PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL

on

  • 2,502 views

PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL

PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL

I Seminário Internacional de Fruticultura

JOSÉ LUIZ PETRI
MARCELO COUTO

Statistics

Views

Total Views
2,502
Views on SlideShare
2,383
Embed Views
119

Actions

Likes
0
Downloads
42
Comments
0

4 Embeds 119

http://www.fruticultura.agr.br 62
http://localhost 33
http://fruticultura.agr.br 21
http://192.168.1.10 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL Presentation Transcript

  • PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DEMAÇÃS NO BRASIL JOSÉ LUIZ PETRI MARCELO COUTO
  • OBJETIVOS DA CONDUÇÃO DAS PLANTAS Manejar a forma e a altura da planta Manter no Espaço da densidade deplantio Permitir melhor entrada de luz Desenvolver uma estrutura que suportealtas produções.
  • Formas de condução • Plantas conduzidas em Líder central no sistema livre. Autor: Forshey, C. G., 1992. • Plantas conduzidas em sistema de axe vertical. Autor: Barrit, D. C.
  • LÍDER CENTRAL COM SISTEMA DE APOIO (A) Para limitar a altura da planta, o líder central pode ser dobrado e amarrado no poste; (B) Cortar o líder central em um ramo lateral com menor vigor, para formar um novo líder.Fonte: (Warmund, 1997)
  • LÍDER CENTRAL COM SISTEMA DE APOIO • Formação no Sistema Spindle Bush • (A) para média densidade e em líder central; • (B) para baixa densidade em líder central.A B
  • DETALHES DA PODA EM GERAL• Andares separados 40 – 60 cm;• Ramos laterais 1/3 do diâmetro no pontode inserção;• Ponto de inserção ângulo de 90°;• Ramos conduzidos a 45°- 60° - 1o andar;• Ramos conduzidos a 60°- 75° - 2o andar;• Ramos conduzidos a 75°- 90° - 3o andar;• Utiliza porta-enxerto semi-vigoroso avigoroso
  • CONTROLE DO CRESCIMENTO VEGETATIVO• Uso de porta-enxertos;• Frutificação;• Não podar;• Arqueamento dos ramos;• Anelamento;• Inibidores de crescimento;• Poda de raízes;• Controle de nitrogênio;
  • ÉPOCAS E FORMAS DE PODA• Poda de inverno;• Poda verde;• De raleio;• De estruturação
  • DETALHES DA PODA EM ALTA DENSIDADE• Utiliza-se porta-enxerto anões;• Não se tem ramos permanentes;• Frutificação precoce;• Não há definição dos andares;• Ramos conduzidos a 90°.
  • CRITÉRIOS QUANTITATIVOS DA PODA • Não existe (indicativos) • Número de gemas • Capacidade de produçãoPoda de encurtamento de ramos ou desvio.Autor: Barrit, B. C. (adaptado).
  • HÁBITO DE CRESCIMENTO (Diferente entre cultivares) 1. Poda de raleio de ramos; 2. Resposta esperada no próximo ciclo.Autor: Barrit, B.C. (adaptado)
  • PODA DE FRUTIFICAÇÃO (Fatores a considerar)• Qualidade da fruta desejada;• Clima;• Cultivar;• Sistema de condução;• Densidade de plantio;• Porta-enxerto;• Produtividade desejada.
  • PODA VERDEObjetivos• Melhorar entrada de luz;• Melhorar entrada das pulverizações dos tratamentos fitossanitários;• Coloração dos frutos;• Induzir formação de gemas floríferas;• Reduzir crescimento vegetativo;• Poda de estrutura.