Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Radiobiologia clínica Introdução ao futuro Rui P Rodrigues Unidade de Radioterapia Hospital CUF Descobertas  http://rt.no....
DEFINIÇÃO <ul><li>Radiobiologia </li></ul><ul><li>estudo dos efeitos da radiação  </li></ul><ul><li>em organismos vivos </...
Noções básicas <ul><li>Célula :  Ø ~ 0.025 mm (1 mm = 40 células em fila) </li></ul><ul><li>O  núcleo  ocupa 10 a 90% do v...
Noções básicas <ul><li>No núcleo o  DNA  está enrolado numa  hélice dupla,  100 vezes menor que a célula </li></ul><ul><li...
Noções básicas <ul><li>Uma  partícula ionizada  pode causar uma ou mais ionizações em cada molécula de DNA que atravessa <...
RADIOBIOLOGIA CLÍNICA <ul><li>O objectivo da radioterapia é o controlo tumoral com dano mínimo nos tecidos normais </li></...
Resumo <ul><li>Novas estratégias no tratamento do cancro </li></ul><ul><li>Impacto da imagiologia molecular na prática da ...
Léxico <ul><li>Terapêutica molecular dirigida (targeted therapy)  </li></ul><ul><li>Microclima tumoral  </li></ul><ul><li>...
Questões <ul><li>Diferentes cancros evoluem e respondem de forma diferente ao mesmo tratamento </li></ul><ul><li>Tumores p...
Soluções <ul><li>As técnicas de biologia molecular têm progredido rapidamente </li></ul><ul><li>Projecto do Genoma Humano:...
Revolução na radioterapia <ul><li>O tratamento personalizado do cancro pode ser conseguido explorando os novos conheciment...
TERAPÊUTICA MOLECULAR DIRIGIDA <ul><li>Uso de fármacos que actuam em processos específicos do crescimento e desenvolviment...
Inibidores dos receptores da tirosina-quinase  <ul><li>O crescimento celular nos tecidos normais é controlado pelo equilíb...
Inibidores dos receptores da tirosina-quinase  <ul><li>Estas proteinas estão localizadas na membrana celular </li></ul><ul...
Inibidores dos receptores da tirosina-quinase
Inibidores dos receptores da tirosina-quinase  <ul><li>O status funcional do EGFR pode ser medido (imunohistoquímica) </li...
Inibidores dos receptores da tirosina-quinase  <ul><li>Acredita-se que a exposição a radiações ionizantes activa o EGFR e ...
Inibidores da angiogénese <ul><li>Angiogénese : formação de novos vasos sanguíneos a partir de vasos pré-existentes  </li>...
Inibidores da angiogénese <ul><li>As células neoplásicas segregam para os tecidos circundantes moléculas estimuladoras de ...
Inibidores da angiogénese <ul><li>Inibir a angiogénese pode atrasar ou prevenir o crescimento das células tumorais </li></...
Inibidores dos proteosomas <ul><li>Proteosoma  = destruidor de proteinas  </li></ul><ul><li>Complexo enzimático celular re...
Inibidores dos proteosomas <ul><li>Os  inibidores dos proteosomas  provocam: </li></ul><ul><ul><ul><li>Indução da apoptose...
Imunoterapia <ul><li>Não interfere com os sinais activadores do crescimento </li></ul><ul><li>Inicia um  sinal imunitário ...
MICROCLIMA TUMORAL <ul><li>O microclima tumoral é a caracterização das condições metabólicas e fisiológicas no interior do...
Hipóxia tumoral  <ul><li>Factores que  causam  hipóxia tumoral  (tensão O2 < 2.5 mm Hg) </li></ul><ul><ul><ul><li>Estrutur...
Hipóxia tumoral  <ul><li>Estratégias para contornar a hipóxia: </li></ul><ul><ul><ul><li>Aumentar a distribuição de oxigén...
Hipóxia tumoral <ul><li>O  metabolismo bioredutor  apenas ocorre na ausência de oxigénio </li></ul><ul><li>A activação de ...
IMAGIOLOGIA MOLECULAR <ul><li>Aplicações básicas  (sondas moleculares) : </li></ul><ul><ul><ul><li>Diagnóstico : localizaç...
P E T  –  F D G <ul><li>O marcador mais popular em PET é o FDG  (18-fluor fluorodeoxyglucose) </li></ul><ul><li>Análogo da...
P E T  –  C T
IMAGIOLOGIA MOLECULAR <ul><li>A imagiologia de  áreas tumorais hipóxicas ,  </li></ul><ul><li>com  proliferação activa ,  ...
SIMULAÇÃO DA RESPOSTA TUMORAL À RADIOTERAPIA <ul><li>Modelos  para caracterização do crescimento tumoral e resposta à radi...
SIMULAÇÃO DA RESPOSTA TUMORAL À RADIOTERAPIA <ul><li>ESTRO  -  Projecto GENEPI   </li></ul><ul><ul><li>genetic pathways fo...
CONCLUSÕES <ul><li>A biologia molecular é a chave para o  diagnóstico  e  tratamento  dirigido e individualizado do cancro...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×
Upcoming SlideShare
Radiobiologia
Next
Download to read offline and view in fullscreen.

2

Share

Download to read offline

Radiobiologia

Download to read offline

Related Audiobooks

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Radiobiologia

  1. 1. Radiobiologia clínica Introdução ao futuro Rui P Rodrigues Unidade de Radioterapia Hospital CUF Descobertas http://rt.no.sapo.pt
  2. 2. DEFINIÇÃO <ul><li>Radiobiologia </li></ul><ul><li>estudo dos efeitos da radiação </li></ul><ul><li>em organismos vivos </li></ul>
  3. 3. Noções básicas <ul><li>Célula : Ø ~ 0.025 mm (1 mm = 40 células em fila) </li></ul><ul><li>O núcleo ocupa 10 a 90% do volume celular </li></ul>
  4. 4. Noções básicas <ul><li>No núcleo o DNA está enrolado numa hélice dupla, 100 vezes menor que a célula </li></ul><ul><li>RX: probabilidade baixa de afectar o DNA (ef.directo) </li></ul><ul><li>Efeitos da radiação sobre o DNA predominantemente por acção de moléculas circundantes (ef.indirecto) </li></ul><ul><li>H 2 O -> ionização -> reactividade </li></ul>
  5. 5. Noções básicas <ul><li>Uma partícula ionizada pode causar uma ou mais ionizações em cada molécula de DNA que atravessa </li></ul><ul><li>O mecanismo major de lesão do DNA é a quebra das cadeias da dupla hélice </li></ul><ul><li>A quebra de uma única cadeia (single strand break) é reparada eficazmente por mecanismos intracelulares </li></ul><ul><li>A quebra de ambas as cadeias do DNA é menos eficaz levando com maior probabilidade à morte celular </li></ul>
  6. 6. RADIOBIOLOGIA CLÍNICA <ul><li>O objectivo da radioterapia é o controlo tumoral com dano mínimo nos tecidos normais </li></ul><ul><li>A combinação de diferentes modalidades de tratamento melhora o índice terapêutico </li></ul><ul><li>Diferentes perfis genéticos condicionam respostas diferentes ao tratamento </li></ul>
  7. 7. Resumo <ul><li>Novas estratégias no tratamento do cancro </li></ul><ul><li>Impacto da imagiologia molecular na prática da radioterapia </li></ul><ul><li>Modelos de simulação computorizada para optimização do tratamento </li></ul>
  8. 8. Léxico <ul><li>Terapêutica molecular dirigida (targeted therapy) </li></ul><ul><li>Microclima tumoral </li></ul><ul><li>Agentes bioredutores </li></ul><ul><li>Ensaios clínicos </li></ul><ul><li>Microarrajos de DNA (microarrays) </li></ul><ul><li>Tecnologia proteómica </li></ul><ul><li>Pesquisa de Alvos moleculares </li></ul><ul><li>Definição de Perfis moleculares individualizados </li></ul>
  9. 9. Questões <ul><li>Diferentes cancros evoluem e respondem de forma diferente ao mesmo tratamento </li></ul><ul><li>Tumores parentemente idênticos têm evoluções diferentes em hospedeiros diferentes </li></ul><ul><li>Quais as moléculas envolvidas e suas funções ? </li></ul><ul><li>Quais as sequências (cascatas) de sinalização intra- e inter- celular que regulam a sensibilidade dos tecidos ? </li></ul>
  10. 10. Soluções <ul><li>As técnicas de biologia molecular têm progredido rapidamente </li></ul><ul><li>Projecto do Genoma Humano: mapeamento dos genes nas células humanas com impacto definitivo no tratamento do cancro </li></ul>
  11. 11. Revolução na radioterapia <ul><li>O tratamento personalizado do cancro pode ser conseguido explorando os novos conhecimentos </li></ul><ul><ul><ul><li>Mecanismos de reparação do DNA </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Controlo do ciclo celular </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Transdução de sinais intracelulares </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Microclima tumoral </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Terapêutica molecular dirigida </li></ul></ul></ul>
  12. 12. TERAPÊUTICA MOLECULAR DIRIGIDA <ul><li>Uso de fármacos que actuam em processos específicos do crescimento e desenvolvimento do cancro: </li></ul><ul><ul><ul><li>Inibidores dos receptores da tirosina-quinase </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Inibidores da angiogénese </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Inibidores dos proteosomas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Imunoterapia </li></ul></ul></ul>
  13. 13. Inibidores dos receptores da tirosina-quinase <ul><li>O crescimento celular nos tecidos normais é controlado pelo equilíbrio entre factores promotores e inibidores do crescimento </li></ul><ul><li>Quando este equilíbrio é perturbado as células podem crescer descontroladamente (cancro) </li></ul><ul><li>Um dos factores chave do crescimento celular é a dupla: </li></ul><ul><ul><ul><li>Factor de Crescimento Epidérmico [(EGF) epidermal growth factor] </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Receptor do EGF na membrana celular [(EGFR) EGF receptor </li></ul></ul></ul>
  14. 14. Inibidores dos receptores da tirosina-quinase <ul><li>Estas proteinas estão localizadas na membrana celular </li></ul><ul><li>São constituidas por três porções ou domínios: </li></ul><ul><ul><ul><li>Extracelular (domínio de ligação ou ligando) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Intramembranar </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Intracelular (actividade tirosina quinase) </li></ul></ul></ul><ul><li>A activação do EGFR -> cascata de sinalização intracelular: </li></ul><ul><ul><ul><li>Inibição da apoptose </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Estimulação da proliferação celular </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Angiogénese </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Diferenciação celular </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Migração celular </li></ul></ul></ul>
  15. 15. Inibidores dos receptores da tirosina-quinase
  16. 16. Inibidores dos receptores da tirosina-quinase <ul><li>O status funcional do EGFR pode ser medido (imunohistoquímica) </li></ul><ul><li>Tratamento dirigido ao EGFR: </li></ul><ul><ul><ul><li>Anticorpos monoclonais dirigidos ao domínio externo do receptor (cetuximab, trastuzumab) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Moléculas inibidoras da tirosina quinase (domínio interno) </li></ul></ul></ul><ul><li>A actividade da EGFR-TK nos tumores pode comprometer os resultados do tratamento com radiações: </li></ul><ul><ul><ul><li>Bloqueio do efeito citotóxico da radiação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Aumento da repopulação tumoral </li></ul></ul></ul>
  17. 17. Inibidores dos receptores da tirosina-quinase <ul><li>Acredita-se que a exposição a radiações ionizantes activa o EGFR e como consequência activa a cadeia de sinalização intracelular envolvida na defesa celular contra a agressão. </li></ul><ul><li>O tratamento simultâneo com um fármaco inibidor da tirosina quinase pode prevenir a activação do EGFR induzida pela radiação. </li></ul><ul><li>Combinando o ZD1839 com radioterapia pode melhorar as respostas em tumores de pulmão não pequenas células, tumores de cabeça e pescoço e outros tumores sólidos </li></ul>
  18. 18. Inibidores da angiogénese <ul><li>Angiogénese : formação de novos vasos sanguíneos a partir de vasos pré-existentes </li></ul><ul><li>Rara em adultos </li></ul><ul><li>Ocorre durante a cicatrização de feridas, inflamação, ovulação, gravidez ou isquémia. </li></ul><ul><li>Nos tumores assegura aporte de nutrientes e oxigénio e remoção de subprodutos do metabolismo </li></ul><ul><li>É regulada por moléculas activadoras e inibidoras actuando sobre certos genes no tecido hospedeiro </li></ul>
  19. 19. Inibidores da angiogénese <ul><li>As células neoplásicas segregam para os tecidos circundantes moléculas estimuladoras de crescimento vascular: </li></ul><ul><ul><ul><li>Factor de Crescimento do Endotélio Vascular </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>[vascular endothelial growth factor (VEGF)] </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Factor de Básico de Crescimento dos Fibroblastos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>[basic fibroblast growth factor (bFGF)] </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>A ligação do factor de crescimento a um receptor de parede activa a via de sinalização intracelular -> formação de células endoteliais </li></ul><ul><li>As células endoteliais activadas produzem enzimas capazes de degradar a matriz extracelular dos tecidos circundantes. </li></ul><ul><li>Isto permite às células endoteliais migrar, dividirem-se e organizarem-se para formar uma nova rede vascular. </li></ul>
  20. 20. Inibidores da angiogénese <ul><li>Inibir a angiogénese pode atrasar ou prevenir o crescimento das células tumorais </li></ul><ul><li>As proteinas naturais que inibem a angiogénese: </li></ul><ul><ul><ul><li>angiostatina / endostatina / trombospondina </li></ul></ul></ul><ul><li>Mecanismo de acção dos inibidores da angiogénese: </li></ul><ul><ul><ul><li>Inibição directa da função das células endoteliais </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>promovendo a apoptose / destruição celular </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Bloqueio da cascata de sinalização da angiogénese </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>interferência com os receptodes de membrana das células endoteliais </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>inibição de produção de factores pró-angiogénicos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Bloqueio da destruição da matriz extracelular </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>por inibição da actividade das enzimas degradativas </li></ul></ul></ul></ul>
  21. 21. Inibidores dos proteosomas <ul><li>Proteosoma = destruidor de proteinas </li></ul><ul><li>Complexo enzimático celular responsável pela decomposição das proteinas (regulação funcional) </li></ul><ul><li>As proteinas são destruidas quando já não são necessárias: </li></ul><ul><ul><ul><li>Proteinas sinalizadoras </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Enzimas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Proteinas estruturais </li></ul></ul></ul><ul><li>O compromisso deste sistema pode transformar a célula </li></ul>
  22. 22. Inibidores dos proteosomas <ul><li>Os inibidores dos proteosomas provocam: </li></ul><ul><ul><ul><li>Indução da apoptose </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reversão da resistência a certas drogas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Alteração do microclima celular, bloqueando </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Os circuitos das citoquinas </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>A adesão celular </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>A angiogenese </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>Ensaios fase III de inibidores dos proteosomas – Bortezomib </li></ul><ul><li>Resultados impressionantes no tratamento do mieloma múltiplo, em comparação com a dexametasona em altas doses. </li></ul><ul><li>Efeitos adversos registados durante ensaios fase II (neuropatia periférica, acidentes vasculares cerebrais, dôr abdominal grau 3) </li></ul>
  23. 23. Imunoterapia <ul><li>Não interfere com os sinais activadores do crescimento </li></ul><ul><li>Inicia um sinal imunitário -> reacções imunitárias anti-tumorais -> destruição das células tumorais </li></ul><ul><li>Pode ser lançado um ataque duplo usando agentes radioimunoterapêuticos </li></ul><ul><li>A droga imunoterápica é ligada a uma substância radioactiva </li></ul><ul><ul><ul><li>resposta imunitária anti-tumoral </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>reacção anti-tumoral da radiação depositada selectivamente </li></ul></ul></ul>
  24. 24. MICROCLIMA TUMORAL <ul><li>O microclima tumoral é a caracterização das condições metabólicas e fisiológicas no interior dos tumores sólidos </li></ul><ul><li>Na maioria dos tumores existe: </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Concentração baixa de glucose </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Concentração elevada de ácido láctico </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>pH extracelular baixo (acidose) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Tensão de oxigénio baixa </li></ul></ul></ul></ul>
  25. 25. Hipóxia tumoral <ul><li>Factores que causam hipóxia tumoral (tensão O2 < 2.5 mm Hg) </li></ul><ul><ul><ul><li>Estrutura e função anormal da microvascularização tumoral </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Aumento das distâncias de difusão entre os vasos e as células tumorais </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Redução da capacidade de transporte de oxigénio do sangue </li></ul></ul></ul><ul><li>Consequências da hipóxia: </li></ul><ul><ul><ul><li>Redução da formação de radicais livres (mecanismo directo) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Alterações na expressão dos genes </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Instabilidade genética (indução de resistência ao tratamento e desenvolvimento de fenotipos mais agressivos) </li></ul></ul></ul>
  26. 26. Hipóxia tumoral <ul><li>Estratégias para contornar a hipóxia: </li></ul><ul><ul><ul><li>Aumentar a distribuição de oxigénio ou drogas oxigeno-miméticas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Oxigénio hiperbárico (baixa eficácia) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Radiossensibilizantes com afinidade electrónica elevada (limitado) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Nitroimidazois (apenas alguns – nimorazole - provaram um efeito significativo em radioterapia de cancros supraglóticos, da laringe e da faringe) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Explorar as condições locais com terapêutica dirigida (targeted therapy) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Drogas bioreductoras (activação intratumoral) </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>Pró-drogas : e xploram a capacidade dos tumores sólidos terem um metabolismo redutor que activa a forma citotóxica do fármaco através de genes-suicidas hipoxia-dependentes </li></ul>
  27. 27. Hipóxia tumoral <ul><li>O metabolismo bioredutor apenas ocorre na ausência de oxigénio </li></ul><ul><li>A activação de pró-drogas está facilitada na maioria dos tumores com células hipóxicas. </li></ul><ul><li>Compostos em desenvolvimento: </li></ul><ul><ul><ul><li>Mitomicina C </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tirapazamine (quebra da cadeia do DNA) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ensaios fase II/III: combinada com cisplatina em tumores de pulmão, mama, C&P e melanoma </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ensaios fase II: combinada com radioterapia em tumores de C&P, colo uterino, glioblastoma </li></ul></ul></ul></ul>
  28. 28. IMAGIOLOGIA MOLECULAR <ul><li>Aplicações básicas (sondas moleculares) : </li></ul><ul><ul><ul><li>Diagnóstico : localização / distribuição das moléculas alvo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tratamento : adicionando um agente terapêutico à sonda molecular </li></ul></ul></ul><ul><li>A aplicação prática destas tecnologias permitiu desenvolver métodos de visualização tumoral para além da morfologia: </li></ul><ul><ul><ul><li>PET (positron emission tomography) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>SPECT (single-photon emission computed tomography) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>MRS (magnetic resonance spectroscopy) </li></ul></ul></ul><ul><li>Permite ‘ver’ os sistemas biológicos funcionais intratumorais dando informação sobre Metabolismo / Fisiologia / Biologia molecular </li></ul><ul><li>Complementa a informação anatómica convencional (TAC, RMN) </li></ul>
  29. 29. P E T – F D G <ul><li>O marcador mais popular em PET é o FDG (18-fluor fluorodeoxyglucose) </li></ul><ul><li>Análogo da glicose transportado para dentro da célula pelo gluc-1 </li></ul><ul><li>O gluc-1 tem uma expressão aumentada nos tumores malignos </li></ul><ul><li>A PET-FDG tem um impacto significativo na determinação do GTV e PTV em tumores de pulmão: </li></ul><ul><ul><ul><li>Detecção de envolvimento ganglionar </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Diferenciação entre tecido maligno e atelectasia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Detecção de tumor viável após tratamento </li></ul></ul></ul>
  30. 30. P E T – C T
  31. 31. IMAGIOLOGIA MOLECULAR <ul><li>A imagiologia de áreas tumorais hipóxicas , </li></ul><ul><li>com proliferação activa , angiogénese , apoptose </li></ul><ul><li>ou expressão genética alterada </li></ul><ul><li>leva à identificação de heterogeneidades tumorais </li></ul><ul><li>que poderão ser tratadas de uma forma individualizada </li></ul><ul><li>usando radioterapia de intensidade modulada. </li></ul>
  32. 32. SIMULAÇÃO DA RESPOSTA TUMORAL À RADIOTERAPIA <ul><li>Modelos para caracterização do crescimento tumoral e resposta à radioterapia que permitam optimizar o tratamento, baseados em: </li></ul><ul><ul><ul><li>Imagiologia tumoral </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Dados histopatológicos e genéticos do doente </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Macanismos biológicos fundamentais (cinética tumoral, modelo linear-quadrático) </li></ul></ul></ul><ul><li>Testes de validação clínica foram animadores (GBM) </li></ul><ul><li>A adaptação deste modelo a dados clínicos reais irá melhorar a sua fiabilidade , que irá depender dos dados fornecidos: </li></ul><ul><ul><ul><li>Informação biológica do doente </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Perfis genéticos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Qualidade dos sistemas de imagiologia (molecular) </li></ul></ul></ul>
  33. 33. SIMULAÇÃO DA RESPOSTA TUMORAL À RADIOTERAPIA <ul><li>ESTRO - Projecto GENEPI </li></ul><ul><ul><li>genetic pathways for the prediction of the effects of irradiation </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Banco de tecidos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Dados clínicos detalhados após radioterapia (resposta tumoral; reacções nos tecidos sãos) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Dados dosimétricos e de follow-up </li></ul></ul></ul>
  34. 34. CONCLUSÕES <ul><li>A biologia molecular é a chave para o diagnóstico e tratamento dirigido e individualizado do cancro. </li></ul><ul><li>O futuro da radioterapia reside na exploração dos conhecimentos de genética e do microclima tumoral . </li></ul><ul><li>Usando estudos de proteómica e a bioinformática poderão ser encontrados os alvos moleculares ideais. </li></ul><ul><li>Modelos informáticos dependem da caracterização dos perfis moleculares predictivos da resposta dos tecidos às radiações. </li></ul>
  • marrcceelloo

    Mar. 18, 2017
  • jacqueamaral

    Aug. 26, 2014

Views

Total views

10,924

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

67

Actions

Downloads

219

Shares

0

Comments

0

Likes

2

×