Gerenciador de Janelas

No Linux, o funcionamento da interface gráfica depende de dois componentes:

   Servidor X: que co...
O Window Maker




Window Maker (inicialmente chamado WindowMaker) é um gerenciador de janelas que
segue o desenho básico ...
gerenciamento de janelas completo. A janela pode ser miniaturizada, escondida,
maximizada, quot;sombreadaquot;, redimensio...
O Ambiente

O Window Maker oferece várias maneiras para controlar e configurar os diversos
aspectos da área de trabalho, t...
Representa aplicações ou janelas minimizadas que aparecem no
canto inferior da tela na forma de ícones. Pode assumir 3 est...
Clip
O Window Maker também suporta o uso de áreas de trabalho virtuais.
Você pode alternar entre elas usando o clip, encon...
Conclusão

Se o usuário procura um gerenciador de janelas rápido, graficamente atraente e com
algumas características inte...
Referências

http://pt.wikipedia.org/wiki/WindowMaker

http://wmaker.cyaneus.net/node/12

http://www.guiadohardware.net/te...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Window Maker

836

Published on

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
836
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
10
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Window Maker

  1. 1. Gerenciador de Janelas No Linux, o funcionamento da interface gráfica depende de dois componentes: Servidor X: que controla a exibição dos pixels na tela Gerenciador de janelas: que controla a aparência (largura, altura, posicionamento, efeitos 3D, bordas) e o comportamento do ambiente de trabalho. O usuário comunica-se com o gerenciador de janelas através do teclado e do mouse e o gerenciador se comunica com o servidor-X para retornar os dados na tela. Uma analogia seria a do DOS no Windows 95. Gerenciador de Servidor X Hardware Usuário Janelas Desta forma, o usuário pode escolher o gerenciador de janelas que mais se adapta ao seu modo de trabalho, a que oferece mais recursos, a que mais o agrada, tanto do ponto de vista estético, quanto do ponto de vista funcional. No Linux, há uma grande variedade de gerenciadores de janelas disponíveis para o usuário. Existem ambientes de trabalho completos como o Gnome e o KDE, gerenciadores mais leves como o Blackbox e o Icewm, o XFCE parecido com CDE, e Enlightment, que de beleza e consumo de memória não têm concorrentes e o Window Maker que é a interface padrão de várias distribuições e muito semelhante ao Unix Solares. Pág. 1
  2. 2. O Window Maker Window Maker (inicialmente chamado WindowMaker) é um gerenciador de janelas que segue o desenho básico do NeXTStep, o sistema criado pela empresa de Steve Jobs depois incorporada à Apple. Foi criado pelo brasileiro Alfredo Kojima que iniciou seu desenvolvimento logo após a versão 1.0 do AfterStep, que também buscava replicar o visual e comportamento do NeXTStep. No desenvolvimento da versão 2 do AfterStep, Kojima havia sugerido a reescrita do código a partir do zero, porque a manutenção do sistema era muito difícil na época e porque muitos dos recursos desejados para a nova versão requeriam uma reestruturação considerável do código. Enquanto discutiam o que fazer ou não fazer, Kojima resolveu começar a escrever o AfterStep 2, ao invés de ficar esperando que alguém mais o fizesse. Depois de algum tempo, percebeu que as pessoas não consideravam o Window Maker uma continuação do AfterStep. Então, resolveu fazer do Window Maker um projeto independente do AfterStep. O Window Maker chegou a ser a interface gráfica default no Conectiva 3 e 4, mas acabou perdendo o posto para o KDE. Está incluído em muitos sistemas operacionais Unix-like como, por exemplo, o Fedora Core, o Mandriva Linux, Debian e Ubuntu que têm um pacote chamado quot;wmakerquot; e FreeBSD, NetBSD, OpenBSD e a coleção de software Blastwave para Solaris que oferecem-no na forma de um pacote. O Window Maker possui as seguintes características: beleza estética; rápido e consome poucos recursos do computador em comparação com muitos outros gerenciadores de janelas e sistemas operacionais; bastante usado em máquinas mais antigas; facilmente configurável por meio de aplicativos gráficos; suporte à temas; possuir as dockapps (aplicações que residem dentro de um ícone); oferecer suporte para aplicações escritas para outros ambientes como o Gnome ou KDE; Pág. 2
  3. 3. gerenciamento de janelas completo. A janela pode ser miniaturizada, escondida, maximizada, quot;sombreadaquot;, redimensionada, movida, fechada ou destruída, focada ou desfocada, mantida sobre outras janelas ou abaixo delas; possuir múltiplas áreas de trabalho, além de um dock para acoplar aplicações; possuir um menu de aplicações e um menu de janelas que podem ser abertos através de cliques de mouse ou atalhos de teclado; possuir suporte para temas e idiomas: português, japonês, espanhol, holandês, italiano, alemão, tcheco, coreano, francês, sueco e inglês. Pág. 3
  4. 4. O Ambiente O Window Maker oferece várias maneiras para controlar e configurar os diversos aspectos da área de trabalho, tais como janelas, menus, aplicações, etc. Menu No Window Maker não temos uma barra de tarefas. O menu iniciar é acessado clicando com o botão direito sobre uma área vazia da área de trabalho e tem o objetivo de centralizar e facilitar o acesso aos aplicativos e outras funções do sistema, abrir qualquer comando ou programa. O menu é configurável, ou seja, o usuário pode acrescentar atalhos para as aplicações que escolher, deixar o menu visível na área de trabalho, ao alcance do ponteiro do mouse. Appicon Pág. 4
  5. 5. Representa aplicações ou janelas minimizadas que aparecem no canto inferior da tela na forma de ícones. Pode assumir 3 estados: fechado (representado por 3 pontinhos no canto do quadrado), executando (nenhum ponto no quadrado) e escondido (um ponto no seu canto). Ao clicar com o botão direito sobre a barra de título de um aplicativo, aparecerá um menu com a opção de maximizar, minimizar, shade (enrolar a janela, deixando apenas a barra de título) e também de enviar a janela para outra área de trabalho virtual (Move to). Outro recurso interessante do Window Maker é a possibilidade de escolher opções diferentes para cada programa. Assim, o usuário pode configurar os aplicativos para inicializarem em modo full- screen por default, outros para não terem barra de título e assim por diante. A opção quot;Full screen Maximizationquot; faz com que a janela ocupe a tela inteira, incluindo a área do dock e do clip. Dockapps Dockapps são pequenas aplicações executadas em um pequeno espaço do tamanho de um ícone e têm função de promover interação com o usuário, executando várias funções. Podem ser botões, jogos, monitores de sistema ou simples relógios, indicadores de atividade da CPU e consumo da memória; tudo isso no próprio Appicon. Área do Dock Até agora vimos que ao abrir uma aplicação, aparece um Appicon na parte inferior da tela e desaparece quando a aplicação é terminada; isso não diferencia muito do conceito de barra de tarefas (tão comum na maioria dos gerenciadores de janelas). Mas, é no conceito de áreas (dock e clip) que a coisa muda e o potencial dos Appicons se mostra presente. O dock é um ícone especial, onde podemos quot;acoplarquot; (dockar) ícones e dock apps. O dock pode ficar em qualquer canto da tela, basta clicar e arrastá-lo para o lugar desejado, porém só aceita ícones na vertical e o conjunto de ícones que aparecem nele é o mesmo em todas as áreas de trabalho virtuais. A vantagem de dockar aplicações é o controle que você terá dela; quando se fecha uma aplicação dockado, seu Appicon não some e fica com 3 pontinhos; para abrir novamente a aplicação basta usar um duplo clique no appicon dela; e, ao clicar com o botão direito sobre ele, o menu do Appicon apresentará uma opção a mais: configurações. Pág. 5
  6. 6. Clip O Window Maker também suporta o uso de áreas de trabalho virtuais. Você pode alternar entre elas usando o clip, encontrado no canto superior esquerdo. O clip e o dock têm funções parecidas, só que o clip é específico para cada área de trabalho e pode ter ícones colados em qualquer direção. Ele também pode ser configurado para guardar os ícones dos aplicativos minimizados, entretanto os Appicons neles dockados não aparecem em todas as áreas de trabalho virtuais, assim pode-se organizar as aplicações de forma mais fácil. Configurações O Window Maker tem também uma ferramenta de configuração centralizada, o Wmaker Config. Pode ser encontrada em um dos ícones do dock. Ele oferece uma quantidade espantosa de opções: mouse, teclado, cores, animações, ícones, efeitos, entradas no menu de programas, comportamento das janelas, etc. Pág. 6
  7. 7. Conclusão Se o usuário procura um gerenciador de janelas rápido, graficamente atraente e com algumas características interessantes, como as dockapps, então o Window Maker pode ser uma boa opção. Também é recomendado por sua rapidez e performance em computadores com poucos recursos de processamento e memória. Por isso, pode ser uma boa opção para portáteis, que normalmente não são tão poderosos como os computadores pessoais. Pág. 7
  8. 8. Referências http://pt.wikipedia.org/wiki/WindowMaker http://wmaker.cyaneus.net/node/12 http://www.guiadohardware.net/termos/window-maker Pág. 8
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×