MOVIMENTOS DE VANGUARDA   Construtivismo, Dadaismo... 06
Construtivismo: 1917 - 1931
CONSTRUTIVISMO <ul><li>O &quot;Manifesto Realista“ </li></ul><ul><li>O construtivismo foi um movimento artístico que nasce...
Aleksandr Rodtschenko: «Hängende Raumkonstruktion», 1920/21 (Rekonstruktion, 1982).   Aleksandr Rodtschenko: «Raumkonstruk...
Aleksandr Rodtschenko: «Feuerleiter am Haus an der Mjasnitzkaja», 1925.  Aleksandr Rodtschenko:  «Frau mit einer ‹Leica›»,...
CONSTRUTIVISMO <ul><li>A utilidade social da arte </li></ul><ul><li>O movimento foi fundado por Vladimir Tatlin. Trabalhan...
CONSTRUTIVISMO
CONSTRUTIVISMO <ul><li>...inspirado no Cubismo </li></ul><ul><li>Com forte inspiração cubista e na pintura de Kandisky (as...
<ul><li>Pôsteres  - Kasimir Malevich </li></ul>CONSTRUTIVISMO
<ul><li>Pôsteres </li></ul><ul><li>- Vladimir Maiakovski </li></ul>CONSTRUTIVISMO
CONSTRUTIVISMO <ul><li>Perseguição na Rússia ajuda a disseminação de idéias </li></ul><ul><li>As pinturas eram realizadas ...
<ul><li>Pôsteres  - El Lissitzky </li></ul>CONSTRUTIVISMO
El Lissitzky “ Derrote os Brancos com a cunha vermelha”, pôster, 1920 História suprematista de dois quadrados em seis cons...
El Lissitzky Chad Gadya (The Tale of the Goat) , 1919  http://www.getty.edu/research/conducting_research/digitized_collect...
Dada ismo : 1916 - 1922
DADAÍSMO <ul><li>&quot; O  Dadá  &quot;, a primeira  expressão verbal de uma criança , deve expressar um novo começo, repr...
DADAÍSMO
DADAÍSMO <ul><li>O vácuo criado pela guerra </li></ul><ul><li>O Dadaísmo foi um movimento articulado desde 1915, em plena ...
DADAÍSMO
DADAÍSMO <ul><li>Contrários à burguesia e ao naturalismo, identificado como  &quot; a penetração psicológica dos motivos d...
DADAÍSMO
DADAÍSMO <ul><li>O objetivo máximo ...o escândalo </li></ul><ul><li>O  Dadaísmo  procurava chocar um público mais ligado a...
DADAÍSMO
DADAÍSMO <ul><li>O Cabaré </li></ul><ul><li>Originou-se de um grupo composto por artistas como  Tristan Tzara ,  Hans Harp...
DADAÍSMO
DADAÍSMO <ul><li>A arte escrachada dos dadaístas </li></ul><ul><li>Sua provocação, ativismo e conceito de simultaneidade (...
DADAÍSMO
DADAÍSMO <ul><li>A arte escrachada dos dadaistas </li></ul><ul><li>Além disso,  o dadaísmo, desde o começo, pretendia ser ...
DADAÍSMO
DADAÍSMO
DADAÍSMO
DADAÍSMO
DADAÍSMO
 
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Hd06 Mov Vanguarda

6,979 views

Published on

Material organizado para um curso básico de História do Design

1 Comment
8 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
6,979
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
79
Actions
Shares
0
Downloads
499
Comments
1
Likes
8
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • ANOTAÇÕES 01A LEITURAS RECOMENDADAS: 01ª DESIGN...CONCEITOS TEXTOS DE APOIO ESPM RJ Design Gráfico HISTÓRIA DO DESIGN -  DSGS1A Prof. Valdir Soares DESIGN ...CONCEITOS O Design , ...sua prática nos últimos anos, passa a exigir que a qualificação profissional, antes com o foco no patamar estritamente operacional do projeto, desenvolva ações também no nível estratégico de uma organização. O &amp;quot; fazer &amp;quot; do Design para bens e serviços, de produtos à programação visual dos elementos constituintes da identidade visual de um empreendimento, do tratamento visual da informação dos serviços de uma empresa, produtos, impressos e imagens virtuais , segue como conteúdo do perfil profissional do Designer mas, outras exigências, vão sendo apontadas como: « ...elemento dinamizador para administradores; elemento diferenciador entre concorrentes; peça chave no incremento das vendas para o pessoal de marketing e parte fundamental do motor  do avanço tecnológico... » (PUERTO, H.B. Design e Inovação Tecnológica , Salvador, IEL-Prog. Bahia Design, 1999.) ¨O &amp;quot; IDEO &amp;quot; um dos maiores escritórios de Design , no Estados Unidos, pesquisando sobre a busca de empresas que, mesmo possuindo seus setores de Design , buscavam externamente a contratação desses serviços apontou que: « ...condensamos as respostas em quatro razões principais: ...capacidade, ...velocidade, ...especializações fora de suas atividades principais. E a quarta era inovação. » ( KELLEY, T. A Arte da Inovação , São Paulo, Futura, 2001) ¨Para definir Design , o que é  ...enfrenta-se dificuldades variadas e contraditórias. Contudo, o serviço que se espera que o Designer cumpra, na maioria das vezes, é mais objetivo exigindo competência profissional ( capacidade e a devida especialização ), tempos exíguos para apresentação e um diferencial das soluções ( velocidade e inovação ).  Daí, um dos compromisso pedagógico com a formação dos futuros profissionais transita na esfera de discutir e procurar denominadores comuns, que forneçam a devida segurança de, no futuro, marcarem sua posição no mercado de trabalho, sem levarem questões dúbias para as negociações, provavelmente preexistentes, no repertório dos clientes. « ..Design ?  É...design ! » ( STRUNCK, G., Viver de Design , Rio, 2AB,1999) ¨« ..Designer gráfico é um termo relativamente novo para designar um profissional. Usava-se artista gráfico até alguém falar que o trabalho de desenhar logotipos, cartazes, folhetos, embalagens, livros é design e que design não é arte.  Daí, designer gráfico. ...afinal quais os limites do design gráfico ? » ( OHTAKE, R. O que é ser designer gráfico hoje ?  in: Revista ADG - Revista da Assoc. dos Designers GráficosBrasil, São Paulo, n º 27, Fevereiro, 2003, p. 78-79 .  ver também:  ESCOREL, A. L. O Efeito Multiplicador do Design , São Paulo, Ed.SENAC, 2000 ).¨ « ...Num mercado globalizado, são fatores decisivos para o sucesso de uma empresa a credibilidade de sua imagem e a qualidade de seus produtos e serviços que ela oferece ...nos últimos anos os investimentos voltados para a área de design deixaram de ser uma questão de estética e se tornaram uma questão estratégica para sobrevivência das organizações....Entende-se por design a melhoria dos aspectos funcionais, ergonômicos e visuais dos produtos, de modo a atender às necessidades do consumidor, melhorando o conforto, a segurança e a satisfação dos usuários. » ( CNI - Bahiana,C., A Importância do Design para sua Empresa , Brasília -DF, 1998. Ver também: BAXTER, M. Projeto de Produto , São Paulo, Ed.E.Blucher, 1998  e  LOBACH, B. Design Industrial , São Paulo, Ed.E.Blucher, 2000, do qual, parte do texto foi aqui anexado.) ¨O Desenho industrial Design , em seus dois grandes blocos de habilitação Programação Visual Design Gráfico   e  o Projeto de Produto Design Industrial , vão encontrar posicionamentos conceituais sobre o que é Design na literatura que, hoje, vai do campo da Arte ao das Engenharias, passando pela Comunicação, Antropologia, Economia, Sociologia e Direito, cada qual emprestando suas reflexões de forma positiva, ou não,  à aqueles que estarão no  &amp;quot; front &amp;quot;, disputando seu espaço no mercado de trabalho.¨ « ...A Ciência do Designer encontra-se definida em função produtiva, tecnológica como no caso do tecnólogo.  Mas, a Tecnologia do Designer encontra-se definida em função estética, o que faz que essa ação estética seja também tecnológico-científica.  A Ciência, a Tecnologia e a Arte integradas unitária, orgânica e sinergeticamente no ato produtor do Design, permitem denominar este com o neologismo: O PROJETAR ou  ATO ´POIETICO`. Querer fazer do Design uma atividade exclusivamente tecnológica ou artística é não compreender seu sentido.   O Design é um ato distinto, próprio, integrado, científico-tecnológico-estético: Uma tecnologia-estética-opera-cional ou uma operação-estético-tecnológica ´sui generis`. »  ( apud. PUERTO, 1999   DUSSEL, E.  La Filosofia de la Producción , México, UNAM, 1984 ato poiético , do gr. Poiesis é a atividade produtiva fabricativa, que é dirigida ao trabalho da natureza, como produção dos homens livres, dos artesãos ou dos escravos; relacionada à arte, à semiótica e ao Design .). Os textos, em anexo, vão nos remeter à algumas reflexões como -  Por que? e Para que ? - estudar a História do Design bem como, o que é produzir e como organizar o conhecimento acumulado, no sentido de estimular e subsidiar a práxis do Design.  DENIS, Rafael C. UMA INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DO DESIGN . São Paulo, E Blücher, 2000 / História e design, p. 12 a 15 / A natureza do design, p. 16 – 18 SOUZA, Pedro Luiz Pereira de. NOTAS PARA UMA HISTÓRIA DO DESIGN . Rio de Janeiro, 2AB, 1998 / Introdução, p. 09 a 12 HÜHNE, L. M.(org.) METODOLOGIA CIENTÍFICA – Cadernos de Textos e Técnicas . Rio de Janeiro, Agir, 6a. ed. 1995 / Apresentação, p. 11 e 12 / O Ato de Estudar, p. 13 – 20 / A Organização do Trabalho Acadêmico p. 21, 44 - 54, 64 e 65.
  • Hd06 Mov Vanguarda

    1. 1. MOVIMENTOS DE VANGUARDA Construtivismo, Dadaismo... 06
    2. 2. Construtivismo: 1917 - 1931
    3. 3. CONSTRUTIVISMO <ul><li>O &quot;Manifesto Realista“ </li></ul><ul><li>O construtivismo foi um movimento artístico que nasceu na Rússia em 1913. </li></ul><ul><li>De um movimento inicialmente ligado à escultura e à colagem, passou a envolver outras manifestações artísticas. </li></ul><ul><li>Seu nome vem do &quot;Manifesto Realista&quot;, publicação de 1920 que prega o ideal de se &quot;construir &quot; a arte. A arte deveria refletir o mundo moderno e sua tecnologia, utilizando-se para isso de materiais da indústria, como por exemplo, o plástico. </li></ul>
    4. 4. Aleksandr Rodtschenko: «Hängende Raumkonstruktion», 1920/21 (Rekonstruktion, 1982). Aleksandr Rodtschenko: «Raumkonstruktion Nr. 12», 1920/21 (Rekonstruktion, 1970). CONSTRUTIVISMO
    5. 5. Aleksandr Rodtschenko: «Feuerleiter am Haus an der Mjasnitzkaja», 1925. Aleksandr Rodtschenko: «Frau mit einer ‹Leica›», Autoretrato da Fotógrafa E. Lemberg, 1934.   CONSTRUTIVISMO
    6. 6. CONSTRUTIVISMO <ul><li>A utilidade social da arte </li></ul><ul><li>O movimento foi fundado por Vladimir Tatlin. Trabalhando ao lado de Alexander Rodchenko, aplicou também os princípios construtivistas à arquitetura. </li></ul><ul><li>Relacionava a arte à sua utilidade social. &quot;Monumento para a Terceira Internacional&quot; é uma de suas obras mais conhecidas. </li></ul><ul><li>Os irmãos Antoine Pevsner e Naum Gabo (que publicaram o manifesto acima citado), apesar das divergências com o grupo de Tatlin, formavam outro importante foco do movimento. Esses últimos acreditavam na arte como um valor absoluto e independente. </li></ul><ul><li>Espaço e tempo deveriam ser as base das artes construtivas. </li></ul>
    7. 7. CONSTRUTIVISMO
    8. 8. CONSTRUTIVISMO <ul><li>...inspirado no Cubismo </li></ul><ul><li>Com forte inspiração cubista e na pintura de Kandisky (assimilados principalmente através dos irmãos Naum e Antoine), o construtivismo fundia percepção artística a conhecimentos científicos, como potencialidade dos materiais e possibilidades formais. </li></ul><ul><li>Esteve intimamente ligado a outro movimento artístico, o suprematismo , fundado pelo pintor Kasimir Malevich (1878 - 1935). </li></ul><ul><li>SUPREMATISMO s.m. Teoria e prática do pintor russo Malevitch (a partir de 1913) e seus epígonos, tais como Lissitzky, Ivan Klioune, Olga Rozanova. (Foi o primeiro movimento de pura abstração geométrica da pintura.) Este, também inspirado no cubismo, era baseado na arte geométrica abstrata. </li></ul><ul><li>Enfatizava a cor como instrumento de criação de realidade na arte. Dá um extremo valor à emoção, desprezando as idéias da &quot;mente consciente&quot;. </li></ul>
    9. 9. <ul><li>Pôsteres - Kasimir Malevich </li></ul>CONSTRUTIVISMO
    10. 10. <ul><li>Pôsteres </li></ul><ul><li>- Vladimir Maiakovski </li></ul>CONSTRUTIVISMO
    11. 11. CONSTRUTIVISMO <ul><li>Perseguição na Rússia ajuda a disseminação de idéias </li></ul><ul><li>As pinturas eram realizadas normalmente em cima de superfícies preparadas. &quot;Branco no Branco&quot;, de Malevich é considerado o melhor exemplo de realização do que se propõe o suprematismo. </li></ul><ul><li>Chocando-se com o regime socialista soviético, o construtivismo foi condenado e Naum e Antoine deixaram o país. </li></ul><ul><li>Esse exílio facilitou a disseminação de suas idéias pela Europa, exercendo </li></ul><ul><li>bastante influência sobre artistas e movimentos importantes do período, como </li></ul><ul><li>o Bauhaus e o grupo Stijl. </li></ul><ul><li>Tatlin permaneceu na Rússia, associando-se ao teatro, realizando especialmente cenários. </li></ul>
    12. 12. <ul><li>Pôsteres - El Lissitzky </li></ul>CONSTRUTIVISMO
    13. 13. El Lissitzky “ Derrote os Brancos com a cunha vermelha”, pôster, 1920 História suprematista de dois quadrados em seis construções, página do livro, 1922 CONSTRUTIVISMO
    14. 14. El Lissitzky Chad Gadya (The Tale of the Goat) , 1919 http://www.getty.edu/research/conducting_research/digitized_collections/lissitzky/flash/home.html Exposição em Leipzig, 1930 CONSTRUTIVISMO
    15. 15. Dada ismo : 1916 - 1922
    16. 16. DADAÍSMO <ul><li>&quot; O Dadá &quot;, a primeira expressão verbal de uma criança , deve expressar um novo começo, representar a simplicidade e o princípio que toda a arte simboliza. </li></ul><ul><li>Em 5 de fevereiro de 1916 o poeta e filósofo Hugo Ball (1886-1974) estabelecia as bases do movimento </li></ul><ul><li>...em uma bar &quot; Cabaret Voltaire &quot;, ...mistura de boate e galeria de arte, para o qual foram convidados artistas e poetas jovens para recitar seus trabalhos mostrar seus quadros </li></ul><ul><li>...ou, até mesmo fazer música. </li></ul><ul><li>http://www.pitoresco.com. br/art_data/dadaismo/index . htm </li></ul>
    17. 17. DADAÍSMO
    18. 18. DADAÍSMO <ul><li>O vácuo criado pela guerra </li></ul><ul><li>O Dadaísmo foi um movimento articulado desde 1915, em plena 1ª Guerra Mundial, em Zurique (cidade que conservou-se neutra com relação à guerra). </li></ul><ul><li>Um movimento, que negava todas as tradições sociais e artísticas, tinha como base um anarquismo niilista e o slogan de Bakunin : </li></ul><ul><li>&quot;a destruição também é criação&quot; </li></ul><ul><li>NIILISMO s.m. Negação de qualquer crença. / Sistema que tinha partidários na Rússia do séc. XIX, e cujo objetivo era a destruição radical das estruturas sociais, sem visar a nenhum estado definitivo. </li></ul><ul><li>BAKUNIN (Mikhail), revolucionário russo (ver', 1814 - Berna, 1876), um doschefes da Internacional, depois historiógrafo da anarquia. </li></ul>
    19. 19. DADAÍSMO
    20. 20. DADAÍSMO <ul><li>Contrários à burguesia e ao naturalismo, identificado como &quot; a penetração psicológica dos motivos do burguês &quot;, buscavam a destruição da arte acadêmica e tinham grande admiração pela arte abstrata. </li></ul><ul><li>ACADÊMICO adj. Relativo a academia ou que a ela pertence. // Estilo acadêmico , estilo em que se faz sentir a preocupação de aplicar os princípios da arte oficial. / Universitário: cursos acadêmicos . / — S.m. Membro de uma academia; em particular, da Academia Brasileira de Letras./ Estudante universitário. </li></ul><ul><li>O acaso era extremamente valorizado pelos dadaístas, bem como o absurdo. Tinham tendências claramente anti-racionais e irônicas. </li></ul>
    21. 21. DADAÍSMO
    22. 22. DADAÍSMO <ul><li>O objetivo máximo ...o escândalo </li></ul><ul><li>O Dadaísmo procurava chocar um público mais ligado a valores tradicionais e libertar a imaginação via destruição das noções artísticas convencionais. </li></ul><ul><li>Acredita-se, ainda, que seu pessimismo venha de uma reação de desilusão causada pela Primeira Guerra Mundial. </li></ul><ul><li>Apesar de sua curta duração - no período entre guerras, praticamente havia sido esquecido - e das críticas realizadas ao movimento, fundamentalmente baseadas em sua ausência de vocação construtiva, teve grande importância para a arte do Século 20. </li></ul><ul><li>Fez parte de um processo, observado nesse século, de libertação da arte de valores preestabelecidos e busca de experiências e formas expressivas mais apropriadas à expressão do homem moderno e de sua vida. </li></ul>
    23. 23. DADAÍSMO
    24. 24. DADAÍSMO <ul><li>O Cabaré </li></ul><ul><li>Originou-se de um grupo composto por artistas como Tristan Tzara , Hans Harp , Richard Hülsenbeck, Marcel Janko , Hugo Ball e Hans Richter que se encontravam em cafés de Zurique. </li></ul><ul><li>A idéia inicial era a realização de um espetáculo internacional de Cabaré que contava com músicas diversas, recitais de poesia e exposição de obras. </li></ul><ul><li>A maneira como surgiu o nome do evento é sugestiva: por acaso Ball e Hülsenbeck abriram um dicionário de alemão-francês e acabaram se deparando com a palavra dada , que foi posteriormente adotada pelo grupo e pelo movimento que daí surgiria a brochura &quot;Cabaret Voltaire&quot; , a inauguração da &quot;Galeria Dada&quot; em 1917 e as revistas &quot;Dada&quot; , seguidas de livros sobre o movimento, ajudando a popularizá-lo. </li></ul>TZARA (Sami ROSENSTEIN, dito Tristan) , poeta judeu francês (Moinesti, Romênia, 1896 - Paris, 1963), um dos iniciadores do dadaísmo ( O homem aproximativo , 1931; O coração de gás , 1938). Defendeu o homem contra as forças da servidão em A fuga (1947); O fruto permitido (1957); A rosa e o cão (1958). JANCO (Marcel) , pintor israelense (Bucareste, 1895 – Tel-Aviv, 1984), ilustrou A primeira aventura celeste do Sr. Antipirina (1916), de Tristan Tzara, e os três primeiros números da Revista Dada . Em 1941, fugindo à perseguição nazista, foi para Israel, onde sua arte se revitalizou. Prêmio Israel, 1967.
    25. 25. DADAÍSMO
    26. 26. DADAÍSMO <ul><li>A arte escrachada dos dadaístas </li></ul><ul><li>Sua provocação, ativismo e conceito de simultaneidade (realizar ao mesmo tempo diversas apresentações, como a leitura de poemas distintos) muito deve aos futuristas, entretanto, não possuía o otimismo e a valorização da tecnologia que esse último movimento tinha. </li></ul><ul><li>O dadaísmo costuma ser bastante identificado aos ready mades de Duchamp , como os urinóis elevados à categoria de obras de arte ou outras proezas do artista, como o acréscimo de bigodes à Mona Lisa. </li></ul><ul><li>Os poemas non-sense , as máquinas sem função de Picabia , que zombavam da ciência, ou a produção de quadros com detritos, como Merzbilder , de Schwitters , são outras obras características do dadaísmo. </li></ul>
    27. 27. DADAÍSMO
    28. 28. DADAÍSMO <ul><li>A arte escrachada dos dadaistas </li></ul><ul><li>Além disso, o dadaísmo, desde o começo, pretendia ser um movimento internacional nas artes . Picabia era o artista que acabou por fazer a ponte entre o dadaísmo europeu e o americano, tornando-se, juntamente com Duchamp e Man Ray , uma das principais figuras do dadaísmo forte em Nova York. </li></ul><ul><li>A revista &quot; Dada 291 &quot; era publicada nessa cidade americana, além de Barcelona e Paris, outras cidades por onde o movimento espalhara-se. Berlim, Colônia e Hannover eram outros importantes focos Dada. </li></ul><ul><li>Na Alemanha, o movimento ganhou características mais próximas de protesto social que de movimento artístico. </li></ul><ul><li>O dadaísmo forneceu grande inspiração para movimentos posteriores, como o Surrealismo , derivado dele, a Arte Conceitual , o Expressionismo Abstrato e a Pop Art americana. </li></ul>
    29. 29. DADAÍSMO
    30. 30. DADAÍSMO
    31. 31. DADAÍSMO
    32. 32. DADAÍSMO
    33. 33. DADAÍSMO

    ×