O Processo de Elaboração do Luto em Um Paciente com Diagnóstico de Esquizofrenia: Um Estudo de Caso
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

O Processo de Elaboração do Luto em Um Paciente com Diagnóstico de Esquizofrenia: Um Estudo de Caso

on

  • 1,193 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,193
Views on SlideShare
1,193
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

O Processo de Elaboração do Luto em Um Paciente com Diagnóstico de Esquizofrenia: Um Estudo de Caso O Processo de Elaboração do Luto em Um Paciente com Diagnóstico de Esquizofrenia: Um Estudo de Caso Presentation Transcript

  • “O Processo de Elaboração do Luto em umPaciente com Diagnóstico de Esquizofrenia: Um Estudo de Caso” Aluna: Michelle Cristina da Silveira Orientadores: Ana Carolina Schmidt de Oliveira Prof. Dr. Hewdy Lobo Ribeiro São Paulo 2013
  • O Processo de Elaboração do Luto em um Paciente com Diagnóstico de Esquizofrenia: Um Estudo de CasoTrabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Saúde Mental para EquipesMultiprofissionais da Universidade Paulista, como requisito para obtenção do título de Especialista. Março / 2013
  • IntroduçãoLuto:- As perdas e sua elaboração fazem parte do cotidiano (Kovács, 1992);- Resposta ao rompimento de um vínculo significativo;- Sintomas: tristeza, desânimo, falta de interesse no mundo externo, inibição das atividades, diminuição da auto-estima, culpa e punição (Bowlby, 2004);- Experiência única e particular (Franco, 2002);
  • IntroduçãoLuto:- Interferências no processo de elaboração (Parkes, 1998): - Tipo de Vínculos; - Tipos de Mortes; - Religiosidade; - Apoio Social;
  • IntroduçãoEsquizofrenia:- Demência Precoce - Benedict Morel (1808 – 1873);- Paul Eugen Bleuler em 1906: - Skhizein – rasgar, dividir, separar; - Phrênos – Pensamento; (Sterian, 2011)
  • IntroduçãoEsquizofrenia:- Sintomatologia Negativa: - Embotamento Afetivo; - Isolamento Social; - Empobrecimento da Linguagem e do Pensamento; - Diminuição da Vontade; - Negligência; - Lentificação; (Dalgalarrondo, 2008)
  • IntroduçãoEsquizofrenia:- Sintomatologia Positiva: - Alucinações; - Delírios; - Comportamento e Idéias Bizarras; - Agitação Psicomotora; (Dalgalarrondo, 2008)
  • IntroduçãoEsquizofrenia:- Manual Diagnóstico e Estatístico (DSM IV – TR), 2002: - Eixo I; - Presença de dois sintomas com duração de pelo menos um mês: - Delírios; - Alucinação; - Discurso e Comportamento Desorganizado; - Sintomas Negativos;
  • IntroduçãoEsquizofrenia:- Classificação Internacional das Doenças da Organização Mundial da Saúde (CID – 10), 1993: - Transtorno Crônico; - Deteriorante; - Sintomatologia Complexa;
  • IntroduçãoEsquizofrenia:- 1% da População Mundial;- 60% Morbidade;- 10% Mortalidade;- Homens entre 17 – 27 anos;- Mulheres – Bimodal: - Final da Adolescência; - Aos 40 anos; (Neto, et al, 2006)
  • IntroduçãoEsquizofrenia:- Etiologia: - Fatores Genéticos; - Cerebrais; - Ambientais; - Desenvolvimento; (Neto, et al, 2006)
  • IntroduçãoEsquizofrenia:- Psicanálise: - Freud, 1894; - Conflito Mundo Exterior X Ego; - Rejeição da Realidade; - “Construção Delirante” (Sterian, 2011)
  • Justificativas Ampliar o conceito; Reconhecer as fragilidades emocionais caracterizadas pelo diagnóstico da esquizofrenia; Favorecer a elaboração de intervenções e manejos clínicos;
  • Objetivos Geral: Compreender o processo de elaboração do Luto em um paciente com diagnóstico de Esquizofrenia; Específico: Identificar as possíveis dificuldades e recursos emocionais desenvolvidos pelo sujeito com diagnóstico de esquizofrenia na elaboração do processo de luto;
  • Metodologia Levantamento Bibliográfico Período de 2006 à 2012; Língua Portuguesa; Caso Clínico - Revisão de Prontuário; Intersecção Teoria e Prática;
  • Caso Clínico Paciente: J. A. R. G. C. Idade: 18 anos Data de Nascimento: 22/05/1994 Escolaridade: Ensino Médio Incompleto Hipótese Diagnóstica pela CID-10 – F20.0
  • Caso Clínico – História Inicial Tratamento psiquiátrico desde fevereiro/12; “Sensação de perseguição”; Isolamento social há 2 anos; Hospital-Dia de julho/12 à janeiro/13; Pouco interesse no contato; Importante latência de respostas;
  • Caso Clínico – História PregressaDados fornecidos por familiares: Mãe câncer nos ovários – 2001; Separação dos pais - 2002; Morte do irmão mais velho – 2003; Morte do pai – 2003; Morte da avó materna cuidadora – 2005;
  • Caso Clínico – História Pregressa Morte do avô materno cuidador – 2006; Morte da mãe – janeiro/ 2012; Morte do cachorro – janeiro / 2012; “Agora estou realmente sozinho”; Tios maternos cuidadores;
  • Caso Clínico – Desfecho “Férias” – dezembro/ 2012; Retorno – janeiro/ 2013; Fuga do Hospital-Dia; Equipe indica internação psiquiátrica; “Vamos cuidar dele em casa”;
  • Resultados Bases de dados Scielo, Lilács e Google Acadêmico; Não houve achados para a intersecção Luto and Esquizofrenia; Luto – Elaboração da vivência – 4 artigos; Esquizofrenia – Recursos emocionais – 5 artigos;
  • Discussão Teoria - Esquizofrenia Prática – Caso Clínico- Sintomatologia grave e - J. não realizava nenhumaincapacitante (ARAÚJO, atividade de forma autônoma,LEMOS e CARVALHO, 2007); nem mesmo auto-cuidado;- Alterações cognitivas - Empobrecimento no contatoimportantes – cognição social e no interesse pelos outros;(FERREIRA JUNIOR, et al, 2010);- Anedonia e embotamento - Expressão de incômodo eafetivo (SILVA, 2006); inquietude;
  • Discussão Teoria - Esquizofrenia Prática – Caso Clínico- Baixas expectativas diante - J. apresentava-se de formada vida, sem motivação para a apática – exemplo: “Dia deresolução dos problemas Chuva”;(SANTANA, 2008);- Estímulos sociais e - Não adesão às propostas;diminuição do tempo ocioso –melhorias no quadro (SÁ JR eSOUZA, 2007);- Vulnerabilidade e Estresse - Perdas como fatoresPsicossocial (SILVA, 2006); agravantes do quadro de J.;
  • Discussão Teoria - Luto Prática – Caso Clínico- Elaboração do Luto – - J. demonstrou a presença deInúmeras variáveis poucos recursos emocionais;emocionais (MOTA, 2008);- Resolução – Ressignificação - J. não apresentava condiçõesda nova realidade sem a de falar sobre suas angústias –pessoa perdida (BOUSSO, 2011); exemplo: “Filme” e “Jornal”- Perdas Múltiplas – Fator - Sequência de perdas podeComplicador (KOVÀCS, 2008); ter agravado o quadro psicótico;
  • Conclusão Pouca capacidade de elaboração do luto; Sucumbem à dor buscando proteção no isolamento; Sem motivação para reação; Dificuldade de criar novos vínculos – medo da perda? J. teria tais prejuízos emocionais não houvesse as múltiplas perdas?
  • “Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana.” Carl Gustav Jung
  • Obrigada!! psi.michelle@hotmail.com
  • Referências ARAÚJO, M. F. M., LEMOS, A. C. S., CARVALHO, C. M. L. O Relacionamento Terapêutico no Cuidado Dispensado à um Esquizofrênico: Narrativas de um Diário de Campo. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. vol. 20, n. 002, p. 116-123, 2007, Fortaleza. Disponível em: < http://ojs.unifor.br/index.php/RBPS/article/view/1012> Acesso em 25/01/2013. BOUSSO, R. S. A Complexidade e a Simplicidade da Vivência do Luto. Revista Acta Paulista de Enfermagem. vol. 24, n. 03, 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103 -21002011000300001> Acesso em 25/01/2013. BOWLBY, J. Formação e Rompimento dos Vínculos Afetivos. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
  • Referências BOWLBY, J. Perda: Tristeza e Depressão. Vl 03, 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004. DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2008. FERREIRA JUNIOR, B. C. et al. Alterações Cognitivas na Esquizofrenia: Atualização. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul. Vol. 32, n. 02, p. 57-63, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rprs/v32n2/v32n2a06.pdf>. Acesso em 25/01/2013. FRANCO, M. H. P. (org). Formação e Rompimento de Vínculos: O Dilema das Perdas na Atualidade. São Paulo: Summus Editorial, 2010.
  • Referências FREUD, S. A Perda da Realidade na Neurose e na Psicose . Vol. XIX, 1924. Disponível em: < http://lacan.orgfree.com/freud/textosf/perdarealidadeneurosepsicose.pdf> Acesso em 24/12/2012 KOVÁCS, M. J. Morte e Desnvolvimento Humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992 KOVÁCS, M. J. Desenvolvimento da Tatatologia: Estudos sobre a Morte e o Morrer. Paidéia. vol. 18, n. 41, p. 457-468, 2008. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/paideia/v18n41/v18n41a04.pdf> . Acesso em 25/01/13. KLUBER-ROSS. Sobre a Morte e o Morrer. 8 ed. São Paulo: Edart, 2002. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais . DSM- IV- TR. 4 ed. rev. Porto Alegre: Artmed, 2002.
  • Referências MOTA, M. M. A. O Luto em Adolescentes pela Morte do Pai: Risco e Prevenção para a Saúde Mental. Tese de Doutorado – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, 2008. Disponível em: < http://psi21.com.br/ojs/index.php/CBPA/article/viewFile/15/15> Acesso em 25/01/2013. NETO, M. L. et al. Esquizofrenia. In: ABREU, C. N, et al. Síndromes Psiquiátricas: Diagnóstico e Entrevista para Profissionais de Saúde Mental. Porto Alegre: Artmed, 2006. PARKES, C. M. Luto: Estudos sobre a perda na vida adulta. 2ª ed. São Paulo: Summus Editorial, 1998. SÁ JUNIOR, A. R., SOUZA, M. C. Avaliação do Comprometimento Funcional na Esquizofrenia. Revista de Psiquiatria Clínica. Vol. 34, supl. 02, p. 164-168, 2007. Disponível em: < http://hcnet.usp.br/ipq/revista/vol34/s2/164.html> Acesso em 25/01/2013..
  • Referências SANTANA, L. A. M. Comportamento Verbal e Esquizofrenia: Estratégia Operante de Intervenção. Tese de Mestrado – Universidade Católica de Goiás, 2008. Disponível em: < http://tede.biblioteca.ucg.br/tde_busca/arquivo.php? codArquivo=457> Acesso em 25/01/2013. SILVA, R. C. B. Esquizofrenia: Uma Revisão. Revista de Psicologia da Universidade de São Paulo. Vol. 17, n. 04, p. 263-285, 2006. Disponível em: <http://www.revistasusp.sibi.usp.br/pdf/psicousp/v17n4/v17n4a14.pdf> Acesso em 25/01/2013. STERIAN, A. Esquizofrenia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011. Organização Mundial da Saúde. Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: Descrições Clínicas e Diretrizes Diagnósticas. Porto Alegre: Artmed, 1993. TANIS, B. Especificidade no Processo de Elaboração do Luto na Adolescência. Revista Brasileira de Psicanálise. vol. 43, n. 03, p. 39-50, 2009. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S0486- 641X2009000300005&script=sci_arttext> Acesso em 25/01/12.