Successfully reported this slideshow.

Grécia - Antiguidade Clássica I

3

Share

Loading in …3
×
1 of 23
1 of 23

Grécia - Antiguidade Clássica I

3

Share

Download to read offline

Aula de Grécia (Antiguidade Clássica) do 3º Ano do Colégio Militar de Brasília. Caso deseje utilizar, cite a fonte.

Aula de Grécia (Antiguidade Clássica) do 3º Ano do Colégio Militar de Brasília. Caso deseje utilizar, cite a fonte.

More Related Content

Related Books

Free with a 14 day trial from Scribd

See all

Related Audiobooks

Free with a 14 day trial from Scribd

See all

Grécia - Antiguidade Clássica I

  1. 1. ANTIGUIDADE CLÁSSICA I GRÉCIA ANTIGA Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 1
  2. 2. GEOGRAFIA E POPULAÇÃO  Localizada na Península Balcânica, 80% de sua área é montanhosa e favoreceu o isolamento político.  Habitantes: pelasgos (de origem incerta) e vários povos indo- europeus (aqueus, jônios, eólios, dórios). Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 2
  3. 3. CIVILIZAÇÃO CRETENSE  Começou a se desenvolver por volta de 3000 a.C.  Entrou em crise devido às tragédias naturais e invasões.  Organização palaciana e talassocrática → agricultura e comércio marítimo.  Arte elaborada e escrita.  Mulheres tinham grande destaque → divindade principal feminina. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 3
  4. 4. PERIODIZAÇÃO  Período Micênico (XIV-XII a.C.) → Guerra de Tróia.  Primeira Diáspora Grega → Migração para a Ásia Menor.  Homérico (XII-VIII a.C.)  Segunda Diáspora Grega → Colônias da Magna Grécia (Itália).  Arcaico (VIII-VI a.C.)  Clássico (V e IV a.C.)  Helenístico (IV a II a.C.) Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 4
  5. 5. FORMAÇÃO DAS PÓLEIS  “A cidade – pólis, em grego – é um pequeno Estado soberano que compreende uma cidade e o campo ao redor e, eventualmente, alguns povoados urbanos secundários. A cidade se define, de fato, pelo povo – demos – que a compõe uma coletividade de indivíduos submetidos aos mesmos costumes e unidos por um culto comum às mesmas divindades protetoras.” (FUNARI, Pedro Paulo. Grécia e Roma. São Paulo: Contexto, 2001 p. 25.) Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 5
  6. 6. ATENAS – DEMOCRACIA ESCRAVISTA  Reformas do Período Arcaico → Arcontado.  Sólon, eleito em 594 a.C., aboliu a escravidão por dívidas e dividiu a população por renda.  Clístenes, pai da democracia, deu a todos os atenienses o direito de escolher seus magistrados (*direito era restrito aos eupátridas*), criou o ostracismo, dividiu o governo entre duas Assembléias, a Bulé, conselho dos 500, com 50 representantes de cada tribo, fazia as leis e enviava para a Eklésia, que era a assembléia formada por todos o cidadãos maiores de 18 anos. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 6
  7. 7. SOCIEDADE ATENIENSE DIVISÃO POR RENDA EUPÁTRIDAS GEORGÓIS DEMIURGOS THETAS ESCRAVOS 7
  8. 8. ATENAS – DEMOCRACIA ESCRAVISTA  Dos 16 aos 18 anos o jovem cumpria a Efebia (treinamento militar) e cumpria serviço militar por dois anos → aos 20 anos, era considerado cidadão pleno, podia ser eleito e casar.  Calcula-se que menos que 20% da população era cidadã e não tinha a renda como critério.  Os 3 princípios da democracia são: isonomia, isegoria e isocracia.  Mulheres, estrangeiros (metecos), escravos e menores de 18 anos não eram cidadãos.  Durante o governo de Péricles passaram a ser cidadãos somente filhos de pai e mãe atenienses. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 8
  9. 9. ATENAS – DEMOCRACIA ESCRAVISTA  Péricles instituiu o pagamento de salário para os magistrados e para a participação na assembléia (óbulo). A eleição passou a ser por sorteio. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 9
  10. 10. ESPARTA – ARISTOCRÁTICA E GUERREIRA Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 10
  11. 11. EDUCAÇÃO ESPARTANA  O Estado controlava a vida do indivíduo. Ao nascer eram inspecionadas pelos éforos que descartavam as crianças consideradas fracas, doentes ou deformadas. Até os 7 anos a criança, menino ou menina, estava sob a guarda da família, a partir de então os garotos eram educados longe do lar em acampamentos militares. Ambos os sexos tinham educação parecida: praticavam esportes, o uso das armas, ler, escrever, algo de música e poesia, a falar pouco e dizer muito. Aos 17 anos, os meninos começava a fase final do treinamento, a “kriptia”. Aos 20 anos entravam para o exército e só aos 30 anos eram cidadãos plenos, casando e recebendo do Estado, terras e escravos. As mulheres poderiam casar a partir dos 20 anos. Esparta orgulhava-se de ter os melhores soldados e as melhores mães de soldados. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 11
  12. 12. PERÍODO CLÁSSICO  I Guerra Médica (490 a.C.) → Batalha de Maratona.  II Guerra Médica (481-479 a.C.) → Batalhas das Temópilas, Platéia, Salamina (naval).  Liga de Delos → Supremacia Ateniense.  Guerra do Peloponeso (431-404 a.C.) → Supremacia Espartana.  Crise e fim do sistema políade → Conquista Macedônica. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 12
  13. 13. IMPÉRIO PERSA Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 13
  14. 14. PERÍODO HELENÍSTICO  Período que de inicia com a conquista macedônica e segue até a conquista romana.  Alexandre conquistou o Império Persa e chegou até a Índia.  A Cultura Helenística é a síntese da cultura helênica com as culturas orientais, com a língua grega como língua da cultura e da comunicação → é a influência mais duradoura do governo de Alexandre. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 14
  15. 15. IMPÉRIO DE ALEXANDRE Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 15
  16. 16. RELIGIÃO E CULTURA  Religião → Antropomórfica e politeísta.  Jogos Olímpicos → festival religioso em honra de Zeus, ocorriam de 4 em 4 anos. Nos jogos os gregos das mais diferentes regiões competiam entre si. Os vencedores eram vistos como heróis. Se houvesse guerra ou conflito em andamento, estes eram suspensos no período dos jogos. As Olimpíadas serviam, portanto para reforçar a identidade comum a todos os gregos.  Filosofia → Sócrates, Platão e Aristóteles → filósofos X sofistas. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 16
  17. 17. TEATRO GREGO A palavra personagem vem de “persona” as máscaras usadas pelos atores no Prof.ª Valéria Fernandes teatro. 8/26/2012 17
  18. 18. RELIGIÃO E CULTURA  Teatro → surgiu com função religiosa e progressivamente foi se transformando em um evento cívico que trazia também o cunho pedagógico e de crítica social.  Aristófanes (As Nuvens, Os Cavaleiros, Lisístrata) foi o mais conhecido autor de comédias e duro crítico da democracia.  Na tragédia destacam-se: Ésquilo (As Suplicantes, Prometeu Acorrentado), Sófocles (Antígona, Electra, Édipo Rei) e Eurípedes (Medéia, Orestes, As Troianas). Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 18
  19. 19. RELIGIÃO E CULTURA  História → Era vista como o “testemunho fiel” do que havia acontecido. → Os principais historiadores gregos foram Heródoto, Peloponeso e Xenofonte.  Escultura e Arquitetura → Fídias.  Literatura → Homero, Hesíodo e a poetisa Safo que viveu no século VI a.C. na ilha de Lesbos. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 19
  20. 20. CERÂMICA E PROPAGANDA  Cerâmica → era utilizada para propagandear a cultura e os hábitos gregos, pois todos os vasos, independente de seu tamanho e utilidade, traziam desenhadas cenas da mitologia ou do cotidiano grego. Exemplos da cerâmica grega são encontrados por todo o mundo antigo. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 20
  21. 21. CERÂMICA E PROPAGANDA Cerâmica de várias épocas. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 21
  22. 22. MULHERES DE ATENAS  Eram divididas pelos homens em esposas, concubinas, hetairas e prostitutas (porné) → Em Atenas, as mulheres, especialmente as esposas de cidadãos ricos, tinham pouquíssimos direitos. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 22
  23. 23. HOMOAFETIVIDADE  Nas imagens o erastas (amante) toca o queixo e a genitália do eromenos (amado).  Aceitável desde que entre um adulto e um adolescente. Em Atenas, fazia parte do processo de educação → em outras cidades podia persistir na idade adulta. Prof.ª Valéria Fernandes 8/26/2012 23

×