Planejamento do Tempo, Custo e Qualidade

2,745 views

Published on

Tempo, Custo e Qualidade

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,745
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
39
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Planejamento do Tempo, Custo e Qualidade

  1. 1. Gerenciamento de Projetos de Software Planejamento do Tempo, Custo e Qualidade Goiânia, Sexta Feira 13/09/2013 Professor Wilker Bueno 1
  2. 2. Planejamento do Tempo Vídeo sobre a administração do tempo 2
  3. 3. Planejamento do Tempo ● Basicamente, planejar o tempo constitui-se de cinco etapas: 3
  4. 4. Planejamento do Tempo De nada adianta prometer entregas que depois não se podem cumprir, seja por terem sido subestimadas, seja por não levarem em conta a produtividade e disponibilidade dos recursos. O cronograma de um projeto significa a conversão do plano de ação em uma programação operacional. 4
  5. 5. Planejamento do Tempo Definição da Atividade: A definição da atividade é basicamente um processo de divisão dos pacotes de trabalho da EAP em tarefas específicas e necessárias para produzir as entregas. É realizada pela equipe do projeto. Deve-se tomar cuidado com o nível de refinamento empregado. O detalhamento em excesso atrapalha o gerenciamento do projeto, porque exige maior controle. 5
  6. 6. Planejamento do Tempo Definição da Atividade: As tarefas são ações, portanto, devem ser descritas por verbos no infinitivo. Por exemplo, “preparar a proposta comercial”. 6
  7. 7. Planejamento do Tempo Sequenciamento das Atividades: Quando todas as atividades contidas nos pacotes de trabalho forem identificadas, é possível determinar a sequência de execução delas. As atividades de um projeto sempre dependem umas das outras. Isso significa que uma tarefa não pode começar sem que a anterior tenha sido concluída. Para estabelecer as dependências, você deve ordenar as tarefas logicamente e representá-las em um fluxogramas. 7
  8. 8. Planejamento do Tempo Sequenciamento das Atividades: O uso dessa ferramenta é uma técnica fundamental no planejamento, na programação e no controle de projetos compostos de várias atividades inter relacionadas, pois permite a visualização da sequência e das relações do projeto. 8
  9. 9. Planejamento do Tempo Como Construir um fluxograma de atividades usando o Bizagi: http://www.bizagi.com/ http://www.baixaki.com.br/download/bizagi-process-modeler.htm http://www.superdownloads.com.br/download/133/bizagi-process-modeler-next-consultoria/ 9
  10. 10. Planejamento do Tempo Estimativa de Recursos da Atividade: Após as tarefas terem sido identificadas é hora de determinar quais recursos devem ser utilizados para a execução delas. Em todas as tarefas é exigido um recurso, por menor que seja e eles não se refere a apenas pessoas, equipamentos, suprimentos, materiais, softwares, hardware e por aí vai. 10
  11. 11. Planejamento do Tempo Estimativa de Recursos da Atividade: Esse processo é responsável pela identificação dos tipos de recursos necessários e a quantidade correspondente à realização de cada atividade do cronograma. O procedimento de associar os recursos a uma determinada tarefa é chamado de alocação ou atribuição. Exemplo: Tarefa, Matar Moby Dick. Recurso... Navio, Arpão, Arpoadores, Marinheiros e etc... 11
  12. 12. Planejamento do Tempo Estimativa de Duração da Atividade: A próxima etapa no estabelecimento de um cronograma de projeto é estimar quanto tempo de esforço cada atividade demandará para ser realizada. Estimativa é o mesmo que “cálculo aproximado, avaliação, projeções” trata-se de quanto tempo achamos que uma tarefa levará para ser concluída Bom tarefas identificadas, recursos alocados e disponibilidade determinadas agora é possível avaliar o número de períodos de trabalho necessário para concluir as atividades. Esses períodos são chamados de esforço e está fortemente ligado ao tipo e à quantidade de recursos utilizados. É óbvio que um recurso mais experiente demandará um esforço menor. 13
  13. 13. Planejamento do Tempo Estimativa de Duração da Atividade: Há tarefas, por exemplo, cujo esforço é de seis horas, mas a duração acaba sendo de dois dias. Como isso é possível? Em outro cenário, o mesmo esforço de seis horas pode ser alocado para mais recursos, já que algumas atividades permitem que o trabalho seja dividido. Essa tarefa é chamada de orientada ao empenho ou orientada para o recurso. Dessa maneira, teríamos uma duração menor quando utilizando dois recursos, por exemplo: três horas, supondo que os dois recursos tenham a mesma habilidade. 14
  14. 14. Planejamento do Tempo Estimativa de Duração da Atividade: O outro tipo é a atividade de duração fixa, em que a quantidade de recursos não influencia a sua duração. Exemplo: O Guia PMBOK® define estimativa de duração como “o processo pelo qual se coletam informações sobre o escopo e os recursos do projeto, para poder calcular durações que serão usadas como dados para a elaboração do cronograma”. Por exemplo: a estimativa de duração para a atividade “colocar o piso” é de cinco dias. Isso inclui tanto o tempo de colocar os ladrilhos, quanto o de espera, para que o cimento endureça. 15
  15. 15. Planejamento do Tempo Desenvolvimento do Cronograma: Um erro é garantir, com toda a incerteza inerente a projetos, que o cronograma seja exequível. O desafio é buscar um jeito de executar as diferentes atividades de uma forma paralela, otimizando os recursos existentes para que, então, seja possível completar o projeto no menor prazo. Eles envolvem: • A questão das restrições de datas impostas (coisas como “tal atividade só poderá ser iniciada a partir da segunda quinzena de maio”). • O nivelamento (ajuste) dos recursos utilizados nos projetos, para evitar que um mesmo recurso faça duas tarefas ao mesmo tempo. 18
  16. 16. Planejamento do Tempo Uso de Programas para Auxiliar no Gerenciamento do Projeto: É fato que, muitas vezes, a elaboração do cronograma é feita de forma manual, porém, para auxiliar no preparo de um cronograma, é fundamental o uso de um software de agendamento, como o Microsoft Project. Uma das funções dele é facilitar o processo de cálculo das datas de início e fim das tarefas. Essa técnica é conhecida como Método do Caminho Crítico. Muitos projetos não são gerenciados com uma ferramenta de agendamento real como o MSProject. É comum ver listas de tarefas e recursos obtidos de programas de planilha, como o Excel (ou gráficos de Gantt) muito bem formatados em programas de desenho. 19
  17. 17. Planejamento do Tempo Uso de Programas para Auxiliar no Gerenciamento do Projeto: Nós vamos usar uma ferramenta bem parecida com o MSProject que inclui um mecanismo de agendamento que pode manipular questões, como: •Efeitos em cascata quando a primeira tarefa de uma sequência de 100 tarefas altera sua data de início, ou quando um recurso se torna Indisponível. •Os dias não úteis, como fins de semana, no cálculo das datas de início e de término de uma tarefa. https://www.openproject.org/ http://ultradownloads.com.br/download/OpenProj/ http://www.baixaki.com.br/download/openproj.htm 20
  18. 18. Planejamento do Tempo Tipos de Restrições Restrições Flexíveis: A data de início ou de término de uma atividade pode ser reprogramada. Os tipos de restrição incluem: ● ● Tarefa pode ser iniciada o mais breve possível — a tarefa é iniciada assim que as atividades predecessoras tenham sido concluídas ou iniciadas. Nesse caso não há restrição. Tarefa pode ser iniciada o mais tarde possível — nessa condição, as atividades se iniciarão o mais tarde possível, sem comprometer o prazo final do projeto. Exemplo: você pode fazer sua Declaração de Imposto de Renda assim que recebe os informes de rendimento, mas poderia deixar para fazê-la na última hora sem atrasar sua entrega.
  19. 19. Planejamento do Tempo Tipos de Restrições Restrições Semiflexíveis: Uma tarefa tem limites para ser reprogramada. Existe flexibilidade para mudar o início ou término de uma atividade ou para mais ou para menos. Os tipos de restrição incluem: ● ● Tarefas podem ser atrasadas, mas não antecipadas — não iniciar antes de, não terminar antes ou depois de. Por exemplo, a atividade pode iniciar ou terminar a partir do dia 12, 13 de maio etc. Tarefas podem ser antecipadas, mas não atrasadas — não iniciar depois de, ou não terminar depois de. Por exemplo, a atividade pode ser iniciada, no máximo, até o dia 12 de maio.
  20. 20. Planejamento do Tempo Tipos de Restrições Restrições Inflexíveis: Nesse caso, antecipações ou adiamentos não são tolerados, ou seja, a atividade tem de iniciar ou terminar na data especificada. Por exemplo, a escola de samba vai desfilar naquela data, nem antes ou depois: ● ● Tarefa deve começar em — a atividade deve iniciar na data especificada, nem antes ou depois. Tarefa deve terminar em — a atividade deve terminar na data especificada, nem antes ou depois.
  21. 21. Planejamento do Tempo Tipos de Restrições Restrições Inflexíveis: Nesse caso, antecipações ou adiamentos não são tolerados, ou seja, a atividade tem de iniciar ou terminar na data especificada. Por exemplo, a escola de samba vai desfilar naquela data, nem antes ou depois: ● ● Tarefa deve começar em — a atividade deve iniciar na data especificada, nem antes ou depois. Tarefa deve terminar em — a atividade deve terminar na data especificada, nem antes ou depois.
  22. 22. Planejamento do Custo Trata-se do gerenciamento de custos relativo ao planejamento do projeto, recursos financeiros, que inclui os processos envolvidos no planejamento na estimativa e orçamentação. O resultado esperado é uma estimativa de custos, detalhada em diferentes níveis de tarefas, e o orçamento, com o cronograma.
  23. 23. Planejamento do Custo Na fase de execução, é importante acompanhar os custos reais e o desempenho do trabalho para assegurar que tudo esteja de acordo com o orçamento. O Guia PMBOK® identifica dois processos para planejar os custos do projeto. O primeiro é a Estimativa de Custos, responsável pelo desenvolvimento de uma aproximação dos custos dos recursos necessários para concluir as atividades do projeto. O segundo é o de Orçamentação, que tem a responsabilidade de agregar os custos que foram estimados para as atividades individuais e criar uma linha de base dos custos.
  24. 24. Planejamento do Custo Custos Diretos e Indiretos O valor hora dos consultores, os suprimentos e os recursos materiais utilizados diretamente pelo projeto fazem parte do custo direto, pois estão somente relacionados ao trabalho do projeto. As despesas do pessoal administrativo, staff, executivos, consumo de energia e o pó de café são chamados de custos indiretos e, em geral, são rateados entre os diferentes departamentos, porque não estão diretamente relacionados ao trabalho do projeto.

×