Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Infecção hospitalar

60,855 views

Published on

  • Login to see the comments

Infecção hospitalar

  1. 1. INFECÇÃO HOSPITALAR<br />ACADÊMICOS:<br />CARLOS VINICIUS<br />CINTHIA APARECIDA<br />WASLAN DE OLIVEIRA<br />LUCIANA<br />FRANCIELE<br />MAGNO JOSE<br />DEIVISON<br />
  2. 2. O QUE É INFECÇÃO HOSPITALAR?<br />Qualquer tipo de infecção adquirida:<br />após a alta, quando relacionado a internação ou procedimento hospitalar <br />(ex: cirurgia)<br />após a entrada do paciente em um hospital<br />OU<br />
  3. 3. A EVOLUÇÃO DAS INFECÇÕES HOSPITALARES<br />Durante séculos, os doentes foram tratados sem serem separados e/ou isolados quanto a nosologia que apresentavam<br />No início do século XIX, na Inglaterra, é iniciado o isolamento de algumas doenças (ex: varicela) obtendo resultados eficazes<br />CANGUILHEM, G. Ideologia e racionalidade nas ciências da vida. Lisboa: Edições 70, 1977.<br />
  4. 4. A EVOLUÇÃO DAS INFECÇÕES HOSPITALARES<br />Em 1863, Florence Nigthingale, descreveu uma série de cuidados referente aos pacientes e ao meio, com o objetivo de diminuir o risco de Infecção Hospitalar(IH)<br />Os primeiros relatos de infecção hospitalar no Brasil, “parecem” surgir em 1956 sobre esterilização do material hospitalar(Cristóvão-1956)<br />CANGUILHEM, G. Ideologia e racionalidade nas ciências da vida. Lisboa: Edições 70, 1977.<br />
  5. 5. OS PRINCIPAIS TIPOS DE INFECÇÕES<br />ANVISA e UNIFESP– Infecções relacionadas à assistência à saúde – Investigação e controle de epidemias (surtos) hospitalares e Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares, SP, 2.004<br />
  6. 6. INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU<br />80% das ITU estão relacionado ao cateterismo vesical de demora<br />Fatores de Risco: <br />Assepsia inadequada/irregular<br />Colonização do meato uretral (por bactérias potencialmente patogênicas)<br />Duração do cateter<br />Agente Etiológico: E. Coli(90%); Proteussp; Enterobactersp.<br />. APECIH – Manual de epidemiologia aplicada ao controle de infecções em hospitais e serviços correlatos, SP, 2.000<br />
  7. 7. INFECÇÃO CIRÚRGICA<br />HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UFRN(1999-2002)<br />3.120 operados<br />187 desenvolveram infecção hospitalar (cirúrgica)<br />ALTEMEIER, W.A. et al. Manual de controle de infecção em pacientes cirúrgicos. São Paulo: Manole, 1978.<br />
  8. 8. INFECÇÃO CIRÚRGICA<br />Alguns Fatores de Risco:<br />Tricotomia com lâmina<br />Assepsia inadequada/irregular do sítio operatório<br />Duração prolongada da cirurgia<br />Contaminação abdominal microbiana<br />Drenos<br />Furos em luvas<br />Corpos estranhos<br />Não realização de banho/higiene pré operatória<br />ALTEMEIER, W.A. et al. Manual de controle de infecção em pacientes cirúrgicos. São Paulo: Manole, 1978.<br />
  9. 9. INFECÇÃO RESPIRATÓRIA<br />O mecanismo de defesa do sistema respiratório, durante a hospitalização, pode sofrer redução na sua eficiência, por causa de sua patologia ou das medicações utilizadas no tratamento<br />Patologia da Infecção Respiratória: Pneumonia<br />Agente Etiológico: Staphylococcus aureus; Hemophilusinfluenzae; Streptococcuspneumoniae<br />. APECIH – Manual de epidemiologia aplicada ao controle de infecções em hospitais e serviços correlatos, SP, 2.000<br />
  10. 10. INFECÇÃO RESPIRATÓRIA<br />Alguns dos Fatores de Risco:<br />Terapia Respiratória:<br />Nebulização<br />Oxigenioterapia<br />Tubo endotraqueal (+ de 72 horas)<br />Ventilação mecânica<br />
  11. 11. SEPSES OU SEPTCEMIAS<br />Disseminação de microorganismos através da corrente circulatória (infecção na corrente sanguínea)<br />Alto índice de mortalidade<br />Podem ocorrer secundariamente a outra infecção<br />APECIH – Manual de epidemiologia aplicada ao controle de infecções em hospitais e serviços correlatos, SP, 2.000<br />
  12. 12. SEPSES OU SEPTCEMIAS<br />Alguns Fatores de Risco:<br />Infusões contaminadas<br />Quebra da técnica asséptica<br />Cateteres, equipos e dânulas(three-way) por longo tempo (ideal, 72 horas)<br />Curativos com sujidades ou descolamento<br />Agente etiológico: estreptococo beta-hemolítico do grupo A, Staphilococcus aureus, estreptococo beta-hemolítico do grupo B<br />APECIH – Manual de epidemiologia aplicada ao controle de infecções em hospitais e serviços correlatos, SP, 2.000<br />
  13. 13. INFECÇÕES HOSPITALARES<br />A CCIH é a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar, órgão consultor, define as políticas de controle de IHs nos hospitais<br />O SCIH é o Serviço de Controle de Infecção Hospitalar, órgão responsável pela execução das ações recomendadas pela CCIH<br />ANVISA e UNIFESP– Infecções relacionadas à assistência à saúde – Investigação e controle de epidemias (surtos) hospitalares e Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares, SP, 2.004<br />
  14. 14. Atuação do Enfermeiro no CIH:<br />Planejamento,coleta dados,relatórios <br />Decisões administrativas <br />Avaliação de Materiais /Qualidade <br />Política de antimicrobianos <br />Rotinas <br />Investigação de surtos/ interferência <br />Custo X benefício <br />Pesquisa .Prioridades <br />. ALTEMEIER, W.A. et al. Manual de controle de infecção em pacientes cirúrgicos. São Paulo: Manole, 1978. <br />
  15. 15. EPIDEMIOLOGIA DAS IHs<br />É o estudo dos fatores que determinam:<br />Freqüência<br />Distribuição<br />Pessoa, tempo de lugar<br />Pessoa: idade, doença de base, exposição a fatores de risco(procedimentos,tratamento, corticóides)<br />Tempo: tempo de internação, tempo de exposição<br />Lugar: unidade de internação<br />Das doenças nas coletividades humanas<br />ANVISA e UNIFESP– Infecções relacionadas à assistência à saúde – Investigação e controle de epidemias (surtos) hospitalares e Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares, SP, 2.004<br />
  16. 16. EPIDEMIOLOGIA DAS IHs<br />Obtenção de taxas – conhecimento da realidade e determinação de parâmetros aceitáveis<br />Identificação de surtos: medidas de controle em tempo hábil<br />Avaliação da eficácia e efetividade das medidas de prevenção<br />Determinação de áreas e serviços de maior risco<br />Avaliação de fatores associados à ocorrência de infecção<br />Divulgação de informações<br />ANVISA e UNIFESP– Infecções relacionadas à assistência à saúde – Investigação e controle de epidemias (surtos) hospitalares e Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares, SP, 2.004<br />
  17. 17. EPIDEMIOLOGIA DAS IHs<br />Compreende:<br />Coleta de dados Análise<br />Consolidação Interpretação<br />Planejamento Ação<br />
  18. 18. EPIDEMIOLOGIA DAS IHs<br />Métodos de vigilância: <br />Vigilância por objetivos - (procedimentos invasivos) que provocam o rompimento das barreiras naturais ou penetram em cavidades do organismo, abrindo uma porta ou acesso para o meio interno, favorecendo a penetração de microrganismos na intimidade dos tecidos, sejam eles estéreis ou colonizados<br />Vigilância por setores - (unidades de maior risco)<br />Vigilância global – o enfermeiro da CCIH, utilizando uma ficha de controle de IH, procura os casos de infecção durante a internação hospitalar do paciente e realiza o diagnóstico das IH. <br />ANVISA e UNIFESP– Infecções relacionadas à assistência à saúde – Investigação e controle de epidemias (surtos) hospitalares e Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares, SP, 2.004<br />
  19. 19. BIBLIOGRAFIA<br />01. ALTEMEIER, W.A. et al. Manual de controle de infecção em pacientes cirúrgicos. São Paulo: Manole, 1978. <br />02. CANGUILHEM, G. Ideologia e racionalidade nas ciências da vida. Lisboa: Edições 70, 1977. <br />03. FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 5. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.<br />04. GONÇALVES, R.B.M. Tecnologia e organização social das práticas de saúde: características tecnológicas do processo de trabalho na rede estadual de centros de saúde de São Paulo. São Paulo, 1986. 416 p. Tese (Doutorado) - Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo.<br />05. Pereira, M.G.- Epidemiologia – teoria e prática, 6ª reimpressão, Guanabara Koogan, RJ, 2.002<br />06. APECIH – Manual de epidemiologia aplicada ao controle de infecções em hospitais e serviços correlatos, SP, 2.000<br />07. ANVISA e UNIFESP– Infecções relacionadas à assistência à saúde – Investigação e controle de epidemias (surtos) hospitalares e Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares, SP, 2.004<br />
  20. 20. OBRIGADO<br />

×