3. liderança, atitude e comportamento gerencial
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

3. liderança, atitude e comportamento gerencial

on

  • 2,498 views

E-Book elaborado pelo Portal PROFIGESTÃO tratando do assunto liderança e motivação dos Líderes nas organizações

E-Book elaborado pelo Portal PROFIGESTÃO tratando do assunto liderança e motivação dos Líderes nas organizações

Statistics

Views

Total Views
2,498
Slideshare-icon Views on SlideShare
2,498
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
60
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Parabéns Sr.Julio Cesar pelo texto altamente instrutivo e esclarecedor. Gostaria apenas de comentar sobre alguns tópicos. No tópico 11 quero acrescentar que os líderes (do supervisor ao presidente de uma empresa), têm que transitar entre todos os estilos e ainda confiar bastante em seus subordinados.
    No tópico 14 (que disserta sobre a motivação das pessoas), a necessidade do líder estar atento ao comportamento profissional e informal de sua equipe e destes indivíduos, é mister para o sucesso de qualquer empresa.
    E, finalmente, o tópico 18 será para mim, um alvo de crítica. Penso que a empresa e os líderes podem ser estimulados a mudarem o comportamento pela observação e pelo esforço de adaptação. A empresa que tem a visão de atender seus clientes e atingir seus objetivos, tem que observar as mudanças e tendências globais (o mercado e o ambiente); e seus líderes deverão estar atentos constantemente às necessidades de seus subordinados, aprender e se atualizar com eles e com os concorrentes. Agindo desta forma, a liderança transitará o tempo todo nos vários estilos de liderar e a 'questão idade' será irrelevante.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    3. liderança, atitude e comportamento gerencial 3. liderança, atitude e comportamento gerencial Presentation Transcript

    • E-BOOK: “Liderança, Atitude e Comportamento Gerencial” O Objetivo Desse E-BOOK é Fornecer Informações Sobre os Estilos de Liderança nas Empresas, a Fim de Se Obter Resultados Através dos Funcionários Motivados
    • JULIO CESAR S. SANTOS Professor, Consultor e Palestrante. Articulista de Alguns Jornais no RJ, autor de Vários Livros Sobre Estratégias de Marketing, Técnicas de Vendas e Comportamento Gerencial. Por mais de 20 anos treinou equipes de Atendentes, Supervisores e Gerentes de Vendas, Marketing e Administração em empresas multinacionais de bens de consumo e de serviços. Elaborou o curso de "Gestão Empresarial" e atualmente ministra palestras e treinamentos "In Company" nas áreas de Marketing, Administração, Técnicas de Atendimento ao Cliente, Secretariado e Recursos Humanos. Graduado em Administração de Empresas, Especialista em Marketing e Gestão Empresarial, com MBA em Marketing no Mercado Globalizado e Complementação Pedagógica. Contatos: profigestao@yahoo.com.br (21) 2233-1762 / (21) 9348-4170 / Site: www.profigestaoblog.wordpress.com www.facebook.com/juliocesar.s.santos / Twitter: http://twitter.com/profi59
    • Este e-book é a terceira edição de uma série editada pelo Portal “Profissionais em Gestão” com objetivo de qualificar o leitor referente ao tema da LIDERANÇA EMPRESARIAL. Ele foi desenvolvido por JULIO CESAR S. SANTOS, idealizador e editor de conteúdo do Portal PROFIGESTÃO, profissional apaixonado por Gestão de Empresas e Pessoas, onde através deste material apresenta de forma simples as questões da LIDERANÇA e da MOTIVAÇÃO EMPRESARIAL. Este e-book não pode ser vendido ou distribuído por terceiros a não ser pelo seu autor ou fontes autorizadas pelo mesmo.
    • Para uma melhor compreensão do seu conteúdo dividimos esse E-Book em quatro (4) partes. A primeira delas é uma introdução ao assunto, onde nós tentamos oferecer aos leitores uma visão geral do que é um líder – ontem e hoje. Na segunda etapa dessa livro abordamos alguns conceitos sobre liderança, apresentando três (3) tipos de líderes que foram identificados nas organizações. A motivação dos funcionários nas empresas e o seu próprio desenvolvimento profissional é o assunto abordado na terceira parte desse E-Book. Finalmente, na quarta etapa apresentamos os tipos de comportamentos gerenciais estudados por estudiosos do assunto. Nesse capítulo veremos uma classificação que permite verificar certas fantasias que as pessoas possuem a respeito do seu comportamento e do outro.
    • I. INTRODUÇÃO O mundo de hoje está mudando de forma extraordinária, pois antigamente as mudanças levavam décadas para Antigamente o bom líder era aquele que acontecer e, hoje, estão sabia mandar, embora, hoje ele deva saber acontecendo em meses – às compartilhar informações e investir nas pessoas, para que elas deem o melhor de si vezes até em dias. Dessa forma, o líder Quando falamos sobre líder, estamos nos moderno é muito diferente referindo a qualquer pessoa de qualquer do líder tradicional, uma vez idade, que atue na vida desta maneira. Pode ser uma criança liderando seus amigos na que hoje, ele deve atuar brincadeira; um adolescente liderando sua mais como um sábio do que um técnico, acompanhando "tribo"; uma dona de casa liderando seu lar; um atleta liderando seu time; um gerente de perto todas as mudanças liderando seus colaboradores.....
    • Liderar é uma forma de agir, uma maneira de ser. Não é algo somente de fora, somente para outros, para pessoas famosas. É uma parte natural da vida. Liderar é desenvolver a visão do que é possível e ser capaz de inspirar outros a ajudá-lo a realizar estas possibilidades. Ser um líder significa desenvolver completamente competência e talento internos Uma grande parte dos problemas humanos dentro das empresas se deve à dificuldade de compreender o que as pessoas perseguem. De um modo geral, tem-se procurado compreender os porquês da conduta humana e, nesse afã, criam-se novas técnicas de trabalho as quais vêm sendo aplicadas junto a executivos, gerentes e supervisores Vários cientistas do comportamento humano vêm chamando a atenção dos Gestores para a necessidade de um tipo de atuação mais autêntica junto às pessoas, a fim de que elas possam livremente traçar seus destinos e equacionar objetivos pessoais, diante dos objetivos impostos pela organização
    • II. Conceitos e Estilos de Liderança Para muitos, o líder é alguém um pouco mais dotado que as pessoas comuns, alguém que atrai as pessoas a si através do “carisma”, um indivíduo que os outros Uma empresa moderna se vê desejam seguir e lhes inspira confiança, respeito e lealdade obrigada a gastar tempo e dinheiro no desenvolvimento Para alguns autores a Liderança seria de seus executivos e, nas a tomada de iniciativas que resultam condições cada vez mais num padrão homogêneo de interação em grupo, voltada para a solução de competitivas, o problemas mútuos desenvolvimento dos líderes deixou de ser um luxo para se Para outros, a Liderança seria o tornar uma necessidade de processo de influir nas atividades do sobrevivência e um requisito grupo com vistas ao estabelecimento e indispensável ao crescimento ao alcance de suas metas
    • Um Estudioso do Assunto Classificou os Líderes Empresariais Nas Seguintes Categorias: 1. Líderes Autocráticos: Eles Adotam Comportamento Um Comportamento “Militar” Não Consideram as Sugestões dos Seus Colaboradores Porque Acreditam Que Não Aprenderão Nada Com Eles Raramente conseguem o melhor desempenho da sua equipe, porque as pessoas não gostam da forma como são tratadas por eles. No entanto, eles sempre conseguem alcançar as metas
    • 2. Líderes Democráticos A Maioria Dos Funcionários Prefere Trabalhar Com Esse “TIPO” de Líder. Eles Aceitam e Ouvem a Opinião dos Membros da Sua Equipe e, Às Vezes, Colocam Suas Ideias em Prática No Entanto, os Líderes Democráticos Precisam de Mais Tempo Para Resolver os Problemas do Grupo e, às Vezes, Eles Não Cumprem as Metas
    • 3. Líderes Liberais Possuem Confiança na Dão Tanta Liberdade Quanto Capacidade de Possível, aos Membros da Julgamento de Sua Equipe Seus Colaboradores Mas Só Funcionam Bem Com Equipes Já Treinadas e Motivadas, Pois Não São Capazes de Cobrar Resultados de Seus Membros
    • A despeito de qualquer ponto de vista, esses conceitos encerram 2 (dois) elementos em comum: A) Liderança é a relação entre as pessoas, em que a influência e o poder estão distribuídos de forma desigual, porém legítima; e B) Não pode haver líderes isolados E o que dizer dos líderes nas atuais organizações? Pode-se dizer que os líderes eficazes desempenham muitos papéis, atuando às vezes como modelos a serem imitados por seus colaboradores e, em outras ocasiões, coordenando seus movimentos no trabalho, ou resolvendo seus problemas Outras vezes, eles atuam promovendo o crescimento e o desenvolvimento profissional de seus subordinados, mas principalmente motivando-os a conseguirem um desempenho superior. Os lideres das modernas organizações respeitam as características comportamentais de seus liderados e constantemente os motiva a se desenvolverem profissionalmente
    • III. A Motivação e o Desenvolvimento Profissional Um dos assuntos mais abordados e discutidos em análises organizacionais é a Teoria da Motivação. Buscando reforço na pirâmide das necessidades de Maslow – ou na filosofia humanística de Elton Mayo – todos procuram entender que fatores conduzem os funcionários a uma maior produtividade, motivada ao prazer de fazer bem feito Apesar de incontáveis pesquisas sobre motivação, nada existe de concreto até hoje sobre fórmulas mágicas que transformem o indivíduo apático num diligente executor de ordens ou num alegre cumpridor do dever Sabe-se apenas que a motivação não é um impulso condicionado por elementos externos, os quais agindo como fortificantes, possam provocar o impulso da dinâmica nos indivíduos
    • De acordo com Frederick Herzberg, o que motiva as pessoas é a possibilidade de crescer no emprego, de ser promovido. Ele acredita que os elogios ao trabalho bem feito e uma simpatia básica pelo trabalho em si, são fatores de motivação adicionais Para MURRAY, por exemplo, um motivo termina ao ser Mas, sua teoria é apoiada na premiação e, por causa disso, atingido um objetivo, ou ser obtida uma recompensa, outros autores acham que esses pois o objetivo (ou a prêmios não conduzem as pessoas recompensa) apresenta à motivação. Fazem apenas com certo efeito redutor sobre o que as pessoas se movam, pois se motivo e o motivo deixa de as premiações deixarem de existir orientar o objetivo (ou as pessoas voltarão ao estado de recompensa) por um apatia período de tempo
    • Diante desses argumentos, BERGAMINI concluiu que o fenômeno só se apresenta de dentro para fora; e explicou: “se quisermos que alguém faça determinada coisa, ela somente o fará de forma motivada, se conseguir ver nessa atividade uma possibilidade de atingir uma expectativa interna. Por exemplo, o levantar cedo e fazer ginástica por si mesmo não atrai, a não ser aquelas pessoas que prezam sua saúde física e almejam ter uma vida mais longa. Pode-se verificar que, embora seja humanamente legítimo esse desejo, nem todas as pessoas se mostram dispostas a esse tipo de atividade” No Brasil, as organizações possuem uma estrutura e um “modus operandi” ultrapassados, indo contra as características comportamentais dos indivíduos, como seres humanos que querem normalmente trabalhar motivados e fazer do seu trabalho uma fonte de satisfação, não uma circunstância frustradora. Para tratarmos adequadamente desse assunto, veremos no capítulo a seguir os vários estilos de comportamento gerencial
    • IV. Tipos de Comportamentos Gerenciais A preocupação em classificar os diferentes estilos de comportamento gerencial ocorreu em função da necessidade de compreender-se os diferentes estilos da chefia. Especialistas em Desenvolvimento Organizacional vêm pesquisando formas para discriminar as diferenças entre as pessoas em seu trabalho Todos têm evitado rotular os estilos gerenciais em extremos opostos. Ou seja, estilo autocrático, democrático, participativo, centrado na produção, centrado nas pessoas, Teoria X, Teoria Y e outros É interessante notar como as teorias que observaremos a seguir têm sido úteis para descrever o comportamento dos indivíduos no trabalho. A classificação que veremos abaixo permite verificar certas fantasias que as pessoas possuem a respeito do seu comportamento e do outro
    • Os Quatro Tipos de LIKERT Para exemplificar esses tipos de classificações, LIKERT se aproveitou das características operacionais relacionadas às atitudes para com os outros membros da organização Benevolente: atitudes subservientes em relação aos Rígido: Atitudes superiores; competição por status, subservientes em relação resultando em hostilidades no aos supervisores e hostilidades para com eles. relacionamento com os colegas do mesmo nível hierárquico. Hostilidade em relação aos Condescendência em relação aos colegas do mesmo nível funcionários da organização hierárquico e desprezo pelos indistintamente. subordinados. Desconfiança geral
    • Deliberativo: atitudes cooperativas em relação aos funcionários da organização, indistintamente. Pode haver certo espírito de competição entre colegas do mesmo nível, daí resultando hostilidades e alguma condescendência com relação aos subordinados Grupal: atitudes favoráveis e cooperativas, prevalecendo em todos os setores da organização. Observa-se mútua confiança e lealdade entre os funcionários em geral A Teoria 3D de REDDIN O trabalho desse analista é considerado muito rico e completo, não somente pela abrangência das características de cada estilo gerencial, como também por introduzir novos conceitos em programas de desenvolvimento de recursos humanos, os quais se tornaram pontos chaves para o atingimento da eficácia gerencial
    • Em certo trecho do trabalho, REDDIN afirma que “o Gerente eficaz precisa ter três habilidades: sensibilidade situacional, flexibilidade de estilos e gestão situacional A aquisição dessas três habilidades é geralmente denominada de “experiência”. Alguns Gerentes jovens possuem essas habilidades em alto grau, enquanto muitos velhos gerentes mal conseguem adquiri-las, mesmo em pequeno grau Veremos abaixo a classificação dos estilos gerenciais de REDDIN: EXECUTIVO: Gerente que utiliza alta orientação para tarefas e alta orientação para relações, numa situação onde tal comportamento é adequado, sendo por isso mais eficaz. É percebido como uma boa força motivadora e um gerente que estabelece altos padrões de desempenho. Trata cada um de forma diferente e prefere dirigir através de equipes
    • TRANSIGENTE: Utiliza alta orientação tanto para tarefas como para relações, numa situação onde se exige uma alta orientação somente para uma ou outra, ou não exige alta orientação nem para tarefas nem para relações, sendo por isso, menos eficaz. É percebido como débil tomador de decisões e alguém muito influenciado palas pressões, evitando ou minimizando os problemas imediatos, em vez de maximizar a produção em longo prazo Autocrata Benevolente: Utiliza alta orientação para tarefas e Desertor : Utiliza baixa orientação baixa para relações, numa para tarefas e baixa para relações, situação onde tal comportamento numa situação onde tal é inadequado, sendo por isso comportamento é inadequado e por mais eficiente. É percebido como alguém que sabe o que quer e isso é menos eficaz. É percebido como conseguir, sem criar como não-comprometido e passivo ressentimentos (ou negativo)
    • MISSIONÁRIO: Utiliza baixa orientação para tarefas e alta Utiliza alta orientação para tarefas para relações, onde tal e baixa para relações, numa comportamento é inadequado, situação onde tal comportamento sendo por isso menos eficaz. É é inadequado, sendo por isso percebido basicamente como menos eficiente. É percebido como interessado na harmonia carente de confiança nos outros, desagradável e interessado unicamente na tarefa imediata BUROCRATA: Utiliza baixa PROMOTOR: Utiliza baixa orientação orientação para tarefas e alta para relações, numa situação onde tal para tarefas e alta para relações, comportamento é adequado, numa situação onde tal sendo por isso mais eficaz. É comportamento é adequado, sendo por isso mais eficaz. É percebido percebido como escrupuloso e como tendo confiança implícita nas está interessado, acima de tudo, pessoas e está interessado em nas regras e procedimentos desenvolvê-los como indivíduos Autocrata Benevolente:
    • O Grid Gerencial de Blake & Mouton O programa de desenvolvimento gerencial desses dois autores coloca os participantes de acordo com suas próprias maneiras de ser, possibilitando conhecerem seus próprios estilos e estabelecendo um planejamento estratégico interessante ao indivíduo, de acordo com o cargo que ocupa Os estilos gerenciais são classificados desde o menor esforço para realizar uma tarefa até o equilíbrio entre a necessidade de o Gerente alcançar resultados e a manutenção da satisfação em níveis aceitáveis Gerência 1,1: O esforço mínimo necessário para realizar o trabalho requerido é suficiente para garantir um lugar na organização
    • Gerência 1,9: a atenção dedicada à necessidade que as pessoas têm de manter boas relações, gera um clima agradável na organização e no andamento do trabalho Gerência 9,1: a eficiência Gerência 5,5: o desempenho operacional resulta da organizacional adequado é organização das condições de possível, mediante o equilíbrio trabalho, de tal forma que o entre a necessidade de alcançar elemento humano interfira em resultados e a manutenção da satisfação do pessoal em nível grau mínimo aceitável Gerência 9,9: os resultados provêm do empenho pessoal. A interdependência através de um “interesse comum” pelos objetivos da organização produz a relação de confiança e respeito
    • O PERFIL DIÁRIO DE MACCOBY O grande mérito desse discípulo de Erich Fromm, é que ele não partiu de esquemas pré-fixados para depois encaixar os estilos gerenciais. Ele se baseou na observação real das suas características de personalidades ou, mais concretamente, nos seus comportamentos do dia a dia O ARTESÃO Pessoa que gosta de estar com o pé na terra e possui filosofia de vida conservadora. Dentro da organização mantém a ordem das coisas, integrando diretrizes e normas, trabalhando sobre mapas e estatísticas. Toma decisões supondo serem lógicas e justas, perante as demais pessoas. Tipo previdente, só afirma algo quando tem absoluta certeza e apresenta tranquilidade, demonstrando muita estabilidade dentro da organização
    • O LUTADOR DAS SELVAS Possui os traços comportamentais de um construtor de impérios, que rompe com as práticas tradicionais, atuando frequentemente pela força. Não é raro demonstrar atitude impetuosa, podendo massacrar os opositores e dominar seus subordinados com mãos firmes. Tem como meta a aquisição do poder e visa abertamente o lucro. Não raro, mostra-se desconfiado, podendo agir como sádico. Dificilmente coopera com seus colegas de trabalho HOMEM DE EMPRESA É aquele que tipicamente a faz sua carreira, embora não enfrente maiores riscos. Geralmente não tem autoridade, mostrando desprendimento e determinação em galgar cargos mais elevados. São pessoas que “acreditam muito” na organização e “vestem a camisa”; mas, no fundo são inseguros e preocupados em saber “como vão indo”. Aceitam trabalhos burocráticos e se submetem para fazerem jus a postos mais altos. Podem colocar seu trabalho antes da vida familiar e se conformam com gerências intermediárias. Eles se reconhecem não suficientemente agressivos, sem energia para tomarem decisões que lhes garantam cargos máximos
    • O JOGADOR É aquele que não apenas gosta de mudanças, mas também de influenciar os demais nesse processo. Aprecia a novidade e assume riscos calculados ao experimentar novos métodos e técnicas. É cooperador, mas também competitivo; desprendido e jovial, mas também impelido ao sucesso; um jogador de equipe, mas um super astro. É um líder de grupo, mas quase sempre um rebelde contra a hierarquia burocrática; justo e desprovido de preconceitos, mas desdenhoso quanto à fraqueza. Possui energia bastante para competir, não porque deseje construir um império (nem por questão de riqueza), mas em função da fama e da glória, do regozijo de chefiar sua equipe e obter vitórias. Seu principal objetivo é ser reconhecido como vitorioso e o seu maior temor é ser rotulado como perdedor
    • O JOGADOR CRIATIVO Possui características mais abrangentes, tendo um estilo mais complexo que os anteriores. Bem dotado, possui uma mistura de traços, sendo essa riqueza de aspectos lhe oferece flexibilidade e capacidade de adaptação aos ambientes em constante mutação. Transparece grande energia e entusiasmo pelo trabalho, sendo capaz de mover os outros até ultrapassarem os próprios limites. É um idealista, mas astuto e pragmático; cooperativo, mas altamente competitivo; entusiasta, mas desprendido; diligente, mas exaustivo; diplomático, mas intranquilo; energético, mas sôfrego. Sério por um lado, mas também jovial e divertido por outro; sempre com expressão brincalhona
    • OS QUATRO ESTILOS LIFO’s O programa LIFO (Life Orientation) é fruto do trabalho dos Drs. Stuart Atkins e Alan Katcher, pesquisando executivos de várias empresas do mundo. Para eles não existem estilos ideais, ou pessoas cujo comportamento possa ser considerado perfeito, tendo em vista as demandas do cargo que exercem Esses autores propõem que os traços da diferença individual de personalidade de uma pessoa sejam o seu reduto básico de forças pessoais : “é o impacto que seu comportamento causa no ambiente que determinará se ela (a pessoa) está se utilizando dessas características de maneira produtiva ou improdutiva” Eles dividiram os estilos gerenciais em quatro (4), embora considerem situações em que o líder normalmente é exposto
    • Estilo “Dá e Apoia”: Em Desempenho Positivo: Procura não desapontar quanto à responsabilidades, tentando aprimorar seu desempenho Está orientado pelo sistematicamente. Promove recursos enfoque idealista, para aqueles os que o cercam, formando tendo expectativa de talentos dentro da empresa e, nas horas altos padrões de difíceis. pode-se contar com seu apoio desempenho. Para a Em Queda de Desempenho: Preocupa-se empresa, assume excessivamente com o seu pessoalmente seu desenvolvimento, se sentindo culpado sucesso e seus com insucesso daqueles que não pode problemas, “vestindo a ajudar. Concede demais para não o camisa” e dando o confundirem com “não cooperador” e é melhor de si, honesta e incapaz de dizer “não” sinceramente. Exerce Filosofia de Vida: “se sou consciencioso e um tipo de chefia provo meu valor através do meu cooperativa, onde os desempenho, não tenho necessidade de subordinados alardear o fato só para ser reconhecido” participam das decisões
    • Em desempenho produtivo: Lidera e dirige com grande facilidade, assumindo a direção nos Atém-se a objetivos e relacionamentos e toma decisões metas, movendo-se rapidamente. Está aberto às inovações mais rápido que a e gosta de atuar independente, embora média das pessoas, a dê liberdade de atuação aos outros. Estilo “Toma e Controla” fim de aproveitar todas as Em queda de desempenho: Torna-se oportunidades para coercitivo por forçar sua chefia diretiva e seu objetivo. Move-seé impulsivo quando não pondera ao agir. com extrema Não pede opinião e passa por cima da agilidade, dos outros. Desperdiça recursos e processos, dando a impressão de respondendo bem às arrogância pressões e conseguindo trabalhar Filosofia de Vida: “Se quer que as em várias atividades coisas aconteçam, não espere que simultaneamente, caiam do céu, faça acontecerem” possuindo chefia diretiva
    • Estilo “Mantém e Conserva” Em desempenho produtivo: É “pé no chão”; examina os assuntos profundamente, descobrindo aspectos que a maioria não vê. Não Atém-se a coisas toma decisões “no calor da concretas, analisando pela discussão” e evita perdas lógica e decidindo com desnecessárias para a organização provas. Suas medidas propostas são de excelente Em queda de desempenho: É distante qualidade, mas seu ritmo das pessoas, frio e ausente. Pensa de trabalho é lento porque tanto nos assuntos desenvolvendo análises que, quando toma uma prefere a qualidade, em decisão, a oportunidade já passou. Não vez da qualidade de estimula a mudança, apegando-se ao trabalho. É justo e objetivo antigo e evidenciando rigidez Filosofia de Vida: “Devo preservar cuidadosamente aquilo que já consegui e construir o futuro em cima do passado”
    • Em desempenho produtivo: Possui habilidade social ao resolver dificuldades. É otimista e acredita que Norteia seu comportamento seus esforços darão resultados. Tem ótimo senso de humor e excelente adotando os referenciais do tato, suficiente para recuar diante das grupo social e por isso razões dos outros. É o tipo “que se dá valoriza a convivência bem com qualquer um” Estilo “Adapta e Negocia” harmônica, quando é aceito Em queda de desempenho : Usa o pelo grupo. Coloca-se no lugar enfoque pessoal, o que o torna do outro com facilidade e compreende suas razões, inconveniente sem perceber. Não trata os problemas seriamente, utilizando-se de tornando-se popular. Como atitudes infantis com brincadeiras chefe possui espírito de descabidas. Não tem opinião firme e está equipe, ao liderar com disposto a abrir mão de suas convicções entusiasmo seus para não enfrentar atritos subordinados Filosofia de Vida: “Para se conseguir alguma coisa é necessário ir ao encontro das expectativas e desejos dos outros”
    • A Liderança Situacional de Hersey & Blanchard Esses autores também não consideram que exista um estilo de Atkins e Katcher se baseiam no fato de as pessoas não possuírem um único estilo, liderança “melhor”; pois, mas sim que apresentam os 4 (quatro) para eles tudo depende estilos ao mesmo tempo. A diferença é a da situação que se está ordem na qual esses 4 comportamentos vivenciando num aparecem. E essa ordem é decorrente da determinado momento. intensidade com a qual cada tipo de estilo Eles descrevem os 4 é usado. “Cada pessoa possui determinado conjunto de estilos próprios sob condições (quatro) estilos básicos que o líder deve exibir, habituais, podendo apresentar já, um outro conjunto de estilos diferentes em tendo em vista o nível situações de pressão e luta, o que não leva de maturidade de seus necessariamente a um desempenho subordinados improdutivo”
    • “À medida que seu grupo é imaturo e se torna negligente com suas tarefas, o líder deve dar mais ênfase ao seu comportamento de trabalho e menos ao comportamento de relacionamentos. Posteriormente, quando senti-los amadurecidos deve enfatizar mais o relacionamento e menos o trabalho. E, finalmente, quando já souberem se conduzir, não haverá necessidade de estimular nem o relacionamento nem o trabalho, podendo o líder adotar um estilo baixo, tanto para um como para outro parâmetro” Hersey & Blanchard acreditam que, não somente o líder tem a capacidade de mudar o estilo conforme a maturidade do grupo, como também seu pessoal mudará seu comportamento em função do tipo de liderança exercida. Consequentemente, uma forte orientação para o trabalho e baixa para o relacionamento, determinará um tipo de atitude dura que fará amadurecer o grupo Este, por sua vez, deverá amadurecer em resposta ao complemento do líder, quando será mais indicado uma maior orientação para o relacionamento; ou melhor, uma ação menos diretiva e assim por diante. Caso o grupo regrida em sua maturidade, o chefe também deverá regredir seu estilo, voltando a adotar uma conduta que já tenha exibido antes
    • BIBLIOGRAFIA: ARGYRIS, C. “On Organization Learning”. Blackwell, Londos, 1992. ATKINS, S & KATCHER, A. “Lifo : training & O D. analyst : a program for better utilization of strengths and personal styles” Los Angeles : Atkins Katcher Associates, 1973. BERGAMINI, Cecília W. “Desenvolvimento de Recursos Humanos : uma estratégia de desenvolvimento organizacional”.São Paulo. Atlas, 1990. BLAKE, R & MOUTTON, J.S. “O Grid Gerencial” São Paulo. Ed. Pioneira, 1976 CHIAVENATO, Idalberto. “Administração de Recursos Humanos”. São Paulo. Ed. Atlas, 1979. DRUCKER, Peter. “O Gerente Eficaz”. Rio de Janeiro. Guanabara, 1967. FIELDER, Fred E. “Liderança e Administração Eficaz”. São Paulo. Pioneira, 1981. HERSEY, P. & BLANCHARD, K. H. “Psicologia para Administradores de Empresas”. São Paulo. EPU, 1974 LIKERT, R. A “A Organização Humana”. São Paulo, Atlas, 1975. ____________ . “Administração de Conflitos: novas abordagens”. São Paulo, Ed. McGraw-Hill do Brasil, 1979. MACCOBY, M. “Perfil de Águia de Dirigir Empresas : uma nova arte”. Rio de Janeiro. Difel, 1977.