Plano de-emergencia-200809

637 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Plano de-emergencia-200809

  1. 1. ANEXO I - PLANTA DE LOCALIZAÇÃO Escola Básica do 2º Ciclo Pêro da Covilhã Centro Hospitalar da Cova da Beira Bombeiros Voluntários da Covilhã
  2. 2. ANEXO II - PLANTA DE ENQUADRAMENTO Boca de incêndio
  3. 3. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã ANEXO III - PAVILHÃO A 5 6 4 7 3 8 2 1 Boca de incêndio Extintor Saída de emergência Você está aqui Corte de electricidade
  4. 4. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã 2008/09
  5. 5. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã 1. CONCEITO DE PLANO DE EMERGÊNCIA Um PLANO DE EMERGÊNCIA pode definir-se como a sistematização de um conjunto de normas e regras de procedimento, destinadas a minimizar os efeitos das catástrofes que se prevê possam vir a ocorrer em determinadas áreas gerindo, de uma forma optimizada, os recursos disponíveis. Assim, um Plano de Emergência constitui um instrumento simultaneamente preventivo e de gestão operacional, uma vez que, ao identificar os riscos, estabelece os meios para fazer face ao acidente e, quando definida a composição das equipas de intervenção, lhes atribui missões. 2. RAZÕES PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE PREVENÇÃO 1• Identifica os riscos; 2• Estabelece cenários de acidentes para os riscos identificados; 3• Define princípios, normas e regras de actuação gerais face aos cenários possíveis; 4• Organiza os meios de socorro e prevê missões que competem a cada um dos intervenientes; 5• Permite desencadear acções oportunas, destinadas a minimizar as consequências do sinistro; 6• Evita confusões, erros, atropelos e a duplicação de actuações; 7• Prevê e organiza antecipadamente a evacuação e intervenção; 8• Permite rotinas e procedimentos, os quais poderão ser testados, através de exercícios de simulação. Um Plano de PREVENÇÃO deve, por isso, ter as seguintes características: Simplicidade – Ao ser elaborado de forma simples e concisa, será bem compreendido, evitando confusões e erros, por parte dos executantes; Flexibilidade – Um plano não pode ser rígido. Deve permitir a sua adaptação a situações não coincidentes com os cenários inicialmente previstos; Dinamismo – Deve ser actualizado, em função do aprofundamento da análise de riscos e da evolução quantitativa e qualitativa, dos meios disponíveis; Adequação – Deve estar adequado à realidade da instituição e aos meios existentes; Precisão – Deve ser claro na atribuição de responsabilidades.
  6. 6. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã 3. OBJECTIVOS GERAIS - Dotar a escola de um NÍVEL DE SEGURANÇA EFICAZ; - LIMITAR AS CONSEQUÊNCIAS de um acidente; - Sensibilizar para a necessidade de conhecer e rotinar PROCEDIMENTOS DE AUTOPROTECÇÃO a adoptar, por parte de professores, funcionários e alunos, em caso de acidente; - Co-responsabilizar toda a população escolar, no cumprimento das NORMAS DE SEGURANÇA; - Preparar e ORGANIZAR OS MEIOS humanos e materiais existentes, para garantir a salvaguarda de pessoas e bens, em caso de ocorrência de uma situação perigosa. 4. OBJECTIVOS ESPECÍFICOS - Conhecimento real e pormenorizado das CONDIÇÕES DE SEGURANÇA, do estabelecimento escolar; - Correcção, pelos responsáveis das escolas, das CARÊNCIAS E SITUAÇÕES DISFUNCIONAIS detectadas; - Organização dos meios humanos internos, tendo em vista a actuação em SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA ; - Maximização das possibilidades de resposta dos MEIOS DE 1ª.INTERVENÇÃO; - Elaboração de um PLANO DE EVACUAÇÃO total (ou parcial) das instalações escolares. - Elaboração do PLANO DE INTERVENÇÃO. 5 . INSTRUÇÕES / INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA 1º Se houver uma situação de emergência na Escola ela dispõe do seguinte alarme acústico para informação: Em caso de incêndio: 3 Toques interrompidos por pausas. Em caso de ameaça de Bomba: Toque contínuo 2º É ao órgão de gestão instalações. que compete decidir sobre a evacuação total ou parcial das 3º A coordenação da evacuação das turmas é feita pelo professor e um aluno, nomeado para o efeito e designado chefe de fila . Em caso de evacuação, este segue à frente da turma, enquanto o professor é o último a sair, por forma a certificar-se de que não fica ninguém para trás.
  7. 7. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã 4º Ao ser determinado a evacuação das instalações o professor deve ter em atenção o seguinte: Em caso de incêndio:  Verificar que janelas e portas da sala ficam fechadas.  Os alunos deixam o material escolar e pessoal. Em caso de ameaça de bomba:  Janelas e portas ficam abertas  Os alunos levam todos os seus pertences e objectos pessoais. 5º Os alunos devem sair da sala em fila indiana, sem corridas, mas em passo apressado, seguindo as setas de saída e as instruções dos coordenadores de evacuação. 6º Não pare nunca nas portas de saída. Estas devem estar livres. Se tiver que utilizar as escadas, encoste-se à parede. Não volte atrás. 7º Se, numa situação de emergência, se encontrar isolado, verifique se não há perigo de deixar o local onde se encontra. Siga as setas de indicação de saída e dirija-se para o ponto de reunião previamente estipulado. Caso não consiga sair, lembre-se que deve sempre assinalar a sua presença. 8º Compete ao professor manter a ordem nos pontos de reunião definidos: PavilhãoA /Salas de Educ Musical - perto da carpintaria; PavilhãoB /Polivalente/Gimnodesportivo -campos jogos Pavilhão C – junto à fonte – chorões e proceder à conferência dos alunos, pelo que estes não devem abandonar o local sob qualquer pretexto e sem a devida autorização, até ouvir de novo o toque de campainha. 6. MEDIDAS A TOMAR EM CASO DE SISMO Um grande sismo pode ocorrer a qualquer momento e sem aviso prévio, pelo que as acções a tomar em caso de sismo devem ser imediatas, sendo essencial que cada um saiba o que esperar e como agir. O que esperar em caso de sismo O primeiro indício de um sismo de grandes proporções poderá ser:    Um tremor ligeiro perceptível pela oscilação de objectos suspensos e pelo abanar de objectos em prateleiras; Um “bang” violento, semelhante à passagem de um avião supersónico; Um ruído surdo e prolongado, que poderá ser bastante alto. Um ou dois segundos depois sentirás o verdadeiro sismo. É importante agir imediatamente. Não esperes até teres a certeza de que está realmente a ocorrer um sismo. À medida que a vibração do solo aumenta o perigo também aumenta:
  8. 8. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã • Armários e prateleiras podem cair; • Objectos suspensos do tecto oscilarão e poderão soltar-se; • Tectos falsos, seus componentes e equipamentos neles instalados poderão cair; • Caixilhos das portas poderão arquear, fechando as portas violentamente; • Caixilhos das janelas poderão encurvar, quebrando os vidros e lançando estilhaços. O ruído que acompanha um sismo, provocado pelos objectos a cair, vidros a quebrar, alarmes de incêndio que disparam, portas a bater e paredes a rachar, pode provocar uma enorme tensão. O ruído será sempre assustador, mas poderá ser menor quando estamos preparados. O que fazer durante um sismo NO INTERIOR DO EDIFÍCIO:  Não deves tentar sair do edifício;  Não deves tentar sair pelas janelas;  Deves afastar-te de janelas e painéis de vidro;  Deves afastar-te de armários, prateleiras, objectos pesados e outro mobiliário que possa cair;  Não deves aceder às varandas;  Não deves utilizar os elevadores. Em salas de aula: • Os alunos e os professores devem refugiar-se debaixo das carteiras, agarrar uma perna das mesas e proteger a cabeça e os olhos, pressionando a cara contra os braços; • Os alunos devem aguardar com calma que o seu professor lhes dê instruções. Em zonas de circulação ou onde não haja possibilidade de se cobrir: • Refugia-te junto de pilares, sob vigas e vergas de portas ou junto de uma parede interior, ajoelha-te, coloca a cabeça junto aos joelhos, aperta as mãos firmemente por trás do pescoço e protege os lados da cabeça com os cotovelos. Em bibliotecas: • Afasta-te imediatamente das janelas, painéis de vidro e estantes e protege-te apropriadamente. NO EXTERIOR: • Não deves reentrar no edifício, mantendo-te no exterior; • Deves afastar-te de edifícios, muros, vedações, árvores, postes e cabos eléctricos; • Deves agachar-te ou deitar-te no solo e proteger a cabeça;
  9. 9. Plano de Emergência – Escola Básica Pêro da Covilhã • Deves ir observando o que se passa em redor, mantendo-te atento a possíveis perigos, que te obriguem a movimentar-te. No exterior ou no interior dos edifícios, quando um sismo ocorre, age imediatamente ao primeiro indício ou sinal de alerta. O que fazer após o sismo Deve proceder-se à evacuação das salas de aula e dos edifícios em geral, sob a vigilância dos professores e elementos da estrutura interna de segurança sob a orientação do órgão de gestão. EVACUAÇÃO DO EDIFÍCIO: • Todas as saídas devem ser abertas e as alimentações principais de água, energia eléctrica e gás devem ser cortadas; • Cada professor é responsável pela evacuação da sua sala de aula; • Os professores devem verificar o estado do edifício em todo o caminho de evacuação e assinalar os riscos potenciais; • Os professores devem guiar os alunos até às saídas, grupo após grupo; • Os professores e os elementos da estrutura interna de segurança devem coordenar a evacuação do edifício, de forma a evitar congestionamentos e eventuais ferimentos nos alunos, devendo guiá-los para os locais de reunião pré definidos. Todas as pessoas que se encontram no exterior no momento do sismo deverão dirigir-se para o local de reunião. NO LOCAL DE REUNIÃO: Os professores devem: • Reunir os alunos por turmas e contá-los; • Detectar todos os alunos feridos e prestar os primeiros socorros, quando necessário; • Alertar os alunos para a hipótese da ocorrência de réplicas. Os alunos: • Não devem regressar ao edifício; • Devem manter-se a uma distância de pelo menos 5 m das fachadas, muros e vedações; • Não devem beber água das torneiras ou de recipientes abertos; • Devem evitar qualquer contacto com cabos eléctricos ou vedações metálicas

×