Your SlideShare is downloading. ×
Plano de monitoramento integrado - CET  - 2003
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Plano de monitoramento integrado - CET - 2003

866
views

Published on

Plano de monitoramento integrado - CET - 2003

Plano de monitoramento integrado - CET - 2003

Published in: News & Politics

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
866
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
21
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PLANO DE MONITORAMENTO DA OPERA ÇÃO DO NOVO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO/SP Fevereiro/2003
  • 2. OBJETIVOS ASSEGURAR A QUALIDADE DO SERVIÇO DE TRANSPORTE PRESTADO AOS USUÁRIOS. I – Acessibilidade / Segurança dos usuários do transporte coletivo e pedestres II - Mobilidade no Sistema Viário(Pessoas – Sistema Viário – Veículos) III - Oferta dos Serviços
  • 3. ETAPAS DE IMPLEMENTACAO DO NOVO SISTEMA Fase I - Início da Implantação do Novo Modelo – Operação Assistida Fase II - Período de Incorporação dos novos recursos Fase III - Operação Estruturada Fase IV – Período de Estabilização do Modelo Implantado
  • 4. I – Acessibilidade/Segurança dos usuários do transporte coletivo e pedestres Acesso /Deslocamento seguro dos usuários do transporte coletivo e pedestres no sistema de transportes Indicadores:
    • Acidentes
    • Km média entre interferências operacionais
    • Frequência de veículos quebrados(transporte coletivo, automóveis, caminhões)
    • Frequência de interferências no sistema viário(obras, solapamento, buraco na pista, valeta)
    • Frequência de Guinchamentos(transporte coletivo, automóveis estacionados irregularmente e caminhões guinchados)
    • Frequência de interferências na sinalização semafórica
    PARÂMETROS OPERACIONAIS DE MONITORAMENTO
  • 5. II - Mobilidade no Sistema Viário (Pessoas – Sistema Viário – Veículos) Deslocamento de usuários, pedestres, transporte coletivo, automóveis, caminhões no sistema viário Indicadores:
    • Velocidade do transporte coletivo
    • Velocidade no sistema viário
    • Lentidão
    PARÂMETROS OPERACIONAIS DE MONITORAMENTO
  • 6. III - Oferta dos Serviços Atendimento prestado ao público usuário do serviço de transporte Indicadores:
    • Cumprimento de viagem
    • Intervalo médio entre partidas realizadas(regularidade)
    • Cumprimento de Frota
    • Índice de ocupação(lotação)
    • Tempo de Viagem ; Tempo de Espera
    • Km média entre recolhidas anormais e socorros
    • Cumprimento de itinerários
    • Km média/Falhas na rede trolebus
    • Informação ao usuário do Transporte Coletivo
    PARÂMETROS OPERACIONAIS DE MONITORAMENTO
  • 7. III - Oferta dos Serviços Atendimento prestado ao público usuário do serviço de transporte Indicadores:
    • Passageiros / Reclamações ; Passageiros / Veículo; Passageiros por Veículo Dia (PVD); Indice de Passageiros por Quilômetro(IPK); Hora Veículo Dia (HVD); Indice de renovação; Percurso Médio Anual (PMA); Percurso Médio Mensal(PMM); Controle de Evasão
    PARÂMETROS OPERACIONAIS DE MONITORAMENTO
  • 8. Tratamento das Informações
    • Metas e padrões regionalizados - Sazonalidade
    • Curvas de Tendência
    • Correlação entre eventos e indicadores
    • Número de ocorrências / tempo
    • Frequência de falhas / tempo de duração da falha - Confiabilidade e manutenabilidade
  • 9. INDICADORES DE DESEMPENHO DO SISTEMA DE TRANSPORTE I – Acessibilidade/Segurança dos usuários do transporte coletivo e pedestres Km média de Interferências Operacionais Frequência de quebras Frequência de Interferências Operacionais / Meio físico BAC; PAC; Operação / SPTrans BAC; PAC; Operação / SPTrans BAC; PAC; Operação / SPTrans Atividade rotineira; Acionar Operadora Atividade rotineira; Acionar Operadora Atividade rotineira; Acionar Outros Órgãos imediato imediato imediato Indicador Meio de Obtenção Procedimento Operacional Disponível Frequência de Guinchamentos BAC; PAC; Operação / SPTrans Atividade rotineira; Acionar Operadora imediato
  • 10. INDICADORES DE DESEMPENHO DO SISTEMA DE TRANSPORTE Frequência de Interferências Operacionais / Sinalização Semafórica Tempo de deslocamento da remoção Frequência de Interferências Operacionais / Irregularidade de percurso BAC; PAC; Operação / SPTrans BAC; PAC; Operação / SPTrans BAC; PAC; Operação / SPTrans Atividade rotineira; Acionar Manutenção Semafórica Atividade rotineira; Acionar Guincho / PickUp´s Atividade rotineira; Acionar Operadora imediato imediato imediato Indicador Meio de Obtenção Procedimento Operacional Disponível I – Acessibilidade/Segurança dos usuários do transporte coletivo e pedestres
  • 11. SPTRANS – Equipe Via Livre INDICADORES DE DESEMPENHO DO SISTEMA DE TRANSPORTE II - Mobilidade no Sistema Viário (Pessoas – Sistema Viário – Veículos) Velocidade Lentidão INFOVEL(Trânsito em Geral); Atividade rotineira; Depende de implantação de Laços e Manutenção Indicador Meio de Obtenção Procedimento Operacional Disponível PAC´s VENCE(Transporte Coletivo) Avaliação campo visual Relatórios Off-Line imediato 2/3 meses(conf) imediato Atividade Rotineira - medição em campo PAC´s Avaliação campo visual imediato Câmeras Atividade rotineira; 2 meses
  • 12. III - Oferta dos Serviços(Estrutural e Local) Cumprimento de Viagem Cumprimento de Frota Intervalo Médio entre viagens realizadas Índice de Ocupação(Lotação-veículo) Equipamentos Eletrônicos-Laços / Sistema de Monitoramento por Triangulação de Antenas(SMTA); RDB Equipamentos Eletrônicos-Laços / SMTA; RDB. Equipamentos Eletrônicos-Laços / SMTA; Pesquisa Operacional / Observação Visual Atividade rotineira; Acionar Operadora Atividade rotineira; Acionar Operadora Atividade rotineira; Acionar Operadora Reprogramação horária imediato imediato 2 a 3 meses após confirmação imediato Indicador Meio de Obtenção Procedimento Operacional Disponível INDICADORES DE DESEMPENHO DO SISTEMA DE TRANSPORTE Índice de ocupação nos pontos de parada e estações de transferência Pesquisa Operacional / Observação Visual Acionar Operadora; Reprogramação horária; Readequação do ponto imediato
  • 13. Cumprimento de Itinerário Km média entre interferências operacionais Km média entre recolhidas anormais e socorros Equipamentos Eletrônicos-Laços / SMTA; Fiscalização de campo BAC; PAC; Operação / SPTrans BAC; PAC; Fiscalização / SPTrans Atividade rotineira; Acionar em tempo real o Permissionário; Acionar Concessionário Atividade rotineira; Acionar Operadora Atividade rotineira; Acionar Operadora imediato imediato imediato Indicador Meio de Obtenção Procedimento Operacional Disponível Acidentes BAC; PAC; CFTV; Fiscalização / SPTrans Atividade rotineira; Acionar Operadora imediato Assaltos e roubos de veículos BAC; PAC; Fiscalização / SPTrans Atividade rotineira; Acionar Operadora imediato Deficiências relacionadas a rede Trolebus BAC; PAC; Fiscalização / SPTrans Atividade rotineira; Acionar Operadora imediato INDICADORES DE DESEMPENHO DO SISTEMA DE TRANSPORTE III - Oferta dos Serviços(Estrutural e Local)
  • 14. Níveis de Ação para o Monitoramento
    • A ÇÃO IMEDIATA (AI)
    • AJUSTE OPERACIONAL (AO)
    • PLANEJAMENTO GERAL (PG)
  • 15.
      • Acompanhamento dos locais críticos através de :
      • Agentes da CET e SPTrans em campo, posicionados nos locais e horários de maior volume de pedestres, monitorando a circulação dos usuários de ônibus e auxiliando a travessia de pedestres.
    LOGÍSTICA OPERACIONAL I – Acessibilidade/Segurança dos usuários do transporte coletivo e pedestres
      • Principais Ações :
      • Operação travessia de pedestres próximo as Estações de Transferência;
      • Fiscalizar o serviço prestado pelas empresas de ônibus, visando o conforto e segurança dos usuários do transporte;
      • Prestar informações aos usuários do transporte;
      • Ajustar os tempos/implantar novos semáforos para pedestres;
      • Adequar a sinalização de tráfego.
  • 16.
    • Monitoramento do Sistema Viário através de:
    • Agentes da CET e SPTrans em campo percorrendo o sistema viário com pick ups, kombis e motocicletas;
    • Câmeras de CFTV;
    • PAC´s;
    • Guinchos.
    LOGÍSTICA OPERACIONAL II - Mobilidade no Sistema Viário (Pessoas – Sistema Viário – Veículos)
      • Principais Ações :
      • Remoção de interferências na via (ônibus e veículos quebrados, acidentes);
      • Acompanhamento do desempenho dos ônibus (velocidade e tempo de percurso);
      • Fiscalização (infrações de trânsito e do material rodante);
      • Regulagem dos tempos semafóricos, priorizando o transporte coletivo.
  • 17. AÇÕES DE INTEGRAÇÃO CET / SPTrans
    • Integrar as Centrais de Controle Operacional da CET e SPTrans
    • Compatibilizar os procedimentos operacionais e ações da CET e SPTrans, visando racionalizar os recursos materiais e humanos
    • Divulgar e informar o usuário (em campo) sobre as alterações no Sistema de Transporte.
  • 18. INTEGRAÇÃO DAS CENTRAIS DE CONTROLE OPERACIONAL – CCO
    • Integrar os Sistemas Informatizados de Cadastro das Ocorrências das CENTRAIS (CET/SPTrans)
    • Agilizar a comunicação entre os supervisores das equipes de campo da CET e SPTrans, através do uso de aparelhos tipo NEXTEL
    • Integrar os Supervisores da SPTrans em todas as Centrais de Controle de Semáforos da CET
    • Presença diária de Supervisor da SPTrans na Central CET- Bela Cintra
    FASES I e II
  • 19. INTEGRAÇÃO DAS CENTRAIS DE CONTROLE OPERACIONAL – CCO
    • FASE III :
    • Implantação do sistema definitivo de rádio comunicação CET/ SPTrans.
    • Central Única de Operação e Informação de transporte e trânsito.
  • 20. INTEGRAÇÃO DAS EQUIPES OPERACIONAIS DA SPTRANS e CET
    • TODAS AS FASES :
    • Implementar continuamente ações de melhoria da integração das equipes operacionais em campo:
      • Revisão de atribuições e de procedimentos operacionais que podem ser praticados pelas duas empresas;
      • Treinamento / reciclagem dos recursos humanos.
  • 21. GUINCHO , TOYOTA e RANGER (SPTrans, CET e Empresas de Ônibus)
    • FASE I :
    • Compatibilizar o posicionamento dos recursos atuais e área de abrangência;
    • Definir prioridade de ativação e procedimentos operacionais.
    • DEMAIS FASES :
    • Incremento de novos veículos e tecnologias.
  • 22. DIRETRIZES DO PLANO OPERACIONAL
    • A distribuição dos recursos humanos e materiais prevê:
    • racionalizar o uso dos recursos da CET e SPTrans.
    • priorizar locais:
      • com maior volume de usuários de ônibus, pedestres e veículos;
      • onde ocorrer mudanças mais significativas no sistema de transporte, com ênfase no sistema estrutural das linhas de ônibus.
    • adequação constante às necessidades do novo sistema.
  • 23. RECURSOS DISPONÍVEIS
    • Rotas operadas :
      • CET: 650 Km
      • SPTrans: 110 Km
    • Viaturas
      • CET: 332
      • SPTrans: 117
    • Agentes em campo
      • CET: 800
      • SPTrans: 591
  • 24.
    • Toyota
      • SPTrans: 02
    RECURSOS DISPONÍVEIS
    • Guinchos: 36
      • CET: 16
      • SPTrans : 09
      • Empresas de ônibus: 11
    • Ranger
      • SPTrans: 04
  • 25.
    • Centrais de Controle Operacional
      • CET : Bela Cintra, GET 2, GET 3, GET 4 e GET 5
      • SPTrans : Santa Rita
    • CFTV - Circuito Fechado de Televisão
      • CET: 95 câmeras
    • PAC´s - Postos Avançados de Campo
      • 38 postos ativados
    • SISTEMA VENCE
      • 300 PCV´s
    • Sistema de Monitoramento por Triangulação de Antenas
      • 1500 lotações
    RECURSOS DISPONÍVEIS
  • 26. RECURSOS NECESSARIOS PARA VIABILIZAÇÃO DA FASE I
    • Participação dos Programas Sociais na operação travessia de pedestres (Operação Trabalho e Começar de Novo).
    • Manutenção de 95 câmeras de CFTV (Circuito Fechado de Televisão).
    • Adequação de 9000 m² de sinalização horizontal
    • Fornecimento de aparelhos tipo NEXTEL.
    • Investimento em sinalização semafórica (manutenção e novos equipamentos)
    • Recursos de outros órgãos para auxiliar no caso de irregularidades (guia rebaixada irregular / camelôs) ou para aprovação das propostas (obras / acessibilidade):Sub-prefeitura, SIS, SIURB, CPA.
    • Campanha e material de divulgação em campo.
    • Remanejamento dos Postos de Controle de Veiculos (PCV)
    • Utilizar Sistema de Monitoramento por Triangulação de Antenas já disponivel em 1500 veiculos de baixa capacidade
  • 27. Resumo FASE I
    • Capacidade de Monitoramento :
      • Sub Sistema Estrutural: 50 %
      • Sub Sistema Local: 35 %
  • 28.     SISTEMA DE DETECÇÃO POR LAÇOS ATUAL DISPONIBILIDADE: imediato ABRANGÊNCIA: 100% das linhas estruturais INFORMAÇÕES: FREQUÊNCIA: CUSTO: OBSERVAÇÕES: é necessário que as informações sobre as novas linhas sejam cadastradas na OSO (veículo x linha) OFFLINE Dia seguinte - fatores de cumprimento de frota e de viagem (programado x realizado) - detecção de interferências de lotações no sistema estrutural - quantidade de ônibus em operação ONLINE 3 minutos CCO STR CTA´s transponder laço Transmissão em tempo real via telefone
  • 29.     SISTEMA DE DETECÇÃO POR LAÇOS COM REMANEJAMENTO DE PCV’s DISPONIBILIDADE: 2 a 3 meses apos contratacao ABRANGÊNCIA: 100% das linhas estruturais (remanej. de 100 PCV’’s) INFORMAÇÕES: FREQUÊNCIA: CUSTO: R$ 300.000,00 OBSERVAÇÕES: é necessária a contratação de serviços específicos para o remanejamento dos PCV’s OFFLINE Dia seguinte - regularidade da operação - velocidade média dos corredores - tempos de viagem no sistema estrutural
  • 30.     CFTV DISPONIBILIDADE: 2 meses após contratação ABRANGÊNCIA: centro expandido (manut. corretiva em 95 câmeras) INFORMAÇÕES: FREQUÊNCIA: CUSTO: R$ 115.000,00 OBSERVAÇÕES: contratação do serviço ONLINE - visualização da situação do tráfego nos corredores
  • 31.   SISTEMA DE MONITORAMENTO POR TRIANGULAÇÃO DE ANTENAS DISPONIBILIDADE: ate 15/Maio ABRANGÊNCIA: 35% das lotações (1.500 já possuem equipamento instalado / frota total de lotações novo modelo 4984 sem ônus ao Poder Público) FREQUÊNCIA: CUSTO: R$ 180.000,00 p/ mês (R$ 120,00/veículo/mês) - 3000 registros / veículo / mês OBSERVAÇÕES: contratação mediante avaliação jurídica já analisada; inclusive possibilidade de ampliação do sistema à frota remanescente.
    • INFORMAÇÕES:
    • - localização dos veículos;
    • viagens realizadas;
    • frota operante;
    • - cumprimento do itinerário;
    • - intervalos médios (confiabilidade/regularidade);
    • - duração das viagens.
    ONLINE
  • 32. ADEQUAÇÃO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA / HORIZONTAL DISPONIBILIDADE: 3 meses ABRANGÊNCIA: 100% estrutural INFORMAÇÕES: CUSTO: R$ 450.000,00 (9000 m 2 / sinalização horizontal) OBSERVAÇÕES: Elaboração de projeto / Liberação de verba - Segurança / Fluidez (estações de transferência)
  • 33. RÁDIOS DE COMUNICAÇÃO NEXTEL DISPONIBILIDADE: 15/Maio ABRANGÊNCIA: 100% operação INFORMAÇÕES: CUSTO: R$ 5.740,00 / mês (R$ 1.800,00 / 1 o mês-Aquisição de Baterias) OBSERVAÇÕES: Contratação - Comunicação CET / SPTrans
  • 34. REDE ESTRUTURAL
  • 35. CENTRAIS OPERACIONAIS
    • BELA CINTRA
    • GET´S
    • SPTRANS/STA. RITA
  • 36. GUINCHOS
    • CET
    • SPTRANS
    • Empresas de Ônibus
  • 37. SISTEMA VIÁRIO MONITORADO
    • Viário Estrutural - Ônibus
    • Rotas CET / SPTRANS
    • Câmeras e PAC´S
  • 38. C Localização dos PCV’s nas áreas da concessão 1 2 3 PCV 4 5 6 7 8
  • 39. Área Central
  • 40. Área 1
  • 41. Área 2
  • 42. Área 3
  • 43. Área 4
  • 44. Área 5
  • 45. Área 6
  • 46. Área 7
  • 47. Área 8