Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo

1,596 views

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,596
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
64
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Inferior ao depois
  • Os mistérios de Elêusis eram ritos de iniciação ao culto das deusas agrícolas Demeter e Perséfone, que se celebravam em Elêusis, localidade da Grécia próxima a Atenas. Eram considerados os de maior importância entre todos os que se celebravam na antiguidade. Estes mitos e mistérios se transferiram ao Império Romano e sinais dele podem ser notados em práticas iniciáticas modernas. Os ritos e crenças eram guardados em segredo, só transmitidos a novos iniciados.
  • Inferior ao depois
  • Inferior ao depois
  • Inferior ao depois
  • Inferior ao depois
  • Inferior ao depois
  • P. Bourdieu fala de sentido comum como um fundo de evidências partilhadas por todos que assegura, nos limites dum universo social, um consenso primordial sobre o sentido do mundo, um conjunto de lugares comuns tacitamente aceites que tornam possível a confrontação, o diálogo, a concorrência, o conflito mesmo e entre os quais é necessário dar um lugar à parte aos princípios de classificação, tais como as grandes oposições que estruturam a percepção do mundo (1997:118). São estes esquemas de classificação que permitem que todos se refiram à mesmas oposições (alto/baixo, raro/comum,rico/pobre).
  • P. Bourdieu fala de sentido comum como um fundo de evidências partilhadas por todos que assegura, nos limites dum universo social, um consenso primordial sobre o sentido do mundo, um conjunto de lugares comuns tacitamente aceites que tornam possível a confrontação, o diálogo, a concorrência, o conflito mesmo e entre os quais é necessário dar um lugar à parte aos princípios de classificação, tais como as grandes oposições que estruturam a percepção do mundo (1997:118). São estes esquemas de classificação que permitem que todos se refiram à mesmas oposições (alto/baixo, raro/comum,rico/pobre).
  • P. Bourdieu fala de sentido comum como um fundo de evidências partilhadas por todos que assegura, nos limites dum universo social, um consenso primordial sobre o sentido do mundo, um conjunto de lugares comuns tacitamente aceites que tornam possível a confrontação, o diálogo, a concorrência, o conflito mesmo e entre os quais é necessário dar um lugar à parte aos princípios de classificação, tais como as grandes oposições que estruturam a percepção do mundo (1997:118). São estes esquemas de classificação que permitem que todos se refiram à mesmas oposições (alto/baixo, raro/comum,rico/pobre).
  • Inferior ao depois
  • Nesse conceito, o médium é visto propriamente como um intermediário entre o mundo espiritual e o físico e coloca como imprescindível em qualquer tipo de comunicação dos desencarnados com os encarnados.
  • Nesse conceito de médium, a ênfase é dada na qualidade do médium e amplia o universo de intermediários para todos: encarnados e desencarnados. Está embutido nesse conceito, o sentido de que o médium é um mensageiro que carrega consigo as condições morais em que vive.
  • Inferior ao depois
  • Nesse conceito de médium, a ênfase é dada na qualidade do médium e amplia o universo de intermediários para todos: encarnados e desencarnados. Está embutido nesse conceito, o sentido de que o médium é um mensageiro que carrega consigo as condições morais em que vive.
  • Nesse conceito de médium, a ênfase é dada na qualidade do médium e amplia o universo de intermediários para todos: encarnados e desencarnados. Está embutido nesse conceito, o sentido de que o médium é um mensageiro que carrega consigo as condições morais em que vive.
  • Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo

    1. 1. MóduloMódulo VVComunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos EspíritosMóduloMódulo VVComunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos EspíritosPossibilitar entendimento do processoPossibilitar entendimento do processode comunicação dos Espíritos com ode comunicação dos Espíritos com omundo corporal.mundo corporal.Possibilitar entendimento do processoPossibilitar entendimento do processode comunicação dos Espíritos com ode comunicação dos Espíritos com omundo corporal.mundo corporal.Objetivo GeralObjetivo GeralObjetivo GeralObjetivo Geral
    2. 2. 1.1. Influência dos Espíritos em nossosInfluência dos Espíritos em nossospensamentos e atos, e nos acontecimentospensamentos e atos, e nos acontecimentosda vida.da vida.2.2. Mediunidade e médium.Mediunidade e médium.3.3. Mediunidade com Jesus.Mediunidade com Jesus.1.1. Influência dos Espíritos em nossosInfluência dos Espíritos em nossospensamentos e atos, e nos acontecimentospensamentos e atos, e nos acontecimentosda vida.da vida.2.2. Mediunidade e médium.Mediunidade e médium.3.3. Mediunidade com Jesus.Mediunidade com Jesus.RoteirosRoteirosRoteirosRoteirosComunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos EspíritosMóduloMódulo VVMóduloMódulo VV
    3. 3. Roteiro 2Roteiro 2: Mediunidade e médium: Mediunidade e médiumRoteiro 2Roteiro 2: Mediunidade e médium: Mediunidade e médiumObjetivos específicos:Objetivos específicos:Objetivos específicos:Objetivos específicos: Emitir conceito de mediunidade eEmitir conceito de mediunidade ede médium.de médium. Esclarecer a finalidade daEsclarecer a finalidade damediunidade.mediunidade. Emitir conceito de mediunidade eEmitir conceito de mediunidade ede médium.de médium. Esclarecer a finalidade daEsclarecer a finalidade damediunidade.mediunidade.
    4. 4. A Mediunidade foiA Mediunidade foidescoberta pelodescoberta peloEspiritismo?Espiritismo?A Mediunidade foiA Mediunidade foidescoberta pelodescoberta peloEspiritismo?Espiritismo?
    5. 5. Os profetas eram médiuns;Os profetas eram médiuns;Os Caldeus e os Assírios tinhamOs Caldeus e os Assírios tinhammédiuns;médiuns;Sócrates era dirigido por umSócrates era dirigido por umEspírito;Espírito;As inspirações de Joana dArc nãoAs inspirações de Joana dArc nãoeram mais do que vozes de Espíritos.eram mais do que vozes de Espíritos.O dom da mediunidade é antigo!O dom da mediunidade é antigo!KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. O livro dos médiunsO livro dos médiuns. Cap. 31, item 11.. Cap. 31, item 11.KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. O livro dos médiunsO livro dos médiuns. Cap. 31, item 11.. Cap. 31, item 11.
    6. 6. Então. O que é Mediunidade?Então. O que é Mediunidade?[...] a mediunidade é inerente a uma[...] a mediunidade é inerente a umadisposição orgânica, de que qualquerdisposição orgânica, de que qualquerhomem [Espírito encarnado] pode serhomem [Espírito encarnado] pode serdotado, como da de ver, de ouvir, dedotado, como da de ver, de ouvir, defalar. [...]falar. [...][...] a mediunidade é inerente a uma[...] a mediunidade é inerente a umadisposição orgânica, de que qualquerdisposição orgânica, de que qualquerhomem [Espírito encarnado] pode serhomem [Espírito encarnado] pode serdotado, como da de ver, de ouvir, dedotado, como da de ver, de ouvir, defalar. [...]falar. [...]KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. O Evangelho segundo o EspiritismoO Evangelho segundo o Espiritismo. Cap. 24, item 12. Cap. 24, item 12KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. O Evangelho segundo o EspiritismoO Evangelho segundo o Espiritismo. Cap. 24, item 12. Cap. 24, item 12ConceitoConceito
    7. 7. Outro Conceito de MediunidadeOutro Conceito de MediunidadeA faculdade mediúnica é umaA faculdade mediúnica é umapropriedade do organismo e nãopropriedade do organismo e nãodepende das qualidades moraisdepende das qualidades moraisdo médium; [...]do médium; [...]A faculdade mediúnica é umaA faculdade mediúnica é umapropriedade do organismo e nãopropriedade do organismo e nãodepende das qualidades moraisdepende das qualidades moraisdo médium; [...]do médium; [...]KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. O que é o Espiritismo.O que é o Espiritismo. Cap. 2, item 79Cap. 2, item 79KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. O que é o Espiritismo.O que é o Espiritismo. Cap. 2, item 79Cap. 2, item 79
    8. 8. Mais um conceito de MediunidadeMais um conceito de MediunidadeFaculdade orgânica, a mediunidade seFaculdade orgânica, a mediunidade seencontra, em quase todos osencontra, em quase todos osindivíduos, não constituindo patrimônioindivíduos, não constituindo patrimônioespecial de grupos nem privilégio deespecial de grupos nem privilégio decastas; [...]castas; [...]Faculdade orgânica, a mediunidade seFaculdade orgânica, a mediunidade seencontra, em quase todos osencontra, em quase todos osindivíduos, não constituindo patrimônioindivíduos, não constituindo patrimônioespecial de grupos nem privilégio deespecial de grupos nem privilégio decastas; [...]castas; [...]FRANCO, Divaldo. Estudos Espíritas. (Joanna de Ângelis). Cap. 18FRANCO, Divaldo. Estudos Espíritas. (Joanna de Ângelis). Cap. 18FRANCO, Divaldo. Estudos Espíritas. (Joanna de Ângelis). Cap. 18FRANCO, Divaldo. Estudos Espíritas. (Joanna de Ângelis). Cap. 18
    9. 9. Conceito fisiopsíquico de MediunidadeConceito fisiopsíquico de MediunidadeA mediunidade é expressão fisiopsíquicaA mediunidade é expressão fisiopsíquicainerente ao homem [Espírito encarnado],inerente ao homem [Espírito encarnado],por cujo meio é-lhe possível entrar empor cujo meio é-lhe possível entrar emcontato com outras faixas vibratórias,contato com outras faixas vibratórias,além e aquém daquelas que são captadasalém e aquém daquelas que são captadaspelos seus equipamentos sensoriais.pelos seus equipamentos sensoriais.A mediunidade é expressão fisiopsíquicaA mediunidade é expressão fisiopsíquicainerente ao homem [Espírito encarnado],inerente ao homem [Espírito encarnado],por cujo meio é-lhe possível entrar empor cujo meio é-lhe possível entrar emcontato com outras faixas vibratórias,contato com outras faixas vibratórias,além e aquém daquelas que são captadasalém e aquém daquelas que são captadaspelos seus equipamentos sensoriais.pelos seus equipamentos sensoriais.FRANCO, Divaldo. Temas da vida e da morte. (Manoel Philomeno).FRANCO, Divaldo. Temas da vida e da morte. (Manoel Philomeno).Capítulo: Psiquismo mediúnico.Capítulo: Psiquismo mediúnico.FRANCO, Divaldo. Temas da vida e da morte. (Manoel Philomeno).FRANCO, Divaldo. Temas da vida e da morte. (Manoel Philomeno).Capítulo: Psiquismo mediúnico.Capítulo: Psiquismo mediúnico.
    10. 10. Se a mediunidade é “inerenteSe a mediunidade é “inerentea uma disposição orgânica”,a uma disposição orgânica”,onde ela estaria localizada?onde ela estaria localizada?Se a mediunidade é “inerenteSe a mediunidade é “inerentea uma disposição orgânica”,a uma disposição orgânica”,onde ela estaria localizada?onde ela estaria localizada?
    11. 11. [...] “a mediunidade está ligada[...] “a mediunidade está ligadaao corpo pelo espírito que a eleao corpo pelo espírito que a elese liga, mas não pertence aose liga, mas não pertence aocorpo e sim ao perispírito” [...]corpo e sim ao perispírito” [...]PIRES, José Herculano.PIRES, José Herculano. MediunidadeMediunidade. 9 ed. São Paulo: Editora Paidéia,. 9 ed. São Paulo: Editora Paidéia,Cap. 9, p. 72.Cap. 9, p. 72.PIRES, José Herculano.PIRES, José Herculano. MediunidadeMediunidade. 9 ed. São Paulo: Editora Paidéia,. 9 ed. São Paulo: Editora Paidéia,Cap. 9, p. 72.Cap. 9, p. 72.Opiniões de especialistas …Opiniões de especialistas …
    12. 12. Nessa ligação entre o perispírito e oNessa ligação entre o perispírito e ocorpo físico, [...] “acredita-se que acorpo físico, [...] “acredita-se que amediunidade acontece pelo funcionamentomediunidade acontece pelo funcionamentoda pineal, que capta o campoda pineal, que capta o campoeletromagnético, através do qual aeletromagnético, através do qual aespiritualidade interfere.”espiritualidade interfere.”SOUZA, Paula Calloni de. Pineal - A União do Corpo e da Alma.http://www.espirito.org.br/portal/publicacoes/esp-ciencia/003/pineal.html SOUZA, Paula Calloni de. Pineal - A União do Corpo e da Alma.http://www.espirito.org.br/portal/publicacoes/esp-ciencia/003/pineal.html Opiniões de especialistas …Opiniões de especialistas …
    13. 13. [...] “No exercício mediúnico de qualquer[...] “No exercício mediúnico de qualquermodalidade, a epífise [glândula pineal]modalidade, a epífise [glândula pineal]desempenha o papel mais importante.desempenha o papel mais importante.Através de suas forças equilibradas, aAtravés de suas forças equilibradas, amente humana intensifica o poder demente humana intensifica o poder deemissão e recepção de raios peculiares àemissão e recepção de raios peculiares ànossa esfera.” [...]nossa esfera.” [...] (1)(1)(1)XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo EspíritoAndré Luiz. Cap. 1: O psicógrafo.(1)XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo EspíritoAndré Luiz. Cap. 1: O psicógrafo.Explicações do Espírito AlexandreExplicações do Espírito Alexandre (1)(1)
    14. 14. O que é serO que é sermédium?médium?O que é serO que é sermédium?médium?
    15. 15. Conceito de MédiumConceito de Médium[...] “O médium é o indivíduo que serve[...] “O médium é o indivíduo que servede traço de união aos Espíritos, parade traço de união aos Espíritos, paraque estes possam comunicar-seque estes possam comunicar-sefacilmente com os homens: Espíritosfacilmente com os homens: Espíritosencarnados. Por conseguinte, semencarnados. Por conseguinte, semmédium, não há comunicações tangíveis,médium, não há comunicações tangíveis,mentais, escritas, físicas, de qualquermentais, escritas, físicas, de qualquernatureza que seja.” [...]natureza que seja.” [...][...] “O médium é o indivíduo que serve[...] “O médium é o indivíduo que servede traço de união aos Espíritos, parade traço de união aos Espíritos, paraque estes possam comunicar-seque estes possam comunicar-sefacilmente com os homens: Espíritosfacilmente com os homens: Espíritosencarnados. Por conseguinte, semencarnados. Por conseguinte, semmédium, não há comunicações tangíveis,médium, não há comunicações tangíveis,mentais, escritas, físicas, de qualquermentais, escritas, físicas, de qualquernatureza que seja.” [...]natureza que seja.” [...]KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. O livro dos médiunsO livro dos médiuns. Cap. 24, item 12.. Cap. 24, item 12.KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. O livro dos médiunsO livro dos médiuns. Cap. 24, item 12.. Cap. 24, item 12.
    16. 16. Conceito de MédiumConceito de MédiumMédiuns, meu amigo, inclusive nós outros,Médiuns, meu amigo, inclusive nós outros,os desencarnados, todos o somos, emos desencarnados, todos o somos, emvista de sermos intermediários do bemvista de sermos intermediários do bemque procede de mais alto, quando nosque procede de mais alto, quando noselevamos, ou portadores do mal, colhidoelevamos, ou portadores do mal, colhidonas zonas inferiores, quando caímos emnas zonas inferiores, quando caímos emdesequilíbrio. [...]desequilíbrio. [...]Médiuns, meu amigo, inclusive nós outros,Médiuns, meu amigo, inclusive nós outros,os desencarnados, todos o somos, emos desencarnados, todos o somos, emvista de sermos intermediários do bemvista de sermos intermediários do bemque procede de mais alto, quando nosque procede de mais alto, quando noselevamos, ou portadores do mal, colhidoelevamos, ou portadores do mal, colhidonas zonas inferiores, quando caímos emnas zonas inferiores, quando caímos emdesequilíbrio. [...]desequilíbrio. [...]XAVIER, Francisco Cândido.XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz.Missionários da luz. Pelo Espírito AndréPelo Espírito AndréLuiz. 39 ed. RJ: FEB, 2004. Cap. 18.Luiz. 39 ed. RJ: FEB, 2004. Cap. 18.XAVIER, Francisco Cândido.XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz.Missionários da luz. Pelo Espírito AndréPelo Espírito AndréLuiz. 39 ed. RJ: FEB, 2004. Cap. 18.Luiz. 39 ed. RJ: FEB, 2004. Cap. 18.
    17. 17. O perispíritoO perispíritodo médium sedo médium seexpandeexpandeO perispíritoO perispíritodo Espíritodo Espíritocomunicantecomunicantetambém setambém seexpandeexpandeMECANISMOS DA MEDIUNIDADEMECANISMOS DA MEDIUNIDADEOEspírito transmiteOEspírito transmitesua vontade ao médiumsua vontade ao médiumwww.cele.org.brwww.cele.org.brUma atmosfera fluídico-Uma atmosfera fluídico-perispiritual comum é formadaperispiritual comum é formada
    18. 18. Informativo ComCiência Ano I – N. 2 (Jan-Fev/2006)Informativo ComCiência Ano I – N. 2 (Jan-Fev/2006)http://mfo1977.googlepages.com/InformativoComCiencia2.pdfhttp://mfo1977.googlepages.com/InformativoComCiencia2.pdfInformativo ComCiência Ano I – N. 2 (Jan-Fev/2006)Informativo ComCiência Ano I – N. 2 (Jan-Fev/2006)http://mfo1977.googlepages.com/InformativoComCiencia2.pdfhttp://mfo1977.googlepages.com/InformativoComCiencia2.pdfO Espírito comunicanteO Espírito comunicantetransmite seu pensamentotransmite seu pensamentoao perispírito do médium,ao perispírito do médium,o qual após ser captado,o qual após ser captado,é encaminhado ao seué encaminhado ao seucérebro.cérebro.O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO MEDIÚNICOO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO MEDIÚNICO
    19. 19. Pontos para nossa reflexão ...Pontos para nossa reflexão ...Pontos para nossa reflexão ...Pontos para nossa reflexão ...““A mediunidade é a faculdade humana, natural, pela qualA mediunidade é a faculdade humana, natural, pela qualse estabelecem as relações entre homens e espíritos.”se estabelecem as relações entre homens e espíritos.”((PIRES, J. Herculano.PIRES, J. Herculano. MediunidadeMediunidade. Cap. 1, pag. 9. Cap. 1, pag. 9))““A mediunidade é a faculdade humana, natural, pela qualA mediunidade é a faculdade humana, natural, pela qualse estabelecem as relações entre homens e espíritos.”se estabelecem as relações entre homens e espíritos.”((PIRES, J. Herculano.PIRES, J. Herculano. MediunidadeMediunidade. Cap. 1, pag. 9. Cap. 1, pag. 9))[...] “O médium é o indivíduo que serve de traço de união[...] “O médium é o indivíduo que serve de traço de uniãoaos Espíritos, para que estes possam comunicar-seaos Espíritos, para que estes possam comunicar-sefacilmente com os homens: Espíritos encarnados.” [...]facilmente com os homens: Espíritos encarnados.” [...]((KARDEC, A. O livro dos médiuns. Cap. XXVII, Item 306KARDEC, A. O livro dos médiuns. Cap. XXVII, Item 306))[...] “O médium é o indivíduo que serve de traço de união[...] “O médium é o indivíduo que serve de traço de uniãoaos Espíritos, para que estes possam comunicar-seaos Espíritos, para que estes possam comunicar-sefacilmente com os homens: Espíritos encarnados.” [...]facilmente com os homens: Espíritos encarnados.” [...]((KARDEC, A. O livro dos médiuns. Cap. XXVII, Item 306KARDEC, A. O livro dos médiuns. Cap. XXVII, Item 306))[...] “A moral do médium determina seu comportamento[...] “A moral do médium determina seu comportamentocomo criatura humana e regula as suas relações com oscomo criatura humana e regula as suas relações com osespíritos.” [...] (espíritos.” [...] (PIRES, J. Herculano. Mediunidade. Cap. 9, pag. 71PIRES, J. Herculano. Mediunidade. Cap. 9, pag. 71).).[...] “A moral do médium determina seu comportamento[...] “A moral do médium determina seu comportamentocomo criatura humana e regula as suas relações com oscomo criatura humana e regula as suas relações com osespíritos.” [...] (espíritos.” [...] (PIRES, J. Herculano. Mediunidade. Cap. 9, pag. 71PIRES, J. Herculano. Mediunidade. Cap. 9, pag. 71).).
    20. 20. AtividadesAtividadesEm duplasEm duplas
    21. 21. Primeira ETAPAPrimeira ETAPAPrimeira ETAPAPrimeira ETAPAa)a) Ler atentamente osLer atentamente os subsídiossubsídios dodoRoteiro, em duplas, fazendo asRoteiro, em duplas, fazendo asanotações que julgar importantes.anotações que julgar importantes.((10 minutos10 minutos))a)a) Ler atentamente osLer atentamente os subsídiossubsídios dodoRoteiro, em duplas, fazendo asRoteiro, em duplas, fazendo asanotações que julgar importantes.anotações que julgar importantes.((10 minutos10 minutos))
    22. 22. Aguardar aAguardar aleitura dosleitura dossubsídiossubsídios((10 minutos10 minutos))
    23. 23. b)b) Recomenda-se a todas as duplasRecomenda-se a todas as duplasresponder, em papel em branco,responder, em papel em branco,cada uma das seguintes questõescada uma das seguintes questõespropostas (2propostas (2°minutos por questão):minutos por questão):b)b) Recomenda-se a todas as duplasRecomenda-se a todas as duplasresponder, em papel em branco,responder, em papel em branco,cada uma das seguintes questõescada uma das seguintes questõespropostas (2propostas (2°minutos por questão):minutos por questão):Segunda ETAPASegunda ETAPASegunda ETAPASegunda ETAPA
    24. 24. QuestõesQuestõespropostaspropostasQuestõesQuestõespropostaspropostas1. Que se entende por mediunidade?1. Que se entende por mediunidade?1. Que se entende por mediunidade?1. Que se entende por mediunidade?2. Dar um conceito de médium.2. Dar um conceito de médium.2. Dar um conceito de médium.2. Dar um conceito de médium.3. O desenvolvimento da mediunidade guarda3. O desenvolvimento da mediunidade guardarelação com o desenvolvimento moral dosrelação com o desenvolvimento moral dosmédiuns? Explique.médiuns? Explique.3. O desenvolvimento da mediunidade guarda3. O desenvolvimento da mediunidade guardarelação com o desenvolvimento moral dosrelação com o desenvolvimento moral dosmédiuns? Explique.médiuns? Explique.4. Por que a mediunidade não implica relações4. Por que a mediunidade não implica relaçõeshabituais com os Espíritos superiores?habituais com os Espíritos superiores?4. Por que a mediunidade não implica relações4. Por que a mediunidade não implica relaçõeshabituais com os Espíritos superiores?habituais com os Espíritos superiores?5. Qual a finalidade da mediunidade?5. Qual a finalidade da mediunidade?5. Qual a finalidade da mediunidade?5. Qual a finalidade da mediunidade?
    25. 25. c)c) 2 grupos (aleatórios) devem2 grupos (aleatórios) devemresponder a cada questão (de 1 aresponder a cada questão (de 1 a5) em público. Se houver pontos5) em público. Se houver pontosadicionais ou divergentes, osadicionais ou divergentes, osdemais podem se manifestar.demais podem se manifestar.c)c) 2 grupos (aleatórios) devem2 grupos (aleatórios) devemresponder a cada questão (de 1 aresponder a cada questão (de 1 a5) em público. Se houver pontos5) em público. Se houver pontosadicionais ou divergentes, osadicionais ou divergentes, osdemais podem se manifestar.demais podem se manifestar.Terceira ETAPATerceira ETAPATerceira ETAPATerceira ETAPA
    26. 26. Resultados doResultados doestudo em grupoestudo em grupo
    27. 27. Questão 1Questão 1Questão 1Questão 1Que se entende por mediunidade?Que se entende por mediunidade?Que se entende por mediunidade?Que se entende por mediunidade?A mediunidade é uma faculdadeA mediunidade é uma faculdadeinerente ao homem [Espíritoinerente ao homem [Espíritoencarnado] que possibilita oencarnado] que possibilita ointercâmbio entre os habitantesintercâmbio entre os habitantesdos mundos: espiritual e físico.dos mundos: espiritual e físico.A mediunidade é uma faculdadeA mediunidade é uma faculdadeinerente ao homem [Espíritoinerente ao homem [Espíritoencarnado] que possibilita oencarnado] que possibilita ointercâmbio entre os habitantesintercâmbio entre os habitantesdos mundos: espiritual e físico.dos mundos: espiritual e físico.
    28. 28. Questão 2Questão 2Questão 2Questão 2Dar um conceito de médium.Dar um conceito de médium.Dar um conceito de médium.Dar um conceito de médium.[...] “Todo aquele que sente, num[...] “Todo aquele que sente, numgrau qualquer, a influência dosgrau qualquer, a influência dosEspíritos é, por esse fato, médium.Espíritos é, por esse fato, médium.[...] Pode, pois, dizer-se que todos[...] Pode, pois, dizer-se que todossão, mais ou menos, médiuns.” [...]são, mais ou menos, médiuns.” [...][...] “Todo aquele que sente, num[...] “Todo aquele que sente, numgrau qualquer, a influência dosgrau qualquer, a influência dosEspíritos é, por esse fato, médium.Espíritos é, por esse fato, médium.[...] Pode, pois, dizer-se que todos[...] Pode, pois, dizer-se que todossão, mais ou menos, médiuns.” [...]são, mais ou menos, médiuns.” [...]KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. O livro dos médiunsO livro dos médiuns. Cap. 24, item 12.. Cap. 24, item 12.KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. O livro dos médiunsO livro dos médiuns. Cap. 24, item 12.. Cap. 24, item 12.
    29. 29. Questão 3Questão 3Questão 3Questão 3O desenvolvimento da mediunidade guarda relaçãoO desenvolvimento da mediunidade guarda relaçãocom o desenvolvimento moral dos médiuns?com o desenvolvimento moral dos médiuns?Explique.Explique.O desenvolvimento da mediunidade guarda relaçãoO desenvolvimento da mediunidade guarda relaçãocom o desenvolvimento moral dos médiuns?com o desenvolvimento moral dos médiuns?Explique.Explique."Não; a faculdade propriamente dita se"Não; a faculdade propriamente dita seradica no organismo; independe do moral. Oradica no organismo; independe do moral. Omesmo, porém, não se dá com o seu uso, quemesmo, porém, não se dá com o seu uso, quepode ser bom, ou mau, conforme aspode ser bom, ou mau, conforme asqualidades do médium."qualidades do médium.""Não; a faculdade propriamente dita se"Não; a faculdade propriamente dita seradica no organismo; independe do moral. Oradica no organismo; independe do moral. Omesmo, porém, não se dá com o seu uso, quemesmo, porém, não se dá com o seu uso, quepode ser bom, ou mau, conforme aspode ser bom, ou mau, conforme asqualidades do médium."qualidades do médium."KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. O livro dos médiunsO livro dos médiuns. Cap. 20, item 226.. Cap. 20, item 226.KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. O livro dos médiunsO livro dos médiuns. Cap. 20, item 226.. Cap. 20, item 226.
    30. 30. Questão 4Questão 4Questão 4Questão 4Por que a mediunidade não implica relaçõesPor que a mediunidade não implica relaçõeshabituais com os Espíritos superiores?habituais com os Espíritos superiores?Por que a mediunidade não implica relaçõesPor que a mediunidade não implica relaçõeshabituais com os Espíritos superiores?habituais com os Espíritos superiores?““A mediunidade é uma aptidão de que dispõeA mediunidade é uma aptidão de que dispõeo Espírito encarnado para servir deo Espírito encarnado para servir deinstrumento mais ou menos dúctil aosinstrumento mais ou menos dúctil aosEspíritos, em geral.” Isso não significa que oEspíritos, em geral.” Isso não significa que omédium esteja automaticamente pronto paramédium esteja automaticamente pronto parase comunicar com os Espíritos superiores.se comunicar com os Espíritos superiores.““A mediunidade é uma aptidão de que dispõeA mediunidade é uma aptidão de que dispõeo Espírito encarnado para servir deo Espírito encarnado para servir deinstrumento mais ou menos dúctil aosinstrumento mais ou menos dúctil aosEspíritos, em geral.” Isso não significa que oEspíritos, em geral.” Isso não significa que omédium esteja automaticamente pronto paramédium esteja automaticamente pronto parase comunicar com os Espíritos superiores.se comunicar com os Espíritos superiores.XAVIER, Francisco Cândido.XAVIER, Francisco Cândido. Dicionário da almaDicionário da alma. Verbete:. Verbete:Mediunidade.Mediunidade.XAVIER, Francisco Cândido.XAVIER, Francisco Cândido. Dicionário da almaDicionário da alma. Verbete:. Verbete:Mediunidade.Mediunidade.
    31. 31. Questão 5Questão 5Questão 5Questão 5Qual a finalidade da mediunidade?Qual a finalidade da mediunidade?Qual a finalidade da mediunidade?Qual a finalidade da mediunidade?A mediunidade tem por finalidadeA mediunidade tem por finalidadeestabelecer um canal de comunicaçãoestabelecer um canal de comunicaçãoentre os Espíritos encarnados eentre os Espíritos encarnados edesencarnados, visando contribuirdesencarnados, visando contribuirpara a renovação moral e intelectualpara a renovação moral e intelectualda criatura terrena.da criatura terrena.A mediunidade tem por finalidadeA mediunidade tem por finalidadeestabelecer um canal de comunicaçãoestabelecer um canal de comunicaçãoentre os Espíritos encarnados eentre os Espíritos encarnados edesencarnados, visando contribuirdesencarnados, visando contribuirpara a renovação moral e intelectualpara a renovação moral e intelectualda criatura terrena.da criatura terrena.
    32. 32. CONSIDERAÇÕESCONSIDERAÇÕESFINAISFINAIS
    33. 33. KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. A prece segundo o EvangelhoA prece segundo o Evangelho. Parte III. Item 9.. Parte III. Item 9.KARDEC, Allan.KARDEC, Allan. A prece segundo o EvangelhoA prece segundo o Evangelho. Parte III. Item 9.. Parte III. Item 9.““Para que o homem conheça as coisas doPara que o homem conheça as coisas domundo visível e desvende os segredos damundo visível e desvende os segredos daNatureza material, Deus lhe deu a vista doNatureza material, Deus lhe deu a vista docorpo, os sentidos e instrumentos especiais.corpo, os sentidos e instrumentos especiais.Com o telescópio ele mergulha o olhar nasCom o telescópio ele mergulha o olhar nasprofundezas do espaço e com o microscópioprofundezas do espaço e com o microscópiodescobre o mundo dos infinitamentedescobre o mundo dos infinitamentepequenos. Para que penetre no mundopequenos. Para que penetre no mundoinvisível, deu-lhe a mediunidade.”invisível, deu-lhe a mediunidade.”Sobre a Mediunidade ...Sobre a Mediunidade ...
    34. 34. ““A mediunidade é conferida semA mediunidade é conferida semdistinção, a fim de que os Espíritosdistinção, a fim de que os Espíritospossam trazer a luz a todas aspossam trazer a luz a todas ascamadas, a todas as classes dacamadas, a todas as classes dasociedade, ao pobre como ao rico; aossociedade, ao pobre como ao rico; aosretos, para fortificar no bem, aosretos, para fortificar no bem, aosviciosos, para os corrigir.viciosos, para os corrigir.““A mediunidade é conferida semA mediunidade é conferida semdistinção, a fim de que os Espíritosdistinção, a fim de que os Espíritospossam trazer a luz a todas aspossam trazer a luz a todas ascamadas, a todas as classes dacamadas, a todas as classes dasociedade, ao pobre como ao rico; aossociedade, ao pobre como ao rico; aosretos, para fortificar no bem, aosretos, para fortificar no bem, aosviciosos, para os corrigir.viciosos, para os corrigir.FRANCO, Divaldo. Temas da vida e da morte. (Manoel Philomeno).FRANCO, Divaldo. Temas da vida e da morte. (Manoel Philomeno).Capítulo: Psiquismo mediúnico.Capítulo: Psiquismo mediúnico.FRANCO, Divaldo. Temas da vida e da morte. (Manoel Philomeno).FRANCO, Divaldo. Temas da vida e da morte. (Manoel Philomeno).Capítulo: Psiquismo mediúnico.Capítulo: Psiquismo mediúnico.Outra visão sobre a Mediunidade ...Outra visão sobre a Mediunidade ...
    35. 35. Ser médium não é apenas receberSer médium não é apenas receberEspíritos. [...] Ser médium é, acima deEspíritos. [...] Ser médium é, acima detudo, ser discípulo do bem, habilitando-setudo, ser discípulo do bem, habilitando-sedia a dia, no intercâmbio regeneradordia a dia, no intercâmbio regeneradorcom o Alto a proveito da reforma geralcom o Alto a proveito da reforma geralda Humanidade, do planeta e de sida Humanidade, do planeta e de sipróprio. [...]próprio. [...]Ser médium não é apenas receberSer médium não é apenas receberEspíritos. [...] Ser médium é, acima deEspíritos. [...] Ser médium é, acima detudo, ser discípulo do bem, habilitando-setudo, ser discípulo do bem, habilitando-sedia a dia, no intercâmbio regeneradordia a dia, no intercâmbio regeneradorcom o Alto a proveito da reforma geralcom o Alto a proveito da reforma geralda Humanidade, do planeta e de sida Humanidade, do planeta e de sipróprio. [...]próprio. [...]PEREIRA, Yvonne A.PEREIRA, Yvonne A. À luz do Consolador.À luz do Consolador. 2 ed. RJ: FEB, 1994.2 ed. RJ: FEB, 1994.Capítulo: O grande compromisso.Capítulo: O grande compromisso.PEREIRA, Yvonne A.PEREIRA, Yvonne A. À luz do Consolador.À luz do Consolador. 2 ed. RJ: FEB, 1994.2 ed. RJ: FEB, 1994.Capítulo: O grande compromisso.Capítulo: O grande compromisso.O que é ser médium ...O que é ser médium ...
    36. 36. [...] Ser médium é, sobretudo, viver o[...] Ser médium é, sobretudo, viver oEvangelho, seguir os ensinamentos deEvangelho, seguir os ensinamentos deJesus, amando o próximo, perdoando eJesus, amando o próximo, perdoando erespeitando o semelhante, ajudando-o,respeitando o semelhante, ajudando-o,inclusive, a crescer.inclusive, a crescer.[...] Ser médium é, sobretudo, viver o[...] Ser médium é, sobretudo, viver oEvangelho, seguir os ensinamentos deEvangelho, seguir os ensinamentos deJesus, amando o próximo, perdoando eJesus, amando o próximo, perdoando erespeitando o semelhante, ajudando-o,respeitando o semelhante, ajudando-o,inclusive, a crescer.inclusive, a crescer.SCHUBERT, Suely.SCHUBERT, Suely. Testemunhos de Chico Xavier.Testemunhos de Chico Xavier. 2 ed. RJ: FEB,2 ed. RJ: FEB,1998. Capítulo: Novos médiuns.1998. Capítulo: Novos médiuns.SCHUBERT, Suely.SCHUBERT, Suely. Testemunhos de Chico Xavier.Testemunhos de Chico Xavier. 2 ed. RJ: FEB,2 ed. RJ: FEB,1998. Capítulo: Novos médiuns.1998. Capítulo: Novos médiuns.Outra visão sobre médium ...Outra visão sobre médium ...
    37. 37. “A mediunidade é coisasanta, que deve ser praticadasantamente, religiosamente”(Allan Kardec-Evangelho Segundo o Espiritismo)(Allan Kardec-Evangelho Segundo o Espiritismo)
    38. 38. “O exercício da mediunidade, nastarefas espíritas, exige largadisciplina mental, moral e física,gerando condicionamentos deductilidade indispensável à conduçãopor parte dos que a utilizam, tendoem vista o relevante mister para oqual deverá ser colocada.”(Viana de Carvalho-Enfoques Espíritas)
    39. 39. DE GRAÇA RECEBESTES,DE GRAÇA DAI.
    40. 40. TestandoTestandonossonossoaprendizado!aprendizado!
    41. 41. Em relação à mediunidade, como devemos avaliaras seguintes afirmações? (Módulo V, Roteiro 2)a)A mediunidade é uma disposiçãoorgânica inerente ao Espíritoencarnado.b)A mediunidade não implica em relaçõeshabituais com os Espíritos superiores.c)A faculdade mediúnica, em qualquersituação, somente é dada aos Espíritosmais evoluídos.d)O exercício da mediunidade pode servisto como um trabalho qualquer e,portanto, pode ser remunerado.VVVFFFF
    42. 42. Em relação à condição de ser médium, podemosafirmar que: (Módulo V, Roteiro 2)a)O médium é o indivíduo que serve detraço de união aos Espíritos, para queestes possam comunicar-se facilmentecom os homens.b)O bom médium é aquele que se comunicafacilmente com o plano espiritual.c)Para sermos considerados médiunstemos que ter a faculdade de comunicarcom os Espíritos, por meio, da psicofonia,psicografia, vidência etc.d)Todos nós, de alguma forma, somosmédiuns.VVFFVVFF
    43. 43. A mediunidade pode ser usada comoprofissão? Por que?a) sim; para sobrevivência do médium;a) sim; para sobrevivência do médium;b) sim; desde que o pagamento não seja iniciativa dob) sim; desde que o pagamento não seja iniciativa domédium;médium;c) sim, em alguns casos. Quando o médium merecer;c) sim, em alguns casos. Quando o médium merecer;d) nunca. Não se pode negociar algo que não lhed) nunca. Não se pode negociar algo que não lhepertença. Dai de graça o que de graça recebeste.pertença. Dai de graça o que de graça recebeste.
    44. 44. O que pode acontecer aos médiunsinteresseiros, quanto à sua mediunidade?a) caso o interesse não seja financeiro, poderáaumentar a qualidade de seus dons, pois estáservindo;b) será abandonado pelos Espíritos bons, pois amediunidade deve ser praticada sem retribuiçãomaterial: dai de graça o que de graça recebeste.c) nada, pois os Espíritos não se envolvem comcoisas materiais;d) como castigo, perderá sua mediunidade.
    45. 45. Não é a mediunidade que teNão é a mediunidade que tedistingue.distingue.É aquilo que fazes dela.É aquilo que fazes dela.XAVIER, Francisco Cândido. Seara dos médiuns.XAVIER, Francisco Cândido. Seara dos médiuns.Pelo Espírito Emmanuel. Capítulo: Na mediunidadePelo Espírito Emmanuel. Capítulo: Na mediunidade

    ×