20130712 br metro campinas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
432
On Slideshare
432
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. MÍN: 10°C MÁX: 24°C www.readmetro.com | leitor.camp@metrojornal.com.br | www.facebook.com/metrojornal | @jornal_metrocps CAMPINAS Sexta-feira, 12 de julho de 2013 Edição nº 789, ano 4 sunny hazy snow rain partly sunny cloudy sleet thunder part sunny/ showers showers thunder showers wind RECICLEAINFORMAÇÃO:PASSE ESTEJORNALPARAOUTROLEITOR SINFÔNICA NA FESTA OSMC SE APRESENTA COM A DUPLA CHITÃOZINHO E XORORÓ PÁG. 32 Houve confronto entre manifestantes e a Tropa de Choque da Polícia Militar ontem de manhã na região do bairro Campo Belo | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS PM mantém SP-075 aberta Sem chance. No Dia Nacional de Luta convocado pelas centrais sindicais, o principal palco de protestos em Campinas foi os arredores de Viracopos. PM, pela 4ª vez, em oito dias, entrou em confronto com manifestantes que queriam fechar a rod. Santos Dumont PÁG. 02 Dilma sanciona Ato Médico com vetos Presidente desagrada médicos ao barrar mudanças que poderiam prejudicar SUS PÁG. 04 Pacote de banco supera a inflação Fim de semana tem Ponte e Guarani Pesquisa do Idec mostra que nos últimos 5 anos, serviços mais baratos subiram 61% PÁG. 08 A Macaca pega o Bahia no sábado e o Bugre enfrenta o Barueri domingo. Ambos jogam em casa PÁG. 39 Bugre apresentou reforço ontem | DIVULGAÇÃO CAMPINAS: 239ANOS ATRAJETÓRIA DACIDADEQUE SETORNOU OPOLO TECNOLÓGICO DOPAÍS PÁGS.11A30 SINFÔNICA NA FESTA OSMC SE APRESENTA COM A DUPLA CHITÃOZINHO E XORORÓ
  • 2. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|02| {FOCO} O jornal Metro circula em 23 países e tem alcance diário superior a 20 milhões de leitores. No Brasil, é uma joint venture do Grupo Bandeirantes de Comunicação e da Metro Internacional. É publicado e distribuído gratuitamente de segunda a sexta em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, ABC, Santos e Campinas, somando mais de 480 mil exemplares diários. Editado e distribuído por SP Publimetro S/A. Endereço: avenida Engenheiro Antonio Francisco de Paula Souza, 2799, CEP 13045-541, Jardim São Gabriel. Tel.: 019/3779-7421. O jornal Metro é impresso na Log&Print Gráfica e Logística S.A. EXPEDIENTE Metro Brasil. Presidente: Cláudio Costa Bianchini (MTB: 70.145). Editor Chefe: Luiz Rivoiro (MTB 21.162). Diretor Comercial e Marketing: Carlos Eduardo Scappini. Diretora Financeira: Sara Velloso. Diretor de Tecnologia e Operações: Luiz Mendes Junior. Gerente Executivo: Ricardo Adamo. Coordenador de Redação: Irineu Masiero. Editor de Arte: Vitor Iwasso. Metro Campinas. Editora-Executiva:Zezé de Lima (MTB: 16.231). Editor de Arte: Gustavo Moura. Gerente Comercial: Simone Monfardini. Grupo Bandeirantes de Comunicação Campinas - Diretor Geral: Rodrigo V. P. O. Neves. A tiragem e distribuição desta edição de 30.000 exemplares são auditadas pela BDO. FALE COM A REDAÇÃO leitor.camp@metrojornal.com.br 019/3779-7518 COMERCIAL: 019/3779-7421 Sem novidade Famílianega ameaçasa funkeiro A família do funkeiro Daniel Pellegrine, MC Daleste, de 20 anos, ne- gou ontem à polícia que ele vinha sendo amea- çado. A família prestou depoimento e não falou com a imprensa. A pergunta foi feita por- que há a suspeita de que o funkeiro tenha sido morto por manter um caso com a mulher de um traficante de Campi- nas. O funkeiro foi mor- to na noite do último sábado, quando se apre- sentava em uma quer- messe de rua no San Martin. METRO CAMPINAS De volta Rotaretoma cobrançade pedágio A Concessionária Rota das Bandeiras, responsá- vel pela administração do Corredor Dom Pedro, retoma às 8h de hoje a cobrança da tarifa de pe- dágio na praça “Paulí- nia B”, localizada no km 132,5 da rodovia Pro- fessor Zeferino Vaz (SP- 332), em Paulínia. As ta- rifas são de R$ 8,60 para veículos de passeio/eixo comercial e de R$ 4,30 para motos. A cobran- ça estava suspensa desde a semana passada, pre- ventivamente, após vân- dalos destruírem a pra- ça do km 135,5 durante protesto contra o valor da tarifa. METRO CAMPINAS Paulínia Diplomaçãode Mouraserána terça-feira A Justiça Eleitoral irá fa- zer o reprocessamento dos votos e a diplomação de Edson Moura Júnior (PMDB) como prefeito de Paulínia na terça-fei- ra. Ele foi o mais votado e teve a candidatura con- testada. METRO CAMPINAS Cerca de 350 pessoas, se- gundo a PM (Polícia Mili- tar), atenderam ontem ao chamado das sete centrais sindicais e compareceram de manhã ao ato convoca- do para reivindicar, além de uma pauta trabalhista, mudanças na postura dos governos em resposta ao protestos que em junho le- varam mais de um milhão às ruas do país. O número é muito infe- rior aos 10 mil esperados pelos organizadores – eles contabilizaram 1,5 mil. No entanto, Carlos Ferreira, da Força Sindical, considerou que o movimento cumpriu o seu papel. “Foram poucas pessoas, mas representati- vas, de vários sindicatos”. A passeata teve início na Estação Cultura e seguiu até o Largo do Pará. As avenidas Francisco Glicério e Cam- pos Sales chegaram a fechar e o comércio baixou as por- tas temendo tumulto. As agências bancárias do cen- tro abriram mais tarde, por volta das 11h, e o transporte coletivo teve atrasos. Aproveitando o momen- to, os moradores de bair- ros do entorno de Viraco- pos realizaram o seu quarto protesto por melhorias na região e contra a reintegra- ção de posse de uma área in- vadida por cerca de 50 famí- lias e que será utilizada para a ampliação de Viracopos. Cerca de 500 pessoas vol- taram a fechar por mais de cinco horas a rodovia Mi- guel Melhado e tentaram bloquear o trânsito da rodo- via Santos Dumont. Avisada do protesto, a PM já estava a postos para impedir o fe- chamento da estrada. Hou- ve confronto e os manifes- tantes e duas pessoas foram detidas. METRO CAMPINAS Sem eco. Protesto no entorno de Viracopos foi maior e reuniu 500 manifestantes Passeata no Centro teve pouca adesão | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS Ato das centrais atrai só 350 pessoas Tropa de Choque impede fechamento da rodovia Santos Dumont e protege Viracopos | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS 400 pessoas foram ontem à tarde ao Largo do Pará, na segunda etapa dos atos, dessa vez convocado apenas pela CUT. 1FOCO Cassação Donadon O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB- RN), afirmou ontem que pretende encerrar o processo de cassação do deputado federal Natan Donadon (sem partido-RO) o mais rápido possível. Donadon está preso. Ele foi condenado pelo STF por formação de quadrilha e peculato por desvios na Assembleia Legislativa de Rondônia. Dólar - 0,61% (R$ 2,25) Bovespa + 2,51% (46.626 pts) Euro + 1,46% (R$ 2,95) Selic (8,50%) Salário mínimo (R$ 678) Cotações
  • 3. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|04| {BRASIL} ESPIONAGEM: EUA MAN- TÊM CENTRAL EM BRASÍLIA. O O governo dos Estados Unidos instalou há vários anos uma central de co- municações em discreto edifício comercial no Se- tor de Mansões Dom Bos- co, no Lago Sul, em Brasí- lia, agora sob suspeita de ter sido utilizada na espio- nagem a brasileiros revela- da por Edward Snowden, ex-agente da NSA, Agência de Segurança Nacional do governo dos EUA. A cen- tral foi localizada pelo por- tal DiariodoPoder.com.br. INSTALAÇÕES. A central de comunicações dos EUA é protegida com grades no comércio local. Vizinhos dizem ter visto “muitas máquinas” por lá. ARAPONGAGEM. No Lago Sul funciona, segundo Hector Torres, o Infor- mation Programs Officer da Embaixada (IPO), que pode ser braço de arapon- gagem. PSD QUER ATRAIR SERRA PARA DISPUTAR EM 2014. Animado com pesqui- sas de intenção de voto que o colocaram à fren- te do desafeto tucano Aé- cio Neves (MG), José Serra (PSDB-SP) estreitou ainda mais os laços com o pre- sidente do PSD, Gilberto Kassab. O ex-governador vê no PSD a possibilida- de de ter mais tempo de TV do que lhe permitiria o PPS numa eventual dis- puta pela Presidência em 2014. Segundo liderança do PSD, Serra e Kassab têm se falado como nun- ca. HUMILHANTE. Segundo tu- canos, a principal preocu- pação do senador Aécio Neves já não é disputar contra Dilma em 2014, mas não perder para José Serra. JOGO DUPLO. De olho em obter apoio na eleição ao governo de São Pau- lo, Gilberto Kassab afaga Serra enquanto assedia o PT de Dilma Rousseff. ARREPENDIMENTO. O sena- dor Pedro Simon (PMDB- -RS) contou em entrevis- ta que se arrependera de lançar o ex-governador gaúcho Antonio Britto, então ministro da Previ- dência, para a sucessão de Itamar Franco. “Brit- to seria um fiasco”, reco- nheceu o velho senador, em rara bangornada. COM ANA PAULA LEITÃO E TERESA BARROS WWW.CLAUDIOHUMBERTO.COM.BR PODER SEM PUDOR Vaia é aplauso? Autor de algumas das me- lhores frases da história recente da política brasi- leira, o saudoso ex-minis- tro da Justiça Fernando Ly- ra considerava memorável a reação do ex-senador e ex-ministro Roberto Cam- pos, ao ser tremendamen- te vaiado após uma pales- tra, no Rio de Janeiro: - A vaia é o aplau- so daqueles que não concordaram. “É JOGAR A FALÊNCIA DO GOVERNO DILMA NAS COSTAS DO CONGRESSO.” DEPUTADO RONALDO CAIADO (DEM-GO) SOBRE A “COBRANÇA” DAS RUAS AO PARLAMENTO Política Edward Snowden | REUTERS/ EWEN MACASKILL/THE GUARDIAN/HANDOUT CLÁUDIO HUMBERTO CLAUDIO.HUMBERTO @METROJORNAL.COM.BR A presidente Dilma Rous- seff sancionou ontem a lei que regulamenta a práti- ca de medicina provocan- do um novo desgaste do governo com os médicos. A categoria já está insatis- feita com a possibilidade de contratação de estrangeiros e com a reformulação na formação dos profissionais. A lei do Ato Médico foi aprovada pelo Congresso após 11 anos de discussão, mas recebeu 10 vetos e en- trará em vigor em 60 dias. A principal queixa é a derrubada do artigo 4º, que tornava exclusiva dos mé- dicos a prescrição de me- dicamentos, o diagnósti- co de doenças e a aplicação de injeções. Esses pontos foram alvo de protestos de 13 categorias ligadas à área de saúde, como psicó- logos, fisioterapeutas e en- fermeiros, que acusavam a lei de interfência em suas atividades. “Atinge o coração da lei. Abre margem para o charlatanismo”, protes- tou o presidente da Fe- nam (Federação Nacional dos Médicos), Geraldo Fer- reira. “O que sobrou da lei não nos interessa.” A preo- cupação do governo foi um possível comprome- timento de políticas pú- blicas, como campanhas de vacinação ou progra- mas de combate a malá- ria, tuberculose, hansenía- se e doenças sexualmente transmissíveis. Greve Em resposta à sanção par- cial da lei do Ato Médico e da criação do Programa ‘Mais Médicos’, a catego- ria promete fazer parali- sações a partir da próxi- ma segunda-feira. Caso os médicos não se- jam chamados para ne- gociar mudanças, os mé- dicos prometem fazer greve. “Foram duas pau- ladas. A categoria foi atingida de uma for- ma brutal”, reclamou o presidente da Fenam. METRO BRASÍLIA Saúde. Presidente vetou mudanças que poderiam prejudicar programas do SUS. Entidades que representam médicos fazem críticas e afirmam que a proposta foi descaracterizada Com 10 vetos, Dilma sanciona Ato Médico Senado pede lista de voos da FAB desde 2002 O Senado pediu ontem ao Ministério da Defesa a lis- ta de todas as autoridades e de acompanhantes que usaram aviões da FAB (For- ça Aérea Brasileira) nos últi- mos 11 anos. O requerimen- to visa averiguar se o direito está sendo extrapolado. O requerimento é de au- toria do senador Aloysio Nu- nes, líder do PSDB no Se- nado, e foi aprovado por unanimidade pela Mesa. No mês passado, os presidentes da Câmara, deputado Henri- que Eduardo Alves (PMDB- -RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o mi- nistro da Previdência, Gari- baldi Alves, levaram paren- tes e amigos em voos da FAB para assistir jogos do Brasil na Copa das Confederações e compromissos particula- res. Os três se comprome- teram a ressarcir os cofres públicos. Na lista, deverão constar, além da lista de passageiros, a origem e o destino e o ho- rário dos voos. METRO BRASÍLIA Indicação e execução da intervenção cirúrgica e prescrição dos cuidados pré e pós-operatórios Indicação e execução de procedimentos invasivos, sejam diagnósticos, terapêuticos ou estéticos, incluindo as biópsias e as endoscopias Intubação traqueal Execução de sedação profunda, bloqueios anestésicos e anestesia geral Atendimento à pessoa sob risco de morte iminente Ensino de disciplinas especificamente médica Coordenação dos cursos de graduação em Medicina, dos programas de residência médica e dos cursos de pós-graduação específicos para médicos Consultas e respectivas prescrições terapêuticas Análise de biópsias e exames citopatológicos Diagnósticos psicológico, nutricional e socioambiental Avaliações comportamentais, sensoriais e psicomotoras Indicação do uso de órteses e próteses, prescrição de lentes de contatos e de próteses oftalmológicas Injeção, sucção, punção, insuflação, drenagem, instilação ou enxertia, com ou sem o uso de agentes químicos ou físicos Aplicação de injeções subcutâneas, intramusculares e intravenosas seguindo a prescrição médica Cateterizações de acordo com a prescrição médica Direção e chefia de serviços médicos ATO MÉDICOVeja abaixo como ficou a lista de responsabilidade sobre os principais procedimentos PODERÃO SER EXERCIDOS POR OUTROS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ATIVIDADE PRIVATIVA DOS MÉDICOS STOCKXCHNG O Congresso Nacional apro- vou ontem um novo siste- ma de votação dos vetos presidenciais. Segundo o modelo, todos os vetos feitos pela presiden- te Dilma Rousseff a partir de 1º de julho deste ano de- verão ser analisados até 30 dias. Se isso não ocorrer, o Congresso ficará com a pau- ta trancada até a sua aprecia- ção. A análise desses vetos começa em agosto. METRO Vetos.Novo sistemade votaçãoé aprovado Renan Calheiros | REUTERS/JAMIL BITTARA “A sanção do texto do Congresso colocaria em risco políticas da área de saúde, além do risco de judicializar a matéria.” PRESIDENTE DILMA ROUSSEFF
  • 4. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|06| {BRASIL} DIA NACIONAL DE LUTAS Veja os principais bloqueios pelo país ALAGOAS PARAÍBA AMAZONAS MATO GROSSO DISTRITO FEDERAL RIO GRANDE DO SUL CEARÁ AM AC RR PA AP BA MG PR SC RS TO MA PI RN PE CE SE AL PB RO MT ES RJ GO MS SP Acesso ao aeroporto de Alagoas foi bloqueado ESPÍRITO SANTO Em Manaus, 40% dos ônibus pararam e ao menos quatro avenidas foram bloqueadas Ao menos duas rodovias foram fechadas por sindicatos e trabalhadores sem terra Pontes foram parcialmente bloqueadas e ônibus não funcionaram RIO DE JANEIRO Pontes foram bloqueadas e a BR-463 foi ocupada por manifestantes Ao menos cinco rodovias foram paralisadas PARANÁ Ao menos três rodovias foram bloqueadas na Região Metropolitana de Curitiba SANTA CATARINA Manifestantes impediram ônibus de entrarem em terminais, em Florianópolis Em Brasília, seis faixas da Esplanada dos Ministérios foram bloqueadas Belo Horizonte - Piquetes impediram funcionamento de ônibus e metrô Ao menos quatro rodovias foram bloqueadas. Terminais de ônibus foram interditados PERNAMBUCO Complexo de Suape foi paralisado 20 pontos das principais rodovias tiveram bloqueios e um policial morreu atropelado Dutra, Anhanguera, Ayrton Senna, Anchieta e Régis Bittencourt foram bloqueadas MINAS GERAIS SÃO PAULO trechos de rodovias foram bloqueados em 18 Estados 80‘Dia de Lutas’. Na Régis Bittencourt, polícia teve de usar gás lacrimogêneo para tirar manifestantes que bloqueavam a estrada Protestos fecham 39 rodovias em 18 Estados Uma série de manifestações organizadas por centrais sindicais parou trechos de 39 estradas do país ontem, no chamado “Dia Nacional de Lutas”. Ao menos 80 tre- chos de rodovias em 18 Es- tados foram interditados. Em São Paulo, as vias Dutra, Anhanguera, Ayrton Sen- na, Anchieta e Régis Bitten- court tiveram bloqueios. As interrupções foram mais intensas no início da manhã. Em algumas rodo- vias, manifestantes chega- ram a queimar pneus e fa- zer barricadas. Manifestantes interdi- taram avenidas, bloquea- ram pontes e fecharam por- tos em diversas cidades. O transporte público, a coleta de lixo e os correios foram afetados em várias delas. Em ao menos cinco Estados, as agências bancárias não abriram normalmente. Em algumas rodovias houve tumulto entre mani- festantes e a Polícia Militar. No km 279 da Régis Bitten- court, um grupo de 300 in- tegrantes do MTST (Movi- mento dos Trabalhadores Sem Teto) bloqueou os dois sentidos da via. Segundo or- ganizadores, o trajeto havia sido combinado com a Polí- cia Rodoviária Federal e se- guia pacífico até a chegada da PM. A manifestação cau- sou congestionamento. Em Brasília, cerca de 2 mil manifestantes fecha- ram as seis faixas da Espla- nada dos Ministérios por 40 minutos e o trânsito preci- sou ser desviado. No Paraná, integrantes do MST e de sin- dicatos protestaram em ro- dovias que cortam o Estado. Eles chegaram a abrir can- celas em 16 praças de pe- dágio. Seis pessoas foram presas. Em Belo Horizonte, pelo menos 6 mil pessoas foram à Praça Sete com di- versas reivindicações. O me- trô não funcionou e quatro estações de ônibus foram paralisadas. METRO 80 é o número de trechos de rodovias que foram bloqueados ontem por manifestantes em todo o país
  • 5. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|08| {ECONOMIA} MUNDO Os preços dos pacotes de tarifas dos seis maiores bancos do país tiveram reajustes superiores à in- flação. Entre os pacotes mais econômicos o aumen- to de 2008 para 2013 foi em média de 61%, enquan- to os pacotes de maior va- lor ficaram 49% mais caros. No mesmo período, o IPCA (Índice de Preços ao Con- sumidor Amplo) acumulou alta de 32,34%. Os dados são de uma pesquisa realizada pe- lo Idec (Instituto de Defe- sa do Consumidor) com Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú e Santander). O Idec constatou que o nú- mero de pacotes disponí- veis mais do que dobrou em relação a 2008: passou de 35 para 78. Os bancos ofertavam em média seis pacotes em maio de 2008, incluindo universitários e contas ele- trônicas, o preço médio dos pacotes básicos com menor quantidade de ser- viços era de R$ 9,57 e o pa- cote com maior valor mé- dio custava R$ 30,53. Em 2013 o preço mé- dio do pacote com menor quantidade de serviço foi de R$ 15,37 e o preço mé- dio para o pacote com mais serviços foi de R$ 45,40. Entre os 14 pacotes que sobreviveram no período, 6 tiveram aumentos en- tre 38% e 111%, de acordo com a pesquisa realizada pelo Idec. O pacote univer- sitário da Caixa e do HSBC foram os únicos que sofre- ram redução de 14% e 21%, respectivamente. METRO Seu bolso. Serviços de menor valor tiveram alta de 61% em cinco anos, segundo o Idec Custo de pacote bancário sobe acima da inflação ACIMA DA INFLAÇÃO Reajustes entre 2008 e 2013 FONTE: IDEC *EM R$ **VARIAÇÃO EM 5 ANOS COMPARATIVO DO PREÇO DOS PACOTES EM CINCO ANOS PACOTES QUE FORAM REAJUSTADOS BANCOS BANCO PACOTE VALOR* VAR.** BANCO PACOTE VALOR* VAR.** Bradesco Caixa Universitária Cesta Básica Cesta Fácil Cesta Completa Fácil Caixa Super Caixa Especial Caixa Universitária 4,00 14,00 19,00 27,30 12,80 15,00 24,00 3,45 33% 65% 111% 30% 71% 20% 12% -14% HSBC Itaú Universitária HSBC Premier Básico HSBC Premier Maxconta Econômica Maxconta Simples Maxiconta Total 3,95 48,50 59,50 14,10 19,50 27,50 -21% 28% 38% 66% 56% 39% VALOR MÍNIMO VARIAÇÃO VALOR MÁXIMO VARIAÇÃO BANCO DO BRASIL BRADESCO CAIXA HSBC ITAÚ SANTANDER MÉDIA 32% 65% 71% 30% 66% 124% 61% R$ 38,00 R$ 35,90 R$ 24,00 R$ 59,50 R$ 50,00 R$ 65,00 R$ 45,40 9% 71% 12% 38% 153% 52% 49% 32,34% IPCA no período R$ 11,90 R$ 14,00 R$ 12,80 R$ 19,50 R$ 14,10 R$ 19,90 R$ 15,37 COMPARETaxa mensal em julho FONTE: PROCON-SP BANCO DO BRASIL BRADESCO CAIXA ECONÔMICA HSBC ITAÚ SAFRA SANTANDER 4,32% 6,19% 3,51% 5,77% 6,02% 4,90% 5,91% 5,80% 8,82% 4,27% 9,82% 8,75% 8,25% 9,95% BANCO EMPRÉSTIMO CHEQUE Em um cenário de alta dos ju- ros, o consumidor deve ser cauteloso ao tomar um em- préstimo. A taxa média de juro no cheque especial, em um ano, chegou a 150,46% em julho. No empréstimo pessoal, o juro médio ficou em 84,39%, segundo pesqui- sa realizada pelo Procon-SP. A maior taxa do cheque especial é oferecida pelo Santander, de 9,95% ao mês. A Caixa cobra o menor ju- ro na modalidade, de 4,27% ao mês. No empréstimo pes- soal, a maior taxa é a do Bra- desco (6,19% ao mês) e a me- nor, a da Caixa (3,51% ao mês). A taxa média nas duas mo- dalidades apresentaram le- ve alta em julho. No emprés- timo pessoal, a taxa foi de 5,23% ao mês, superior à re- gistrada em junho, de 5,22% ao mês. No cheque especial, o juro médio foi de 7,95% ao mês, ante 7,93% em junho. Na última quarta-feira, o Comitê de Política Monetá- ria elevou a taxa básica de ju- ros, a Selic, de 8% para 8,5% ao ano. Foi a terceira alta segui- da, o que pode encarecer os empréstimos. METRO Juros.Nochequeespecial, taxachegaa150%aoano Em uma das reformas mais significativas nas leis do Va- ticano, o papa Francisco cri- minalizou os abusos sexuais contra menores dentro do Estado e estipulou uma pe- na de até 12 anos de prisão para os agressores. Trata-se da medida concreta mais importante para o combate à pedofilia desde o início do pontificado. Em um decreto intitula- do Motu Proprio (que só po- de ser feito por papas), Fran- cisco endureceu, ainda, as leis contra corrupção e a la- vagem de dinheiro. Pessoas que vazarem informações sigilosas da Santa Sé tam- bém estarão sujeitas à con- sequências mais severas. Francisco, que ocupou, em março, a cadeira do papa emérito Bento 16, herdou a administração de uma série de escândalos. Além de lidar com os casos de pedofilia, o papa precisa dar respostas sobre as frequentes denún- cias que atingem o banco do Vaticano, uma das insti- tuições financeiras mais se- cretas do mundo. De acordo com a Santa Sé, as reformas divulgadas ontem harmonizam as leis locais com o direito inter- nacional, no que se refere à proteção de crianças, aos crimes de guerra e ao ter- rorismo. Na quarta-feira, a ONU (Organização das Na- ções Unidas) anunciou que cobraria do Vaticano expli- cações sobre os abusos de menores. Surpresa A Snap, uma rede de atendi- mento a vítimas de abusos cometidos por religiosos, disse ter ficado impressio- nada com a iniciativa do pa- pa Francisco. Ainda assim, “no mundo real, isso não muda praticamente nada.” Como o Vaticano tem 0,44 quilômetros quadra- dos, a aplicação das novas regras será muito restrita. A Snap pediu que a Igreja se concentre no respeito às leis seculares sobre o abuso de crianças e adolescentes e que puna os bispos que aco- bertaram casos. METRO Reforma. Decreto do pontífice amplia a lei penal do Vaticano e prevê a colaboração com outros países em investigações sobre lavagem de dinheiro O cardeal Jorge Mario Bergoglio celebra missa, no último fim de semana | TONY GENTILE/REUTERS Papa Francisco endurece penas contra pedofilia “A evolução da sociedade, da economia e do fenômeno da globalização tem mostrado que há uma necessidade de prever novas situações.” GIUSEPPE DALLA TORRE, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DO VATICANO
  • 6. www.readmetro.com | leitor.camp@metrojornal.com.br | www.facebook.com/metrojornal | @jornal_metrocps Vista da região central, onde Campinas começou a se desenvolver | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS IAC define vocação do município em 1887 Instituto criado por D. Pedro II veio com a missão de fortalecer a produção cafeeira do país PÁG. 14 Laboratório Sirius ampliará fronteiras Tecnologias que nasceram aqui Investimento de R$ 650 mi promete dar asas à ciência desenvolvida a partir da luz síncroton PÁG. 20 O Metro selecionou tecnologias geradas na cidade e que garantiram ganhos para a sociedade PÁG. 24 Sobrapar é um dos destaques | DIVULGAÇÃO www.readmetro.com | leitor.camp@metrojornal.com.br | www.facebook.com/metrojornal | @jornal_metrocps CAMPINAS Sexta-feira, 12 de julho de 2013 Edição nº 789, ano 4 BEM-VINDOSÀ TERRADOCONHECIMENTO Campinaschegadomingoaosseus239anosdehistória voltadaparafortaleceraciênciadopaís Págs. 12a30
  • 7. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|12| ANIVERSÁRIO A Terra das Andorinhas, que um dia serviu apenas de passagem para os tropei- ros que seguiam para ou- tras regiões do país, hoje dá suporte para todo o Brasil. Ao longo de seus 239 anos, a serem completados neste domingo, dia 14 de julho, Campinas provou que mais do que corpo e forma, foi conquistando também posi- ção de destaque quando se fala em conhecimento. A criação do Instituto Agronômico em 1887 e as universidades que aqui se instalaram ao longo de dé- cadas deram suporte pa- ra que a ciência ganhas- se mais campo. Há ainda quem afirme que essa voca- ção começou antes, na épo- ca de Hércules Florence, com a fotografia; ou do Pa- dre Landell de Moura, com seus experimentos com on- das eletromagnéticas. No entanto, precisar exa- tamente quando tudo is- so começou não é tarefa fá- cil, mas dá para saber onde chegamos. Hoje a cidade já acumula cinco parques tec- nológicos, sem considerar os centros de pesquisa que aqui estão. O agronegócio e as tecnologias de comunica- ção e informação são nosso forte. E quem sabe onde o futuro vai levar! METRO CAMPINAS Parabéns! Cidade celebra seu aniversário no domingo, dia 14, esbanjando inovação Campinas, há 239 anos mirando em tecnologia “A cidade tem uma vocação natural para a área de inovação e pesquisa. O que precisamos é dar ainda mais brilho para essa área de tecnologia.” JONAS DONIZETTE (PSB), PREFEITO ESPECIAL + Instituto Agronômico Carbonell Diretor-geral do IAC, Sérgio Carbonell, concorda, bem como outros diretores de parques tecnológicos da cidade, que o instituto foi o propulsor da tecnologia no município. leia mais pág. 14 COMO NASCEU CAMPINAS Com informações de Ana Villanueva, doutoranda em História pela Unicamp A CIDADE HOJE 1620 Campinas era parada de tropeiros que saiam de São Paulo a caminho de Goiás e Mato Grosso. Os locais de pouso eram onde hoje é a Igreja do Carmo, a Praça Santa Cruz e o Viaduto do Laurão. Na época, Campinas era bairro de Jundiaí. Os moradores viviam de agricultura de subsistência e da venda de produtos aos tropeiros que por aqui passavam 1774 Dia 14 de julho deste ano é a data de fundação oficial de Campinas, que foi estipulada depois da criação de uma comissão na Câmara Municipal de Campinas em 1974. À época, a cidade passou de bairro de Jundiaí para freguesia, cujo nome era: "Freguesia Nossa Senhora da Conceição de Campinas do Mato Grosso de Jundiaí". Barreto Leme doou a sede de sua sesmaria onde hoje é o Lago do Café, além disso, cedeu um pedaço de terra na região onde estão localizados a Igreja do Carmo, a Catedral e as avenidas Senador Saraiva e Anchieta. A primeira missa foi realizada em uma capela provisória onde hoje está a estátua de Carlos Gomes, na Praça Bento Quirino 1797 A freguesia é elevada a Vila de São Carlos. Para tal, precisava de um rocio, que era a demarcação de terra, um pelourinho, uma casa de câmara e uma cadeia, além da igreja. As exigências administrativas mudam um pouco a configuração da sesmaria, englobando a Igreja do Carmo, a Catedral, indo até a avenida Andrade Neves. A casa de câmara e a cadeia são construídas onde hoje é o monumento Carlos Gomes, já que a antiga capela já havia sido demolida e transferida para onde hoje é a Igreja do Carmo. Acredita-se que o pelourinho ficava em frente. A economia da época era de lavoura de açúcar. Campinas integrava o "Quadrilátero do Açúcar", que também era composto pelas cidades de Itu, Piracicaba e Jundiaí. Ao redor da Igreja do Carmo foram construídos vários casarões urbanos 1807Início da construção da Igreja Nossa Senhora da Conceição em taipa de pilão 1842As plantações de café já suplantavam as lavouras de cana-de-açúcar. O eixo urbano desloca-se da Igreja do Carmo para a Igreja Nossa Senhora da Conceição. A Igreja do Rosário é construída onde hoje é o Palácio da Justiça e o Largo do Rosário era a praça de encontro antes da missa 1883 Conclusão da Igreja Nossa Senhora da Conceição, já que a partir de 1852 ganhou reforços financeiros. A fachada foi desenhada e construída por Cristophoro Bonini. Ramos de Azevedo finalizou alguns elementos da torre e elevou o teto da nave central. Ao redor da Catedral, começaram a surgir os palacetes para os senhores da café, como o Palácio dos Azulejos 1872Surge a ferrovia que induz o crescimento a partir das ruas Treze de Maio e Costa Aguiar, com a abertura das primeiras indústrias, hotéis e hospitais ao longo da Andrade Neves 1898Plano Prestes Maia previa a demolição de prédios no Centro para a abertura de grandes avenidas. Por isso, a Igreja do Rosário foi demolida e parte do Palácio da Mogiana, assim como outros prédios FUNDAÇÃO 14 de julho de 1774 POPULAÇÃO 1,1MILHÃO de habitantes ÁREA 795,7KM2 PIB R$ 43BILHÕES (11º DO PAÍS) RENDA PER CAPITA R$ 39MIL POTENCIAL DE CONSUMO R$ 25,1BILHÕES que representa 0,92% do consumo do país PRAÇA BANCÁRIA 6ªDO PAÍS que indica uma movimentação financeira de R$ 23 bilhões A CIDADE POSSUI: 245 agências bancárias 28 MIL estabelecimentos comerciais 32 MIL estabelecimentos de serviços 3,8 MIL indústrias 15 instituições de ensino superior
  • 8. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|14| ANIVERSÁRIO Que Campinas é hoje um grande polo de tecnologia, ninguém duvida. Mas a vo- cação, que faz o município ser reconhecido nacional e internacionalmente, come- çou em 1887, quando Dom Pedro II fundou a Estação Agronômica de Campinas, hoje conhecida como IAC (Instituto Agronômico de Campinas). Responsável por promo- ver grandes avanços na área da agricultura, começando pelo café, motivo pelo qual foi criado, o instituto ainda impulsionou todo o desen- volvimento regional da ci- dade que, à época, se resu- mia a “meia dúzia de casas que existiam no Centro”, conta o diretor-geral, Sérgio Carbonell. Naquele período, a re- gião de Campinas figurava entre as mais importantes para o império, justamente pela produção de café. Tan- to é que o IAC traz no cur- rículo o orgulho de ver que cerca de 90% dos cafezais do tipo arábica do país são do IAC. Além disso, o instituto lidera as pesquisas que en- volvem a melhora na quali- dade da bebida e o café na- turalmente sem cafeína. Passando do tradicional cafezinho para a cesta bási- ca do povo brasileiro, o ins- tituto foi responsável pelo desenvolvimento do feijão- -carioca em 1970, que é hoje o mais consumido no país. O feijão, que até então só era considerado bom nas épocas de safra, ganhou re- sistência e mais qualidade. A cultura deixou de lado o sistema de subsistência fa- miliar e tornou-se um gran- de negócio. A indústria precisou se adaptar a es- sa tecnologia. Hoje o Brasil é o maior produtor de fei- jão. “Ninguém precisa mais sentar à noite para escolher feijão. O grão tem alta qua- lidade, tem o mesmo tama- nho. O cultivo dessa forma permitiu a formalização das grandes marcas. Isso virou a economia”, afirma Carbonell. Entre outros grandes trunfos do IAC está o posto assumido por São Paulo co- mo maior produtor de bor- racha natural, por causa das pesquisas do instituto rela- cionadas à extração de lá- tex, que baixaram o custo desse procedimento que é o que mais onera o cultivo da seringueira. O Estado de São Paulo abocanha ainda 80% da produção de amen- doim nacional e estima-se que 80% desses campos cul- tivam materiais desenvol- vidos pelo IAC. O cultivo de mandioca nas lavouras de Minas Gerais e São Pau- lo segue a mesma média – 80% utilizam materiais do instituto. Fugindo um pouco das plantações e seguindo para os estudos, o IAC detém ain- da o maior acervo meteoro- lógico do Brasil, com dados desde 1890, que faz o regis- tro de chuvas mês a mês. As informações são usadas pa- ra orientar tanto os agricul- tores quanto a Defesa Civil, em ações preventivas. E foi a partir dessa gama de conquistas que Campi- nas começou a se consolidar na cena tecnológica nacio- nal, atraindo para a cidade indústrias e centros de pes- quisa. “No que diz respeito ao IAC, não baseamos nossa pesquisa só em quilos por hectare, mas sim em quali- dade por hectare. Os desa- fios pela frente são qualida- de, redução de custos e de impacto ambiental”, con- clui Carbonell. METRO CAMPINAS O ‘start’ da tecnologiaInspiração da roça. A criação do Instituto Agronômico de Campinas em 1887 foi alavanca para município se desenvolver no setor Primeiro prédio construído do IAC | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS “A ciência não tem prazo final. Nossa missão é gerar e transferir tecnologia. Sempre buscamos melhorar a qualidade de vida da população.” SÉRGIO CARBONELL, DIRETOR-GERAL DO IAC
  • 9. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|16| ANIVERSÁRIO As pesquisas do IAC (Instituto Agronômico de Campinas) desde sempre extrapolaram os campos da ciência e da tecnologia, possibilitando também o desenvolvimento de Campinas e região. Nos seus 126 anos de existência, a estação chegou este ano à sua cultivar número mil. O Metro separou neste quadro seis pesquisas de destaque que vão desde a cesta básica do brasileiro até o bolso dos produtores. METRO CAMPINAS 6pesquisas de destaque do Instituto Agronômico de Campinas 1 56 3 4 2Cafémarcao iníciodoIAC O IAC foi criado pa- ra pesquisar o ca- fé. Naquela épo- ca, o cultivo estava em expansão na re- gião, já que os cafe- zais sofriam menos com esgotamento dos solos. Cana-de-açúcarsobalupadoinstituto O cultivo da cana-de-açúcar é considerado o grande negócio em agroenergia. O Instituto Agronômico lidera com o Programa Cana, que já desenvolveu 19 cul- tivares para o setor sucroalcooleiro, com 130 empresas parceiras do Programa Cana IAC em nove Estados brasileiros. Solostambémintegramaspesquisas O IAC é pioneiro e líder na análise de solos, disponibi- lizando métodos de pesquisas para laboratórios parcei- ros. São 121 laboratórios privados que integram o Pro- grama de Qualidade de Solos do IAC, sendo dois deles no exterior, um no Paraguai, e outro no, Uruguai. Abrindofronteiras paraofeijão Na década de 1970, o IAC desenvolveu o ti- po de feijão carioca, que é o mais consumi- do no Brasil até hoje. De lá para cá, 42 culti- vares de feijoeiro foram desenvolvidas. Circuitodas frutastambém passapeloIAC O IAC também viabili- zou a tropicalização da fruticultura, que permi- tiu produzir frutas no Estado de São Paulo, que até então só eram cul- tivadas em áreas de cli- ma frio. O instituto adaptou os materiais às condi- ções do clima paulista. Alguns exemplos são: pêssego, nectarina, aba- caxi e uva. Algodão ganhaavez A partir da década de 1930, frente à crise do café, o IAC dá início aos estu- dos com o algodão. A iniciativa colabo- rou para o desen- volvimento da in- dústria de tecidos.
  • 10. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|18| ANIVERSÁRIO A Região Administrati- va de Campinas foi a que teve o maior número de anúncios de investimen- tos com apoio da Investe SP, no Estado. Ao todo, 15 empresas sinalizaram sua chegada, que somam R$ 2,9 bilhões. Confira como o presidente do Investe SP analisa esse cenário. O que faz de Campinas um grande atrativo? Campinas, por sua produ- ção científica, principal- mente da Unicamp, tem se tornado um dos principais polos tecnológicos do país. Isso possibilita que as em- presas que se instalam na região tenham acesso a um capital humano mais quali- ficado. A existência do ae- DIVULGAÇÃO LUCIANO ALMEIDA Apostando no cenário pro- missor criado em Campi- nas, diretamente ligado à cadeia produtiva atrelada às universidades, grandes par- ques tecnológicos se insta- laram na cidade. Segundo a Secretaria de Desenvolvi- mento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado, o município detém hoje cin- co iniciativas do tipo: Po- lo de Pesquisa e Inovação da Unicamp, CPqD, Ciatec, CTI-Tec e Tecno Park. A partir disso, além da vocação para o agronegó- cio motivada pelo Instituto Agronômico, Campinas co- meçou a se desenvolver no campo das TICs (Tecnolo- gias da Informação e Comu- nicação). O que, na análise do vice-presidente de tecno- logia do CPqD, Cláudio Vio- lato, se consolida como uma área a cada dia mais impor- tante. “Esse setor permeia todas as demais tecnolo- gias, porque dá suporte a to- das elas”. Todo esse ecossistema, para o diretor do CTI Vic- tor Pellegrini Mammana, é comparável ao Vale do Si- lício, nos Estados Unidos, onde desde de a década de 1950 está situado um con- junto de empresas gerado- ras de inovações científicas e tecnológicas. “Só não so- mos tão iguais porque flo- rescemos nos anos 70, mas vivemos um período negro na década de 90, o que com- plicou muito, atrapalhando o nosso crescimento. Não havia política para susten- tar esse sonho naquela épo- ca. No entanto, em 2000, retomamos o crescimento com o boom do setor”, con- ta. METRO CAMPINAS Desenvolvimento. Parques tecnológicos são grandes propulsores Os cinco berços da inovação campineira roporto de Viracopos e a proximidade com a Capital, além do fácil acesso ao Por- to de Santos também são fatores muito valorizados. Como a Região Metropoli- tana influencia tudo isso? Quando uma grande em- presa se instala em uma cidade, ela acaba trazen- do fábricas fornecedoras e clientes para seu entorno, movimentando a economia da região e aumentando os investimentos. Na região de Campinas, as fábricas de máquinas e equipamentos são o maior exemplo disso. Uma empresa que veio da Coreia do Sul para produzir escavadeiras em America- na, por exemplo, atraiu sua fornecedora. Quais as perspectivas futu- ras para o mercado? O destaque é para as em- presas que anunciaram in- vestimentos. Todos estão em cidades próximas de Campinas e devem impac- tar a economia da cidade. É importante destacar que há cinco iniciativas de par- ques tecnológicos. O apri- moramento dos incentivos à pesquisa nesses sistemas deve também impulsionar a vinda de empresas para a região. METRO CAMPINAS Campinas possui uma lei que concede incentivos fis- cais para empresas de base tecnológica. • Os benefícios são concedidos a partir de critérios estabelecidos em um sistema de pontuação. Entre os incentivos estão: a redução no valor do ISSQN, IPTU, ITBI e isenção de Taxas e Emolumentos. • A empresa deve ser prestadora de serviços na área de informática e congêneres, de biotecnologia, biologia, química, pesquisa e desenvolvimentos, eletrônica, mecânica, telecomunicações e áreas afins. Legislação Região de um dos parques tecnológicos de Campinas | DIVULGAÇÃO CNPEM
  • 11. “Perto do que temos hoje, o Sirius seria o mesmo que comparar uma TV preto e branco com uma full HD.” HARRY WESTFAHL, DIRETOR CIENTÍFICO DO LNLS CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|20| ANIVERSÁRIO Sirius, a estrela mais brilhante da cidade Com um nome desses – Si- rius –, que se inspira na es- trela mais brilhante no céu, dá para se ter uma ideia do que vem por aí. Não é à toa que o LNLS (Laboratório Na- cional de Luz Síncroton) de Campinas busca empresas parceiras para dar conta de um dos maiores projetos da história da ciência do país. Até agora foram formaliza- das duas intenções de acor- do para auxiliar na cons- trução do acelerador de partículas, com custo esti- mado em R$ 650 milhões. A nova fonte de luz síncroton, de 3ª geração, deverá substi- tuir a atual, chamada UVX, em operação desde 1997 na cidade. A expectativa, segundo o diretor do LNLS, Antônio Jo- sé Roque da Silva, é de que o primeiro feixe esteja pron- to em junho de 2016 e, em 2017, o equipamento será aberto para usuários. O equipamento é “como um grande microscópio, que permite você enxergar a estrutura da matéria. E o raio-x permite penetrar na matéria. Este vai ser melhor que o acelerador atual por ordem de grandeza”, expli- ca Silva. “O Sirius está entre os melhores do mundo. Vai viabilizar estudos que ho- je não conseguimos. Um exemplo possível será des- vendar as proteínas muito complexas, o que permiti- rá o desenvolvimento de al- guns fármacos”, completa. Mas o que justifica a vin- da de um equipamento des- se porte para Campinas? Silva logo adianta que a es- colha pela cidade remete à década de 1980, quando te- ve início a construção do único acelerador síncroton da América Latina. Pessoas- -chave envolvidas com o projeto tinham ligação dire- ta também com a Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), grande vetor de investimentos para a cida- de. “Temos uma universida- de muito forte quando fala- mos de tecnologia, que é a Unicamp. Além disso, Cam- pinas está muito bem posi- cionada, próximo a São Pau- lo, São Carlos e a uma série de outros locais que fazem a diferença nesse cenário. Portanto, creio que tenha si- do uma excelente escolha.” Com a construção do Si- rius, o diretor do LNLS acre- dita que Campinas tende a despontar ainda mais no universo da tecnologia. “O acelerador irá atrair pesqui- sadores em maior número para cá. E irá consolidar a cidade ainda mais como um grande centro para a inova- ção e estimular ainda mais parcerias com empresas”, aposta Silva. METRO CAMPINAS O futuro é logo aqui! Considerado um dos grandes projetos da história da ciência, acelerador de partículas de R$ 650 mi está em busca de parcerias com empresas Projeto do acelerador de partículas que deve ser concluído até 2016 | DIVULGAÇÃO CNPEM 70% do projeto deve ser feito com a participação de empresas e parceiros brasileiros.
  • 12. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com {ESPECIAL} |20|◊◊ CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com {ANIVERSÁRIO |21|◊◊ A vinda de um projeto co- mo o Sirus reafirma o po- tencial cada vez maior de Campinas para a área tec- nológica. Em visita à cida- de, o secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Luiz Elias, elencou os principais pontos que fazem a cidade assumir essa posição de des- taque na cena nacional. Como o senhor analisa a vinda de um projeto como o Sirius para Campinas? Campinas tem uma exce- lência na área universitá- ria, na formação de recur- sos humanos por causa das universidades que estão aqui localizadas, tem uma excelência na área indus- trial e na área tecnológica, com seus centros de pesqui- sa. Portanto, Campinas se transforma cada vez mais em um polo de conheci- mento dentro do Estado de São Paulo. E um polo forte, irradiador não só para São Paulo, como também em ní- vel nacional. Sendo assim, estabelecer esse projeto e a ampliação dele represen- tará não só para Campinas, mas para o Estado de São Paulo e para o Brasil, algo muito significativo. Quais os frutos Campinas irá colher com o Sirius? Ele vai trazer mais conhe- cimento e mais capacida- de científica. É um laborató- rio, como eu disse, que tem uma expressão nacional e internacional. Também tra- rá um intercâmbio forte de cooperação com outros paí- ses na mesma relação, prin- cipalmente com países de- senvolvidos. Portanto, isso será um atrativo forte pa- ra países latino-americanos e também para países como Estados Unidos e os da Eu- ropa, que têm forte intera- ção com esse tipo de máqui- na que será aqui instalada. Quando a gente fala exclu- sivamente de tecnologia, que posição Campinas ocu- pa na cena nacional? Campinas está bem situa- da. A Unicamp tem uma expressão nacional. Ou- tros campi universitários aqui instalados também têm uma expressão nacio- nal. Campinas cada vez mais tem atração forte de uma qualidade tecnológi- ca em termos das indús- trias e em termos profissio- nais. Mas eu não olharia só Campinas. Campinas está conseguindo fazer um po- lo irradiador pelo polo tec- nológico aqui construído. E pelas áreas de especialida- des, inclusive pelas enge- nharias, que cada vez mais têm se especializado, pela áreas de ciência, especial- mente por formar recursos humanos qualificados no Brasil. Campinas hoje não só forma recursos huma- nos para São Paulo como também para o Brasil. Nós fizemos uma pesquisa que mostra que os pesquisado- res formados aqui se co- locam em vários locais do Brasil, que tanto precisam de mão de obra qualifica- da. E Campinas tem sido esse provedor e cumprido seu papel. E o que vem por aí? As expectativas são boas nesse campo da tecnologia, porque eu acho que cada vez mais você atrai centros de pesquisa e desenvolvi- mento. O Brasil tem hoje a oportunidade de atração de centros de pesquisa in- ternacionais, muitas insti- tuições e empresas interna- cionais estão vindo para cá dada a crise que se viven- cia na Europa e nos Esta- dos Unidos. E muitos desses centros de pesquisa inter- nacionais estão vindo pa- ra cá. Isso se localiza nesse polígono, nessa confluên- cia. Portanto, a realidade é cada vez mais uma rea- lidade dinâmica e que po- derá ser cada vez mais al- terada, não só pela atração desses centros, pela capa- cidade de geração interna e pela instalação de labora- tórios dessa natureza que aqui está sendo instalado. Portanto, não só o povo de Campinas, a população que aqui vive, terá um benefí- cio direto, como também o Brasil terá benefícios por cada vez mais se transfor- mar em uma sociedade do conhecimento. METRO CAMPINAS THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS LUIZ ELIAS Secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação acredita que Campinas tem cumprido papel importante na agenda nacional SOCIEDADE DO CONHECIMENTO
  • 13. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|22| ANIVERSÁRIO Tecnologia aliadaà natureza A humanidade chegou a um impasse. Para manter nosso atual modelo econô- mico busca-se estimular cada vez mais o consumo. Porém, esse mesmo con- sumo excessivo traz uma série de impactos ambien- tais extremamente noci- vos ao planeta, colocando em risco até mesmo a vi- da humana. Tais impactos vão desde os recursos na- turais necessários à fabri- cação destes bens até sua destinação final por meio dos resíduos que estes produtos gerarão. A busca de novos para- digmas é urgente, seja pa- ra revermos nosso mode- lo econômico, seja para a busca de tecnologias me- nos nocivas, tanto do pon- to de vista social como ambiental. Muitos empre- sários que possuem for- te visão de futuro têm in- vestido em tecnologias sustentáveis. Eles eviden- ciam a viabilidade econô- mica e socioambiental de suas iniciativas. Infeliz- mente não contam com o apoio que deveriam. Se, por exemplo, as empre- sas que produzem painéis fotovoltaicos (que produ- zem energia a partir da luz solar a custo zero pa- ra quem os possui), tives- sem o mesmo incentivo que a indústria automo- bilística ou petrolífera no país, teríamos outro cená- rio no setor. As pesquisas em tecnologias socioam- bientais são muito avança- das no Brasil e em outros países. Precisamos garan- tir que elas sejam imple- mentadas em larga escala. É hora de fazermos valer os dois importantes prin- cípios do direito ambien- tal: o do poluidor-pagador e o do protetor-recebe- dor. Dessa maneira, ire- mos transferir do discurso para a prática a ideia de sustentabilidade. Análise RAFAEL MOYA Presidente do Conselho de Defesa do Meio Ambiente Além de ser reconheci- da pela formação de mão de obra qualificada e pelas patentes registradas ano a ano, a Unicamp é respon- sável também por estimu- lar um ambiente de criação e desenvolvimento de no- vas empresas de base tec- nológica. Em dez anos de existência, a Incamp (Incu- badora de Empresas de Base Tecnológica da Unicamp) já graduou 35 empresas. Hoje abriga dez incubadas e ou- tras sete estão para entrar. Há ainda o Unicamp Ven- tures, um grupo de compar- tilhamento de conhecimen- to científico e tecnológico adquirido ou gerado atra- vés da pesquisa na univer- sidade, que possui mais de mil colaboradores e fatura- mento de mais de R$ 100 milhões. E já ultrapassa em R$ 1 bilhão a soma de toda a riqueza produzida por es- sa rede. Iniciantes Englobando 40 empresas nascidas de projetos tecno- lógicos implantados em uni- versidades e incubadoras, ou empresas iniciantes no mercado, o município abri- ga ainda a Associação Cam- pinas Startups, que busca desenvolver os modelos de negócio para essas compa- nhias, afim de fortalecê-las no mercado. A maior parte delas está localizada na RMC (Região Metropolitana de Campinas) e outras são de São Paulo. “Muitas empre- sas morrem porque não sa- bem escalar sua tecnologia. A ideia é impedir que isso aconteça”, explica a diretora Taíla Lemos. METRO CAMPINAS Mão amiga. Além de formar profissionais, Unicamp apoia empresas incubadas e startups Os rumos para o desenvolvimento Universidade tem como foco a tecnologia | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS “O desafio para a inovação no Brasil está ligado à evolução dos parques científicos nas universidades.” MILTON MORI, DIRETOR DA INOVA Inova Unicamp enviou 73 pedidos de patentes ao INPI em 2012. Além dessas, são 821 patentes vigentes (concedidas ou não) depo- sitadas no Brasil e fora. Em números
  • 14. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|24| ANIVERSÁRIO 1 3 5 2 4 6 Confira no quadro abaixo as pesquisas e os equipamentos utilizados por instituições de Campinas. As iniciativas escolhidas pelo Metro mostram que a tecnologia desenvolvida e aplicada em Campinas vão da área da saúde até a de telecomunicações METRO CAMPINAS Tecnologia que nasceu aqui CPqDdeolho! O CPqD foi escolhido pe- lo Denatran para atestar os equipamentos que se- rão usados pelo Sistema Nacional de Identifica- ção Automática de Veícu- los. A identificação dos veículos será feita pela tecnologia RFID, servin- do para flagrar veículos sem licenciamento, por exemplo. Também pode- rá ser usado para contro- le de tráfego. AfavordaSaúde Software 3D, desen- volvido pelo CTI e adotado pelo Hospi- tal Sobrapar, constrói modelos computado- rizados para produzir próteses, permitindo ao cirurgião plástico planejar melhor pro- cedimentos, reduzin- do em 60% o tempo de cirurgia e os riscos, e aumentando tam- bém a precisão. Águapura Pesquisa desenvolvida pelo grupo de Fotoele- troquímica & Conversão de Energia da Unicamp criou um sistema pa- ra purificação de água que utiliza energia solar e eletrodo de TiO2 nano- cristalino para destruir poluentes. A tecnologia é uma alternativa sus- tentável e eficiente para eliminar poluentes orgâ- nicos da água. Carroautônomo O Projeto Vero, do CTI, consiste em um simu- lador que transforma equações matemáticas em um veículo robótico virtual. A tecnologia per- mite ao veículo elétrico terrestre andar sozinho. Já existem protótipos de veículos autônomos no mundo, mas para pas- seio. Esse é voltado pa- ra terrenos agrícolas. Unicamp é parceira. Bioenergiaemfoco O Laboratório Nacional de Ciência e Tecnolo- gia do Bioetanol, focado nos desafios científi- cos e tecnológicos do ci- clo da cana-de-açúcar, possui uma Planta Pilo- to para Desenvolvimen- to de Processos que estu- da a produção de etanol de segunda geração e ou- tros produtos provenien- tes de biomassa em esca- la semi-industrial. 4Gparaocampo Está em desenvolvimen- to no CPqD a solução de rede sem fio 4G, na fai- xa de 450 MHz, já com o modelo industrial dos equipamentos que com- põem a rede de acesso. A nova tecnologia per- mitirá levar banda larga a áreas rurais e suburba- nas do país. A primei- ra demonstração públi- ca da tecnologia ocorreu em março.
  • 15. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|26| { } Celebrando os 239 anos de Campinas, o evento Chefs na Praça irá reunir neste domingo, dia 14, dezesseis dos mais prestigiados res- taurantes da cidade na Pra- ça Carlos Gomes, no Centro. Cada estabelecimen- to instalará uma tenda em volta do tradicional core- to e comercializará pratos elaborados especialmen- te para o evento. Para agra- dar não só o paladar como também o bolso, as refei- ções serão vendidas a pre- ços populares. Haverá ainda tendas que comercializarão bebidas. O local foi escolhido, se- gundo Ronei Thezolin, um dos idealizadores, porque esta praça é “um dos espa- ços públicos mais bonitos da cidade”. “A praça é em- blemática, pois separa o Centro do bairro Cambuí. A nossa proposta é derru- bar simbolicamente essa di- visão, pois queremos atrair pessoas de todos os bair- ros”, completa. O evento será realizado domingo, das 11h às 17h. A entrada é franca. O valor dos praços varia de R$ 5 a R$ 15. A renda do evento se- rá revertida para a Funda- ção Eufraten, de Campinas. METRO CAMPINAS Do bom e do melhor. Chefs na Praça reunirá 16 restaurantes em tendas em volta do coreto com pratos vendidos a preços populares Evento será das 11h às 17h | DIVULGAÇÃO/PMC Festa de aniversário será na Praça Carlos Gomes 5 a 15 reais são os valores dos pratos que serão vendidos pelos restaurantes no evento Chefs na Praça. Confira os restaurantes que participarão do evento Chefs na Praça: • Outback Steakhouse Bar do Marcelino Cayena Bistrô Estação Marupiara Joe & Leo’s Emporium do Bacalhau Prime Italian Ristorante Laura e Francesco Matisse Vila Paraíso Vô Nino (Fildi Hotel) Bonelli Pizzaria Tonico’s Boteco La Palette (Royal Palm) Bellini (Vitória Hotel) Quiota Lista
  • 16. “Vim para Campinas porque na roça era muito difícil, não dava. Hoje a gente consegue alguma coisa por aqui.” JOSÉ DO CARMO, 77, APOSENTADO “O que eu lembro da minha época? Lembro dos bondes da cidade. Seria bom se tivéssemos. Eu adorava.” VILMA ZULIANE, 79, APOSENTADA CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|28| ANIVERSÁRIO Do fundo do baú. Imagens compõem o acervo do Centro de Memória da Unicamp A Campinas de ontem... Avenida Francisco Glicério (1968) | COLEÇÃO V8 / CENTRO DE MEMÓRIA-UNICAMP Prefeitura (1970) | FUNDO GERALDO SESSO JUNIOR / CENTRO DE MEMÓRIA-UNICAMP Mercado Municipal (1970) | COLEÇÃO V8 / CENTRO DE MEMÓRIA-UNICAMPCatedral Metropolitana (1970)|COLEÇÃO JOÃO FALCHI TRINCA / CENTRO DE MEMÓRIA-UNICAMP
  • 17. “Vivo aqui há 48 anos e vejo uma cidade totalmente diferente. Campinas vai ser maior e melhor no futuro.” TITO CAMARINI, 68, COMERCIANTE “Cresceu comércio, cresceu indústria, cresceu tudo. E é daqui para melhor. A cada dia, uma cidade melhor.” CARLOS MASSA, 79, APOSENTADO CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|30| ANIVERSÁRIO Catedral Metropolitana | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS Como ficou. O fotógrafo do Metro foi às ruas conferir o que mudou de lá para cá ... E a Campinas de hoje Avenida Francisco Glicério | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS Prefeitura de Campinas | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS Mercado Municipal | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS
  • 18. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|32| {CULTURA} 2CULTURA Comédia Stand-up em Paulínia. “Noite de Improviso” é um espetáculo de improvisação, composto por jogos teatrais e que conta com participação ativa da plateia, sugerindo temas e participando de cenas. Os ingressos serão disponibilizados ao público com uma hora de antecedência, às 20h. A entrega será feita de acordo com a ordem de chegada. Theatro Municipal de Paulínia. Hoje, às 21h. Entrada gratuita. Discotecagem Música eletrônica no Iff. Quem comandará a pista da noite de hoje no Iff Bar será o DJ campineiro Fukushima. Fukushima começou a tocar fora do Brasil e, em 2003, já se apresentava mensalmente no Japão. De volta ao país de origem, aperfeiçoou seu estilo que abrange o house progressivo, com destaque à presença de vocais e grooves dançantes. Av. José de Souza Campos, 425. Hoje, a partir das 23h. De R$ 50 a R$ 100. Programação infantil Patati e Patatá em Paulínia. O show da dupla de palhaços chega a Paulínia neste final de semana. Patati e Patatá realizam quatro apresentações no Theatro Municipal para alegria da criançada. O show “Volta ao Mundo” inclui as canções “Amazônia”, “Amigos Diferentes”, “Culinária Mundial”, “Chegou o Verão” e a própria faixa-título, além de sucessos que marcaram os mais de 25 anos de carreira dos palhaços. Theatro Municipal de Paulínia. Amanhã, às 16h30 e 19h, e domingo, às 11h e 15h. De R$ 20 a R$ 80. O Metro indica Após concerto, orquestra para Apesar da insatisfação da Or- questra Sinfônica Municipal de Campinas (OSMC) com a gestão de Jonas Donizette (PSB) está mantida pelos mú- sicos a apresentação com a dupla Chitãozinho e Xororó, agendada para as 18h do do- mingo, na Praça Arautos da Paz, como parte das come- morações pelos 239 anos de Campinas. Eles atenderam a um pedido do prefeito. Após a apresentação, os músicos cruzam os braços para reivindicar melhorias. “Em consideração à cidade e ao povo campineiro, nós tocaremos no domingo. Na segunda-feira, iniciamos a paralisação”, assegurou Car- los Coradini, porta-voz da orquestra ao Metro. O apoio de alguns músi- cos à candidatura de Jonas no ano passado – alguns uti- lizaram broches do atual prefeito em concertos – ali- mentou a esperança da or- questra de melhorias. A tro- ca de gestão, no entanto, não modificou a situação. Coradini explica que as principais reivindicações dos 80 membros da Sinfôni- ca são o aumento de salário e a criação de uma ajuda de custo – que incluiria verba para indumentária e seguro de instrumentos. Ele refor- ça o discurso de abandono com algumas comparações. “Na Osesp (Orquestra Sinfô- nica do Estado de São Pau- lo), um músico de fila rece- be cerca de R$ 14 mil Aqui, o salário para o mesmo pos- to gira entre R$ 2,8 mil e R$ 3,7 mil”, exemplifica. O documento com as comparações foi encaminha- do no dia 7 de janeiro ao Paço Municipal, logo após a posse de Jonas. “Achamos que re- ceberíamos um tratamento melhor com a entrada da no- va gestão”, criticou um dos integrantes da orquestra. Concerto O encontro entre a Sinfô- nica e Chitãozinho e Xoro- ró terá participação de João Carlos Martins. Eles apre- sentam os grandes sucessos e as músicas do novo álbum da dupla. METRO CAMPINAS Apresentação confirmada. Pressão por melhorias nas condições de trabalho não atrapalha concerto com Chitãozinho e Xororó 80 músicos formam a Orquestra Sinfônica de Campinas. Estreia hoje ‘OCavaleiro Solitário’ Baseado na série de TV “Lone Ranger”, traduzida como “Zorro”, o longa conta a história de um advogado que é forçado a se tornar fora da lei para conseguir justiça.
  • 19. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|36| {VARIEDADES} Período para exercitar a compreen- são com manias de outras pessoas. Também tem as suas, espe- cialmente com pessoas mais próximas. Informações precisas devem ser priori- zadas. Não crie alardes por falsas especulações, especialmente em trabalho e finanças. Horóscopo Está escrito nas estrelas www.estrelaguia.com.br Os invasores Cruzadas Sudoku Por ansiedade pode deixar de observar o que é importante para pessoas especiais. Exercite seu poder de observação diante das relações. Fique atento para evitar gestos pegajosos e de ciúme com quem tem vínculo afetivo. Assuntos financeiros propensos a ajustes. Com a Lua em seu signo, sua postu- ra detalhista e observadora estará acentuada em diversos assun- tos. Evite se exceder nas críticas. Envolva-se de forma mais otimista com projetos sem deixar que certas pessoas ou pequenos contra- tempos alterem seu humor.   O envolvimento com ativida- des culturais, religiosas, espirituais e que enriqueçam seus co- nhecimentos preencherá seu dia positivamente. Cuide para dosar sua dedicação aos problemas de quem você tem mais convivência. É bom deixá-las que resolvam assuntos sozinhas. Os assuntos associados a parcerias es- tão propensos a tomar empenho mais intenso para novos objeti- vos profissionais. Período para superar receios em lidar com alguns assuntos e sentimentos, especialmente na vida amo- rosa. Hora para decisões importantes.    O envolvimento com grupos e mesmo a retomada de convívio com amizades será mais frequen- te e algo que fará muito bem. Tendências a momentos mais inten- sos de lazer, vivência de novos círculos sociais e tudo que afaste qualquer ideia de isolamento. 2 colheres (sopa) de azeite 2 dentes de alho picados 1 xícara (chá) de ricota 2 colheres (sopa) de maionese ½ xícara (chá) de cheiro-verde picado sal e pimenta-do-reino a gosto INGREDIENTES Modo de Preparo: Em uma panela doure os dentes de alho no azeite, escorra para um papel absorvente para retirar qualquer gordura e co- loque em uma vasilha com o restante dos outros ingredientes. Misture bem e passe sobre fatias generosas de pão. Receita Minuto DANIEL BORK DANIEL.BORK@METROJORNAL.COM.BR PATÊ DE ALHO Esta receita é rápida e sempre faz sucesso. Um bom patê de alho vai bem em muitas ocasiões, podendo ser servido tan- to como entrada de um churrasco de domingo quanto como um petisco bastante charmoso num jantar com os amigos. Experimente. DanielBorkapresentaoprogramaDiaDiadesegundaasextaàs8h,naBand Metro Pergunta Parafalarcomaredação: leitor.camp@metrojornal.com.br ParticipetambémnoFacebook: www.facebook.com/metrojornal Metro web SigaoMetro noTwitter: @Jornal_ MetroCPS Porqueoatodas centraissindicaisteve baixaadesão? Leitor fala @emenegatto Porque não queremos ficar presos a sindicatos. A luta é do povo e sabemos que os sindicatos são manipulados. @MaranhaoAntonio O ato não tinha ao menos uma pau- ta de reivindicações bem definida. Sem muito foco, as coisas se perdem mesmo. @fari_sfc A liderança dos sindicatos enfraquece a manifestação. Acho que o povo vê in- teresses obscuros nisso. Tema Falta de educação é não reconhecer que o governo não está fazendo na- da para melhorar a educação. Falta de educação é não reconhecer que o go- verno não está fazendo nada para me- lhorar a saúde. Falta de educação é não reconhecer que o governo não está fa- zendo nada para melhorar o transpor- te. Falta de educação é não reconhecer que o governo não está fazendo na- da para melhorar a infraestrutura. Fal- ta de educação é não reconhecer que o governo é um perdulário com 39 mi- nistério mais um ministro de marke- ting. Falta de educação é, apesar dis- so tudo, a presidente falar sempre de dedo em riste como se estivesse pas- sando um pito em todos interlocuto- res, a quem ela deve julgar idiotas. Te- mos que continuar com a nossa falta de educação. CLÁUDIO PIRES - CAMPINAS, SP GalonaLibertadores O crescimento do Atlético-MG mere- ce ser reconhecido. Foi de clube ridi- cularizado pelos rivais a finalista da Li- bertadores em pouco tempo. Palmas também para o Cuca, que faz bom trabalho. CARLOS MARTINS - CAMPINAS, SP
  • 20. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com|38| {ESPORTE} 3ESPORTE Vôlei A Seleção masculina de vôlei encerra neste fim de semana a primeira fase da Liga Mundial contra os Estados Unidos, no Rio de Janeiro. Se depender do entusiasmo seu novo treinador, a torcida do São Paulo pode ficar des- preocupada quanto ao futu- ro. De volta ao clube após oito anos, Paulo Autuori che- gou esbanjando confiança. E prometendo alegrias. “Confio na minha capaci- dade como líder e nos jogado- res, para recuperar tanto no Campeonato Brasileiro quan- to na Recopa. Não vim para ser amado, vim para ser cam- peão”, disse o novo coman- dante, que assinou contrato até o fim do ano que vem. E, de títulos, Autuori tem boas lembranças no Trico- lor. Foi ele o comandante dos últimos grandes títulos internacionais da equipe, a Taça Libertadores e a Copa do Mundo de Clubes da Fifa, ambos em 2005. “Situação diferente, em comum apenas a grandiosi- dade da instituição São Pau- lo Futebol Clube. Para qual- quer profissional é uma honra”, disse o novo treina- dor que já comandou o trei- namento da tarde ontem e pediu a reintegração do vo- lante Fabrício à equipe. O primeiro desafio de Autuori no retorno ao Trico- lor será no domingo. O clu- be enfrenta o Vitória, em Salvador, tentando quebrar sequência de sete jogos sem vitórias. METRO Vida nova. Treinador volta ao Tricolor após oito anos e afirma que chega para recuperar equipe e retomar o caminho dos títulos Autuori: ‘Confio na minha capacidade’ Política e salário pesaram Paulo Autuori e Muricy Ra- malho foram os nomes co- gitados pela diretoria são- -paulina para substituir Ney Franco. A vontade dos torce- dores era por Muricy. Mas o presidente Juvenal Juvêncio explicou ontem o porquê de Autuori ter sido escolhido: “Temos um grande res- peito pela torcida, mas ela é movida à paixão. Adminis- tração é razão. O São Paulo tem um gestor. Tem gente que gosta e gente que não gosta. E o gestor disse que é o Autuori”, disse o cartola. Nos bastidores, comen- ta-se que Juvêncio não quis bater de frente com o vice- -presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Oficialmente, o discurso do presidente é outro: “Não é verdade! Ele não tem po- der de veto e não falou ne- nhuma palavra sobre isso. Não vetou, não. E, se vetas- se, não seria ouvido.” Outras questões também pesaram: salário mais bai- xo para Autuori, além de maior propensão do atual treinador a usar mais joga- dores da categoria de base. METRO O técnico Gilson Kleina deve manter a mesma escalação que venceu o Oeste por 4 a 0 para o confronto com o ABC, hoje, às 21h, no Pacaembu. Assim, o meia paraguaio Mendieta, recém-contratado pelo clube, terá de esperar um pouco mais para ser testa- do ao lado de Valdivia no time titular. Ainda assim, o para- guaio será o único relaciona- do entre os reforços. O volan- te uruguaio Eguren ainda não está regularizado, enquanto o meia Felipe Menezes e o ata- cante Alan Kardec ainda apri- moram a parte física. Léo Ga- go e Rondinelly, lesionados, também não jogam. Já Vilson, recuperado, tam- bém fica como opção. Após sete rodadas, o Verdão ocu- pa o terceiro lugar na tabela, com 15 pontos. METRO Gilson Kleina vai repetir time hoje | VINICIUS PEREIRA/FOLHAPRESS Após ‘grande partida’, Kleina repete a equipe O PERFIL DO COMANDANTE NOME PAULO AUTUORI DE MELLO IDADE 56 ANOS PRINCIPAIS TRABALHOS Botafogo (CAMPEÃO BRASILEIRO EM 1995) PELO SÃO PAULO EM 2005 55 JOGOS Cruzeiro (CAMPEÃO DA LIBERTADORES EM 1997) Seleção do Peru Seleção do Qatar 26 vitórias 11 empates 18 derrotas MARCADOS SOFRIDOS 54% DE APROVEITAMENTO TÍTULOS105 GOLS GOLS 77 Campeão da Libertadores Mundial de Clubes LÉO PINHEIRO/FUTURA PRESS
  • 21. CAMPINAS, SEXTA-FEIRA, 12 DE JULHO DE 2013 www.readmetro.com {ESPORTE} |39|◊◊ Após apresentar caras no- vas, Ponte Preta e Guarani entram em campo neste fi- nal de semana. A Macaca enfrenta ama- nhã, às 21h, no Moisés Lu- carelli, o Bahia. A ideia de Paulo César Carpegiani é apagar a imagem ruim dei- xada na última quarta-fei- ra, quando os atletas pon- tepretanos sucumbiram diante do Nacional-AM den- tro de casa. Os baianos che- gam a Campinas cheios de confiança, já que derruba- ram o São Paulo por 2 a 1 no Morumbi. O Bugre, após segurar o Caxias no Rio Grande do Sul, desafia o Barueri no do- mingo, às 10h, no Brinco de Ouro. Sem derrotas na Série C – em três jogos, são dois empates e uma vitória –, os comandados de Tarcísio Pu- gliese não poderão contar com Rossini, que cumpre suspensão. Laionel é o favo- rito para ocupar a vaga dei- xada pelo companheiro. Contratações Credenciado como o maior artilheiro da história do Red Bull, o atacante Henan foi apresentado pela diretoria bugrina na tarde de ontem. A expectativa é de que ele possa entrar em campo com a camisa alviverde na próxi- ma semana. No Moisés Lucarelli, as caras novas foram o meia argentino Brian Sarmiento e o lateral-direito peruano Luís Advíncula. METRO CAMPINAS Partidas em Campinas. Macaca quer deixar para trás a apatia mostrada na Copa do Brasil. Bugre espera superar o Barueri para alcançar segunda vitória na Série C Artilheiro no Red Bull, Henan espera repetir sucesso no Brinco | DIVULGAÇÃO Ponte e Guarani entram em campo Líder da Fórmula Indy com 356 pontos, o brasilei- ro Helio Castroneves ten- ta manter o posto na etapa dupla de Toronto, no Cana- dá. As provas serão dispu- tadas amanhã e domingo, com transmissão do canal Bandsports. A primeira bateria de treinos começa às 11h25. O classificatório para a pro- va de sábado terá início às 16h10. No sábado, os pilo- tos voltam à pista de ma- nhã, às 11h50, para definir a largada de domingo. No mesmo dia, disputam a 1ª prova, às 16h40. No domin- go, os pilotos fazem o aque- cimento às 11h50, enquan- to às 16h40 aceleram para valer pela segunda vez. Castroneves nunca venceu em Toronto, e sabe que terá a companhia de concorrentes experientes no circuito. Dario Franchitti é o piloto em ativi- dade com maior número de vitórias no Canadá: três. Will Power tem duas, já Sebas- tien Bourdais, Justin Wilson e Ryan Hunter-Reay venceram uma vez cada. O último triunfo de um brasileiro foi em 2002, com Cristiano da Matta. Em 1987, Emerson Fitti- paldi também se consa- grou no circuito. METRO Canadá. F-Indy: emoção dupla em Toronto Castroneves acelera no circuito de Pocono, nos EUA| JEFF ZELEVANSKY/GETTY IMAGES