Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO

79,810 views

Published on

TURMA DE ENFERMAGEM UNIÍTALO 2010 5 º semestre.

Published in: Education, Health & Medicine

Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO

  1. 4. No Brasil, em 2003, estimaram-se 843 300 casos de sífilis. Sendo doença de notificação compulsória, os estudos epidemiológicos são realizados em serviços que atendem DST ou grupos selecionados, como gestantes, soldados, prisioneiros, etc. . Os casos registrados de sífilis congênita entre 1998 e 2004 totalizaram 24.448
  2. 5. Os dados da prevalência nos trópicos mostram que a sífilis, conforme a região, é a segunda ou terceira causa de úlcera genital.
  3. 6. O Treponema pallidum é um espiroqueta de transmissão essencialmente sexual ou materno-fetal, podendo produzir, respectivamente, a forma adquirida ou congênita da doença.
  4. 7. TREPONEMA PALLIDUM
  5. 8. PENETRAÇÃO TREPONEMA RESPOSTA DA DEFESA LOCAL Lesão ulcerativa (cranco)
  6. 9. A imunidade celular é mais tardia permitindo a multiplicação do Treponema
  7. 10. Cancro Duro CLASSIFICAÇÃO
  8. 12. Lesões cutâneo-mucosas ricas no agente e portanto altamente contagiosas, generalizada e indolor. Ocasionalmente há artralgia, febre, adinamia .   LATENTE RECENTE lesões palmares Roséola sifilítica Lesões plantares
  9. 13. Sífilis secundária Alopécia Roséola sifílides Roséola em boca Lesões palmares Lesões plantares Lesão labial
  10. 15. Ocorrem após 3 a 12 anos de infecção, principalmente por lesões cutâneo-mucosas (tubérculos ou gomas), neurológicas ("tabes dorsalis", demência), cardiovasculares (aneurisma aórtico) e articulares (artropatia de Charcot). Lesão Cutânea Lesão necrosada Goma sifilítica
  11. 16. O Treponema se espalha produzindo lesões em vários órgãos Sífilis terciária (Visceral ) CÉREBRO FÍGADO OSSOS CORAÇÃO
  12. 17. A sífilis congênita é o resultado da disseminação hematogênica T. pallidum da gestante infectada não tratada ou inadequadamente tratada para o concepto por via transplacentária (transmissão vertical). SÍFILIS CONGÊNITA
  13. 18. Sorologia não treponêmica VDRL (Venereal Disease Research Laboratory) ou RPR (Rapid Plasm Reagin) Sorologia Treponêmica Por meio de imunofluorescência com o FTA-Abs (Fluorescent Treponema Antigen Absorvent) e o MHATP (Microhemaglutinação VDRL é a prova recomendada para o exame do líquor. Tem baixa sensibilidade (30-47% falso-negativo) e alta especificidade .
  14. 19. Testes Treponêmicos : P ara confirmar a reatividade de testes não treponêmicos na sífilis tardia. Positivam-se um pouco mais cedo . Em 85% das pessoas tratadas com sucesso, ficam reativos por anos ou até mesmo por toda a vida. FTA-ABS - R ápida execução e baixo custo, mas necessita de um microscópio fluorescente. D oenças auto-imunes e outras treponematoses pode m apresentar resultados falso- positivos. O TPHA e o MHA-TP -H emoaglutinação passiva de eritrócitos sensibilizados de ovelhas. Na sífilis não tratada tem sensibilidade igual ao FTA-ABS .
  15. 20. Testes Treponêmicos : EIA ( I munoensaio enzimático treponêmico). O EIA é um teste alternativo que combina o VDRL com TPHA. O processo laboratórial é automatizado e apresenta leitura objetiva dos resultados. Western-blot - identifica anticorpos contra imunodeterminantes IgM e I gG ). São mais utilizados em projetos de pesquisa. PCR - E xtremamente útil no diagnóstico da sífilis congênita e neurossífilis.
  16. 21. * Sífilis primária: Herpes genital Danovanose Cancro mole
  17. 22. Linfogranuloma venério
  18. 23. * Sífilis secundária Farmacodermias Doenças exantemáticas não vesiculosas Hanseníase virchowiana
  19. 24. * Déficit de conhecimento sobre a doença e o risco de disseminação da infecção e reinfecção; * Ansiedade relacionada com a estigmatização prevista e com o prognóstico e complicações; * Recusa em seguir o tratamento relacionado à dor e /ou constrangimento. * Integridade da pele prejudicada secundária ás lesões decorrentes da infecção sistêmica
  20. 25. * Articulações intra e intersetoriais para ampliação e continuidade das ações; *Identificação dos contatos mais triagem e notificação; *Completar o curso da penicilina como terapia para sifilis: abster -se do contato sexual com parceiro anteriores até que eles tenham sido tratados; *Orientação sobre o uso do preservativos pois reduzem o risco de transmissão da sífilis e outras DSTs; * Reduzir a ansiedade pois o paciente é incentivado a discutir medos quanto ao diagnostico, tratamento e prognostico. * Orientação sobre o curso da doença e o que é a sifilis;
  21. 26. 2 séries dose total: 4.800.00 UI 1 semana Sífilis terciária ou com mais de 1 ano de evolução ou com duração ignorada 3 séries Dose total: 7.200.000 UI 1 semana VDRL MENSAL VDRL SEMANAL Sífilis secundária ou Latente com menos de 1 ano de duração
  22. 27. Avelleira JCR, Bottino G. Sífilis: Diagnóstico, tratamento e controle. An Bras Dermatol. 2006;81(2):111-26 . http://www.aids.gov.br/assistencia/mandst99/man_sifilis.htm PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE TRANSMISSÃO VERTICAL DE HIV E SÍFILIS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE- 2007
  23. 28. Aline Duarte Pereira Lopes RA.22.694 Edneide Miranda Siqueira RA.23.469 Marli Rodrigues de Matos RA.22.851 Patricia Lhoste Katzinski RA.22.876 Wagner Totonio de Oliveira RA: 22795

×