Texto De OrientaçãO Lurdes Silva

303
-1

Published on

Published in: Technology, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
303
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Texto De OrientaçãO Lurdes Silva

  1. 1. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de Operacionalização (conclusão) MÓDULO 6 Parte 1 CRUZAMENTO DA INFORMAÇÃO RESULTANTE DA AUTO-AVALIAÇÃO DA BE COM OS CAMPOS E TÓPICOS ESTABELECIDOS PELA IGE Introdução A auto-avaliação da Biblioteca escolar é uma realidade nas nossas escolas. Assim, torna-se cada vez mais importante que esta auto-avaliação integre a auto-avaliação da escola e sirva de referência para a entrevista com a IGE, uma vez que a auto-avaliação da escola deve ser vista como um todo. Apresenta-se de seguida uma proposta de cruzamento dos tópicos descritores dos campos de análise da IGE com os domínios/subdomínios/indicadores do Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar, que poderão ser referenciados no Relatório de Avaliação Externa. 1 Práticas e Modelos de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
  2. 2. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de Operacionalização (conclusão) IGE Tópicos para a apresentação da escola Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar Campos de Análise Tópicos Descritores Domínios/Subdomínios/Indicadores A.2.5 Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à 1.Contexto e 1.1 Contexto físico e social formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida. caracterização geral da Escola D.1.3 Resposta da BE às necessidades da escola/agrupamento. 1.2 Dimensão e condições físicas da D.2.3 Adequação da BE em termos de espaço às necessidades da Escola/agrupamento. escola D.2.4 Adequação dos computadores e equipamentos tecnológicos ao trabalho da BE e dos utilizadores na escola/agrupamento. 1.3 Caracterização da população D.2.2 Adequação dos recursos humanos às necessidades de funcionamento da BE na discente escola/agrupamento. 1.4 Pessoal Docente D.2.1 Liderança do professor bibliotecário na escola/agrupamento. D.2.2 Adequação dos recursos humanos às necessidades de funcionamento da BE na 1.5. Pessoal não docente escola/agrupamento. D.1.2 Valorização da BE pelos Órgãos de direcção, administração e gestão da 1.6 Recursos financeiros escola/agrupamento D3.1 Planeamento/gestão da colecção de acordo com a inventariação das necessidades curriculares e dos utilizadores da escola/agrupamento. D.3.2 Adequação dos livros e de outros recursos de informação (no local e online) às necessidades curriculares e aos interesses dos utilizadores na escola/agrupamento. D.3.3 Uso da colecção pelos utilizadores da escola/agrupamento. D.3.5 Difusão da informação. 2 Práticas e Modelos de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
  3. 3. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de Operacionalização (conclusão) D.1.1 Integração/acção da BE na escola/agrupamento. 2. O Projecto Educativo 2.1.Prioridades e objectivos D.3.1 Planeamento /gestão da colecção de acordo com a inventariação de necessidades curriculares e dos utilizadores da escola/agrupamento. D.3.2 Adequação dos livros e de outros recursos de informação às necessidades curriculares e aos interesses dos utilizadores na escola/agrupamento. A.1.1 Cooperação da BE com as estruturas de coordenação educativa e supervisão 2.2 Estratégias e planos de acção pedagógica da escola/agrupamento. A.1.2 Parceria da BE com os docentes responsáveis pelas áreas curriculares não disciplinares da escola/agrupamento. A.1.5 Integração da BE no plano de ocupação de tempos escolares da escola/agrupamento. A.2.1 Organização de actividades de formação de utilizadores na escola/agrupamento. A.2.2 Promoção do ensino em contexto de competências de informação da escola/agrupamento. A.2.3 Promoção do ensino em contexto de competências tecnológicas e digitais na escola/agrupamento. C.1.2 Dinamização de actividades livres, de carácter lúdico e cultural na escola/agrupamento. C.2.1 Envolvimento da BE em projectos da respectiva escola/ agrupamento ou desenvolvidos em parceria, a nível local ou mais amplo. D.1.1 Integração/acção da BE na escola/agrupamento. A.1.1 Cooperação da BE com as estruturas de coordenação educativa e supervisão 3. A organização e gestão 3.1 Estruturas de Gestão pedagógica da escola/agrupamento. da escola D.1.1 Integração da acção da BE na escola/agrupamento. D.1.2 Valorização da BE pelos órgãos de direcção, administração e gestão da escola/agrupamento. A.1 Articulação Curricular da BE com as Estruturas de Coordenação Educativa e 3.2 Gestão Pedagógica Supervisão Pedagógica e os Docentes. A.2.1 Organização de actividades de formação de utilizadores na escola/agrupamento. 3 Práticas e Modelos de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
  4. 4. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de Operacionalização (conclusão) A.2.2 promoção do ensino em contexto de competências de informação da escola/agrupamento. A.2.5 Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida. B.3 Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e da literacia. 3.3 Procedimentos de auto- D.1.4 Avaliação da BE na escola/agrupamento avaliação institucional 4. Ligação à Comunidade C.2.1 Envolvimento da BE em projectos da respectiva escola/agrupamento ou 4.1 Articulação e participação dos desenvolvidos em parceria, a nível local ou mais amplo. pais e encarregados de educação C.2.4 Estímulo à participação e mobilização dos pais/encarregados de educação no na vida da escola. domínio da promoção da leitura e do desenvolvimento de competências das crianças e jovens que frequentam a escola/agrupamento. D.1.3 Resposta da BE às necessidades da escola/agrupamento. C.2.3 Participação com outras escolas/agrupamentos e, eventualmente, com outras 4.2 Participação das autarquias entidades (RBE,DRE,CFAE) em reuniões da BN/SABE ou outro grupo de trabalho a nível concelhio ou interconcelhio. C.2.2 Desenvolvimento de trabalho e serviços colaborativos com outras escolas, 4.3 Articulação e participação das agrupamentos e BE. instituições locais – empresas , C.2.5 Abertura da BE à comunidade local. instituições sociais e culturais A.2.5 Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à 5. Clima e ambiente 5.1 Disciplina e comportamento formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida. educativos cívico A.1.4 Ligação da BE ao Plano Tecnológico da Educação (PTE) e a outros programas e 5.2 Motivação e empenho projectos curriculares de acção, inovação pedagógica e formação existentes na escola/agrupamento. D.2.1 Liderança do PB na escola/agrupamento. 4 Práticas e Modelos de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
  5. 5. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de Operacionalização (conclusão) D.2.2 Adequação dos recursos humanos às necessidades de funcionamento da BE na escola/agrupamento. 6. Resultados A.2.2 Promoção do ensino em contexto de competências de informação da 6.1 Resultados Académicos escola/agrupamento. A2.4 Impacto da BE nas competências tecnológicas, digitais e de informação dos alunos na escola/agrupamento. A.2.5 Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à 6.2 Resultados sociais da educação formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida. 7. Outros elementos B.3 Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da relevantes para a leitura e da literacia. caracterização da escola D.3.3 Uso da colecção pelos utilizadores da escola/agrupamento. Lurdes Silva 13/12/2009 5 Práticas e Modelos de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares

×