• Like
Plano de-emergencia-200809
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Plano de-emergencia-200809

  • 157 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
157
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
4
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ANEXO I - PLANTA DE LOCALIZAÇÃO Escola Básica do 2º Ciclo Pêro da Covilhã Centro Hospitalar da Cova da Beira Bombeiros Voluntários da Covilhã
  • 2. ANEXO II - PLANTA DE ENQUADRAMENTO Boca de incêndio
  • 3. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã ANEXO III - PAVILHÃO A 5 6 4 7 3 8 2 1 Boca de incêndio Extintor Saída de emergência Você está aqui Corte de electricidade
  • 4. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã 2008/09
  • 5. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã 1. CONCEITO DE PLANO DE EMERGÊNCIA Um PLANO DE EMERGÊNCIA pode definir-se como a sistematização de um conjunto de normas e regras de procedimento, destinadas a minimizar os efeitos das catástrofes que se prevê possam vir a ocorrer em determinadas áreas gerindo, de uma forma optimizada, os recursos disponíveis. Assim, um Plano de Emergência constitui um instrumento simultaneamente preventivo e de gestão operacional, uma vez que, ao identificar os riscos, estabelece os meios para fazer face ao acidente e, quando definida a composição das equipas de intervenção, lhes atribui missões. 2. RAZÕES PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE PREVENÇÃO 1• Identifica os riscos; 2• Estabelece cenários de acidentes para os riscos identificados; 3• Define princípios, normas e regras de actuação gerais face aos cenários possíveis; 4• Organiza os meios de socorro e prevê missões que competem a cada um dos intervenientes; 5• Permite desencadear acções oportunas, destinadas a minimizar as consequências do sinistro; 6• Evita confusões, erros, atropelos e a duplicação de actuações; 7• Prevê e organiza antecipadamente a evacuação e intervenção; 8• Permite rotinas e procedimentos, os quais poderão ser testados, através de exercícios de simulação. Um Plano de PREVENÇÃO deve, por isso, ter as seguintes características: Simplicidade – Ao ser elaborado de forma simples e concisa, será bem compreendido, evitando confusões e erros, por parte dos executantes; Flexibilidade – Um plano não pode ser rígido. Deve permitir a sua adaptação a situações não coincidentes com os cenários inicialmente previstos; Dinamismo – Deve ser actualizado, em função do aprofundamento da análise de riscos e da evolução quantitativa e qualitativa, dos meios disponíveis; Adequação – Deve estar adequado à realidade da instituição e aos meios existentes; Precisão – Deve ser claro na atribuição de responsabilidades.
  • 6. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã 3. OBJECTIVOS GERAIS - Dotar a escola de um NÍVEL DE SEGURANÇA EFICAZ; - LIMITAR AS CONSEQUÊNCIAS de um acidente; - Sensibilizar para a necessidade de conhecer e rotinar PROCEDIMENTOS DE AUTOPROTECÇÃO a adoptar, por parte de professores, funcionários e alunos, em caso de acidente; - Co-responsabilizar toda a população escolar, no cumprimento das NORMAS DE SEGURANÇA; - Preparar e ORGANIZAR OS MEIOS humanos e materiais existentes, para garantir a salvaguarda de pessoas e bens, em caso de ocorrência de uma situação perigosa. 4. OBJECTIVOS ESPECÍFICOS - Conhecimento real e pormenorizado das CONDIÇÕES DE SEGURANÇA, do estabelecimento escolar; - Correcção, pelos responsáveis das escolas, das CARÊNCIAS E SITUAÇÕES DISFUNCIONAIS detectadas; - Organização dos meios humanos internos, tendo em vista a actuação em SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA ; - Maximização das possibilidades de resposta dos MEIOS DE 1ª.INTERVENÇÃO; - Elaboração de um PLANO DE EVACUAÇÃO total (ou parcial) das instalações escolares. - Elaboração do PLANO DE INTERVENÇÃO. 5 . INSTRUÇÕES / INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA 1º Se houver uma situação de emergência na Escola ela dispõe do seguinte alarme acústico para informação: Em caso de incêndio: 3 Toques interrompidos por pausas. Em caso de ameaça de Bomba: Toque contínuo 2º É ao órgão de gestão instalações. que compete decidir sobre a evacuação total ou parcial das 3º A coordenação da evacuação das turmas é feita pelo professor e um aluno, nomeado para o efeito e designado chefe de fila . Em caso de evacuação, este segue à frente da turma, enquanto o professor é o último a sair, por forma a certificar-se de que não fica ninguém para trás.
  • 7. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã 4º Ao ser determinado a evacuação das instalações o professor deve ter em atenção o seguinte: Em caso de incêndio:  Verificar que janelas e portas da sala ficam fechadas.  Os alunos deixam o material escolar e pessoal. Em caso de ameaça de bomba:  Janelas e portas ficam abertas  Os alunos levam todos os seus pertences e objectos pessoais. 5º Os alunos devem sair da sala em fila indiana, sem corridas, mas em passo apressado, seguindo as setas de saída e as instruções dos coordenadores de evacuação. 6º Não pare nunca nas portas de saída. Estas devem estar livres. Se tiver que utilizar as escadas, encoste-se à parede. Não volte atrás. 7º Se, numa situação de emergência, se encontrar isolado, verifique se não há perigo de deixar o local onde se encontra. Siga as setas de indicação de saída e dirija-se para o ponto de reunião previamente estipulado. Caso não consiga sair, lembre-se que deve sempre assinalar a sua presença. 8º Compete ao professor manter a ordem nos pontos de reunião definidos: PavilhãoA /Salas de Educ Musical - perto da carpintaria; PavilhãoB /Polivalente/Gimnodesportivo -campos jogos Pavilhão C – junto à fonte – chorões e proceder à conferência dos alunos, pelo que estes não devem abandonar o local sob qualquer pretexto e sem a devida autorização, até ouvir de novo o toque de campainha. 6. MEDIDAS A TOMAR EM CASO DE SISMO Um grande sismo pode ocorrer a qualquer momento e sem aviso prévio, pelo que as acções a tomar em caso de sismo devem ser imediatas, sendo essencial que cada um saiba o que esperar e como agir. O que esperar em caso de sismo O primeiro indício de um sismo de grandes proporções poderá ser:    Um tremor ligeiro perceptível pela oscilação de objectos suspensos e pelo abanar de objectos em prateleiras; Um “bang” violento, semelhante à passagem de um avião supersónico; Um ruído surdo e prolongado, que poderá ser bastante alto. Um ou dois segundos depois sentirás o verdadeiro sismo. É importante agir imediatamente. Não esperes até teres a certeza de que está realmente a ocorrer um sismo. À medida que a vibração do solo aumenta o perigo também aumenta:
  • 8. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã • Armários e prateleiras podem cair; • Objectos suspensos do tecto oscilarão e poderão soltar-se; • Tectos falsos, seus componentes e equipamentos neles instalados poderão cair; • Caixilhos das portas poderão arquear, fechando as portas violentamente; • Caixilhos das janelas poderão encurvar, quebrando os vidros e lançando estilhaços. O ruído que acompanha um sismo, provocado pelos objectos a cair, vidros a quebrar, alarmes de incêndio que disparam, portas a bater e paredes a rachar, pode provocar uma enorme tensão. O ruído será sempre assustador, mas poderá ser menor quando estamos preparados. O que fazer durante um sismo NO INTERIOR DO EDIFÍCIO:  Não deves tentar sair do edifício;  Não deves tentar sair pelas janelas;  Deves afastar-te de janelas e painéis de vidro;  Deves afastar-te de armários, prateleiras, objectos pesados e outro mobiliário que possa cair;  Não deves aceder às varandas;  Não deves utilizar os elevadores. Em salas de aula: • Os alunos e os professores devem refugiar-se debaixo das carteiras, agarrar uma perna das mesas e proteger a cabeça e os olhos, pressionando a cara contra os braços; • Os alunos devem aguardar com calma que o seu professor lhes dê instruções. Em zonas de circulação ou onde não haja possibilidade de se cobrir: • Refugia-te junto de pilares, sob vigas e vergas de portas ou junto de uma parede interior, ajoelha-te, coloca a cabeça junto aos joelhos, aperta as mãos firmemente por trás do pescoço e protege os lados da cabeça com os cotovelos. Em bibliotecas: • Afasta-te imediatamente das janelas, painéis de vidro e estantes e protege-te apropriadamente. NO EXTERIOR: • Não deves reentrar no edifício, mantendo-te no exterior; • Deves afastar-te de edifícios, muros, vedações, árvores, postes e cabos eléctricos; • Deves agachar-te ou deitar-te no solo e proteger a cabeça;
  • 9. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã • Deves ir observando o que se passa em redor, mantendo-te atento a possíveis perigos, que te obriguem a movimentar-te. No exterior ou no interior dos edifícios, quando um sismo ocorre, age imediatamente ao primeiro indício ou sinal de alerta. O que fazer após o sismo Deve proceder-se à evacuação das salas de aula e dos edifícios em geral, sob a vigilância dos professores e elementos da estrutura interna de segurança sob a orientação do órgão de gestão. EVACUAÇÃO DO EDIFÍCIO: • Todas as saídas devem ser abertas e as alimentações principais de água, energia eléctrica e gás devem ser cortadas; • Cada professor é responsável pela evacuação da sua sala de aula; • Os professores devem verificar o estado do edifício em todo o caminho de evacuação e assinalar os riscos potenciais; • Os professores devem guiar os alunos até às saídas, grupo após grupo; • Os professores e os elementos da estrutura interna de segurança devem coordenar a evacuação do edifício, de forma a evitar congestionamentos e eventuais ferimentos nos alunos, devendo guiá-los para os locais de reunião pré definidos. Todas as pessoas que se encontram no exterior no momento do sismo deverão dirigir-se para o local de reunião. NO LOCAL DE REUNIÃO: Os professores devem: • Reunir os alunos por turmas e contá-los; • Detectar todos os alunos feridos e prestar os primeiros socorros, quando necessário; • Alertar os alunos para a hipótese da ocorrência de réplicas. Os alunos: • Não devem regressar ao edifício; • Devem manter-se a uma distância de pelo menos 5 m das fachadas, muros e vedações; • Não devem beber água das torneiras ou de recipientes abertos; • Devem evitar qualquer contacto com cabos eléctricos ou vedações metálicas