Successfully reported this slideshow.

Crise da República Velha - Os anos 20

9

Share

Upcoming SlideShare
Crise da República Velha
Crise da República Velha
Loading in …3
×
1 of 25
1 of 25

Crise da República Velha - Os anos 20

9

Share

Download to read offline

Esta aula destina-se aos alunos e alunas do Terceiro Ano do Colégio Militar de Brasília, mas qualquer pessoa pode utilizar o material, basta entrar em contato e citar a fonte.

Esta aula destina-se aos alunos e alunas do Terceiro Ano do Colégio Militar de Brasília, mas qualquer pessoa pode utilizar o material, basta entrar em contato e citar a fonte.

More Related Content

Related Books

Free with a 14 day trial from Scribd

See all

Related Audiobooks

Free with a 14 day trial from Scribd

See all

Crise da República Velha - Os anos 20

  1. 1. CRISE DA REPÚBLICA VELHA OS ANOS 1920
  2. 2. POLÍTICA DO CAFÉ COM LEITE • Foi uma política de revezamento do poder nacional entre 1898 e 1930, por presidentes civis fortemente influenciados pelo setor agrário de São Paulo – Estado mais rico e maior produtor de café – e Minas Gerais – maior colégio eleitoral da época e produtor de leite. • Alternavam-se no poder representantes do Partido Republicano Paulista (PRP), e do Partido Republicano Mineiro (PRM), que controlavam as eleições apoiados da Política dos Governadores. Valéria Fernandes 2/16/2013 2
  3. 3. POLÍTICA DOS GOVERNADORES • Criada por Campos Sales (1898-1902) → o presidente apoiava os governadores e seus aliados e em troca eles garantiam a eleição para o Congresso dos candidatos das Oligarquias Mineira e Paulista. Isso garantia a continuidade das mesmas oligarquias (grandes famílias ricas e poderosas) no poder. Esta troca funcionava graças : 1. À Comissão Verificadora de poderes → Degola. 2. Ao Coronelismo → Curral Eleitoral. Valéria Fernandes 2/16/2013 3
  4. 4. O DIREITO DE VOTO “Art. 70 - São eleitores os cidadãos maiores de 21 anos que se alistarem na forma da lei. § 1º - Não podem alistar-se eleitores para as eleições federais ou para as dos Estados: 1º) os mendigos; 2º) os analfabetos; 3º) as praças de pré, excetuados os alunos das escolas militares de ensino superior; 4º) os religiosos de ordens monásticas, companhias, congregações ou comunidades de qualquer denominação, sujeitas a voto de obediência, regra ou estatuto que importe a renúncia da liberdade Individual. § 2º - São inelegíveis os cidadãos não alistáveis”. (Constituição de 1891) Valéria Fernandes 2/16/2013 4
  5. 5. O VOTO DE CABRESTO ONTEM E HOJE Valéria Fernandes 2/16/2013 5
  6. 6. O VOTO DE CABRESTO ONTEM E HOJE Valéria Fernandes 2/16/2013 6
  7. 7. O VOTO DE CABRESTO ONTEM E HOJE Valéria Fernandes 2/16/2013 7
  8. 8. E A INDÚSTRIA?  Foram fatores que favoreceram o avanço industrial: • Crescimento do mercado interno; • Mão de obra barata → Nacionais + Imigrantes • Possibilidade de abrir pequenas fábricas, que exigiam pouco capital. • A I Guerra Mundial. • Reinvestimento de capitais excedentes do Café.  A maioria das indústrias estava em São Paulo.  Não havia política do governo federal – dominado por latifundiários – para a indústria no país. Valéria Fernandes 2/16/2013 8
  9. 9. O MOVIMENTO OPERÁRIO • Em junho de 1917 houve a primeira greve geral do Brasil. • Os operários queriam: 1. Liberdade todas as pessoas detidas por motivo de greve; 2. Direito de associação sindical, sem punições como a demissão; 3. Abolição do trabalho de menores de 14 anos; 4. Proibição de menores de 18 anos e mulheres em trabalhos noturnos; 5. Aumento de 35% nos salários inferiores a 5$000 e de 25% para os mais elevados; Valéria Fernandes 2/16/2013 9
  10. 10. O MOVIMENTO OPERÁRIO 70 mil operários cruzaram os braços em São Paulo em junho de 1917. Valéria Fernandes 2/16/2013 10
  11. 11. O MOVIMENTO OPERÁRIO 6. Pagamento dos salários por quinzena, e, o mais tardar, 5 dias após o vencimento; 7. Garantia aos operários de trabalho permanente; 8. Jornada de oito horas e semana inglesa; 9. Aumento de 50% em todo o trabalho extraordinário. • A Constituição de 1891 ignorava os direitos trabalhistas e a legislação sobre a questão teve que esperar pela Era Vargas. O governos da época se mostraram insensíveis em relação aos direitos trabalhistas. Valéria Fernandes 2/16/2013 11
  12. 12. O MOVIMENTO OPERÁRIO • Artur Bernardes (1922-26) reprimiu abertamente os sindicatos e, ao final de seu governo, o movimento anarquista tinha sido massacrado. • A fundação do PCB (Partido Comunista Brasileiro), em 1922, deu novo fôlego ao • movimento operário. a Lei Celerada (ou Lei Em 1927, aprovou-se Aníbal de Toledo), que combatia os chamados “delitos ideológicos”. Seu objetivo eram os operários, jornalistas e militares insurgentes. Valéria Fernandes 2/16/2013 12
  13. 13. A DÉCADA DE 1920 • A política do Café com Leite foi questionada por vários setores da população:  Camadas médias urbanas (funcionários públicos, professores, médicos, advogados, etc.)  Operários.  Industriais.  Jovens oficiais do Exército Brasileiro. • Esses grupos desejavam → voto secreto, incentivo à indústria, fim da corrupção política, ensino público obrigatório, maior centralização do poder. Valéria Fernandes 2/16/2013 13
  14. 14. A DÉCADA DE 1920 • O Movimento Tenentista envolvia principalmente jovens oficiais (capitães e tenentes). • Havia bandeiras comuns, mas não uma linha ideológica. Na década de 1930, alguns tenentes foram para a esquerda (comunista), outros para a direita (fascista) e outros pregavam “neutralidade”. • A primeira ação tenentista foi o levante dos 18 do Forte de Copacabana, ocorrido no Rio de Janeiro, em julho de 1922. • Mais duas revoltas ocorreram no Rio Grande do Sul (1923) e oem São Paulo (1924). Valéria Fernandes 2/16/2013 14
  15. 15. A DÉCADA DE 1920 • Entre 1925 e 1927, um grupo de civis e militares cruzou mais de 24 mil quilômetros sob a liderança de Luís Carlos Prestes. • A Coluna Prestes assumiu uma aura de heroísmo, ainda que não tenha atingido seus objetivos. Valéria Fernandes 2/16/2013 15
  16. 16. A DÉCADA DE 1920 • Comando da Coluna Prestes. Valéria Fernandes 2/16/2013 16
  17. 17. A DÉCADA DE 1920 • A miséria do Nordeste impulsionou o chamado Cangaço, que é uma forma de banditismo social. O massacre dos grupos cangaceiros foi feita na década seguinte. Valéria Fernandes 2/16/2013 17
  18. 18. A DÉCADA DE 1920 • O Partido Democrático foi fundado por dissidentes do Partido Republicano Paulista (PRP), em 24/02/1925, com 599 membros. Representava a classe média urbana, vinculada a setores cafeeiros, mas sobretudo urbana. Poucos de seus membros eram industriais. • Seu crescimento foi rápido e nas eleições presidenciais de 1930, o PD apoiou a Aliança Liberal, no entanto, só conseguiu 10% dos votos paulistas para Getúlio Vargas. • O PD apoiou a Revolução de 1930. Valéria Fernandes 2/16/2013 18
  19. 19. FIM DA REPÚBLICA VELHA • Segundo Washington Luís → “Governar é abrir estradas” e "A questão operária é uma questão de polícia" • Estava promovendo uma reforma econômica quando começou a Crise de 1929. • Rompeu com a Política do Café com Leite ao indicar outro paulista, Júlio Prestes, e, não, um mineiro. Washington Luís (1926- 1930), o último Valéria Fernandes 2/16/2013 19 presidente.
  20. 20. FIM DA REPÚBLICA VELHA Cartazes de Campanha eleitora de 1930: PRP (Júlio Prestes) e Aliança Liberal (Getúlio Vargas) • A campanha de 1930 foi marcada pela ruptura da política do Café com Leite. Valéria Fernandes 2/16/2013 20
  21. 21. FIM DA REPÚBLICA VELHA • Em 26 de julho de 1930, João Pessoa, candidato a vice de Getúlio e presidente da Paraíba, foi assassinado em Recife (PE). • O assassinato é considerado o precipitador da Revolução de 1930 em 24 de outubro. • Em sua homenagem a capital da Paraíba, antes denominada Valéria Fernandes de 2/16/2013 21
  22. 22. AGITAÇÃO CULTURAL • No plano cultural, um dos eventos mais importantes foi a Semana de Arte Moderna, ou Semana de 22, ocorrida em São Paulo entre os dias 13 a 17 de fevereiro de 1922. • O movimento desejava encontrar uma expressão legitimamente brasileira nas artes, literatura, música, etc. Valéria Fernandes 2/16/2013 22
  23. 23. APROXIMAÇÃO COM A IGREJA CATÓLICA • Construção do Cristo Redentor, fruto principalmente da ação do Cardeal Sebastião Leme. Valéria Fernandes 2/16/2013 23
  24. 24. VOTO FEMININO • Não havia nada na Constituição que proibisse o voto feminino, mas nenhuma mulher conseguiu cadastrar-se para votar. • Em 1910, as feministas Leolinda Daltro e Gilka Machado fundaram no Rio de Janeiro, o Partido Republicano Feminino, cujo maior objetivo era o sufrágio feminino. • Em 1922, a cientista e feminista Bertha Lutz fundou a Federação Brasileira pelo Progresso Feminino para defender os interesses das mulheres, um deles, o direito de voto. Valéria Fernandes 2/16/2013 24
  25. 25. VOTO FEMININO • Em 1927, o Rio Grande do Norte foi o primeiro Estado a conceder o direito de voto às mulheres. A professora Celina Guimarães, de Mossoró (RN), foi a primeira brasileira a fazer o alistamento eleitoral. • Alzira Soriano, professora e juíza de futebol, foi eleita prefeita de Lajes, em 1928, pelo Partido Republicano. Ela não terminou Alzira o seu mandato por causa da Soriano, primeira Revolução de 1930. prefeita da América Latina. Valéria Fernandes 2/16/2013 25

×