Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Inflação

4,753 views

Published on

Retirado do livro: Economia e Mercados: Introdução à Economia (César Roberto Leite da Silva e Sinclayr Luiz - 19ª Edição 2010)

Published in: Technology, Economy & Finance
  • Be the first to comment

Inflação

  1. 1. César Roberto Leite da Silva Sinclayr Luiz 19º Edição | 2010 | Economia e mercados: Introdução à economia
  2. 2. Capítulo 10 Inflação
  3. 3. <ul><li>DEFINIÇÃO DE INFLAÇÃO </li></ul><ul><li>Inflação: é a situação em que há um aumento contínuo e generalizado de preços. </li></ul><ul><li>Quando ocorre, há o aumento de preços estendido a todos os bens e serviços produzidos pela economia. </li></ul><ul><li>2. MEDIDA DA INFLAÇÃO </li></ul><ul><li>Números-índices: são fórmulas matemáticas que informam a porcentagem do aumento nos preços dos bens e serviços. No Brasil, há dois tipos: </li></ul><ul><li>Índices Gerais de Preços (IGP): números-índices que medem a evolução dos preços de todos os bens e serviços representativos de uma economia. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Índices de Preços ao Consumidor (IPC): números-índices que pesquisam os aumentos de preços dos bens e serviços consumidos pelas famílias. </li></ul><ul><li>Instituições brasileiras que calculam os índices de preços com abrangência nacional: Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (FIBGE). </li></ul><ul><li>Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe): estima os índices de preços regionais, elaborando o IPC referente ao município de São Paulo. </li></ul>
  5. 5. ÍNDICES GERAIS DE PREÇOS Índice Gerais de Preços Segundo os Conceitos Oferta Global (IGP-OG) e Disponibilidade Interna (IGP-DI): Oferta global: nela são pesquisados os preços de todos os bens e serviços, tanto os produzidos internamente e exportados, quanto os importados. Disponibilidade interna: refere-se aos bens e serviços disponíveis para o consumo interno, sejam produzidos no Brasil ou importados. Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M): é o mesmo que o IGP-DI, porém o período de coleta de informações vai do dia 21 de um mês ao dia 21 do mês seguinte.
  6. 6. <ul><li>O IGP é a média ponderada de três outros índices: </li></ul><ul><li>Índice de Preços no Atacado (IPA): pesquisa a evolução dos preços na comercialização do atacado. </li></ul><ul><li>Índice de Preços ao Consumidor para o Brasil (IPC-Br): pesquisa os gastos das famílias com renda entre 1 e 33 salários mínimos apenas nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. </li></ul><ul><li>Índice Nacional de Custo da Construção (INCC): acompanha a evolução dos preços dos materiais, equipamentos e mão de obra empregados na construção civil. </li></ul>
  7. 7. ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Índice de Preços ao Consumidor da Fipe (IPC-Fipe): é uma média ponderada dos preços dos bens e serviços consumidos por famílias paulistanas com renda entre 1 e 20 salários mínimos, de acordo com alguns grupos de despesa como alimentação, habitação e transporte. Índice de Custo de Vida do Dieese (ICV-Dieese): pesquisa a evolução dos preços dos bens e serviços consumidos pelas famílias paulistanas com renda mensal entre 1 e 30 salários mínimos, levando em conta a ponderação de gastos como habitação, vestuário, transporte, etc. Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC): é estimado a partir de dados de famílias com renda entre 1 e 8 salários mínimos e cuja principal fonte de rendimento seja o salário.
  8. 8. Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (INPCA): é estimado a partir de dados de famílias com renda entre 1 e 40 salários mínimos, independente da origem da renda. CÁLCULO DA INFLAÇÃO Se, por exemplo, quisermos saber a inflação entre janeiro e fevereiro de 1999, medida pelo IGP-DI, basta calcular da seguinte forma, sendo P a taxa de inflação:
  9. 9. Para determinar a taxa de inflação acumulada de janeiro e fevereiro, deve-se levar em consideração os valores do IGP-DI de janeiro e março: Nos casos em que o cálculo envolve apenas unidades monetárias, temos o chamado valor nominal. Poder de compra: quantidade de bens e serviços que uma unidade monetária consegue comprar.
  10. 10. 3. AS CONSEQUÊNCIAS DA INFLAÇÃO Efeito sobre a distribuição de renda: o poder de compra diminui nos períodos de reajuste salarial, prejudicando os assalariados, enquanto os proprietários, empresários e profissionais liberais dispõem de mecanismos que permitem a defesa de sua participação no produto da economia. Efeito sobre a balança comercial: os produtos importados ficam mais baratos que os nacionais contribuindo com o déficit da balança comercial. Efeito sobre as expectativas dos empresários: os lucros tendem a se tornar instáveis, levando-os a reduzir seus investimentos, diminuindo a capacidade produtiva do sistema econômico. 4. INFLAÇÃO DE DEMANDA Políticas de estabilização: conjunto de medidas que governo toma para combater a inflação.
  11. 11. Inflação de demanda: é causada pelo aumento da demanda, indicando que há um excesso de procura dos bens e serviços. Política monetária: medidas adotadas pelo governo que visam reduzir a quantidade de moeda em circulação na economia. Política fiscal: medidas do governo que objetivam diminuir a demanda com o aumento da carga tributária. 5. INFLAÇÃO DE CUSTOS Inflação de custos: tem origem na oferta de bens e serviços. É causada pela elevação dos custos de produção, repassados ao consumidor pelo aumento do preço do produto. Monopólio: quando a empresa domina o mercado de um setor de produção ou produto, agravando esse tipo de inflação.
  12. 12. Oligopólio: quando poucas empresas dominam o mercado de um determinado setor de produção ou produto, o que também se constitui um agravante. 6. A INÉRCIA INFLACIONÁRIA Indexação: é o reajuste do valor das parcelas dos diversos tipos de contrato (trabalho, aluguel, financiamento) pela inflação do período passado. Inércia inflacionária: é a resistência que os preços de uma economia oferecem às políticas de estabilização que atacam as causas primárias da inflação.
  13. 13. 7. CONFLITO DISTRIBUTIVO Conflito distributivo: é a disputa entre trabalhadores e empresários por uma participação maior na renda. Espiral preços-salários: fenômeno causado quando o aumento do salário é concedido aos trabalhadores, resultando no aumento dos preços dos produtos. 8. A EVOLUÇÃO DA INFLAÇÃO NO BRASIL Déficit orçamentário do setor público: é o causador mais comum da inflação brasileira, e levando o governo a emitir moeda ou se endividar. Emissão de moeda como fonte de inflação: é o caso típico da inflação de demanda, quando o excesso de moeda eleva os preços dos bens e serviços pelo excesso de demanda.
  14. 14. A inflação no Brasil é causada tanto pela emissão de moeda como pela elevação dos custos, caso em que se tem a inflação de custos. 9. PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO 1986: o Plano Cruzado foi implementado no país congelando os preços e salários e realizando uma reforma monetária, a mudança do nome da moeda de cruzeiro para cruzado, além de dividir seu valor por mil. 1987: foi implementado o Plano Bresser, que também congelava preços e salários, mas por um período fixo de cerca de três meses. 1989: foi implementado o Plano Verão, no qual também houve congelamento de preços e salários e uma nova reforma monetária, com a mudança para a moeda cruzado novo, que foi dividida por mil.
  15. 15. 1990: foi implementado o Plano Collor, que reteve os saldos em conta corrente, poupança e em aplicações financeiras que ultrapassassem 50.000,00 novos cruzados. Nele, também houve a volta do cruzeiro, mas sem divisão de valor. 1991: houve um novo plano conhecido como Plano Collor II, no qual houve o congelamento de preços temporário e de apenas alguns bens, havendo também certo controle de preços. 1993: houve outra reforma monetária na qual foi implementado o cruzeiro real, em que mil cruzeiros valiam um cruzeiro real, contudo essa reforma só atendeu a necessidade de diminuir o número de zeros dos preços que subiam constantemente.
  16. 16. 1994: foi implementado o Plano Real, com a criação da Unidade Real de Valor (URV). Além disso, houve esforços para equilibrar as contas públicas e evitar a emissão de moeda. Então, houve a reforma monetária com a criação do real, que extinguiu o URV, com a seguinte paridade: R$ 1,00 = CR$ 2.740,00. 10. PEQUENA HISTÓRIA DA MOEDA BRASILEIRA 1808: família imperial portuguesa chega ao Brasil e é criado o Banco Público, com autorização para emissão e circulação de papel-moeda. Até 1942: a moeda oficial era o mil-réis, sendo adotado depois dessa data o cruzeiro. 1849: foi adotado oficialmente o monometalismo ouro, uniformizando-se o sistema monetário nacional.
  17. 17. 1967: cruzeiro deixa de ser moeda oficial, passando a vigorar o cruzeiro novo. 1970: a moeda volta a ser denominada cruzeiro. 1984: o centavo é extinto devido aos preços elevados. 1986: é implementado o Plano Cruzado e a moeda passa a ser o cruzado. 1989: é criado o cruzado novo. 1999: a moeda volta a ser o cruzeiro com o Plano Collor. 1993: é criado o cruzeiro real. 1994: com o Plano Real, a moeda oficial passa a ser o real.ß

×