• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Aprendizagem autoria avaliação
 

Aprendizagem autoria avaliação

on

  • 6,239 views

A aprendizagem e a avaliação em teorias pedagógicas que buscam o aluno como autor

A aprendizagem e a avaliação em teorias pedagógicas que buscam o aluno como autor

Statistics

Views

Total Views
6,239
Views on SlideShare
6,235
Embed Views
4

Actions

Likes
1
Downloads
170
Comments
0

1 Embed 4

http://www.linkedin.com 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Aprendizagem autoria avaliação Aprendizagem autoria avaliação Presentation Transcript

    • Weld Nome: Aprendizagem, autoria e avaliação Carlos
    • Aprendizagem, autoria e avaliação As novas tendências pedagógicas abordam sobre a importância do professor deixar de “dar aula” e assumir o papel do mediador, permitindo que o aluno seja o autor de seu conhecimento, onde este, em contato com os iguais, aprende e ensina. Desta forma, o conteúdo assume diferentes linguagens e abordagens, alcançando diferentes formas de aprender, possibilitando que as compreensões sejam mais amplas. O grande desafio é alcançar a aprendizagem pretendida, sendo o aluno o grande pesquisador. E como avaliar este aprendizado? Como mediar este processo com alunos em diferentes níveis de compreensão?
    • A aprendizagem é a principal razão de existir da escola, toda sua estrutura como funcionários, secretarias e recursos têm em seu objetivo o aprender. Para isso, várias pedagogias foram adotas para possibilitar este processo, Becker (2001) classificou-as em três tipos:
      • Diretiva: o professor é quem transmite o conhecimento, ele é o centro da aprendizagem;
      • Não-diretiva: o aluno é quem deve buscar aprender e uma participação direta do professor pode prejudicar este processo, o aluno é o centro da aprendizagem;
      • Relacional: através de desafios criados pelo professor os alunos se relacionam e desenvolvem meios para as soluções, a relação entre o professor e aluno é o centro da aprendizagem.
      • As novas tendências pedagógicas consideram a pedagogia relacional como a mais eficiente, nela o professor torna-se mediador do conhecimento, exigindo que o aluno busque seu próprio saber e permite que o aluno aprenda com outro aluno.
      • O melhor método de aprendizagem é o que o aluno aprende, mas o professor deve ter a consciência da sua forma de ensinar permitindo que o sua pedagogia seja compreendida pelo aluno.
      Aprendizagem, autoria e avaliação
    • Aprendizagem, autoria e avaliação
      • Algumas vantagens da pedagogia relacional
      • Ambiente rico em aprendizagem, pois todos os participantes, professor e aluno, são pesquisadores e aprendizes;
      • Fazer com que o aluno busque o seu conhecimento, adquirindo assim, autonomia;
      • Desenvolvimento social e crítico do aluno;
      • Possibitar que os alunos interajam entre si, desta forma, o conteúdo adquiri diferentes linguagens e assimilações;
      • A melhora da autoestima do aluno, pois ele aprende e ajuda outros à aprender, sentindo-se assim, útil e valorizado neste processo
      APRENDIZAGEM
    • Aprendizagem, autoria e avaliação Pedagogia diretiva = aluno desmotivado Pedagogia relacional = todos envolvidos
      • Mas, para que a pedagogia relacional funcione o professor precisa
      • estar ciente das formas de aprendizagem de cada aluno;
      • conhecer as dificuldades que possuem;
      • estar sempre propondo novos desafios para que eles estejam motivados, descobrindo assim, meios de envolver todos no processo educacional.
      • Para conseguir isso a ferramenta mais importante é a avaliação.
    • Aprendizagem, autoria e avaliação A avaliação permite que o professor conheça o aluno e todo o processo educacional. Luckesi (2011) demonstra a importância da avaliação embasada como meio científico, onde deve-se buscar entender não só o que vemos, mas também, o que está escondido. Silva (2003) enfatiza a importância do professor identificar a forma como o aluno aprende para criar novos desafios para a aprendizagem, e assim, provocar o “erro construtivo”, pois é através destes erros que o professor pode estimular o aluno a produzir e aprender mais. Hoffmann (2005) diz que o professor deve “ler” o aluno, interpretando o que faltou, transformando esta falta em qualidades ou aprendizagens. Esta “leitura” deve ser realizada no cotidiano escolar, onde há a possibilidade do professor traçar objetivos individuais para os alunos, atualizar estes objetivos de acordo o final de cada etapa, fazendo assim uma reflexão de sua metodologia
    • Aprendizagem, autoria e avaliação As relações e a construção dos diálogos entre professor e aluno devem ser realizados todos os dias, durante todo o processo, tendo o professor, a consciência que o seu trabalho e método também estão sendo avaliados, desta forma, contribuindo para situar-se do que deve ser mudado ou aperfeiçoado. O professor deve refletir sobre o aluno, conhecendo sua realidade, suas dificuldades e como é este aluno como ser social e humano, as suas ações estão sempre em construção, evoluindo conforme suas avaliações diárias.
    • Aprendizagem, autoria e avaliação Quando o professor avalia o aluno permitindo sua liberdade de autoria e compreende que ele é um ser único e que pode aprender diferentemente de outro, que pode, direta ou indiretamente, contribuir no aprendizado de seus colegas, quando este professor adapta seu conteúdo, metodologias ou cria diferentes instrumentos avaliativos, quando o professor tem a visão de que não é o dono do conhecimento e entende que a forma com que ensina pode não ser a melhor para todos, ele está ajudando seus alunos a adquirirem a autonomia de aprender.
    • Aprendizagem, autoria e avaliação Para que essas mudanças possam ser possíveis, e xige-se do professor mais planejamento, muita dedicação, criatividade, habilidade de observar e conhecer seus alunos e ainda a consciência de que o conhecimento é construído diariamente e de forma diferente para cada ser. Existem, portanto, muitos fatores que precisam ser mudados, como a aprovação do aluno por meio de notas, as cobranças que são feitas às unidades escolares que devem alcançar metas internacionais baseadas nas médias escolares dos alunos e a visão política de que aumentar as horas de planejamento do professor é um gasto excedente e horas de folga para este profissional. A educação deve mudar, mas para isso não podemos colocar o professor como o único responsável, todos devem estar envolvidos para que essa mudança seja possível.
    • Aprendizagem, autoria e avaliação REFERÊNCIAS HOFFMANN, Jussara. Avaliação formativa ou avaliação mediadora. In: O jogo do contrário em avaliação. Porto Alegre: Mediação, 2005, p. 13-26. SILVA, Janssen F. da. Introdução: avaliação do ensino e da aprendizagem numa perspectiva formativa reguladora. In: Práticas avaliativas e aprendizagens significativas: em diferentes áreas do currículo / Organizadores Janssen Felipe da Silva, Jussara Hoffmann, Maria Teresa Esteban. Porto Alegre: Mediação, 2003, p. 07-18. LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem na escola: investigação e intervenção. In: Avaliação da aprendizagem componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2011, p. 149-178. AVALIAÇÃO E APRENDIZAGEM. TV Escola. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. DVDEscola 03. AVALIAÇÃO NA APRENDIZAGEM, Luckesi, Cipriano. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=slL3EW7ntAE&feature=related . Acesso em 04/06/2011.