Your SlideShare is downloading. ×
0
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Panorama Do Teatro Ocidental Elisab Oro

4,235

Published on

História do teatro - Elisabetano e Século de Ouro - contexto historico, espaço físico. Teatro barroco, teatro Espanhol, teatro francês, teatro italiano, teatro burguês, teatro alemão, teatro romântico

História do teatro - Elisabetano e Século de Ouro - contexto historico, espaço físico. Teatro barroco, teatro Espanhol, teatro francês, teatro italiano, teatro burguês, teatro alemão, teatro romântico

0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,235
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
174
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Alexandre Dumas /filho
  • Transcript

    • 1. Panorama do Teatro Ocidental <ul><li>Século de Ouro Europeu </li></ul><ul><li>Teatro /elisabetano </li></ul><ul><li>Siglo de Oro Espanhol </li></ul><ul><li>Teatro Burguês </li></ul><ul><li>Romantismo </li></ul>By Claudia Venturi
    • 2. Século de Ouro - XVI <ul><li>Nascimento da ciência encontra resistência em crenças e superstições – caça às bruxas </li></ul><ul><li>Gravíssima crise econômica </li></ul><ul><li>Renascimento – Homem ao centro / Barroco – mundo – revolução copernicana </li></ul><ul><li>Teatro – arte principal </li></ul><ul><li>Teatro invade a vida, linguagem social e mesmo religiosa </li></ul><ul><li>Espanha – melhor teatro </li></ul><ul><li>Jesuítas – maior potência cultural </li></ul><ul><li>Itália – referência internacional </li></ul>
    • 3. Teatro Globe - Londres
    • 4. Teatro Inglês – Elisabete I – fim 1600 <ul><li>Governo exerce controle sobre as companhias, os temas e os atores – para proteger a vida da rainha e a política </li></ul><ul><li>Companhias deveriam obter a proteção de um nobre para não serem acusadas de vagabundagem – proteção dava nome ao nobre e facilitava o ingresso a corte. Pagamento apenas da bilheteria </li></ul><ul><li>Público culto </li></ul>
    • 5. Interior do Swan – 1596 Teatro Elisabetano Três galerias cobertas, sobrepostas, reservadas para o público com maiores possibilidades econômicas; povo ficava em pé, exposto ao tempo
    • 6. Espaço físico <ul><li>Exigência de estruturas fixas – sociedade na propriedade das casas </li></ul><ul><li>Arquitetura lembrava os jardins (yard) </li></ul><ul><li>Capacidade entre 1000 e 3000 pessoas </li></ul><ul><li>Mulheres proibidas a de representar até 1660 </li></ul><ul><li>Teatros públicos – fora dos muros da cidade, freqüentado por público numeroso e interclassista em busca de distração e talvez se ver representado, apresentavam as companhias de atores profissionais </li></ul><ul><li>Teatros privados – dentro da cidade, edifícios cobertos, público menor, culto e crítico, atores jovens e amadores </li></ul><ul><li>Cenários simples, indicações no texto, figurino rico, liberdade narrativa e temática </li></ul>
    • 7. Interior do Globe , 1)Palco, 2)Portas para atores, 3)Palco para cenas internas, 4)Palco superior, 5)Proteção contra intempéries, 6)”casa de máquinas”
    • 8. Autores <ul><li>Christopher Marlowe – (1564 – 1593) mundo acadêmico, tentava conjugar a sua cultura “alta” com a “baixa” dos teatros populares – A Trágica História do Doutor Fausto (retomado mais tarde por Goethe) – O Judeu de Malta </li></ul><ul><li>William Shakespeare – (1564 – 1616) família burguesa, não se sentia um autor e mais um adaptador para a cena. Nunca se preocupou em editar seus textos que foram reunidos após a sua morte. Mistura de elementos cômicos com os trágicos </li></ul>
    • 9. William Shakespeare
    • 10. <ul><li>Início – natal de 1594 – passa ser sócio dos Lord Chamberlain’s Men, a melhor. Comédia – A Comédia dos Erros, A Megera Domada, Sonho de uma Noite de Verão / Drama Histórico – Ricardo III, Henrique IV, V e VI / Tragédia – Júlio César, Romeu e Julieta </li></ul><ul><li>Maturidade – vingança como motor da ação, fantasma, loucura e teatro no teatro – Tragédia - Hamlet (mais apresentado na hist. do teatro), Otelo (ciúme), Rei Lear e Macbeth (análise dos mecanismos de poder) / Comédia – Muito barulho por nada / Sem definição de gênero – O Mercador de Veneza </li></ul><ul><li>Último período – sua companhia passa a ser gerida pelo rei. Conflitos resolvidos sem sangue, chamados pelos críticos de romances – A Tempestade. </li></ul>
    • 11. Bruxas cegas em Macbeth
    • 12. <ul><li>Período de Giacomo I Stuart e do filho Carlo I – Acentuam-se as diferenças de classes. Surgem 2 novos gêneros – Drama Satírico e Drama Burguês – John Fletsher (1579 – 1625) – sucessor de Shakespeare; John Ford (1586 – 1640) o melhor do período </li></ul><ul><li>1642 – guerra civil fecha teatros e proíbe representações. Reforma puritana. Semi inatividade teatral, mantêm-se espetáculos clandestinos e “entretenimento musical” (dramas em verso acompanhados de música), preferência dos puritanos – O Assédio de Rodi (1656) – oficialmente uma mulher vai em cena na Inglaterra – Mrs. Coleman </li></ul>
    • 13. Romeu e Julieta Rei Lear Hamlet
    • 14. <ul><li>Queda do governo puritano e restauração da monarquia (1660) – renascimento do teatro Inglês. O rei Carlo II concede permissão apenas a duas companhias – King’s Men (atores experientes) e Duke’s Men (atores jovens). Público reduzido (aristocratas e alta burguesia), 5 ou 6 teatros em funcionamento. Cai a proibição de atuação para as mulheres, começa a para os jovens atores. </li></ul><ul><li>Tragédia Heróica, Comédia – de humores, de intrigas e de costumes </li></ul><ul><li>Autores do período - John Dryden, Thomas Otway, William Wycherley, William Congreve </li></ul>
    • 15. Teatro Elisabetano de praça
    • 16. Siglo de Oro <ul><li>Um dos movimentos teatrais mais importantes da história – Teatro religioso, comédias dos santos, autos e farsas – difusão em território nacional, Portugal e Colônias (como o México) </li></ul><ul><li>Termo comédia não era um gênero, mas todos </li></ul><ul><li>A demanda de espetáculos favoreceu o aparecimento de companhias itinerantes </li></ul><ul><li>Público mais preparado devido ao maior número de acesso ao ensino, principalmente jesuíta. Participação –aprovação ou não em voz alta, atirar objetos no palco </li></ul><ul><li>Espaço – início nos pátios, depois construídos mas mantendo a estética dos “corrales” </li></ul>
    • 17. <ul><li>A diversidade de textos não permitia a classificação definitiva de gêneros – Comédia alta (heróica) - personagens de relevo, questões morais, história e notícias, santos / Comédia de capa e espada – aventura, duelos, românticos, travestimentos, defesa da honra / Fabula – mitologia / comédia de magia – magos e bruxas </li></ul><ul><li>Teatro comercial imitava o estilo dos atores da Commedia dell’Arte </li></ul><ul><li>Não havia um companhia real, quando necessário se utilizava uma que estivesse no local </li></ul><ul><li>O chefe (capocomico) se encarregava da vida da companhia, inclusive da escolha de textos </li></ul><ul><li>Textos em 3 atos com elementos trágicos e cômicos. No 1º intervalo se apresentava uma cena breve, no 2º um baile e no fim uma poesia cantada </li></ul>
    • 18. Corral del Príncipe
    • 19. <ul><li>Espetáculos pouco tempo em cartaz – 10 a 20 dias – logo esquecidos. Os mais famosos eram repropostos após alguns anos </li></ul><ul><li>Juan de la Cueva (1543 – 1610) o 1º a não respeitar as regras de Aristóteles </li></ul><ul><li>Miguel de Cervantes (1547 – 1616) – respeitava as unidades – defesa da honra e pureza do sangue </li></ul><ul><li>Lope de Vega (1562 – 1635) – Madrileno de origem humilde, colégio jesuíta – 2 casamentos, muitas amantes e filhos. Se ordenou sacerdote (1615) mantendo o amor pelas mulheres. Funeral majestoso de um rei, o que ele era para o teatro espanhol. </li></ul>
    • 20. Lope de Vega
    • 21. <ul><li>Lope escreveu mais de 1500 comédias e de 400 autos </li></ul><ul><li>Sua concepção de unidade o permitia desenvolver dois temas (um principal e outro secundário) ao mesmo tempo, aumentando a possibilidade de suspense. Infringia a continuidade espaço-temporal por uma maior liberdade narrativa. Não era muito simpático ao uso excessivo de máquinas </li></ul><ul><li>Linguagem flexível e versátil para melhor se adaptar as características dos personagens e as exigências dramáticas </li></ul>
    • 22. <ul><li>Personagens – tipo – servos, velhos, enamorados etc </li></ul><ul><li>Segundo Lope, casos de honra tinham maior chance de envolver o público </li></ul><ul><li>Maiores defensores (personagens) no século de ouro são os camponeses – valores cristãos e guerreiros não haviam sido contaminados. Conflito entre “novos” e “velhos” cristãos </li></ul><ul><li>Justiça – a morte do comendador tirano (bode expiatório) é a oferta sacrifical – aliança entre o soberano e o respeito da lei </li></ul>
    • 23. Corral del Principe – construção oposta ao palco
    • 24. <ul><li>A melhora do nível cultural do público permite a utilização de uma linguagem mais complexa. Cresce a importância das máquinas e aparatos de cena </li></ul><ul><li>Espetáculo se funde com as festas religiosas o que dá ao texto dramático uma importância secundária </li></ul><ul><li>Calderón de la Barca (1600 – 1681) – família nobre madrilena, colégio jesuíta. Mais de 190 comédias e de 70 autos sacramentais. Escreve para o público em geral e para a corte </li></ul>
    • 25. Calderón de La Barca
    • 26. <ul><li>Drama histórico, comédia de santos, dramas de honra, autos </li></ul><ul><li>A Vida é Sonho – vértice da dramaturgia ocidental </li></ul><ul><li>Ordenado sacerdote em 1651 – limita sua produção aos textos de corte e autos </li></ul><ul><li>Para as festas de Corpus Christi desfilavam bonecos gigantes e carros alegóricos. Dois dos quais se uniam formando um palco onde eram apresentados os autos sacramentais </li></ul><ul><li>Em sua última fase, graças a elementos espetaculares mais sofisticados e a competência do público, chegou a reescrever algumas comédias as transformando em autos </li></ul><ul><li>Graças a Calderón os autos permaneceram em auge por muito tempo por não ferirem os moralistas </li></ul>
    • 27. Corral di Almagro
    • 28. Teatro Francês – barroco séc XVII <ul><li>Tragédia, comédia, tragicomédia e pastoral </li></ul><ul><li>Rainha Mãe Maria de Medici e Luigi XIII deram poderes ao Cardeal Richelieu, que se tornou chefe do conselho real e inspirador da política francesa </li></ul><ul><li>As artes foram consideradas meio de comunicação de alto nível, muito eficazes do ponto de vista político </li></ul><ul><li>Cardial funda a Academia Francesa, órgão do governo de promoção e controle das atividades científicas, culturais e artísticas </li></ul>
    • 29. <ul><li>Pierre Corneille (1606 – 1684) – colégio jesuíta. Obteve sucesso logo no seu primeiro drama. </li></ul><ul><li>O Cid – tragicomédia de Guillén de Castro, reescrita e modificada de forma a respeitar as 3 unidades. Vários acontecimentos foram concentrados para serem encaixados em um único dia. Sucesso total de público obrigou a acomodar os mais nobres sobre o palco. </li></ul><ul><li>Discussão, por panfletos, sobre “O Cid” e a falta de respeito as unidades </li></ul><ul><li>Julgado e condenado pela Academia Francesa </li></ul>
    • 30. Corneille
    • 31. <ul><li>O debate sobre “O Cid” e a retirada da Itália, do título de país guia no debate sobre o teatro, momento fundamental na história do Teatro - afirma a idéia de que o público é incapaz de julgar a validade de uma obra teatral e necessita ser guiada por um grupo de especialistas. </li></ul><ul><li>Após 2 anos de reflexão, Corneille se torna o principal interprete da temporada francesa. </li></ul><ul><li>Personagens ao centro de intrigas complexas e ricas de golpes de cena. A vontade individual a serviço de valores como o Amor a pátria ou o amor de Deus </li></ul><ul><li>Temáticas idealistas deixam campo aos temas políticos. Adere rigorosamente ao ideal clássico </li></ul>
    • 32.  
    • 33. <ul><li>Jean-Baptiste Poquelin – Molière (1622 – 1673) – família de ricos comerciantes, colégio jesuíta, graduado em direito. Aos 21 anos deixa a família e se une a uma companhia de comediantes. Após o falimento de projetos os Béjart se afastaram da corte por um longo período. Retornando teve a oportunidade de apresentar para o rei que lhes dá o direito de utilizar o teatro Petit-Bourbon, alternando com os italianos, grandes influenciadores do teatro de comédia francês </li></ul>
    • 34. Tartufo de Moliere
    • 35. <ul><li>Junto ao sucesso de público vieram as polêmicas sobre os seus temas, por parte de mulheres, moralistas e invejosos </li></ul><ul><li>Defeitos e manias – ambiente em que domina a hipocrisia e a lógica do proveito na qual os personagens sãos são raros. Seu público ia ao teatro para se ver nas cenas e rir dos próprios vícios </li></ul><ul><li>A Escola de Mulheres (1662) – Melhor uma mulher ignorante e fiel que uma culta que inevitavelmente o irá trair / Tartufo / O Misantropo / O Médica a Força </li></ul><ul><li>Escreve também para o teatro musical – O Avarento / O Doente Imaginário – condições críticas – morre ao final da apresentação </li></ul>
    • 36.  
    • 37. <ul><li>Jean Racine (1639 – 1699) – Filho de um modesto empregado de finanças. Em razão de “más companhias” começa a freqüentar o ambiente teatral. O maior poeta trágico da França. </li></ul><ul><li>Predileção pela cultura grega e tom lírico, adere naturalmente aos preceitos clássicos </li></ul><ul><li>Alexandre o Grande / Andrômaca / Fedra </li></ul><ul><li>Após ser nomeado pelo rei como historiógrafo da corte, decide não escrever mais para o teatro </li></ul>
    • 38. Racine
    • 39. <ul><li>Na segunda metade do século, em Paris, afirma-se também o teatro musical </li></ul><ul><li>Foi construído o maior teatro da Europa, “Sale des Machines”, no qual o imenso palco era maior do que a parte destinada ao público </li></ul><ul><li>Giambattista Lulli, iniciou a carreira como simples violinista, tornou-se cidadão francês e mudou o nome para Jean-Baptiste Lully. Escreveu com Molliére e, graças ao gosto do público pelo teatro musical, quase apagou a luz do colega </li></ul><ul><li>Lully elaborou um estilo que tornava as origens do melodrama adaptando o recitar cantado a métrica francesa, em contraste com o virtuosismo e sentimentalismo dos italianos </li></ul><ul><li>1687 permissão exclusiva para levar a cena dramas em língua francesa, com exceção da comédia Italiana, até 1697, quando estes foram expulsos da capital após realizar uma sátira a Marquesa de Maintenon </li></ul>
    • 40. Teatro Farnese - Parma
    • 41. Teatro Italiano <ul><li>Decadência das formas clássicas de teatro – tragédia e comédia </li></ul><ul><li>Releitura cristã das tragédias greco-latinas encontraram terreno fértil nos colégios religiosos, principalmente o dos Jesuítas. Em tais colégios o teatro era utilizado como instrumento didático nos cursos de retórica </li></ul><ul><li>Ópera – inicia em 1589 quando os romanos Giulio Caccini e Emilio de’ Cavalieri e o florentino Jacopo Peri, codificaram um estilo musical que consentia conjugar canto e interpretação. Com sucesso rápido, em poucos anos se criou uma escola que elaborava o drama em música </li></ul><ul><li>A mudança da natureza dos espetáculos cria uma alteração no espaço cênico que o levou as características do teatro moderno </li></ul>
    • 42. Teatro Farnese
    • 43. Triunfo e declínio da Commedia dell’Arte <ul><li>Os comediantes italianos conseguiram consagração nas melhores cortes da Europa, principalmente na França, onde concorriam com os artistas locais </li></ul><ul><li>O segredo era uma formação e prática fundamentadas na linguagem corporal e na arte do ator, sem precedentes no Ocidente. A natureza nômade e a fácil assimilação de qualquer nova forma de espetáculo fez deles um repertório vivo da cultura teatral, além da capacidade de improvisação </li></ul><ul><li>Cidades importantes colocaram a disposição teatros para a realização de espetáculos. Esses espaços passaram a ser administrados por entes de caridade, que criaram uma relação diferenciada com alguns grupos, interferindo na característica nômade dos mesmos </li></ul>
    • 44.  
    • 45. <ul><li>Numa tentativa de reformar a dramaturgia da Commedia dell’Arte, no sentido cristão e neo platônico, as paixões humanas se tornaram o momento central do rito teatral </li></ul><ul><li>O processo de legitimação do teatro comercial passou também pela elaboração de livros o que permitia a um público mais culto de apreciar as capacidades literárias dos atores e compreender a sua arte </li></ul><ul><li>A igreja relaxa na crítica e os padres jesuítas reconhecem a comédia desde que “honesta” – sem elementos obscenos, palavras imodestas ou proposições religiosas </li></ul><ul><li>A metade do século, a crise econômica, política e social atingiu seriamente a demanda de espetáculos. Apenas os melhores comediantes conseguiam trabalhar como funcionários assalariados dos príncipes, com contratos continuados e sem regalias </li></ul>
    • 46.  
    • 47. Teatro Burguês <ul><li>A burguesia nasce e se afirma durante a Idade Média – é o trabalho que torna o homem nobre e a riqueza é sinal do favor divino </li></ul><ul><li>A partir de 1700 o valor da sociedade era o mérito, decaindo o primado de sangue, família ou privilégio divino </li></ul><ul><li>As artes assumem a função de afirmação do mérito e das habilidades individuais, entrando na lógica de mercado, comércio, e de educação, clareando a mente das sombras da ignorância e na formação dos cidadãos aos novos valores burgueses </li></ul><ul><li>O teatro se tornou um rito social, lugar para ver e ser visto </li></ul>
    • 48. Inglaterra <ul><li>David Garrick (1717 – 1779) – coloca-se contra o enfático estilo declamatório do ator-orador, buscando uma interpretação mais natural, próxima da vida, mais eficaz. Atento ao lado psicológico dos personagens e a interpretação dos profundos estados de ânimo. Dele a idéia de mudar o palco para trás do proscenio e iluminar principalmente a cena e o rosto dos atores, eliminando a interação entre a cena e a platéia. Graças a ele os atores sobem na consideração artística e o teatro se configura como instituição nacional. </li></ul>
    • 49. Teatro de feira
    • 50. França <ul><li>Voltaire (1694 – 1778) – tragediografo mais importante de 1700. Sua reforma começa após um período na Inglaterra – considera muito restritivas as regras e se inspira em Shakespeare </li></ul><ul><li>As manifestações mais importantes do início do séc. foram os teatros de feira </li></ul><ul><li>Denis Diderot (1730 – 1784) – importantes teorias sobre a dramaturgia e a interpretação. Criticava a comédia caricata e a tragédia restrita pelas unidades. Se opunha a distinção entre cômico e trágico sustentando a necessidade de um gênero intermediário, com linguagem cotidiana e temas comuns que tocassem o homem médio – drama burguês – seriedade da tragédia junto com o realismo da comédia </li></ul>
    • 51. Diderot
    • 52. <ul><li>Tema central – realidade cotidiana, conflitos dos sentimentos, contraste entre o indivíduo bom e a sociedade corrupta pela irracionalidade das superstições religiosas e governos conservadores </li></ul><ul><li>Exigência de inovação também na composição cênica (figurino, cenário) e na interpretação </li></ul><ul><li>Exigência de uma interpretação natural, próxima ao bom senso, dicção clara. </li></ul><ul><li>1769 – elabora o Paradoxo para o Ator – tratado teatral mais importante do século </li></ul><ul><li>O excesso de sensibilidade e paixão tornam falsa e medíocre a interpretação – passionalidade impede o ator de utilizar com inteligência os seus meios expressivos e a comoção inibe a capacidade crítica do público. É o cérebro e não o coração faz o ator. </li></ul>
    • 53.  
    • 54. <ul><li>As comédias de feira sofreram transformações – personagens substituíram as máscaras. Tal espaço foi repassado aos novos comediantes italianos e os atores de feira se organizaram nas comedies-en-vaudeville – canções adaptadas a motivos célebres, parte musical e cantada se reduz enquanto o texto mantém caráter jocoso e preferência por temas de horror e intrigas </li></ul><ul><li>Sucesso também a pantomima, muda a início, com diálogos a partir de 1780 </li></ul><ul><li>Único grande autor francês do fim do séc. XVIII – Pierre-Augustin Caron de Beaumarchais (1732 – 1799) – As Bodas de Fígaro </li></ul>
    • 55. Alemanha <ul><li>Os primeiros atores eram de origem inglesa e interpretavam dramas do período elisabetano </li></ul><ul><li>Por falta de espaço adequado – nômades </li></ul><ul><li>Christoph Gottsched (1700 – 1766) – defensor das unidades – começaram a utilizar figurinos de acordo com a época </li></ul><ul><li>Gotthold Ephraim Lessing (1729 - 1781) – modelo inglês (Shakespeare) – fundação de um teatro nacional, independente da corte, com objetivo de educação moral. A função fundamental do drama é restituir a imagem do indivíduo, na forma de personagens coerentes, interptretados com inteligente concentração mimética. </li></ul>
    • 56. Teatro de rua - Alemanha
    • 57. Itália <ul><li>O melodrama desbanca os outros gêneros teatrais. Veneza e Nápoles – capitais do espetáculo </li></ul><ul><li>A reforma do melodrama serve para reequilibrar a relação entre música e texto </li></ul><ul><li>Antonio Salieri (1750 1825) – músico assinou o libreto de melodramas famosos, inclusive de óperas de Mozart </li></ul><ul><li>Carlo Goldoni (1707 – 1793) – consegue reformar o teatro italiano. A partir da escritura de algumas batutas cômicas, lançou a composição do texto dramático moderno. </li></ul><ul><li>Arlequim – Servidor de dois patrões </li></ul>
    • 58. Goldoni
    • 59. <ul><li>Seus personagens agiam de acordo com o caráter, onde os protagonistas combatiam entre instancias contrastantes mas acabavam guiados pelo bom senso </li></ul><ul><li>Procurou mudar a postura do público com relação ao teatro – não deveria ser um simples local de encontro, mas onde as pessoas iriam para assistir um espetáculo e desenvolver uma função educativa, espelhando uma sociedade e os valores de referência </li></ul>
    • 60.  
    • 61. O Romantismo <ul><li>Momento fundamental da história do teatro ocidental </li></ul><ul><li>Tentativa de fundação cultural nacional </li></ul><ul><li>Reinventam aproximação ao clássico – modelo que veicula valores de equilibrio, harmonia e racionalidade </li></ul><ul><li>Dioderot – considerado medíocre e anti-estético </li></ul><ul><li>Modelo Shakespeare </li></ul><ul><li>Redescoberta do teatro religioso </li></ul><ul><li>Teatro – grande meio de divulgar idéias e formidável instrumento didático </li></ul><ul><li>Função social – estar junto – substituta do salão, espaço iluminado, apresentação era uma moldura </li></ul><ul><li>Controvérsia entre teatro de arte e teatro comercial </li></ul><ul><li>Trágico = Romântico </li></ul>
    • 62. Alemanha <ul><li>Debate entre o belo (gera prazer) e o sublime (turbamento) – O sublime nasce da arte, da natureza, do escuro da noite etc, causa um sentimento que tende a se transformar em um prazer diferente daquele da contemplação da beleza </li></ul><ul><li>Procurava uma beleza diferente no teatro, não se submetendo as normas aristotélicas ou possuir um organico e harmonioso desenvolver – não teve aprovação do público </li></ul>
    • 63. Sturm und Drang ( Tempestade e ímpeto) <ul><li>Recusa de modelos clássicos. Ruptura com a tradição. Formas e conteúdos não homogêneos. Temas violentos e provocatórios. Representações atentas as indicações do autor </li></ul><ul><li>Friederich Schröder (1744 – 1816) – até hoje o maior ator alemão. Tentava eliminar a improvisação de seus atores, lendo e interpretando com eles os testos. O ator deve apenas parecer o que representa, não ser. Idéia parecida com a de Diderot </li></ul>
    • 64.  
    • 65. <ul><li>Johann Wolfgang von Goethe (1749 – 1832) – Iniciou com o Sturm und Drang, mas logo o abandonou para se inspirar no modelo clássico, perseguindo o ideal de medidas, a harmonia e a superação da violência </li></ul><ul><li>Não buscava um teatro realista mas baseado na palavra poética </li></ul><ul><li>Fundamental atenção a produção e a preparação do ator. Eliminar a improvisação. Estudava os personagens com os atores garantindo a compreensão </li></ul><ul><li>Fausto </li></ul>
    • 66.  
    • 67. Romantismo Francês <ul><li>Obras populares no período – melodramas – abrem caminho para o drama romântico </li></ul><ul><li>Em 5 atos. Distingue-se essencialmente pelo abandono do final feliz e maior atenção ao estilo da escrita </li></ul><ul><li>Victor Hugo (1802 – 1885) – abandona a unidade de tempo e espaço, critica a separação entre os gêneros. Viola regras introduzindo palavras inadequadas e representando cenas de violência. Interessado com a interpretação, contrário ao posicionamento dos atores em linha reta ou semi-círculo. Permite até dar as costas. </li></ul><ul><li>Atenção a cenografia, elementos espetaculares, precisão histórica, introdução da iluminação a gás, condução de água para fontes e cascatas, panoramas móveis </li></ul>
    • 68. Victor Hugo
    • 69. <ul><li>Alfred de Musset (1810 – 1857) – dramaturgo de maior talento, que melhor consegue conciliar as novas instâncias românticas com a tradição clássica </li></ul><ul><li>Alexandre Dumas Filho (1824 – 1895) – mudança de rumo do gosto romântico para o naturalismo – A Dama das Camélias – censurado por 3 anos pelo excessivo realismo do tema escandaloso por si só. Autor que melhor compreende o que o público deseja. Considerado inconveniente pela moral da época, seus temas exprimem de forma eficaz as aspirações e interesses da burguesia. </li></ul>
    • 70. Alexandre Dumas Filho
    • 71. <ul><li>Composição e Tradução: </li></ul><ul><li>Claudia Venturi </li></ul><ul><li>Atriz, Diretora e Professora de Teatro </li></ul><ul><li>www.agape.art.br </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>Bibliografia: Bernardi, C. e Susa, C. Storia Essenziale del Teatro. Vita e Pensiero. Milano. </li></ul>

    ×