Confusão no Galinheiro - Vovó Mima Badan

1,372 views

Published on

Published in: Travel, Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Confusão no Galinheiro - Vovó Mima Badan

  1. 1. ESTÓRIAS DA VOVÓ MIMA
  2. 2. CONFUSÃO NO GALINHEIRO
  3. 3. Naquele galinheiro sempre houve muita harmonia. As galinhas eram amigas, trocavam confidências e procuravam sempre se ajudar. Até que um dia...
  4. 4. Chega no galinheiro uma galinha diferente das outras. E, já chega fazendo pose, olhando as outras com pouco caso, achando-se superior a todas. Quem seria ela? Quem seria essa metida tão diferente das outras? Vocês já viram a metida que chegou???
  5. 5. É essa aí... Ouviram dizer que é uma tal galinha d’angola, uma raça trazida da África há muito tempo, na época da escravidão no Brasil. É uma galinha escura, com bolas brancas e muito escandalosa.
  6. 6. As amigas galinhas conversam... -Comadre, como é que nós vamos agüentar essa outra que chegou? Ela é muito escandalosa! -Pois é, comadre, minhas crianças andam muito assustadas com ela... É só aparecer alguém ou um barulho estranho que ela começa na maior gritaria. E como grita!!! E ainda por cima grita: “Tô fraco, tô fraco, tô fraco!!” Pode uma coisa dessas acontecer por aqui?
  7. 7. A vida no galinheiro virou um verdadeiro inferno! Era só briga o dia todo, ninguém agüentava mais... A galinha d’angola gritava: “Tô fraco, tô fraco...” e as outras gritavam: “Cale a boca, cale a boca, pare de ser escandalosa!” Eu sou o manda-chuva daqui e não sei mais o que fazer!?!?!
  8. 8. Os dias vão passando, mas a confusão, a brigaiada não... É só pena voando dia e noite, uma verdadeira guerra!!! Vem, marido, vamos embora daqui!!!
  9. 9. A galinha d’angola não entendia a razão de tanta implicância! Achava que era porque era diferente, não sabia cantar como as outras... E ficava triste, muito triste, sentindo-se só e abandonada por todos.
  10. 10. Uma noite... Silêncio... Todos dormiam... Menos a galinha d’angola que gritava na maior agitação e, todos acabaram acordando e, é claro, saiu mais uma briga daquelas! Será que ninguém mais tinha sossego naquele galinheiro? Mas, nada da galinha calar a boca – só gritava, gritava!!!
  11. 11. Mas, perceberam um grande clarão vermelho lá no meio da fazenda e calorão tremendo!!! O que poderia ser??? Mas, sentiam que alguma coisa errada estava acontecendo... E a d’angola continuava a gritar, a gritar... Será que ninguém entendia o que estava acontecendo???
  12. 12. Era um grande incêndio!!! Foi a maior correria – as galinhas salvando os filhos, o galo salvando as galinhas... Correram, correram pra longe, bem longe, pois o fogo já estava chegando perto do galinheiro.
  13. 13. Quando já estavam a salvo se lembraram daquela que os salvou – a galinha d’angola! Precisavam agradecer! Mas, onde estava ela??? Estava escondida, e também muito assustada... Será que iam brigar com ela de novo? Ela só quis ajudar...
  14. 14. Queriam agradecer, só isso!!! Só isso nada!!! Queriam que ela aceitasse desculpas por tudo que tinham feito a ela... Foram perdoados e, a d’angola passou a ser a “rainha do galinheiro” e... Ninguém mais implicou com o seu “tô fraco, tô fraco, tô fraco”...
  15. 15. Estória criada e formatada por MIMA (WILMA) BADAN, a VOVÓ MIMA [email_address] MÚSICA: Chorinho na praia – Jacob do Bandolim IMAGENS: da Net (Repasse com os devidos créditos) PARA MINHAS NETAS QUERIDAS, PIETRA e MARTINA, com o carinho da Vovó

×