Macrometria                                                                                                               ...
Macrometria   Abril 2010




                       2
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

182 infosemanal09042010

273 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
273
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

182 infosemanal09042010

  1. 1. Macrometria Abril 2010 www.macrometria.pt 09 de Abril de 2010 Comentário semanal: Grécia continua sob pressão. Probabilidade de intervenção do FMI sobe. Os spreads entre as Obrigações Gregas e Alemãs subiram esta semana para níveis históricos por- que o receio de o Estado Grego entrar em default aumentou. Aumentou assim também a proba- bilidade de uma intervenção do FMI na Grécia, dado que o pacote de apoio financeiro anunciado pelos Estados-membros da Zona Euro ainda tem muitas incertezas, nomeadamente no que diz respeito às taxas de juro que seriam aplicadas aos empréstimos bilaterais. Spreads da Grécia sobem para máximos de 10 anos Grécia continua sob pressão, probabilidade 4.5 Diferença entre OT Gregas e Alemãs a 10 anos, % 4 de intervenção do FMI sobe. 3.5 Na Quinta-feira, o spread das Obrigações do Tesouro 3 Portugal (OT) a 10 anos atingiu 7,508%, assinalando uma gran- Grécia 2.5 de desconfiança dos mercados relativamente à capaci- Espanha 2 Irlanda dade de financiamento da dívida do Estado Grego. As 1.5 declarações de Trichet que afastaram a possibilidade 1 de default ou incumprimento por parte da Grécia 0.5 assim como uma saída da Zona Euro ajudaram a acal- 0 mar os mercados. No entanto, os riscos permanecem 07 08 09 10 muito elevados e a confiança dos mercados está por Fonte: BCE e Bancos Centrais Nacionais , os dados ed Março e Abril 2010 são os últimos disponíveis um fio. A principal incerteza do mercado relativamente à solvabilidade do Estado Grego está relacionada com o pacote de ajuda financeira anunciado pelos países da Zona Euro dia 25 de Março. Nas últimas semanas tor- nou-se óbvio que o pacote carece de mais explicações, nomeadamente no que diz respeito à taxa de juro a que os empréstimos bilaterais dos Estados-membros seriam feitos. A utilização taxas de mercado, que se situam actualmente acima dos 7%, implicaria um esforço titânico para a Grécia, provavelmente insustentá- vel em termos redução do défice primário, num contexto de contracção do PIB para evitar que a dívida pública suba descontroladamente. Perante as incertezas do plano de ajuda da Zona Euro, os mercados antecipam que há uma probabilidade elevada de a Grécia pedir formalmente apoio ao FMI este fim-de-semana. Isso traria alguma tranquilidade aos mercados de Obrigações, mas poderia pôr mais pressão sobre o euro, já que criaria a percepção de que a Zona Euro não pode (ou não quer) resolver os problemas dos seus Estados-membros mais fragilizados. BCE deixa taxa de refinanciamento em 1% e continua a retirar estímulo quantitativo Na Quinta-feira, o BCE deixou a taxa de refinanciamento inalterada em 1%, como era antecipado pelos analistas e pelos mercados. Um inquérito da Bloomberg mostra que a maioria dos analistas espera agora que o BCE comece a aumentar a taxa de refinanciamento apenas em 2011. Apesar das dificuldades impostas pela situação na Grécia, o BCE continuou a anunciar a gradual redução das medidas quantitativas. A última medida refere-se à aplicação a partir de 1 de Janeiro de 2011 de hair- cuts (ou seja prémios de risco) superiores aos habituais 0,5% aos títulos de categoria BBB que são utiliza- dos como colateral nas operações de refinanciamento. Inês Domingos 1
  2. 2. Macrometria Abril 2010 2

×