Cantigas de roda jardim i

  • 9,501 views
Uploaded on

Livro: Cantigas de roda feito para a Feira Cultural 2011 com o tema Ritmos musicais. …

Livro: Cantigas de roda feito para a Feira Cultural 2011 com o tema Ritmos musicais.
Os alunos do Jardim I cantaram as músicas, realizaram atividades sobre cantigas de roda e pintaram as figuras com muito capricho.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
9,501
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
6

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Agradeço a Deus pela oportunidade deter conhecido pessoas que colaboraram naprodução deste livro. Aos meus pais que me deram apossibilidade de estudar neste maravilhosocolégio. Aos meus Professores que me ensinamcom dedicação e prazer. A Coordenação e Direção que seempenham para um futuro melhor. Jardim I ____ 2011. 2
  • 2. Introdução As cantigas de roda,também conhecidas como cirandas,são brincadeiras que consistem naformação de uma roda, com aparticipação de crianças que cantammúsicas de caráter folclórico,seguindo coreografias. São muitoexecutadas em escolas, parques eoutros espaços frequentados porcrianças. As músicas e coreografiassão criadas por anônimos, queadaptam músicas e melodias. Asletras das músicas são simples etrazem temas do universo infantil.Vamos conhecer algumas cantigas deroda: 3
  • 3. Capelinha de melãoCapelinha de melãoÉ de São JoãoÉ de cravo, é de rosa,É de manjericãoSão João está dormindoNão acorda, nãoAcordai, acordai,Acordai, João!(Autor desconhecido) 4
  • 4. CaranguejoCaranguejo não é peixeCaranguejo peixe éCaranguejo não é peixeNa vazante da maré.Palma, palma, palma,Pé, pé, péCaranguejo só é peixe, na vazante damaré!(Autor desconhecido) 5
  • 5. Atirei o pau no gatoAtirei o pau no gato tô tôMas o gato tô tôNão morreu reu reuDona Chica cáAdmirou-se seDo berro, do berro que o gato deuMiau !!!!!!(Autor desconhecido) 6
  • 6. Não atire o pau no gatoNão atire o pau no gato (to-to)Porque isso (sso-sso)Não se faz (faz-faz)Ô gatinho (nho-nho)É nosso amigo (go)Não devemos maltratarOs AnimaisJamais!!! 7
  • 7. Ciranda cirandinhaCiranda, cirandinha, vamos todos cirandar,vamos dar a meia-volta, volta e meia vamosdarO anel que tu me deste era vidro e sequebrouO amor que tu me tinhas era pouco e seacabouPor isso, D. Fulano entre dentro dessa rodaDiga um verso bem bonito, diga adeus e vá-seemboraA ciranda tem três filhasTodas três por batizarA mais velha delas todasCiranda se vai chamar(Autor desconhecido) 8
  • 8. Escravos de JóEscravos de JóJogavam caxangáTira, bota, deixa o Zé Pereira ficar.Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue záGuerreiros com guerreiros fazemzigue zigue zá.(Autor desconhecido) 9
  • 9. A canoa virouA Canoa virouPois deixaram ela virarFoi por causa da (nome da pessoa)Que não soube remarSe eu fosse um peixinhoE soubesse nadarEu tirava a (nome da pessoa)Do fundo do marSiri pra cá Siri pra lá(Nome da Pessoa) é belaE quer casar 10
  • 10. A Borboleta e a LagartaPalavra CantadaLá lá lá, lá, lá, lá vai uma lagartaTá tá tá tá sempre a mastigarNhac, nhac, nhac como está com fomeCome come come sem pararLá,lá,lá lá lá, lá, lá vai borboletaTá tá tá tá livre a voar Flap, flap, flap cor de violeta Uma flor voando pelo ar Flap Flap Flap flap Flap Flap flap Nhac, nhac, nhac, nhac Será que a borboleta lembra que já foi lagarta? Será que a lagarta sabe que um dia vai voar? 11
  • 11. Pombinha Branca Palavra cantadaPombinha branca que está fazendo lavando a louça pro casamento a louça é muita e sou vagarosa a minha natureza é de preguiçosaPombinha branca que está fazendo lavando a louça pro casamento passou um homem de terno branco chapéu de lado meu namorado Mandei entrar, mandei sentar, cuspiu no chão limpa ai seu porcalhão 12
  • 12. Sapo Jururu Palavra cantada Sapo Jururu na beira do rio Quando o sapo grita: ó, Maninha é que tá com frio;A mulher do sapo, também tá lá dentroFazendo rendinha, ó Maninha, pro seu casamento. Sapo Jururu na beira do rio Quando o sapo grita: ó, Maninha é que tá com frio;A mulher do sapo, também tá lá dentroFazendo rendinha, ó Maninha, pro seu casamento. 13
  • 13. O Cravo e a RosaPalavra cantadaO Cravo brigou com a rosaDebaixo de uma sacadaO Cravo ficou feridoE a Rosa despedaçadaO Cravo ficou doenteA Rosa foi visitarO Cravo teve um desmaioA Rosa pôs-se a chorar 14
  • 14. Tem a cristaMeu Galinho vermelhinhaPalavra cantada Bate as asas o la lá Abre o bico o la láFaz 3 noites que eu não Ele faz quiriquiquidurmo Já rodei o MatoPois perdi o meu Grossogalinho Amazonas e ParáCoitadinho o la lá Encontrei o la láPobrezinho o la lá Meu galinho o la láEu perdi lá no jardim No sertão do Ceará Encontrei o la láEle é branco e amarelo Meu galinho o la lá No sertão do Ceará 15
  • 15. Minhoca Minhoca, minhoca me dá uma beijoca Não dou, não dou Então eu vou robar Smack, smack!!! Minhoco, minhoco você é mesmo loucoVocê beijou errado, a boca é do outro lado 16
  • 16. O sapo não lava o péO sapo não lava o péNão lava porque não querEle mora lá na lagoaNão lava o pé porque não querMas que chulé!!! 17
  • 17. Os indiozinhos Um, dois, três indiozinhos. Quatro, cinco, seis indiozinhos. Sete, oito, nove indiozinhos. Dez num pequeno bote. Iam navegando pelo rio abaixo,Quando um jacaré se aproximou.E o pequeno bote dos indiozinhos Quase, quase virou. 18
  • 18. Agora que eu já conheci e aprendi diversas cantigas de roda, representareieste aprendizado com um desenho: 19
  • 19. Conclusão As cantigas de roda integram o conjunto dasmanifestações musicais do folclore. Brincar de roda constituicomo uma atividade prazerosa, na qual estão harmoniosamenteintegradas as linguagens sonora, corporal e verbal. Assim, música,corpo, emoção e pensamento atuam conjuntamente,impulsionando-se entre si e possibilitando a ampliação da própriaexpressão. Emergem personagens e tramas que são vividos pelosparticipantes do seu interior, num processo dinâmico que implicanum constante relacionar-se com os próprios conteúdos, elaborá-los e ressignificá-los. Quando lá na frente ouvir essas e outras cantigas deroda irei reviver minha infância, meu jardim de infância, quecontribuiu tanto para a construção de meu caráter epersonalidade. 20