Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Apresentação 12ºA e C

5,655 views

Published on

Published in: Technology
  • Be the first to comment

Apresentação 12ºA e C

  1. 1. 1. O Esgotamento dos recursos como limite ao crescimento económico
  2. 2. Qual a ligação entre ecologia e economia? “ Falar de crescimento económico obriga-nos, então, a pensar em termos ecológicos, isto é, a tentar perceber quais as consequências sobre a Natureza, resultantes directas do que se produz, de como se produz, e da intensidade dessa produção. É neste quadro que faz sentido falar-se dos riscos que a produção pode trazer ao mundo natural. É neste âmbito que se torna imperioso reflectir acerca de fenómenos como a poluição, a diminuição dos recursos disponíveis ou as fontes de poluição.” Economia C – 12.º Textos editores
  3. 3. Revolução Industrial Aumento explosivo da população mundial Produz consequências sobre o equilíbrio ambiental <ul><li>O consumo dos recursos disponíveis; </li></ul><ul><li>Os níveis de poluição; </li></ul>
  4. 4. Acções desenvolvidas pelos agentes económicos Um conjunto de impactos, sobre o ambiente e o bem estar de outros agentes causam Externalidades negativas – se o resultado da acção prejudica o bem estar dos outros. Externalidades positivas – se o resultado da acção melhora ou participa na melhoria do bem estar de outros. Externalidades Efeitos gerados pelas actividades exercidas por um agente económico, e que se reflectem nos outros agentes, independentemente da sua vontade de os impedir ou de os pagar, referem-se ao impacto de uma decisão sobre aqueles que não participam nessa decisão.
  5. 5. Os recursos explorados são bens comuns . (bens que pertencem à colectividade) Ninguém tem qualquer direito de propriedade sobre eles, não podendo, portanto, impedir essas exploração. O ambiente é um bem comum a que todos temos acesso O estado cria leis que regulamentem o seu uso. - Impostos e taxas ecológicas que assentam no principio do poluidor-pagador
  6. 6. <ul><li>Poluidor pagador </li></ul><ul><li>Em Portugal, apesar das múltiplas declarações de intenções, os instrumentos económicos de ambiente estão praticamente no início. </li></ul><ul><li>Os princípios do poluidor-pagador e do utilizador pagador, consagrados há mais de 15 anos na lei de bases do ambiente, não são suficientemente aplicados. Os recursos ambientais não são sujeitos a taxas de utilização, ou esse valorização fica muito aquém do custo real, seja para salvaguardar do património ambiental, seja para a gestão eficiente do recurso em termos económicos. Por outro lado, os sistemas ficais e de incentivos são geralmente cegos às consequências ambientais e, nalguns casos, são mesmo claramente promotores de disfunções ambientais. Esse efeito sobrepõe-se largamente aos escassos apoios à protecção do ambiente. Esta situação gera distorções para o ambiente por parte dos agentes económicos. </li></ul><ul><li>Instrumentos económicos para a sustentabilidade, </li></ul><ul><li>in www.geotas.pt (adaptado) </li></ul>
  7. 7. Origem da poluição Um dos resultados mais graves da explosão da produção industrial e do acelerado crescimento populacional é, sem dúvida, o aumento da poluição das águas , dos solos e da atmosfera . A poluição das águas tem origem em diversos factores dos quais se destacam: Provoca a aceleração da transferência das partículas poluentes do ar para a água (ex: chuvas ácidas) Provocada pelas fossas sépticas, por rupturas dos aterros sanitários e pelas águas residuais da agricultura, da pecuária e de outras actividades. (pesticidas, fertilizantes, metais pesados e radioactivos) que são lançados nas águas dos mares, rios, lagos e oceanos; - Poluição das águas - contaminação dos lençóis freáticos O aumento da poluição atmosférica O aumento de substância tóxicas
  8. 8. Esquematização das diversas fontes de poluição das águas:
  9. 9. - Poluição dos solos - A poluição dos solos tem assumido contornos cada vez mais graves, o que põe em causa a base de que depende a produção alimentar dos seres vivos. Calcula-se que, anualmente, cerca de 6 milhões de hectares de solos agrícolas são transformados em deserto, em consequência da sua sobre-exploração A poluição dos solos pode ter origem em diversos factores, nomeadamente: Transportadas pelas chuvas ácidas Na agricultura e na pecuária, o que contamina os solos A contaminação provocada por aterros sanitários mal construídos e por lixeiras a céu aberto Uso de produtos químicos Deposição das partículas poluentes Lixeiras e aterros sanitários
  10. 10. - Poluição atmosférica A poluição atmosférica é a contaminação de ar provocada por desperdícios sólidos, líquidos ou gasosos e que podem pôr em risco a saúde humana e a dos restantes seres vivos. Factores que contribuem para a poluição atmosférica: <ul><li>A actividade industrial; </li></ul><ul><li>A circulação rodoviária; </li></ul>A actividade industrial Lança para o ar gases e poeiras em quantidades superiores à capacidade de absorção do meio ambiente, ficando assim estas substancias acumuladas na atmosfera.
  11. 11. Circulação rodoviária Emissão de gases e as substâncias químicas nocivas libertadas pelos veículos motorizados.
  12. 12. Resultante da emissão para a atmosfera dos clorofluorcarbonetos (CFC), cuja decomposição, ao chegarem à estratosfera, provoca a destruição do ozono. Sendo a principal função da camada de ozono presente na atmosfera a filtragem das radiações ultravioleta. Resultam da dissolução nas nuvens e na gotas de chuva dos poluentes lançados na atmosfera, formando ácido sulfúrico e ácido nítrico. Provocadas pelas emissões de CO2, gás que absorve o calor e impede a dispersas das radiações infravermelhas emitidas pela superfície terrestre. Chuvas ácidas Redução da camada de ozono Perturbações no efeito de estufa <ul><li>Tendo efeitos poluidores sobre: </li></ul><ul><li>As florestas; </li></ul><ul><li>Os solos; </li></ul><ul><li>A agricultura; </li></ul><ul><li>Os ecossistemas; </li></ul><ul><li>Os edifícios; </li></ul><ul><li>As pessoas e animais. </li></ul><ul><li>Os raios atingem a vida na Terra, causando sérios danos, como: </li></ul><ul><li>O aumento do cancro da pele e de problemas oftalmológicos; </li></ul><ul><li>A destruição do plâncton dos oceanos e a ruptura das cadeias alimentares. </li></ul><ul><li>Provocando alterações: </li></ul><ul><li>O aumento da temperatura média do ar e consequentemente </li></ul><ul><li>Climáticas, </li></ul><ul><li>Do regime de precipitações, </li></ul><ul><li>Do ciclo hidrológico, a fusão dos glaciares, </li></ul><ul><li>O aumento do nível médio das águas dos mares e dos oceanos; </li></ul>A poluição atmosférica está na origem de fenómenos como:
  13. 13. <ul><li>Medidas que podemos tomar para a preservação da Natureza: </li></ul><ul><ul><li>A utilização de filtros nas chaminés das fábricas; </li></ul></ul><ul><ul><li>A promoção de energias alternativas, não poluentes; </li></ul></ul><ul><ul><li>A eliminação da utilização de CFC; </li></ul></ul><ul><ul><li>A utilização de tecnologias “limpas”. </li></ul></ul><ul><ul><li>A promoção da reciclagem; </li></ul></ul><ul><ul><li>A reutilização de determinados produtos, por exemplo a utilização de garrafas de vidro em substituição das de plástico descartáveis; </li></ul></ul><ul><ul><li>A redução na utilização de determinados produtos mais poluentes, como o plástico </li></ul></ul>- Poluição -
  14. 14. Poluição - Gráficos e Quadros -
  15. 17. Industrialização + explosão demográfica aceleraram Degradação do MEIO AMBIENTE Alterações no equilíbrio ecológico <ul><li>CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO: </li></ul><ul><li>corrida aos alimentos; </li></ul><ul><li>aumento da produção (agricultura intensiva); </li></ul><ul><li>esgotamento dos solos; </li></ul><ul><li>florestas destruídas em detrimento de superfícies agrícolas e de pastorícia. </li></ul>“ Sociedade do desperdício” Crescimento económico ilimitado – países industrializados – estimulou comportamentos e estilos de vida incompatíveis com a renovação dos recursos e com a sua escassez “ Há um ponto de não retorno para tudo, mesmo para a Terra . Para a vida” 1.1. O Mundo em mudança e a escassez dos recursos
  16. 18. Recursos energéticos <ul><li>Ritmo acelerado do consumo dos recursos </li></ul>contrasta Lenta regeneração <ul><li>Desequilíbrios sociais </li></ul>Reflectem-se Acesso e utilização “ Susto” Percepção da dimensão da crise Os recursos são escassos e alguns não são renováveis Fluxo de combustíveis fósseis Origem (reservas) Capacidade de depósitos ( atmosfera, hidrosfera, litosfera) 1.1.1. O esgotamento dos recursos não renováveis
  17. 19. <ul><li>Carvão – grande quantidade </li></ul>no entanto Uso limitado – capacidade da atmosfera em absorver o CO 2 durante a sua utilização <ul><li>Petróleo – esgotar-se-á no decurso do próximo século </li></ul>reforço Efeito de Estufa
  18. 20. <ul><li>recursos não renováveis extremamente limitados </li></ul><ul><li>ritmo crescente da utilização </li></ul>aumenta <ul><li>Uso de combustíveis fósseis e a sua exploração; </li></ul><ul><li>Produção de resíduos; </li></ul><ul><li>Emite poluentes. </li></ul>A degradação dos recursos renováveis produção de alimentos intensificou-se a exploração agrícola <ul><li>empobrecimento e esgotamento dos solos; </li></ul><ul><li>desperdícios e distribuição desigual; </li></ul><ul><li>racionamento. </li></ul>A capacidade da Terra em produzir alimento dependerá: <ul><li>da maior eficiência dos mecanismos de distribuição – equidade; </li></ul><ul><li>da redução da expansão das aglomerações urbanas e das áreas de pastagem – que ocupam terrenos de boa </li></ul><ul><li>aptidão agrícola; </li></ul><ul><li>da gestão racional da água e da diminuição dos riscos de contaminação (adubos, pesticidas); </li></ul><ul><li>da utilização de técnicas agrícolas mais adaptadas. </li></ul>Recursos energéticos
  19. 21. Os recursos florestais Potencialmente renováveis Poluição + índices de desflorestação Fim da floresta no espaço de 100 anos <ul><li>gera e protege os solos atenuando os efeitos erosivos; </li></ul><ul><li>modera o clima; </li></ul><ul><li>armazena CO 2 e liberta O 2; </li></ul><ul><li>reduz os riscos e as consequências das inundações; </li></ul><ul><li>armazena água; </li></ul><ul><li>abriga a grande maioria das espécies terrestres. </li></ul>“ A sobrevivência dos países e a evolução tecnológica seriamente ameaçadas podem ser salvaguardadas?” Os recursos hídricos Água essencial ilimitada MAS Utilização excessiva + distribuição espacial irregular + poluição Danos irreparáveis Biogeogfráfico Económico Alternativas ambientalmente sustentáveis <ul><li>Que permitem: </li></ul><ul><li>maior eficiência – menor desperdício, menor grau de degradação e melhor distribuição; </li></ul><ul><li>Utilização de opções energéticas renováveis. </li></ul>
  20. 22. Delapidação dos recursos é necessário <ul><li>crescer a um ritmo mais lento; </li></ul><ul><li>inverter tendências do crescimento demográfico; </li></ul><ul><li>reduzir as necessidades de consumo . </li></ul>Sustentabilidade do desenvolvimento Dinâmica do crescimento demográfico (quantidade e distribuição) comportamento diferenciados dos indivíduos nas diferentes regiões GRAVE <ul><li>aumentos populacionais significativos verificam-se em : </li></ul><ul><li>países de baixas receitas; </li></ul><ul><li>regiões ecologicamente subdotadas; </li></ul><ul><li>agregados familiares pobres. </li></ul>DESAFIO equilíbrio entre a dimensão da população e os recursos disponíveis 1.2. O esgotamento dos recursos e a necessidade de gestão do crescimento demográfico

×