIX durante a Conferência de Berlim.
  5. 5. O território como colônia e como protetorado Colonialismo é quando um País culturamente e economicamente superior, toma posse, ilegalmente de outro, já habitados por outros povos. Povos que possuem a mesma nacionalidade, e passam a ser controlados politicamente e socialmente por outro Estado. Já o Protetorado, dito do próprio nome, é um País que recebe uma "proteção" de outro. Um País mais adiantado, supõe que o outro necessite de sua ajuda. Então invadem o mesmo e colocam um Presidente, uma política e também um exército dominante para manter a "Paz". A diferença em relação a colônia e que o representante da metrópole tem mais autonomia de mandar e fazer escolhas pelo País. Um exemplo desse colonialismo e "proteção" já realizado ná África, é a diversidade de idiomas e culturas em áreas diferentes do País.
  6. 6. Territórios ocupadospelas naçõeseuropeiasA divisão da Africa começouna segunda metade do sécXIX, um pouco depois daConfêrencia de Berlim (1884- 1885) , quando adeleimeteação das fronteirasda Àfrica antingiu seu pontomáximo. Nesta conferênciaforam quais normas seriamtomadas pelas potênciascolonizadoras. Apesar dointuito inicial ter sido deacertar os limtes econômicosdestes países na região, nãofoi possível alcançar umequilíbiro entre as ambiçõesimperialistas da nação .
  7. 7. Continuação A Àfrica foi dividida entre A Rùssia, EUA e outros 14 países. Líder do imperialismo na época, a Inglaterra dominou o norte do Mar Mediterrâneo até o extremo Sul do continente africano, região onde se encontrava o Cabo da Boa Esperança. Um importante nome britânico neste processo foi o de Benjamin Disraeli, que conseguiu tomar o Canal de Suez do completo domínio francês e egípcio. Este canal encurtava a distância entre os centros da indústria européia e as áreas de colonização da Ásia, além disso, ligava o mar Mediterrâneo ao Mar Vermelho. Disraeli adquiriu ações do governo egípcio, fazendo com que o canal de Suez e todo Egito tivessem dupla administração: inglesa e francesa. Já em 1904, o governo inglês apoiou a França na conquista do Marrocos, tendo como moeda de troca o abandono dos franceses das terras egípcias. Por fim, em 1885, a Inglaterra ainda anexou o Sudão, país ao Sul do Egito. A França, apesar de ter perdido o Egito para os britânicos, dominava Argélia, Tunísia, ilha de Madagascar, Somália Francesa, Marrocos e Sudão (depois dominado pela Inglaterra) desde 1830.
  8. 8.  Referências Bibliográficas: http://percursoshistoricos.blogspot.co m.br/2011/07/imperialismo-europeu- na-africa-do.html http://educaterra.terra.com.br/voltaire/ mundo/africa12.htm http://orientika.blogspot.com.br/2008/0 4/teorias-sobre-o-colonialismo.html http://www.infoescola.com/historia/part ilha-da-africa/

×