Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
DA INFLUÊNCIA MORAL DO MÉDIUM
C O E M – 9ª AULA TEÓRICA
• Sendo a mediunidade uma faculdade natural da criatura
humana e, sendo através dela que se estabelece a
comunicação do MU...
• 1º) Presença da faculdade mediúnica - Vimos, anteriormente, que a faculdade
mediúnica tem raízes no organismo. Certas or...
• 3º) Uso da mediunidade - Se o funcionamento da mediunidade
independe das qualidades morais do médium , o mesmo não ocorr...
FINALIDADES DA MEDIUNIDADE
• Entendidas, pois, as relações mais imediatas da mediunidade com o
grau de elevação moral do m...
• Jesus referiu-se às condições para a apreensão das verdades, ao afirmar:
"Graças te dou, Meu Pai, por revelares estas co...
CARACTERES DOS MÉDIUNS BONS
• Consideremos aqui os médiuns bons, porque médiuns perfeitos
não existem na Terra, uma vez qu...
CARACTERES DOS MÉDIUNS IMPERFEITOS
• São orgulhosos e egoístas. O orgulho e o egoísmo são as duas imperfeições
morais mais...
CONSEQÜÊNCIAS DO MAU USO
DA MEDIUNIDADE
• O médium que emprega mal a sua faculdade
está se candidatando:
• a) a ser veícul...
IRRADIAÇÃO
TÉCNICA A SER SEGUIDA
C O E M – 9ª AULA PRÁTICA
• Em primeiro lugar devemos lembrar que os fluídos ou forças magnéticas
psíquicas e espirituais, também se submetem à lei ...
• BIBLIOGRAFIA:
• EMMANUEL
• Palavras da Vida Eterna, Cap. 31
• ALLAN KARDEC - O Livro dos Médiuns - 2ª parte - Cap. XX.
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

9ª aula da influencia moral do médium - coem

4,137 views

Published on

Influencia moral do médium, irradiação.

Published in: Spiritual

9ª aula da influencia moral do médium - coem

  1. 1. DA INFLUÊNCIA MORAL DO MÉDIUM C O E M – 9ª AULA TEÓRICA
  2. 2. • Sendo a mediunidade uma faculdade natural da criatura humana e, sendo através dela que se estabelece a comunicação do MUNDO CORPORAL com o MUNDO ESPIRITUAL, será interessante perguntarmos o seguinte: • a) qual a relação entre a mediunidade e o grau de elevação moral de quem a possui? • b) por que não constitui a faculdade mediúnica privilégio das pessoas de bem? • Para bem responder a tais perguntas, será necessário distinguir aspectos diversos da questão, analisando, em cada um deles, a relação proposta: mediunidade/moral do médium.
  3. 3. • 1º) Presença da faculdade mediúnica - Vimos, anteriormente, que a faculdade mediúnica tem raízes no organismo. Certas organizações corporais apresentam condições favoráveis ao surgimento dessa faculdade, pela oportunidade que oferecem ao espírito encarnado de liberar-se com maior facilidade e adquirir percepções que em estado normal se acham embotadas pelo corpo físico. A faculdade mediúnica é, pois, espontânea e própria de certos organismos, não dependendo das qualidades morais do indivíduo que a possui. • 2º) Mediunidade em ação - Examinemos agora qual a relação entre a moral do médium e o desenvolvimento da mediunidade. Veremos que, assim como a presença da faculdade, o funcionamento desta independe das qualidades morais de quem a possui. De fato, a mediunidade existe e se manifesta entre "bons" e "maus". Devemos considerá-la, mesmo, como meio de elevação. Há pessoas que a possuem porque dela precisam mais do que outras, justamente para se melhorarem, pois Deus multiplica oportunidades de evolução, inclusive aos que erraram. Há pessoas de bem que não possuem a faculdade mediúnica, mas dispõem de argúcia dos sentidos. São benefícios concedidos, que devem ser valorizados e bem utilizados, pois existem os que são privados deles.
  4. 4. • 3º) Uso da mediunidade - Se o funcionamento da mediunidade independe das qualidades morais do médium , o mesmo não ocorre com a aplicação ou uso da mediunidade. Um médium poderá usá-la para o bem ou para o mal, de acordo com o seu discernimento, ligado, este, ao seu grau de elevação moral. • 4º) Relação com os Espíritos - Lei das Comunicações - Conforme ensina a Doutrina, são muito importantes as qualidades morais do médium, no estabelecimento da relação com os Espíritos que se comunicam. • "Se o médium, do ponto de vista do exercício, não passa de um instrumento, exerce, todavia, influência muito grande sob o aspecto moral... . Uma vez que, para se comunicar, o Espírito desencarnado se identifica com o espírito do médium, esta identificação não se pode verificar senão havendo, entre um e outro, simpatia e, se assim é lícito dizer-se, afinidade. A alma exerce sobre o Espírito livre uma espécie de atração, ou de repulsão, conforme o grau de semelhança existente entre eles. Ora, os bons têm afinidade com os bons e os maus, com os maus. Se o médium é vicioso, em torno dele se vêm grupar os Espíritos inferiores, sempre prontos a tomar o lugar dos bons Espíritos.. . Todas as imperfeições morais são outras tantas portas abertas ao acesso dos Espíritos inferiores. A que, porém, eles exploram com mais habilidade é o orgulho."
  5. 5. FINALIDADES DA MEDIUNIDADE • Entendidas, pois, as relações mais imediatas da mediunidade com o grau de elevação moral do médium, consideremos, ainda, as finalidades principais dessa faculdade, segundo a Doutrina Espírita. São elas: • 1ª) Dar aos homens conhecimentos; • 2ª) Promover a melhora espiritual do médium e dos espíritos. O Livro dos Médiuns - Cap. XX, item 226 • Para que possa ser veículo de conhecimentos úteis e verdadeiros, o médium deverá estar em condições adequadas para isso. O conhecimento das verdades espirituais está relacionado com a maturidade espiritual - ninguém conhece alguma coisa se não estiver amadurecido para entendê-la. • O conhecimento das leis superiores da vida pode vir pelas vias da Revelação, como aconteceu com Moisés, Jesus, e, nos tempos modernos, através da mediunidade. • Para que o homem assimile tal conheci-mento, faz-se mister uma receptividade de ordem espiritual, mais rela-cionada com as qualidades morais conquistadas - é o desenvolvimento do senso moral.
  6. 6. • Jesus referiu-se às condições para a apreensão das verdades, ao afirmar: "Graças te dou, Meu Pai, por revelares estas coisas aos simples e humildes e tê-las ocultado aos doutos e prudentes". • E, noutra ocasião, ao dizer: "Tenho muitas coisas a vos dizer, mas não as podeis suportar agora. Mais tarde enviar-vos-ei o Espírito Consolador". • Dessa forma, para empregar adequadamente sua mediunidade, um médium deve esforçar-se por ser bom e desenvolver suas qualidades morais, atraindo, assim, Espíritos de natureza elevada. • Quanto à segunda finalidade - a de promover a melhora espiritual do médium - encontramos comentário no início desta aula. • Como corolário, pois, das próprias finalidades da mediunidade, o exercício mediúnico implica na exigência da prática do bem. Isto significa que os médiuns que usarem indevidamente a faculdade de que são portadores sofrerão as inevitáveis conseqüências.
  7. 7. CARACTERES DOS MÉDIUNS BONS • Consideremos aqui os médiuns bons, porque médiuns perfeitos não existem na Terra, uma vez que a perfeição não é apanágio deste planeta. • "Médium perfeito seria aquele contra o qual os Espíritos inferiores jamais ousassem uma tentativa de enganá-lo." Os médiuns bons, que também são raros, são os que, "simpatizando somente com os bons Espíritos, têm sido os menos enganados." Estes, às vezes, podem ser enganados e os Espíritos bons o permitem "para lhes exercitar a ponderação e para lhes ensinar a discernir o verdadeiro do falso"; para lhes servir de lição e mostrar-lhes que não são tão perfeitos que não possam ser atacados em seus pontos fracos; para que não se orgulhem e não se considerem infalíveis. • São dotados de sensibilidade mediúnica bastante acentuada, suscetíveis de fácil sintonia com os Espíritos. Transmitem a mensagem com fidelidade e autenticidade. • Os médiuns bons consideram a faculdade como instrumento do bem, não a apresentam como demonstração de seus próprios méritos.
  8. 8. CARACTERES DOS MÉDIUNS IMPERFEITOS • São orgulhosos e egoístas. O orgulho e o egoísmo são as duas imperfeições morais mais exploradas pelos Espíritos inferiores. O orgulho dos médiuns é facilmente reconhecível e torna suas comunicações suspeitas quanto à veracidade. • Têm confiança cega nas comunicações que recebem. Tratam com desdém tudo o que não venha por eles; julgam ter o privilégio da verdade. • Consideram infalíveis os Espíritos que os assistem. O prestígio dos grandes nomes, com que se adornam os Espíritos tidos por seus protetores, os deslumbra e desprezam tudo o que não venha deles. • Duvidar desses Espíritos é, para eles, quase uma profanação. Por se afastarem daqueles que lhes poderiam abrir os olhos, refugiam-se no insulamento criado por esses próprios Espíritos, que não querem contraditores e se comprazem em lhes conservar as ilusões; consideram coisas sublimes os maiores absurdos. • São vítimas fáceis do elogio. Muitas vezes, o orgulho é estimulado nos médiuns pelos que os cercam. Se têm faculdade um pouco destacada, são procurados e elogiados e passam à vaidade, a se julgarem indispensáveis. • Lembremos André Luís: "O elogio é sempre dispensável." • Em síntese, o que caracteriza os médiuns imperfeitos é o seguinte: confiança absoluta na superioridade do que obtêm; irrefletida importância dada aos grandes nomes; recusa de todo conselho; suspeição sobre qualquer crítica; afastamento dos que podem emitir opiniões desinteressadas e proveitosas.
  9. 9. CONSEQÜÊNCIAS DO MAU USO DA MEDIUNIDADE • O médium que emprega mal a sua faculdade está se candidatando: • a) a ser veículo de comunicações falsas e vítima dos Espíritos inferiores; • b) à perturbação, de conseqüências desastrosas; • c) à perda ou suspensão de mediunidade.
  10. 10. IRRADIAÇÃO TÉCNICA A SER SEGUIDA C O E M – 9ª AULA PRÁTICA
  11. 11. • Em primeiro lugar devemos lembrar que os fluídos ou forças magnéticas psíquicas e espirituais, também se submetem à lei das proporções, isto é, não é pelo fato de alguém pedir excessivamente em favor de muitos, que conseguirá o seu desiderato, o seu fim. • Cada um de nós movimenta uma certa quantidade dessas forças que podem ser juntadas com as do mundo espiritual, proporcionalmente sendo, então, carreadas para o seu objetivo. • Em segundo lugar, devemos focalizar o nosso pensamento, restringindo-o a uma certa área, pessoa ou grupo de pessoas, para que ele seja o sustentáculo dessa mesma força. • Isto quer dizer que a nossa irradiação deve focalizar alguém, alguns, ou uma situação determinada. • No caso de pedidos feitos genericamente em favor de todos os necessitados, o potencial movimentado é aplicado de acordo com o critério que o mundo espiritual achar conveniente. • Lembrar também que não há multiplicação de forças motivada por um nosso pedido, mas sim, que a nossa quota proporcionada se soma com outras com o mesmo objetivo e podem, juntas, auxiliar o objeto de nossa irradiação. • A pessoa que irradia deve, inicialmente, concentrar-se; orar em seguida e depois, pela vontade, focalizar o objeto de sua irradiação e transmitir aquilo que deseja: paz, conforto, coragem, saúde, equilíbrio, paciência, etc...
  12. 12. • BIBLIOGRAFIA: • EMMANUEL • Palavras da Vida Eterna, Cap. 31 • ALLAN KARDEC - O Livro dos Médiuns - 2ª parte - Cap. XX.

×