Principais exames na infância ...

8,686 views

Published on

Published in: Education, Technology
0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
8,686
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
159
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Principais exames na infância ...

  1. 1. ABO+RH HEMOGRAMA PKU FEZES (PPF) BILIRRUBINA (BTF) URINA LIQUOR
  2. 2. PRÉ ANALITICA • Requisição do exame • Orientação e preparo para a coleta • Coleta • Identificação • Preparo e conferência da amostra • Acondicionamento • Transporte
  3. 3. FASE ANALÍTICA DO EXAME NO LABORATÓRIO • Análise da Amostra
  4. 4. Orientações ao paciente 1. Dia e Hora da coleta se unidade esterna, se hospitalizado de acordo com o protocolo do hospital ou pedido medico. 2 . Preparos necessários quanto a necessidade ou não de jejum,uso de medicamentos ou dieta.
  5. 5. Fatores que podem interferir nos resultados • JEJUM • DIETA • ATIVIDADES FÍSICAS • MEDICAMENTOS E DROGAS DE ABUSO • FUMO • BEBIDA ALCOÓLICA • ANSIEDADE E STRESS A COLETA DA AMOSTRA FEITA NO MOMENTO ERRADO É PIOR DO QUE A NÃO COLETA
  6. 6. Organização do Material 1. Separar o material conforme pedido; 2. Insumos devem estar disponibilizados de forma organizada; 3. Identificar os tubos com nome e nº do registro; 4. Equipamentos de proteção individual como:luvas, óculos e avental;
  7. 7. Acondicionamento das amostras • Colocar os tubos seguindo a ordem de coleta e organizar as requisições também seguindo o mesmo critério, para facilitar a conferência; • Verificar se os coletores de urina, fezes estão com a tampa de rosca bem fechada, acondicionados em recipientes apropriados sob refrigeração; • As amostras de sangue devem ser acondicionadas separadamente das amostras de urina, fezes ; • Separar cada material conforme a referência laboratorial da unidade;
  8. 8. • Acomodar adequadamente as amostras para evitar acidentes durante o transporte; •O profissional do setor de coleta é responsável pelo acondicionamento e entrega do material.
  9. 9. Descarte de Resíduos • Devem ser descartados em caixa de perfuro cortante e apôs chegar ao seu limite deve-se lacrar a caixa e armazenar em local apropriado; • Nunca reencapar as agulhas; • Esses resíduos são recolhidos pelo orgão público da cidade;
  10. 10. Coleta dos exames • Apresentar o Kit de coleta; • Orientar o cliente sobre o procedimento que será realizado; • Pré-requisito: • Devem ser checados pelo responsável que executará a coleta. Se o cliente referir antes de iniciar o procedimento de coleta que não cumpriu os pré-requisitos, orientá-lo que não poderá realizar os exames; • Organizar o material a ser utilizado; • Iniciar o procedimento de coleta – Caderno Apoio de coleta; • Proceder o descarte dos materiais; • Entregar ao cliente o protocolo para retirada de resultados dos exames indicando o dia e o horário para retirada se unidade externa;
  11. 11. Hemograma (tubo roxo) Hemograma é um exame realizado que avalia as células sanguíneas de um paciente, ou seja, as da série branca e vermelha, contagem de plaquetas, reticulócitos e índices hematológicos. ABO+RH (tubo roxo) Tipagem sanguínea BTF (tubo amarelo)
  12. 12. OUTROS EXAMES GLICEMIA (TUBO CINZA) HEMOCULTURA
  13. 13. TIPOS DE TUBOS – VACUETTE / BD
  14. 14. Sequência Coleta de sangue a Vácuo 1° Frascos para hemocultura 2° Tubo de Citrato – Azul 6° Tubo Soro Gel separador – Amarelo 8° Tubo de EDTA – Roxo 12º Tubo de Fluoreto – Cinza
  15. 15. Transferência do Sangue da Seringa para o Tubo em Sistema Aberto • Desconectar o scalp da seringa, abrir a tampa do tubo e injetar o sangue lentamente pela parede do tubo. • Não injetar o sangue no tubo com auxílio do scalp perfurando a tampa do mesmo. • Sempre ao transferir o sangue para o tubo, respeitar o volume do fabricante.
  16. 16. Materiais e Equipamentos • Sistema Fechado (Coleta à Vácuo) Sistema Aberto (Coleta com Scalp e Seringa)
  17. 17. Uso adequado do garrote • Posicioná-lo a cerca de 8 cm ou 4 dedos acima do local da punção; • Não deve ser utilizado por mais de 1 minuto; • Não apertar intensamente, o pulso deve permanecer palpável;
  18. 18. TÉCNICA – PUNÇÃO VENOSA • Observações: • Se o sangue não fluir, realizar as seguintes manobras: • 1) Pode ser que o bisel da agulha não tenha penetrado totalmente na veia. • A punção deverá ser continuada até que a agulha penetre adequadamente. • 2) A agulha foi introduzida profundamente e transfixou a veia. • Retroceder com a agulha até que o sangue flua.
  19. 19. •3) A agulha penetrou ao lado da veia. Palpar a veia com a mão esquerda e corrigir a trajetória da agulha. •4) Caso haja colabamento pelo sistema à vácuo, retirar o tubo e acoplá-lo novamente, de modo a reestabelecer o fluxo sanguíneo. •Atenção: Em veias pouco calibrosas, recomenda-se utilizar escalpe fino •(Ex:23G comum ou a vácuo). Em crianças ou nos casos de dificuldade de acesso venoso, utilizar os tubos de menor volume (ex: pediátrico)
  20. 20. PRECIONAR +/- 1MIN
  21. 21. COMPLICAÇÕES DE PUNÇÃO TRANSFIXAÇÃO HEMATOMAS
  22. 22. CUIDADOS GERAIS • Evitar garroteamento prolongado; • Homogeneizar o tubo (5 a 8 vezes) imediatamente após a coleta; • Não puxar com força o êmbolo da seringa durante o procedimento de coleta; • Não injetar o sangue no tubo com o auxílio do scalp; • Não coletar no mesmo membro que estiver recebendo infusão venosa.
  23. 23. URINA A urina fornece informações sobre muitas das principais funções metabólicas do organismo, é constituída por uréia e outras substâncias químicas, orgânicas e inorgânicas dissolvidas em água. Podem sofrer grandes variações na concentração devido a influência de fatores como a ingestão alimentar, atividade física, função endócrina e até mesmo a posição do corpo.
  24. 24. COLETA DE URINA - Preferencialmente a primeira urina da manhã, - Retenção urinária de no mínimo 2 hs, -Desprezar o primeiro jato, -Identificar corretamente. Principalmente quando solicitado 1º jato e 2º jato.
  25. 25. FEZES (PPF) Compreende as analises macroscópicas, microscópicas e bioquímicas para detecção precoce de sangramento gastrintestinal, síndromes da mal-absorção, detecção e identificação das bactérias patogênicas e parasitas. As principais finalidades de exame de fezes são: O estudo das funções digestivas; A dosagem da gordura fecal; A pesquisa de ovos e parasitas; A coprocultura.
  26. 26. FEZES (PPF) Não utilizar laxantes ou Supositórios Solicitação de três amostras: * coletar em dias alternados Manter a amostra refrigerada
  27. 27. Líquor O líquor é normalmente colhido por punção suboccipital ou lombar entre a terceira, quarta ou quinta vértebra. Embora não se trate de um procedimento complicado requer certas precauções, que compreendem a medida da pressão intracraniana.
  28. 28. As amostras devem ser colhidas em três tubos estéreis, marcados na ordem em que são obtidos. Tubo 1 (um) é usado para analises bioquímicas e sorológicas; Tubo 2 (dois) é usado para a microbiologia; Tubo 3 (três) é usado para a contagem celular, por apresentar menor probabilidade de conter células introduzidas acidentalmente pelo procedimento de punção espinhal.
  29. 29. PKU (TESTE DO PEZINHO) Exame colhido após 48h de vida da criança * FENILCETONÚRIA * HIPOTIREOIDISMO CONGÊNITO * DOENÇA FALCIFORME * FIBROSE CÍSTICA
  30. 30. * PAPEL FILME ESPECÍFICO * APÓS COLETA, ARMAZENAR ATÉ SECAR * ENVOLVER EM PAPEL ALUMÍNIO E GUARDAR EM GELADEIRA
  31. 31. PREFEITURA.SP.GOV.BRSAÚDE– ATENÇÃO BÁSICA- ASSISTÊNCIA LABORATORIAL

×