Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Profª. Paula Salmito
Nutricionista
Mestre em Nutrição e Saúde - UECE
Política Pública
• O QUE É UMA POLÍTICA PÚBLICA?
- Conjunto de regras que definem como as instituições
devem operar em fun...
Bens Públicos
• São fundamentais para a sociedade e sem eles a
vida está ameaçada;
Segurança
Meio Ambiente
Educação
SAÚDE
...
Objetivos de uma política pública
• As políticas públicas visam responder a demandas;
• Visam ampliar e efetivar direitos ...
Processo de “Fazer Política”
• Qual o problema?
- Diagnóstico da situação
• O que se deseja alcançar?
- Definição de objet...
O Brasil possui políticas públicas
específicas para obesidade e transtornos
alimentares?
• Política Nacional de Alimentaçã...
Política Nacional de
Alimentação e Nutrição - PNAN
• Portaria n.° 710, de 10 de junho de 1999
• Foi uma das primeiras polí...
Política Nacional de
Alimentação e Nutrição - PNAN
• Propósito (1999): garantia da qualidade dos
alimentos colocados para ...
Política Nacional de
Alimentação e Nutrição - PNAN
• Propósito (2012): melhoria das condições de
alimentação, nutrição e s...
Diretrizes da PNAN
• As diretrizes que integram a PNAN indicam as linhas de ações
para o alcance do seu propósito, capazes...
Epidemiologia nas Políticas
Públicas
• A epidemiologia caracteriza-se como o ramo da ciência da
saúde que estuda na popula...
Epidemiologia
Sobrepeso/Obesidade
• Excesso de Peso
- 50% dos homens (Obesidade 12,5%)
- 48% das mulheres (Obesidade 16,9%...
Epidemiologia
Sobrepeso/Obesidade
• Fortaleza está ficando gorda!!! Segunda
capital em número de pessoas com
excesso de pe...
Epidemiologia Anorexia
Nervosa
• Terceira doença mais comum em adolescentes;
• A maioria das pessoas acometidas são mulher...
Epidemiologia Bulimia
• Estima-se, segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de
Transtornos Mentais IV, que a Bulimia Ner...
Transtornos alimentares
• Os transtornos alimentares vem aumentando em pessoas com
mais de 50 anos, principalmente mulhere...
Sistema de Vigilância Alimentar e
Nutricional - SISVAN
• O Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional,
SISVAN, foi prop...
Objetivos do SISVAN
• Formular políticas públicas;
• Planejar, acompanhar e avaliar programas sociais
relacionados com agr...
Ações do SISVAN
• Na saúde o SISVAN é um instrumento para obtenção de
dados de monitoramento do Estado Nutricional e do
Co...
SISVAN – Estado Nutricional
• A Vigilância Nutricional refere-se à coleta, análise, interpretação e
direcionamento para aç...
SISVAN – Vigilância Alimentar
• A Vigilância Alimentar refere-se às informações
sobre as práticas alimentares da população...
Objetivo da Vigilância Alimentar
• Caracterizar o perfil alimentar da população
brasileira, em conjunto com outros indicad...
Objetivo da Vigilância Alimentar
• Acompanhar o consumo de macronutrientes, e de
energia, incluindo dados tanto de ingestã...
Objetivo da Vigilância Alimentar
• Os profissionais de saúde das Unidades Básicas de
Saúde, das Equipes de Saúde da Famíli...
Envio de Dados para o SISVAN WEB
Acolhimento na
Unidade de
Saúde
Sala da Antropometria
Realização da Av.
Nutricional e dos...
Política Nacional de Promoção
da Saúde - PNPS
• Portaria nº 687/GM de 30 de março de 2006
• Objetivo: Promover a qualidade...
PNPS
• Ações Específicas:
- Alimentação Saudável:
• Articulação e mobilização dos setores público e privado para a
adoção ...
PNPS
• Desenvolver ações para a promoção da alimentação saudável
no ambiente escolar (PSE);
• Implementar as ações de vigi...
Programa Saúde na Escola -
PSE
• O Programa Saúde na Escola (PSE) é uma Política
intersetorial dos Ministérios da Saúde e ...
Objetivos do PSE
• Melhorar a qualidade de vida da população;
• Garantir o desenvolvimento pleno do indivíduo;
• Formar ci...
Núcleo de Apoio NASF
• Portaria 154 24 de Janeiro de 2008
• Objetiva ampliar a abrangência e o escopo das ações da
atenção...
Programa Peso Saudável
• O Programa Peso Saudável é uma proposta de
intervenção para o controle do peso e prevenção da
obe...
Caderno de Obesidade
• Disponível na página da
CGAN:
http://nutricao.saude.gov.br/pu
blicacoes.php
Transtornos Alimentares e Obesidade
em Fortaleza: Onde recorrer?
Por favor!!!
• Leiam:
- Leis 8.080/90 e 8.142/90;
- Política Nacional de
Alimentação e Nutrição
- Política Nacional de
Pro...
• Contato: paula.salmito@uece.br
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentares
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentares

4,980 views

Published on

  • Be the first to comment

Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentares

  1. 1. Profª. Paula Salmito Nutricionista Mestre em Nutrição e Saúde - UECE
  2. 2. Política Pública • O QUE É UMA POLÍTICA PÚBLICA? - Conjunto de regras que definem como as instituições devem operar em função do alcance do bem público. • O QUE É UM BEM PÚBLICO? - São aqueles que trazem benefícios para toda a sociedade e, uma vez que sejam garantidos, todos se beneficiam deles.
  3. 3. Bens Públicos • São fundamentais para a sociedade e sem eles a vida está ameaçada; Segurança Meio Ambiente Educação SAÚDE ESTADO
  4. 4. Objetivos de uma política pública • As políticas públicas visam responder a demandas; • Visam ampliar e efetivar direitos de cidadania; • Os objetivos das políticas têm uma referência valorativa e exprimem as opções e visões de mundo daqueles que controlam o poder.
  5. 5. Processo de “Fazer Política” • Qual o problema? - Diagnóstico da situação • O que se deseja alcançar? - Definição de objetivos • Para quem? - Público alvo • Onde? - Espaço (físico) onde as ações serão desenvolvidas • O que fazer? - Definição das ações; Estratégias de implementação com cronograma de execução.
  6. 6. O Brasil possui políticas públicas específicas para obesidade e transtornos alimentares? • Política Nacional de Alimentação e Nutrição – PNAN (1999) - SISVAN (1990) • Política Nacional de Promoção da Saúde (2006) - NASF’s - Programa Saúde na Escola – PSE - Programa Peso Saudável
  7. 7. Política Nacional de Alimentação e Nutrição - PNAN • Portaria n.° 710, de 10 de junho de 1999 • Foi uma das primeiras políticas setoriais do SUS;
  8. 8. Política Nacional de Alimentação e Nutrição - PNAN • Propósito (1999): garantia da qualidade dos alimentos colocados para consumo no País, a promoção de práticas alimentares saudáveis e a prevenção e o controle dos distúrbios nutricionais, bem como o estímulo às ações intersetoriais que propiciem o acesso universal aos alimentos.
  9. 9. Política Nacional de Alimentação e Nutrição - PNAN • Propósito (2012): melhoria das condições de alimentação, nutrição e saúde da população brasileira, mediante a promoção de práticas alimentares adequadas e saudáveis, a vigilância alimentar e nutricional, a prevenção e o cuidado integral dos agravos relacionados à alimentação e nutrição.
  10. 10. Diretrizes da PNAN • As diretrizes que integram a PNAN indicam as linhas de ações para o alcance do seu propósito, capazes de modificar os determinantes de saúde e promover a saúde da população. Sendo consolidadas em: • 1. Organização da Atenção Nutricional; • 2. Promoção da Alimentação Adequada e Saudável; • 3. Vigilância Alimentar e Nutricional; • 4. Gestão das Ações de Alimentação e Nutrição; • 5. Participação e Controle Social; • 6. Qualificação da Força de Trabalho; • 7. Controle e Regulação dos Alimentos; • 8. Pesquisa, Inovação e Conhecimento em Alimentação e • Nutrição; • 9. Cooperação e articulação para a Segurança Alimentar e • Nutricional.
  11. 11. Epidemiologia nas Políticas Públicas • A epidemiologia caracteriza-se como o ramo da ciência da saúde que estuda na população a ocorrência, a distribuição e os fatores determinantes dos eventos relacionados com a saúde; • Instrumento fundamental para a formulação de políticas. SISVAN
  12. 12. Epidemiologia Sobrepeso/Obesidade • Excesso de Peso - 50% dos homens (Obesidade 12,5%) - 48% das mulheres (Obesidade 16,9%) • Faixa Etária 10 – 19 anos - 1974/75: 3,7% meninos → 21,7% (2008/09) - 1974/75: 7,6% meninas → 19% (2008/09) Obesidade Infantil: 34,8% dos meninos e 32% das meninas apresentam sobrepeso (16,6% e 11,8% obesos, respectivamente). Fonte: POF/IBGE 2008-2009.
  13. 13. Epidemiologia Sobrepeso/Obesidade • Fortaleza está ficando gorda!!! Segunda capital em número de pessoas com excesso de peso. • Segundo pesquisa realizada em 2011 (Vigitel), 53,7% da população está acima do peso; • 18% são obesos. A cidade fica em quarto lugar no País e em segundo no Nordeste; • ↑ Homens 58,3% (Mulheres 49,6%)
  14. 14. Epidemiologia Anorexia Nervosa • Terceira doença mais comum em adolescentes; • A maioria das pessoas acometidas são mulheres (90% e 10% homens); • Segundo algumas pesquisas cerca de 0,5 a 3% da população apresenta este distúrbio; • 85% dos casos ocorrem em estudantes; • Dos casos de anorexia aproximadamente 1,1% acometem estudantes do ensino fundamental e médio e 3,5% universitários; • Cumpre salientar que Anorexia Nervosa é uma doença grave, com risco de mortalidade em torno de 5 a 15% dos casos.
  15. 15. Epidemiologia Bulimia • Estima-se, segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais IV, que a Bulimia Nervosa atinja cerca de 1 a 3% das mulheres adolescentes e no início da vida adulta; • Em homens varia de 4 a 13% da população total de pacientes que apresentaram o transtorno.
  16. 16. Transtornos alimentares • Os transtornos alimentares vem aumentando em pessoas com mais de 50 anos, principalmente mulheres; • Em 2010 a nutricionista Erika Rodrigues, que trabalha no Ambulim (USP) relatou que dos 215 atendimentos realizados durante este ano, cerca de 15% foram de mulheres com mais de 50 anos; • Transtornos alimentares não especificado atingem cerca de 4 a 5% da população. É necessário que os profissionais responsáveis pelo planejamento de políticas públicas de saúde fiquem mais atentos à questão dos transtornos alimentares, pois a subnotificação ainda é muito grande.
  17. 17. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN • O Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional, SISVAN, foi proposto primeiramente pelo INAN (Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição) em 1976, mas somente em 1990, após a promulgação da Lei 8080/1990, e com a publicação da Portaria 1.156 publicada em 31 de agosto desse mesmo ano, é que o SISVAN foi estabelecido nacionalmente.
  18. 18. Objetivos do SISVAN • Formular políticas públicas; • Planejar, acompanhar e avaliar programas sociais relacionados com agravos de alimentação e nutrição; • Avaliar a eficácia das ações governamentais; Dessa forma cumpre seu papel em auxiliar os gestores públicos na gestão de políticas de alimentação e nutrição.
  19. 19. Ações do SISVAN • Na saúde o SISVAN é um instrumento para obtenção de dados de monitoramento do Estado Nutricional e do Consumo Alimentar das pessoas que frequentam as Unidades Básicas do SUS; • São contempladas pela Vigilância Alimentar e Nutricional todas as fases do ciclo de vida: crianças, adolescentes, adultos, idosos e gestantes.
  20. 20. SISVAN – Estado Nutricional • A Vigilância Nutricional refere-se à coleta, análise, interpretação e direcionamento para ações delineadas a partir da avaliação do estado nutricional do indivíduo; • O SISVAN fornece informação contínua e permanente sobre o estado nutricional de crianças, adolescentes, adultos, idosos e gestantes, por meio da coleta de dados básicos: idade, sexo, peso e altura com os quais são construídos os índices antropométricos tradicionais para a avaliação nutricional. • Esses índices são posteriormente analisados e correlacionados com indicadores de saúde, sócio-econômicos e alimentares, subsidiando o desenho, o planejamento e a avaliação de políticas e programas em nível nacional, estadual e municipal.
  21. 21. SISVAN – Vigilância Alimentar • A Vigilância Alimentar refere-se às informações sobre as práticas alimentares da população brasileira nas diferentes fases da vida. Atualmente, o SISVAN fornece informação contínua e permanente sobre o aleitamento materno até os 2 anos de idade; • Grande foco no aleitamento materno.
  22. 22. Objetivo da Vigilância Alimentar • Caracterizar o perfil alimentar da população brasileira, em conjunto com outros indicadores do SISVAN, subsidiando ações para o incentivo à prática do aleitamento materno exclusivo durante os seis primeiros meses de vida e à adoção de práticas alimentares saudáveis durante toda a vida.
  23. 23. Objetivo da Vigilância Alimentar • Acompanhar o consumo de macronutrientes, e de energia, incluindo dados tanto de ingestão alimentar como de despesas familiares; • Acompanhar o consumo de micronutrientes, principalmente de vitamina A, ferro, zinco e cálcio.
  24. 24. Objetivo da Vigilância Alimentar • Os profissionais de saúde das Unidades Básicas de Saúde, das Equipes de Saúde da Família e os Agentes Comunitários de Saúde são responsáveis por coletar e registrar os dados em mapas ou fichas de acompanhamento do SISVAN; • O registro das informações não tem periodicidade definida, ficando por enquanto sob decisão do município. A consolidação é realizada pelo DATASUS em fevereiro e setembro de cada ano, apresentando agregação mensal, semestral e anual.
  25. 25. Envio de Dados para o SISVAN WEB Acolhimento na Unidade de Saúde Sala da Antropometria Realização da Av. Nutricional e dos marcadores nutricionais Armazenamento dos Dados Digitação dos Dados Interpretação dos Dados Ações de Promoção de Alimentação Saudável Avaliação das ações
  26. 26. Política Nacional de Promoção da Saúde - PNPS • Portaria nº 687/GM de 30 de março de 2006 • Objetivo: Promover a qualidade de vida e reduzir vulnerabilidade e riscos à saúde relacionados aos seus determinantes e condicionantes modos de viver, condições de trabalho, habitação, ambiente, educação, lazer, cultura, acesso a bens e serviços essenciais.
  27. 27. PNPS • Ações Específicas: - Alimentação Saudável: • Articulação e mobilização dos setores público e privado para a adoção de ambientes que favoreçam a alimentação saudável, o que inclui: espaços propícios à amamentação pelas nutrizes trabalhadoras, oferta de refeições saudáveis nos locais de trabalho, nas escolas e para as populações institucionalizadas; • Articulação e mobilização intersetorial para a proposição e elaboração de medidas regulatórias que visem promover a alimentação saudável e reduzir o risco do DCNT, com especial ênfase para a regulamentação da propaganda e publicidade de alimentos.
  28. 28. PNPS • Desenvolver ações para a promoção da alimentação saudável no ambiente escolar (PSE); • Implementar as ações de vigilância alimentar e nutricional para a prevenção e controle dos agravos e doenças decorrentes da má alimentação (SISVAN); • Reorientação dos serviços de saúde com ênfase na atenção básica (NASF).
  29. 29. Programa Saúde na Escola - PSE • O Programa Saúde na Escola (PSE) é uma Política intersetorial dos Ministérios da Saúde e da Educação, e foi instituído em 2007 (Decreto Presidencial 6.286); • As políticas de saúde e educação voltadas às crianças, adolescentes, jovens e adultos da educação pública brasileira se unem para promover o desenvolvimento pleno desse público, aproveitando o espaço privilegiado da escola para práticas de promoção, prevenção da saúde e construção de uma cultura de paz .
  30. 30. Objetivos do PSE • Melhorar a qualidade de vida da população; • Garantir o desenvolvimento pleno do indivíduo; • Formar cidadãos críticos e informados capazes de agir em defesa da vida e de sua qualidade .
  31. 31. Núcleo de Apoio NASF • Portaria 154 24 de Janeiro de 2008 • Objetiva ampliar a abrangência e o escopo das ações da atenção básica, bem como sua resolubilidade, apoiando a inserção da estratégia de Saúde da Família na rede de serviços e o processo de territorialização e regionalização a partir da atenção básica. • O NASF NÃO É PORTA DE ENTRADA PARA O SUS!!
  32. 32. Programa Peso Saudável • O Programa Peso Saudável é uma proposta de intervenção para o controle do peso e prevenção da obesidade no âmbito de trabalho, iniciando com o Ministério da Saúde como uma experiência modelo; • Inicialmente será apenas para os funcionários do MS, será um programa experimental, desenvolvimento de programa de avaliação para os trabalhadores e terão avaliações mensais.
  33. 33. Caderno de Obesidade • Disponível na página da CGAN: http://nutricao.saude.gov.br/pu blicacoes.php
  34. 34. Transtornos Alimentares e Obesidade em Fortaleza: Onde recorrer?
  35. 35. Por favor!!! • Leiam: - Leis 8.080/90 e 8.142/90; - Política Nacional de Alimentação e Nutrição - Política Nacional de Promoção da Saúde - Política Nacional de Atenção Básica
  36. 36. • Contato: paula.salmito@uece.br

×