22 de novembro a 4 de dezembro/2010                                                                    Ano   VI - Número 1...
Jornal da PUC-Campinas22 de novembro a 4 de dezembro/2010                                                                 ...
3Jornal da PUC-Campinas                                                                                                   ...
Jornal da PUC-Campinas22 de novembro a 4 de dezembro/2010                                                                 ...
5Jornal da PUC-Campinas                                                                                                   ...
22 de novembro a 4 de dezembro/2010                                                                                       ...
7Jornal da PUC-Campinas                                                                                                   ...
22 de novembro a 4 de dezembro/2010                                                                                       ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Jornal puc campinas-ed115

892 views
844 views

Published on

Published in: News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
892
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Jornal puc campinas-ed115

  1. 1. 22 de novembro a 4 de dezembro/2010 Ano VI - Número 115 www.puc-campinas.edu.brFotos: Ricardo Lima Desafios do futuro Em 2010, elegemos os nossos representantes políticos para os próximos anos. Quais são os desafios dos novos governantes? O relatório anual do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) mostra o Brasil na 73ª posição entre 169 países. O Jornal da PUC-Campinas conversou com especialistas que apontam quais são os principais desafios para os próximos anos. “Esperamos que exista um investimento do governo na melhoria e na eficiência dos serviços por ele prestado”, afirmou o professor do Curso de Arquitetura e Urbanismo, Fábio Muzetti. PÁGINA 05 Estágio no Exército M Os A i CO Alunos do Curso de Jornalismo participaram, a convite do Exército Brasileiro, do Para os fãs de literatura, os alunos do Curso de Letras Estágio de Extensão para Correspondentes de Assuntos Militares. Durante quatro lançaram a Revista Kyrial, dias os estudantes participaram de atividades práticas e teóricas. Segundo o diretor publicação que permite que do Curso de Jornalismo, Lindolfo Alexandre de Souza, essa experiência do Estágio estudantes do Curso tenham a contribuiu para ampliar os horizontes dos estudantes. “Os alunos mais novos que oportunidade de escrever os participaram e que estão na fase de descoberta da profissão, puderam conhecer próprios textos. A edição mais uma área de atuação. Já os alunos mais velhos vislumbraram o mercado de homenageia o cartunista e trabalho e as oportunidades, por exemplo, de prestar concurso na área militar”, ilustrador J. Carlos. PÁGINA 08 comentou o diretor. PÁGINA 04 ESPAÇO PARA CULTURA - A PUC-Campinas realiza, no mês de novembro, uma série de atividades culturais com os estudantes. Uma delas está aberta ao público até o dia 2 de dezembro, no Museu de Imagem e do Som de Campinas. É a mostra “Ponto Infinito” – composta por 47 Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) dos alunos do Curso de Artes Visuais. Envolvidos pela arte, os universitários, ao longo do mês, participaram do 3º PUCFEST – festival de músicas e, ainda, de apresentações teatrais com o Grupo de Teatro do Centro de Cultura e Arte (CCA). PÁGINA 07
  2. 2. Jornal da PUC-Campinas22 de novembro a 4 de dezembro/2010 2 Educação e desenvolvimento EDITORIAL No início deste mês de novembro a imprensa reservou espaço está no topo do elenco das atividades exercidas no âmbito univer- razoável para tratar dos resultados referentes à posição do Brasil no sitário que refletem diretamente no contexto educacional como um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), elaborado pelo Programa todo. Incremento quantitativo e aprimoramento qualitativo de cur- das Nações Unidas para Desenvolvimento (PNUD). sos e programas de ensino implicam na consolidação da estrutu- De um lado o Brasil registrou desempenho animador, com des- ra educacional, ampliando a clientela e melhorando a formação taque para a posição de Nação que mais avança em índice de desen- de cada aluno. volvimento em todo o Planeta. Ocupando a 73ª posição na lista ela- Os projetos, programas e ações de qualificação e requalifica- borada pela ONU, o Brasil integra o grupo dos 169 países em que ção do ensino, sistematicamente desenvolvidos e aplicados na o índice de desenvolvimento é considerado elevado, deixando para trás PUC-Campinas, demonstram a contribuição da Instituição para a condição de nação subdesenvolvida, incapaz de gerar, administrar o melhoramento educacional contínuo e crescente. Estimular a e distribuir recursos necessários para garantir condição de vida digna qualificação do corpo docente, avaliar os processos de ensino/apren- e próspera à maioria da população. dizagem, rever e reorganizar conteúdos curriculares são exemplos De outro lado, no entanto, a análise dos indicadores divulgados de programas, projetos e ações que dinamizam a busca de índi- pelo PNUD mostra que a posição e o ritmo do desenvolvimento ces cada vez mais elevados de acesso e qualidade da educação uni- humano ainda estão aquém do potencial e das dimensões do Brasil, versitária. o que significa que o País está indo bem, mas poderia estar melhor no Além disso, a Universidade também é provedora vigorosa de edu- âmbito social. cadores, sobretudo por conta das licenciaturas, cujo alunado tem como A causa para essa situação tem nome: educação. objetivo direto a sala de aula do Ensino Fundamental, em todos os Segundo o texto noticioso de um importante jornal brasileiro “o seus níveis e modalidades. que ainda amarra a colocação nacional é a qualidade da educação, ava- Noutro sentido, considerando a Universidade como espaço de liada pelo novo índice referente aos anos de estudo esperados – uma pesquisa, reflexão e experimentação, novas propostas para o aprimo- espécie de expectativa de vida educacional.” ramento do ensino nascem e se desenvolvem nos campi, para depois Para pessoas e instituições envolvidas com a educação o assunto se tornarem políticas de governo e práticas em sala de aula, consoli- traz relevância, urgência e preocupação. dando o sistema educacional do País. Por essa razão e enquanto componente basilar do processo educa- Logo, se a busca por melhores condições de vida para todo cida- cional, cumpre à Universidade voltar olhar e pensamento para con- dão brasileiro passa, obrigatoriamente, pela Universidade, todos nós tribuições que possam melhorar o panorama educacional brasileiro. – alunos, professores, funcionários e gestores – somos responsáveis O exercício do ensino em todos os níveis do terceiro grau – gra- diretos pela posição de vanguarda que este País pretende ocupar no duação, pós-graduação e formação complementar – certamente cenário internacional do desenvolvimento humano. notas Professora participa de simpósio Programação Confira os destaques da programação da internacional sobre pentecostalismo TV PUC-Campinas, exibidos no Canal 10 da Net A professora da Faculdade de Teologia e membro do Departamento da Pastoral Universitária, Brenda Carranza, participa, entre os diasConcurso de Residência na área 23 e 25 de novembro do simpósio internacional “Pentecostalismo: desafios para a teologia e para a Igreja”, promovido pelo Institut fürda Saúde está com inscrições abertas Weltkirche und Mission, de Frankfurt (Alemanha). “O objetivo do O programa “Campinas – Os Desafios da Metrópole” apresenta um debate que mostra aO Hospital e Maternidade Celso Pierro (HMCP) da PUC-Campinas está com evento é promover uma reflexão mundial, com a participação de relação entre a comunicação e a educação noinscrições abertas para o Concurso de Residência na área da Saúde. Ao todo, são especialistas de todos os continentes, desse fenômeno que começa a sentido de contribuir para a formação de uma31 vagas em várias especialidades com duração média de 2 anos. As inscrições se destacar na Europa”, informou. A professora, que também é sociedade mais justa. O programa destaca apodem ser feitas até 10 de dezembro. As vagas são destinadas para bacharéis em assessora da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), importância da utilização da mídia na escola, deEnfermagem, Odontologia, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Nutrição, fará a abertura da programação na companhia do professor Alexander forma mais crítica, como ferramenta pedagógicaPsicologia, Terapia Ocupacional e Serviço Social. A duração do programa é de Gropper, da Universidade de Passau. Brenda ainda participará do para o desenvolvimento consciente e ativo de2 anos (com exceção da especialidade de Cirurgia e Traumatologia Buco- crianças, adolescentes e educadores. A utilização Núcleo de Estudos sobre Pentecostalismo e Renovação Carismática,Maxilo-Facial, com duração de 3 anos). A prova objetiva, com testes de dos meios de comunicação como facilitadores no mantido pela Universidade do Sul da Califórnia (Estados Unidos). Omúltipla escolha, ocorrerá em 19 de dezembro, no Bloco A do Campus II da processo ensino-aprendizagem é uma questão que, fenômeno do pentecostalismo é o movimento cristão caracterizadoPUC-Campinas. A segunda fase está marcada para os dias 10 a 12 de janeiro. ainda, gera controvérsias no mundo acadêmico, eOs candidatos classificados deverão efetuar as matrículas entre os dias 20 e 21 de pelas novas igrejas católicas e evangélicas que contam com emissoras que você confere no programa, desta semana, comjaneiro, na sala de Comissões do Hospital e Maternidade Celso Pierro (HMCP). de rádio e TV, além de explorarem a teologia da prosperidade e a o tema “Mídia e Educação”.Informações em: www.puc-campinas.edu.br. endemonização. O programa “Contexto e Arte” exibe a Informativo quinzenal da Pontifícia apresentação de uma banda formada, há 12 anos, Universidade Católica de Campinas PUC-Campinas dentro da própria PUC-Campinas. É a “Banda Jet realiza Avaliação Set” que oferece o genuíno e irreverente rock and roll para roqueiros de todas as idades. A Banda tem do Ensino entre seus integrantes, o aluno do Curso de Direito, O formulário para Avaliação do Fábio Breseghello e o ex-aluno do Curso de Ensino 2010 está disponível aos Publicidade e Propaganda da PUC-Campinas, REITORA - Angela de Mendonça Engelbrecht; alunos da PUC-Campinas. Para Eli Muzamba. Em fase de finalização do seu VICE-REITOR - Eduard Prancic; participar, basta acessar o Site do terceiro CD, a Banda revela em suas letras algumas CONSELHO EDITORIAL- Wagner José Geribello, Celso Aluno. Todos os alunos dos cursos características como vigor, indignação, fúria e Pedroso Campos Filho e Lindolfo Alexandre de Souza; de Graduação estão convidados a toques de bom humor. EDITORA - Ana Paula Moreira (MTb. 48.963); participar da Avaliação do Ensino REPÓRTERES - Amanda Artioli, do 2º semestre de 2010. A colabo- A PROGRAMAÇÃO COMPLETA ESTÁ DISPONÍVEL EM: ração dos estudantes é fundamen- www.puc-campinas.edu.br Ana Paula Moreira e Henderson Arsênio; tal para incrementar e aprimorar a ESTAGIÁRIAS - Tatiane Bueno e Thais Colacino qualidade do ensino em nossa 25/11 agenda REVISÃO - Marly Teresa G. de Paiva; Universidade. Após a análise dos > Reunião do Conselho Universitário FOTOGRAFIA - Ricardo Lima; questionários, a Pró-Reitoria de (CONSUN). TRATAMENTO DE FOTOS - Marcelo Toni; Graduação encaminhará aos PROJETO GRÁFICO E EDITORAÇÃO Centros os resultados para ser 1/12 ELETRÔNICA - Neo Arte; Publicação de Edital do Programa socializado entre os diretores de IMPRESSÃO - Grafcorp; Integrado de Iniciação Científica (PIC) – Curso, professores e alunos. Neste REDAÇÃO - Campus I da PUC-Campinas, Rodovia período agosto/2011 a julho/2012. ano, pela primeira vez, a campanha D.Pedro I, km 136, Parque das Universidades. de Avaliação do Ensino foi produzi- 02/12 TELEFONES: (19) 3343-7147 e 3343-7674. da pelos alunos do Curso de Reunião das Câmaras e Comissão do E-MAIL: jornaldapuc@puc-campinas.edu.br Publicidade e Propaganda. Conselho Universitário (CONSUN). Siga a PUC-Campinas no twitter www.twitter.com/puccampinas FALE COM A REDAÇÃO >> Envie suas sugestões e críticas para jornaldapuc@puc-campinas.edu.br
  3. 3. 3Jornal da PUC-Campinas 22 de novembro a 4 de dezembro/2010Consumir com qualidade OPINIÃOO consumo consciente é a maneira da população cia. As pessoas precisam compreender que se o homem desaparecer, a natureza vai regenerar,alcançar a sustentabilidade e também permitir mas a população não. Defender o meio ambien-que as próximas gerações vivam em um mundo te e reduzir o aquecimento global é defenderque continue a oferecer todos os recursos natu- nossa vida na Terra. Atualmente, 16% da popu-rais necessários. Essa é a opinião do coordenador lação mundial consomem 78% de tudo que é extraído de recursos naturais. Sobram apenasde comunicação do Instituto Akatu, que incentiva 22% dos recursos para serem divididos entreo consumo consciente, Estanislau Maria. “As “AS PESSOAS 84% da população.pessoas estão compreendendo que a sustentabili- ESTÃO Há um consumo excessivo concentrado em umdade não é somente a preocupação com o meio pequeno grupo de países da Europa, além dos COMPREENDENDO Estados Unidos e Canadá. É preciso consumir deambiente e sim ter uma sustentabilidade social e QUE A acordo com o que é necessário e aumentar aeconômica, em que todos tenham acesso, sem possibilidade de consumo de todas as classesrestrições”, afirmou. SUSTENTABILIDADE sociais. NÃO É SOMENTEJornal da PUC-Campinas - Como o Instituto Akatu conscientiza A PREOCUPAÇÃOa população sobre a necessidade do consumo consciente? As futuras gerações já terão a conscienti-Estanislau Maria - O Akatu atua com dinâmicas de conscientização inter- COM O MEIO zação de ajudar a preservar o Planeta?na e com trabalhos específicos, para escolas, Organizações Não AMBIENTE E SIMGovernamentais (ONG’s) nacionais e internacionais. Atua, também, com Eu sou otimista. O grande desafio da populaçãodinâmicas de formação de professores para o consumo consciente, que TER UMA mundial é conseguir da Terra os recursos natu-se tornam reeditores do trabalho, passando o conhecimento para os alu- SUSTENTABILIDADE rais e garantir os mesmos recursos para as pró-nos. O importante é compreendermos os problemas do não consumo cons- ximas gerações. É preciso consumir menos, de Arquivo pessoalciente, valores de sustentabilidade e mobilização, para haver mudanças SOCIAL E forma diferente e com qualidade. Para os próxi-de comportamento que gerem o consumo adequado. As pessoas preci- ECONÔMICA, mos anos, o principal desafio será reduzir a emis-sam se conscientizar em apenas consumir o que é preciso. De tudo o que são de gás carbônico. O positivo é que as empre- EM QUE TODOSconsumimos, um terço vai para o lixo e produz gases tóxicos como o gás sas já estão se conscientizando para essa mudan-carbônico e o metano. TENHAM ACESSO, ça. Um exemplo são as empresas brasileiras, pois SEM RESTRIÇÕES” 79% adotam algum projeto de gestão de ações sustentáveis. A razão dessa mudança se deve pelaO aumento do consumo quadriplicou e a demanda dos recursos preocupação da imagem dentro do mercado enaturais também cresceu. A população e as instituições têm se com o consumidor. As pessoas se conscientizamconscientizado em preservar? a partir de hábitos domésticos e passam a ado- Estanislau Maria tar ações sustentáveis fora de casa. As pessoas Coordenador estão compreendendo que a sustentabilidade não de Comunicação doHouve uma mudança no comportamento, ela é recente e lenta. As pes- Instituto Akatu desoas passaram a ter conhecimento dos cuidados ambientais. Antes quem é somente a preocupação com o meio ambiente consumo consciente.se preocupava com o meio ambiente eram considerados ‘ecochatos’. Hoje e sim ter uma sustentabilidade social e econômi- Informações em:as pessoas sabem que a conscientização é uma maneira de sobrevivên- ca, em que todos tenham acesso, sem restrições. www.akatu.org.br ou pelo twitter @institutoakatu Fotos: Ricardo Lima galeria “Não compro “Eu separo o lixo, pois no meu prédio há coleta quando as empresas seletiva. Tento economizar na água, dizem que são verdes, cronometrando meus banhos, e também pois na minha área otimizo o uso do papel, utilizando papel reciclável, Você adota aprendemos que isso quase não imprimindo desnecessariamente e usando o verso da folha” hábitos de sempre é marketing. No meu bairro há uma cooperativa que Artur de Mello Juarez - ALUNO DO 5º ANO reciclagem? busca o material reciclável, DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO então eu separo o que é ou não orgânico, e depois eles separam nas categorias.” Henrique Augusto - ALUNO DO 4º ANO DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA “Separo o lixo, compro bebidas em garrafas retornáveis e utilizo sacolas biodegradáveis.” Marcella Dias Valverde - “Utilizo o papa-pilhas e separo o material ALUNA DO 2º ANO DO CURSO reciclável, como papel, plástico, alumínio, DE FISIOTERAPIA do lixo orgânico e o material é “Costumo separar o lixo, guardar óleo encaminhado para reciclagem.” para fabricação de sabão e uso eco bags no supermercado.” Mônica Cristina Meschiatti - ALUNA DO 2º ANO DO CURSO DE Nina Sato Pires - ALUNA DO ENGENHARIA AMBIENTAL 1º ANO DO CURSO DE FARMÁCIA “No condomínio em que morava, em São Paulo, há 10 anos adotamos a coleta seletiva e quando vim para Campinas, trouxe o hábito comi- go. Além de me preocupar se as empresas fabri- cantes de pilhas disponibilizam postos de coleta e separar o óleo “Já pensei em adquirir hábitos de de cozinha.” reciclagem, mas não coloquei em ação, “Eu separo as pilhas usadas e levo aos papa- Silvio Batista até porque não tem coleta seletiva no pilhas, e no meu trabalho separamos as Garcia Simões - meu bairro, o que dificulta um pouco. latinhas e garrafas para reciclagem.” ALUNO DO Eu utilizo os papa-pilhas espalhados pelo 2º ANO DO CURSO Thales Henrique Mianti - Campus e uso pilhas recarregáveis.” ALUNO DO 3º ANO DO CURSO DE DE MEDICINA Sabrina Cristina Quaiatti - ALUNA ADMINISTRAÇÃO – COMÉRCIO DO 4º ANO DO CURSO DE TURISMO EXTERIOR
  4. 4. Jornal da PUC-Campinas22 de novembro a 4 de dezembro/2010 4 ESTÁGIO Exército BRASILEIRO Fotos: Arquivo pessoal Alunos do Curso de Jornalismo viveram dias de guerra junto ao Exército Brasileiro, durante estágio Alunos do Curso de Jornalismo que participaram de quatro dias de treinamento teórico e prático, no Exército; abaixo à direita, o diretor do Curso de Jornalismo, Lindolfo Alexandre de Souza Ricardo Lima Amanda Artioli E amanda.artioli@puc-campinas.edu.br venção urbana - quando o exército invade uma cidade, por exemplo. Foi uma experiência muito bacana e que agregou bastante informação m missão de paz, 17 alunos do Curso de Jornalismo para a escolha do profissional, pois acredito que jornalista que não quer partiram para um campo de batalhas, com o objetivo correr perigo, não deve ir para a rua”, comentou o aluno. de adquirir conhecimento. T rocadilhos à parte! A con- Este é o segundo ano consecutivo que os alunos do Curso de vite do Exército Brasileiro, por meio da 11ª Brigada Jornalismo da PUC-Campinas participam do Estágio. “Quanto maior de Infantaria Leve, os estudantes participaram de um o número de elementos de informação que forem oferecidos aos alu- Estágio de Extensão para Correspondentes de Assuntos Militares. O nos, durante a graduação, melhor e mais completa será a formação objetivo foi estreitar as relações dos futuros jornalistas com as Forças deles. Ainda que o jornalista não trabalhe diretamente com os assun- Armadas e proporcionar conhecimento sobre a profissão militar. tos que envolvem as Forças Armadas, ter conhecimento sobre eles Foram quatro dias de atividades práticas e teóricas – realizadas no nunca é demais. Indiretamente, as pautas do cotidiano possam esbar- mês de outubro, nas dependências do Exército, em Campinas. As rar nos temas militares e, dessa forma, ele estará preparado para enten- palestras levaram um pouco de teoria sobre direito internacional nos der as relações e desenvolver um bom material”, disse o diretor do conflitos armados, sobre as ameaças e os desafios do Exército na Curso de Jornalismo, Lindolfo Alexandre de Souza. Amazônia, a política de Defesa Nacional e o relacionamento da mídia Segundo o diretor, essa experiência do Estágio contribuiu para com as Forças Armadas. “Foi muito bom, pois aprendi várias coisas, ampliar os horizontes dos estudantes. “Os alunos mais novos que par- conheci pessoas de outras cursos. As palestras abordaram a atuação da ticiparam e que estão na fase de descoberta da profissão, puderam Organização das Nações Unidas (ONU) em países em situação de con- conhecer mais uma área de atuação. Já os alunos mais velhos vislum- flito civil, como o Haiti. Os majores deixaram todos à vontade e foi braram o mercado de trabalho e as oportunidades, por exemplo, de pres- uma conversa informal em que pudemos esclarecer as nossas dúvidas tar concurso na área militar”, comentou o diretor. sobre o assunto”, contou a aluna do 2º ano do Curso de Jornalismo, Esse é o caminho que a aluna do 4º ano, Aline do Amarante, dese- Natasha Chan Szejer. ja seguir logo que se formar. “Pretendo trabalhar como corresponden- Foram as atividades práticas do Estágio que mais entusiasmaram te, porque gosto de desafios. Acho que é inato no jornalista querer estar os estudantes. “As aulas práticas, apesar de serem de mentira, fizeram perto da história”, revelou a estudante que descobriu algumas habili- com que eu me sentisse em uma guerra”, acrescentou Natasha. O alu- dades durante o Estágio. “O mais difícil foi aprender a atirar com o fuzil, no do 4º ano do Curso de Jornalismo, Filipe Prado de Almeida, ava- que pesa cerca de 15 quilos, em apenas oito segundos. Embora seja des- liou a experiência de maneira muito positiva. “Aprendemos a atirar tra, descobri durante as atividades que meu olho de mira é o esquer- com armas de chumbinho, a saltar de uma árvore para outra usando do, assim precisei aprender também a atirar com a mão esquerda”, duas cordas e como o jornalista deve se comportar durante uma inter- contou. (Colaborou Tatiane Bueno)
  5. 5. 5Jornal da PUC-Campinas 22 de novembro a 4 de dezembro/2010 SOCIAL DESAFIOS Fotos: Ricardo LimaApós as eleições, é hora de ospolíticos eleitos conheceremantigos e novos desafios dasociedade brasileiraN Ana Paula Moreira anasouza@puc-campinas.edu.br as eleições de 2010 foram eleitos os representan- tes da sociedade brasileira para os próximos anos. Quais são os desafios que o país terá para os pró- ximos anos? Melhorar a qualidade da educação brasileira, manter a estabilidade econômica, desen-volver urbanisticamente, pois, nos próximos anos, o país será sedede eventos internacionais? O relatório do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) para2010 mostra o Brasil na 73ª posiçãoentre 169 países. O país conquistou Melhora naquatro pontos desde a divulgação do qualidade de vida O relatório do IDH aponta oIDH, em 2009. rendimento anual dos brasilei- Segundo o professor do Curso de ros de US$ 10.607, a escolari-Arquitetura e Urbanismo, Fábio dade é de 7,2 anos de estudo,Muzetti, os desafios do governo na área e a expectativa de tempo escolar é de 13,8 anos. Ade desenvolvimento urbano estão no expectativa de vida, atual, doinvestimento de infraestrutura, como brasileiro é de 72,9 anos.ampliar a rede de saneamento básico, Ranking do IDH 2010dispor de um sistema de transporte Países Resultadocoletivo de qualidade e equipamentos 10 Noruega 0, 938urbanos, como creches, escolas, hos- 20 Austrália 0, 937pitais, praças e segurança. “Com a arre- 30 Nova Zelândia 0, 907 40 Estados Unidos 0, 902cadação recorde de impostos e com o 50 Irlanda 0, 895crescimento econômico ocorrido nos 60 Liechtenstein 0, 891últimos 10 anos e prometido para a 70 Holanda 0, 890próxima década, esperamos que exis- 80 Canadá 0, 888 90 Suécia 0, 885ta um investimento do governo na 100 Alemanha 0, 885melhoria e na eficiência dos serviços 730 Brasil 0, 699por ele prestado”, afirmou o professor. Para o município de Campinas, nos próximos anos, o professorainda ressalta o ‘espraiamento urbano’, que ocorre em razão da pro-liferação de condomínios e loteamentos afastados do centro urbano.De acordo com o professor, a falta de segurança pública nas décadasde 80 e 90 fez as pessoas buscarem lugares afastados e cercados comsegurança privada para fugir da violência urbana. “Uma das soluçõesseria ocupar os vazios urbanos, incen-tivar a ocupação da área central parareduzir o crescimento desordenadoda cidade em direção às zonas ruraise a lugares cada vez mais distantes doque chamamos de cidade, investin-do maciçamente em segurança, edu-cação, saúde e lazer. Afinal é ondeacreditamos que o dinheiro pago pornós em forma de impostos, retorneem forma de serviços públicos dequalidade”, ressaltou Muzetti. A professora do Centro deEconomia e Administração (CEA)Nelly Maria Sansigolo de Figueiredo,especialista na área de distribuiçãode renda, aponta que o principal desa-fio do novo governo será manter obom desempenho da economia brasileira, em uma conjuntura inter- Os professores Milênio (ODM)”, comentou.nacional. Na área de distribuição de renda, a professora vê resulta- Fábio Muzetti A professora ressalta que a desigualdade de distribui- (à direita) e ados positivos para os próximos anos.“Na área social os avanços recen- professora Nelly ção de renda desde a década de 80 vem diminuindo. “Umtes foram muito expressivos, sendo que o grupo de pesquisa a que Sansigolo fato relevante é que a desigualdade da distribuição de ren-pertenço na PUC-Campinas tem estudado vários aspectos relacio- (à esquerda) da, que é alta no Brasil e se mostrou extremamente está-nados às questões socioeconômicas. Com relação à erradicação da apontam os principais desafios vel desde os anos 80, passou a declinar lentamente desdepobreza extrema, por exemplo, os resultados recentes foram muito para o país 2003. Esses bons resultados são modestos, diante do quan-bons, o que fez com que o Brasil cumprisse antes do prazo sua meta to que se precisa avançar nas questões socioeconômicas”,com relação a esse tópico dos Objetivos de Desenvolvimento do concluiu Nelly.
  6. 6. 22 de novembro a 4 de dezembro/2010 Jornal da PUC-Campinas 6 ENTREVISTA Asas ao CONHECIMENTO Arquivo pessoal A PUC-Campinas recebe no próximo dia 29 o presidente-executivo da Azul Linhas Aéreas, Pedro Janot, que irá abordar o empreendedorismo entre os jovens O Amanda Artioli amanda.artioli@puc-campinas.edu.br presidente-executivo da Azul Linhas Aéreas, Pedro Janot, é um executivo com extensa e sólida carreira em empresas como Mesbla, Richard’s, Zara, Inditex e Grupo Pão de Açúcar. Nascido no Rio de Janeiro, ele é formado em Administração de Empresa pela Universidade Cândido Mendes, pós-graduado em Recursos Humanos (RH) pela PUC-Rio e possui MBA pelo IBMEC. Hoje, sente-se no dever de inspirar e motivar os jovens para o empreendedoris- mo. É sobre esse assunto que o executivo conversa com os estudantes da PUC- Campinas, a convite do Curso de Turismo, no dia 29 de novembro, às 19h30, no Auditório Dom Gilberto – Campus I.Jornal da PUC-Campinas - A história da mercado, para os novos empreendedores? prazos. É preciso canalizar as energias.Azul Linhas Aéreas é recente no Brasil,teve início em 2008, e é considerada de Independentemente do cargo exercido, todos companhias querem empregados, executivos com foco possível com o pouco recurso disponível, por isso assucesso. Como é contar essa história para somos empreendedores. O empregado é Quais são os principais desafios do setor A grande percepção do mercado é fazer o máximoos jovens que estão se preparando para empreendedor e o empregador também, de aéreo frente a esses eventos?o mercado de trabalho? uma grande ou de uma pequena companhia. absolutamente no empreendedorismo A grande percepção do mercado é fazer o máxi- O maior desafio não é infraestrutura aeropor-Pedro Janot - Quero contar para os estudan- mo possível com o pouco recurso disponível, tuária, mas tudo aquilo que está no entorno,tes um pouco da história da Azul Linhas Aéreas, por isso as companhias querem empregados, como o transporte urbano que é muito pobrea implantação desse case e, por meio dele, executivos com foco absolutamente no para atender todos os visitantes que estarão noapresentar a visão macroeconômica do mer- empreendedorismo. Brasil para prestigiar os eventos esportivos.cado, as estratégias de marketing, as estratégiasde recursos humanos – o projeto como umtodo, que consolidou a companhia no mer- Com a realização da Copa do Mundo e Essa estratégia de mercado da Azul decado atual. das Olimpíadas, no Brasil, há uma expec- oferecer tarifas baixas, de fácil acesso daQuero conversar com os alunos de maneira tativa muito grande do setor de turismo população, teve a intenção de oferecerbastante didática e orientativa para levar até do país. Quais as suas perspectivas? o serviço e conquistar a clientela ou é,eles a percepção, a construção, a execução e a de fato, uma política permanente damanutenção dos sonhos. Minha expectativa Será um show ter esses dois eventos no Brasil! empresa?é expor, durante, aproximadamente, 30 minu- Há muita motivação nas cidades orbitais etos e, depois, abrir o mesmo tempo para per- Campinas está sendo bastante procurada por Essa é uma política permanente. Nosso fun-guntas dos estudantes. Quero conhecer os delegações de diversos países. Percebo que dador, David Neeleman, trouxe uma percep-anseios deles e oferecer um pouco da minha esse é um aquecimento pontual, porém mui- ção do mercado americano, em que todosexperiência. Já sou um executivo de 50 anos to interessante. É o grande momento que o têm acesso ao transporte aéreo. No Brasil é(brincou) e tenho o dever de inspirar os mais Brasil tem para “se vender” para o restante do diferente, esse mercado é elitizado, apenas 11jovens, de motivar o empreendedorismo. mundo e, se fizer isso bem, conquistará clien- milhões de CPFs (pessoas) utilizam o servi- tes que retornarão ao país. Ou seja, as ço de transporte aéreo. Já fazia parte do pro- Olimpíadas e a Copa do Mundo geram pers- jeto de implantação da Azul, no Brasil, o estí-Quais os desafios que, hoje existem no pectivas lucrativas no curto, médio e longo mulo à demanda. Não foi oportunismo.
  7. 7. 7Jornal da PUC-Campinas 22 de novembro a 4 de dezembro/2010 SUSTENTABILIDADE Conscientizar e EDUCAR para o meio ambiente Fotos: Ricardo LimaSeminário sobre Alexandre Gonçalves. Ex-alunos da PUC- Campinas, os engenheiros apresentaram umReciclagem e Logística panorama de como é a situação da limpeza naReversa integra projeto nossa cidade e informaram como funciona o processo de logística reversa: em que o con-de sustentabilidade sumidor devolve as embalagens dos produtoseconômica, social e utilizados nos pontos de venda; estes os enca- minham ao fabricante que, finalmente, ficaambiental responsável pela destinação final e adequada desse lixo.N Henderson Arsênio henderson.oliveira@puc-campinas.edu.br Segundo levantamento do Departamento de Limpeza Urbana de Campinas, cerca de o dia 10 de novembro, a PUC- 1000 toneladas por dia são depositadas no Campinas promoveu o I Semi- aterro municipal, o que dá uma média de 1 nário sobre Reciclagem e quilograma por habitante. Desse montante,Logística Reversa no Campus I da Emprego 50% consistem em resíduos orgânicos (res-Universidade. “Este evento é um primeiro Verde O programa O Assunto tos de alimento, bebida e produtos perecí-passo rumo a uma política intensiva de trata- É da TV PUC-Campinas, veis); 30% de material reciclável (papéis,mento dos resíduos sólidos na nossa Instituição. na semana de 22 a 28 metais, vidros e plásticos) e 20% de materiaisCom as próximas medidas, a PUC-Campinas Representantes do Departamento de novembro, abordará de Limpeza Urbana da Prefeitura de as experiências de inservíveis (baterias, lâmpadas e outros lixosse antecipará à futura legislação que atuará sobre Campinas (acima, Alexandre Gonçalves) alunos e professores da eletrônicos). Como próximos passos, eleso descarte do lixo”, informou o coordenador participaram do Seminário Universidade na área apresentaram os aterros municipais que estãodo Depar-tamento de Planejamento e de sustentabilidade. O programa vai ao ar nos em recuperação para voltar à ativa, e aindaOrganização (DPLAN), professor Celso de ensino até a educação básica”, opinou a alu- seguintes dias e outras soluções para o descarte correto de lixoPedroso Campos Filho. na, que sempre se interessou pela questão horários: Terça (23/11) – sólido. Segundo os especialistas, a conscien- Alunos de diversos cursos de graduação ambiental. “Já participei de vários projetos que 14h30, Quarta (24/11) – tização populacional e a educação ambientalestiveram presentes no evento, tais como 19h30, Sexta (26/11) – utilizam resíduos sólidos descartados e de estu- são alguns dos pilares do sucesso dos proje- 00h30, Sábado (27/11) –Engenharia Ambiental, Ciências Biológicas e dos de reciclagem, além das atividades do meu 19h30 e Domingo tos de reciclagem. “O ambiente acadêmico,Administração (Logística e Serviços). A estu- curso”, relatou. (28/11) – 13h30. portanto, tem o papel fundamental de for-dante do curso de Ciências Biológicas, Juliana O Seminário contou com a participação O programa também pode ser assistido mar opiniões e de propor soluções para a ques-Toledo, considerou válida essa iniciativa. “É dos representantes do Departamento de integralmente pelo site tão do desenvolvimento sustentável para estauma discussão que deve fazer parte não somen- Limpeza Urbana da Prefeitura Municipal de www.youtube.com/tvpuc e para as próximas gerações”, afirmou o enge-te do ensino superior, mas de todos os níveis Campinas, Fábio Gonzaga Cardoso e campinas. nheiro Alexandre Gonçalves. Fotos: Ricardo Lima Alunos participam de atividades culturais da Universidade A exposição anual dos Trabalhos de trabalhos desenvolvidos. A aluna produziu como Conclusão de Curso (TCC) do Curso de Artes TCC uma escultura de 15 cm de diâmetro, deno- Outras atividades Visuais pode ser visitada, até 2 de dezembro, minada Equilíbrio, composta por três peças, fei- No mês de novembro, também ocorreu a final do 3º PUCFEST. Neste no Museu de Imagem e do Som de Campinas. tas com tintura de tinta esmalte e spray. “O que ano, os artistas inscreveram suas composições para participar. As apresentações ocorreram no Campus I da PUC-Campinas, ao lado A mostra “Ponto Infinito” traz obras de 47 artis- inspirou meu trabalho foi a identificação com os da Praça de Alimentação. Os vencedores foram: 1º lugar Nicolas tas, destacando propostas singulares e experi- artistas, principalmente com os do neo-concre- Carlos Medina Guillen; 2º lugar Juliana Santos Cunha e 3º lugar mentais dos estudantes, tendo como ponto pri- tismo das décadas de 50 e 60. A maior inspira- Matheus de Oliveira Silva. O Grupo de Teatro do Centro de Cultura mordial as trajetórias de pesquisas e a infinida- ção veio do artista Amílcar de Castro, tanto pela e Arte (CCA) apresentou a peça “Momentos”, nos dias 18 e 19 de de de possibilidades poéticas relacionadas ao história de vida dele quanto por suas obras”, afir- novembro, no Auditório Dom Gilberto. O elenco, que inclui alunos de repertório individual. mou Barbara. A programação completa do even- diversos cursos da PUC-Campinas, apresentou vários momentos que podem definir os rumos da História e situações do cotidiano que Para a estudante do 4º ano do Curso de Artes to está disponível em: www.pontoinfinito.art.br. envolvem amor, família e amigos. A peça foi dirigida por Paulo Afonso Visuais Barbara Vizeli Maumesso, a exposição é O Museu da Imagem e do Som fica na rua Coelho e contou com a participação do Coral Universitário da PUC- um incentivo para os formandos mostrarem os Regente Feijó, nº 859, Centro, Campinas. Campinas. (Ana Paula Moreira, colaborou Thais Colacino)
  8. 8. 22 de novembro a 4 de dezembro/2010 Jornal da PUC-Campinas 8 O s A i CO M Ricardo Lima Alunos do Curso de Letras lançam a 3a edição da publicação. Neste A Belle Époq ue é ano, o artista como um co mpreendida ia histórica trajetór J.Carlos é o momento na seu france sa que teve XIX homenageado al do século início no fin uerra Mundi al, ra G até a Primei por exemplo, Brasil, em 1914. No m início em 1889, te esse período ação da República, co m a Proclam 22, quando e vai até 19 odernista, ovimento M explode o M ação da Semana com a realiz na, na cidade er da Arte Mod o. de São Paul P Kyrial Ana Paula Moreira Revista anasouza@puc-campinas.edu.brDicas de ara os apreciado-Leitura res de literaturaInteressado emconhecer outras obras e histórias emliterárias no formato quadrinhos, osquadrinhos? Confira alunos do Curso de Letras, lan-algumas dicas de çaram, no último dia 19, a Revistaleitura de obras em Kyrial, publicação que permite quequadrinho: estudantes do Curso tenham a opor- tunidade de se expressarem por meio de textos, como crônicas, contos, poesias, entrevis- tas e ensaios. Nesta edição, a revista se baseou no período da Belle Époque carioca, que também traz a contribuição de alunos de outros cursos da PUC-Campinas, além de autores de outros estados e países. A edição de 2010 homenageia o cartunista e ilustrador J. Carlos, cronista da Belle Époque carioca. Para o aluno do 4º ano do Curso de Letras e um dos idealizadores da publicação, Marcelo Mantovani, KAFKA DE CRUMB - homenagear o cartunista é um sonho, em razão da importância da DESENHOS DE ROBERT CRUMB sua obra. “Sempre colecionei revistas de épocas diferentes e quan- AUTOR: David Mairowitz do conheci seu trabalho, fiquei apaixonado por suas ilustrações. Desde O texto e as ilustrações PERSÉPOLIS: COMPLETO que a primeira edição da Kyrial foi lançada, sonhava em publicar algo do artista underground deAUTOR: Marjane Satrapi histórias em quadrinhos,O livro é a autobiografia em sobre seu estilo. Há algum tempo, conheci um bisneto de J.Carlos, Robert Crumb, trazemquadrinhos da iraniana que cedeu gentilmente a utilização das ilustrações para esta edi- uma adaptaçãoMarjane Satrapi. Com dez ção da Kyrial”, contou Mantovani. contemporânea da obraanos de idade, Marjane de Franz Kafka.se viu obrigada a usar o véu O aluno do 4º ano do Curso de Jornalismo, Fábio Bonillo, também ajudou naislâmico numa sala de produção da revista. “Na edição passada, contribuí com um artigo sobre literatura japo-aula só de meninas. nesa e nessa revista editei com o Marcelo toda a pesquisa iconográfica, todas as obras deNascida numa família J. Carlos que entrariam na revista e de que forma elas entrariam na revista”, afirmou omoderna e politizada, em1979 ela assistiu, ao início da estudante. Fábio ainda ressalta a chance de conhecer a obra de J. Carlos. “Conhecia apenasrevolução do regime xiita. de nome, só como ‘cartunista’, e descobri que ele foi um dos primeiros designers gráficos brasileiros. Suas obras mostram que, mais do que apenas ilustrar (no sentido de acompa- nhar), os desenhos e histórias em quadrinhos moldam histórias, dão suporte a elas, e não só ilustram. Ele desenhou algumas das páginas mais bonitas que já se viu no Brasil, com um traço inconfundível”, ressaltou Bonillo. A Revista também contou com a colaboração dos ilustradores Bira Dantas e Mário Cau, que fizeram ilustrações em homenagem a J. Carlos, que no dia do lançamento participa- ram de uma mesa-redonda sobre a produção do trabalho. “J. Carlos foi um visionário, numa época em que a Arte estava vivendo grandes guinadas de direção, ganhando formas mais expressivas e temas mais introspectivos. O ilustrador levou um traço mais limpo, esti- LOGICOMIX: UMA JORNADA ÉPICA EM lizado e sintético para as revistas, para o povo. Hoje em dia, sabemos que o mundo das Artes BUSCA DA VERDADE é, quase sempre, restrito à grande parte da população”, afirmou Mário Cau. AUTOR: Christos H. A diretora do Curso de Letras, Maria Inês Ghilardi Lucena, ressalta a importância dos Papadimitriou A história em quadrinhos alunos darem continuidade à Revista, por ser um espaço para colocarem em prática o que PALESTINA - UMA conta a vida do filósofoNAÇÃO OCUPADA aprenderam na sala de aula. “A publicação é um importante espaço de organização e pro- Bertrand Russell e seu objeti-AUTOR: Joe Sacco dução. É um incentivo ao processo de produção”, explicou a professora. vo de estabelecer os funda-O livro é resultado da viagem mentos lógicos dos princípiosdo autor ao Oriente Médio. matemáticos. Nessa sua bus-Durante dois meses, Sacco Origem do nome> O nome da revista foi inspirado no ca do conhecimento, Russellcoletou histórias nas ruas, livro Villa Kyrial: Crônica da Belle Époque paulistana, de Márcia mostra pensadores comonos hospitais, nas escolas e Camargos. A Villa Kyrial foi uma mansão, em São Paulo, onde se Gottlob Frege, David Hilbert,nas casas dos refugiados. reuniam artistas do período modernista, incluindo Mário de Andrade, Kurt Gödel e LudwigPresenciou confrontos dos Anita Malfatti, Villa Lobos, Guilherme de Almeida, entre outros. Wittgenstein. Logicomix ésoldados com a população uma introdução às ideias do campo da Matemática e dae entrevistou vítimas de A Revista Kyrial, edição 2010, pode ser adquirida Filosofia moderna.tortura. pelo e-mail revistakyrial@gmail.com

×