Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Orçamento Participativo

332 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Orçamento Participativo

  1. 1. Controle Social – Orçamento participativoO orçamento participativo é um importante instrumento de complementação da democraciarepresentativa, pois permite que o cidadão debata e defina os destinos de uma cidade. Nele, apopulação decide as prioridades de investimentos em obras e serviços a serem realizados acada ano, com os recursos do orçamento da prefeitura. Além disso, ele estimula o exercício dacidadania, o compromisso da população com o bem público e a co-responsabilização entregoverno e sociedade sobre a gestão da cidade.O orçamento é público pelo seu conteúdo, pois trata das despesas destinadas a suprir asnecessidades de gestão da administração pública, como também das receitas advindas dapopulação. É público porque é elaborado num espaço público, sendo discutido, emendado eaprovado por vereadores, em sessões públicas e para ter efeito legal, obrigatoriamente épreciso ser publicado para o conhecimento dos munícipes.A utilização do orçamento do município pode ser comparado ao orçamento familiar. É deresponsabilidade do cabeça da família planejar e executar o orçamento, quanto vai dispor dereceita (salário) e quanto vai gastar com: alimentação, saúde, educação, lazer, habitação,higiene, transporte, taxas e impostos etc. Mas, é necessário que todos os membros da famíliaentendam e participem do planejamento e execução do orçamento, para alcançar o objetivodesejado. Da mesma forma deve ser procedido com o orçamento municipal. O prefeito propõeum planejamento para o orçamento público, mas é a Câmara Municipal quem aprova oureprova, e todas as comunidades, através de suas organizações devem participar, pois odinheiro público é do povo, é administrado pela prefeitura, mas é obtido pela contribuição detodos os cidadãos, o que vem reforçar a necessidade de todos participarem de sua destinação.O orçamento é um instrumento político, mesmo quando não utilizado devidamente. Atravésdele se conserva toda uma situação de privilégio de determinados grupos ou se formaliza umaaplicação indevida e ineficaz de recursos. Também pode torna-se um elemento a ser utilizadopela sociedade para definir e exigir onde e como os recursos devem ser mais bem aplicados.Este instrumento deve conter prioridades previamente estabelecidas nas discussões – a partirdos limites da receita – e quais as políticas que devem ser elaboradas para satisfazer anecessidades da maioria da população.A constituição de 1988 delineou uma trajetória para se fazer o orçamento. São trêsinstrumentos de cuja elaboração a sociedade civil, através de suas entidades, podem e devemparticipar: Plano Plurianual (PPA), Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei OrçamentáriaAnual (LOA). Participar do processo orçamentário é uma das melhores formas de exercer acidadania, porque se pode exercê-la de forma coletiva, discutindo os problemas, levantando asituação, definindo que propostas são mais importantes para o conjunto da sociedade. Osurgimento do orçamento participativo criou um forte instrumento na busca da maiorequidade e igualdade social, política e econômica. Participar das decisões do orçamentosignifica defender o patrimônio público, contribuir para reduzir as desigualdades sociais eaplicar de forma honesta e eficiente o dinheiro público.
  2. 2. GLOSSÁRIOPlano Plurianual (PPA) – Trata da previsão de despesas com obras e serviços delas decorrentese programas que levem mais de um ano. Deve ser proposto no primeiro ano de governo edepois de aprovado tem vigência nos quatro anos seguintes. É o principal instrumento deplanejamento de médio prazo das ações a serem implementadas.Lei de Diretrizes orçamentárias (LDO) – Tem vigência anual, definindo as metas e prioridadespara o ano seguinte, a partir do que foi estabelecido pelo PPA. Define também as regras sobremudanças nas leis de impostos, finanças e pessoal, além de estabelecer orientações de comoelaborar o orçamento anual.Lei Orçamentária Anual (LOA) – É o orçamento propriamente dito. É a previsão de todas asreceitas e autorização de despesas públicas, apresentadas de forma padronizada e com váriasclassificações. Define as fontes de receitas e despesas por órgão de governo e por função,Controladoria Geral da União (CGU) expressa em valores. Contem os programas,subprogramas, projetos e atividades que devem contemplar as metas e prioridadesestabelecidas na LDO com recursos necessários ao seu cumprimento.Planejamento – É a definição de um futuro desejado e de meios para alcançá-los. Podemos,também, definir planejamento como sendo o exercício sistemático da antecipação.Por: Zózimo R. LisbôaDiretor ADM da AASPAFonte bibliografia: Controladoria Geral da União (CGU) Blog de Carlos Escóssia

×