Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Doenças exantemáticas nessa

3,559 views

Published on

  • Be the first to comment

Doenças exantemáticas nessa

  1. 1. ♥ Doenças Exantemáticas ♥ Vanessa Lys BoeiraExantema: é uma alteração na cor da pele de extensão variável, quando associada a febre está provavelmente relacionada a etiologia vira ou bacteriana viralClassificação: Papular ou maculopapular Papulovesicular ou pustular Petequial ou equimótico-petequialFisiopatologia: ♣ O exantema pode ser resultante da ação direta do agente infeccioso ou de alguma toxina liberada por este este. ♣ Fenômenos Vasodilatação Vaso-oclusão Vasculite Extravasamento de hemácias e leucócitos Edema Exantema☺ O que é importante identificar? Exame físico:Anamnese: 1. Sinais prodrômicos 1. Uso de drogas: rash, farmacodermias ( NET, Stevens , Stevens-Johnson) 2. Identificar o tipo de exantema 2. Viagem recente? Outros dados epidemiológicos... 3. Evolução temporal das lesões 3. Antecedentes Imunológicos (vacinas) 4. Topografia das lesões 4. Contactantes ( doenças exantemáticas, importante em escolares) 5. Sinais vitais e evidências de toxicidade: prediz a gravidade 5. Imunocompetência 6. Idade: Roséola: rara em >2anos; Escarlatina: rara em < 3 anos da doença 6. Manutenção da febre após rash? Pode predizer infecção por outras bactérias da flora, outras bactérias ou extensão ♣ O diagnóstico muitas vezes é essencialmente clínico e a intervenção é feita da infecção viral para outros órgãos como SNC. antes do diagnóstico de certeza 7. Equimótico-petequial? Pensar em doença meningocócica petequial? – rápida evolução para morte ♣ Em algumas doenças é importante fazer a notificação de acordo com a vigilância epidemiológica
  2. 2. DOENÇA AGENTE LESÃO/ SINAIS EVOLUÇÃO CLÍNICA DIAGNÓSTICO/ OBSERVAÇÕES/ VACINAÇÃO ETIOLÓGICO/ EVOLUÇÃO DO TRATAMENTO TRANSMISSÃO EXANTEMASARAMPO Vírus RNA Exantema Sinal de koplik Período de incubação: 8 a 12 dias Diagnóstico clínico, Complicações: infecções maculoapular, ( enantema laboratorial e respiratórias, pneumonias, otite Secreções morbiliforme, próximo ao 3º e Período prodrômico: 2 a 4 dias, epidemiológico média aguda, diarréia nasofaríngeas eritematoso, 4º molar, Febre baixa, tosse produtiva, No Brasil houve interrupção da 2 dias antes e 2 dias confluente, esbranquiçado e secreção nasal, conjuntivite e Laboratório: IgM e IgG transmissão autocne após surgimento de inicialmente puntiforme) fotofobia Notificação compulsória é exantema crânio-caudal surge ~24h antes Sinal de Koplik Tratamento: obrigatória do exantema sintomático + Vacina de vírus vivo atenuado: *morbiliforme= Fácies vultuosa Período exantemático: acentuação suplementação de monovalente ou tríplice com rubéola e áreas sãs dos sintomas, prostração, persiste Vitamina A em caxumba entremeadas com por5 a 6 dias desnutridos, Bloqueio vacinal seletivo: áreas de lesão imunodeficientes ou contactantes até 72h pós contágio Período de convalescença: com complicações Panencefalte esclerosante escurecimento das lesões e subaguda = morte! descamação furfurácea Lactentes < 9 meses não tem resposta vacinal A imunização passiva com Imunoglobulinas deve ser feita em <6 meses, grávidas e imunossuprimindos.RUBÉOLA Vírus de RNA Rash Linfadenopatia Prodrômicos: febre baixa, mal-estar, Hemograma: Vacinas: monovalente, dupla o Secreções maculopapular cervical: anorexia, mialgias, dor de garganta e leucopenia, neutropenia tríplice viral nasofaríngeas puntiforme, suboccipital, hiperemia conjuntival (1-4 dias) e trombocitopenia Rubéola congênita: manifestações 5/7 dias antes e róseo,tendência a retroauricular e Provas sorológicas: IgG e oftalmológicas, cardíacas, auditivas depois do coalescência. 1º cervical anteior Junto com o exantema podem surgir IgM e neurológicas surgimento do Cabeça e lesões rosadas (manchas de Sintomático, usar 24-40% das crianças desenvolvem a exantema pescoço; 2º Forcheimer) e petéquias em palato corticóides e forma subclínica sem rash Disseminação mole e amígdalas imunoglobulinas p tto Complicações: trombocitopenia Vacina com vírus para tronco e de trobocitopenia que pós-infecciosa, artrite, encefalite atenuado extremidades Poliartralgias são raras em crianças e não regride pós-infecciosa, pan-encefalite Dura ~3 dias freqüentes em adolescentes e progressiva da rubéola Desaparece sem adultos descamar
  3. 3. DOENÇA AGENTE LESÃO/ SINAIS EVOLUÇÃO CLÍNICA DIAGNÓSTICO/ OBSERVAÇÕES/ VACINAÇÃO ETIOLÓGICO/ EVOLUÇÃO DO TRATAMENTO TRANSMISSÃO EXANTEMAExantema Herpes Vírus VI e Aparecimento e Crianças entre 6 meses e 2 anos Não precisa realizar A febre alta pode desencadearSúbito / VII evolução em 48h Não há queda do estado geral na exames convulsõesRoséola sem –pigmentar maioria dos casos Pode haver leucocitose LCR: sem alterações Exantema em Período prodrômico: Febre alta de 3 no inicio do quadro Teste de Ag rápido não está todo o corpo a 4 dias, irritabilidade febril disponível no SUS Tratamento sintomático Não há vacina e não se faz tto O uso de antivirais (ganciclovir) está indicado apenas quando há desenvolvimento da forma grave da doença ou imunossuprimidosEritema Parvovírus B19 Exantema de “ Fácies Escolares e pré-escolares Não há tratamento Pode ser recorrente em função deInfeccioso aspecto esbofeteada” Ausência de sintomas prodrômicos Hemograma: pouca exercícios e exposição ao sol5ª moléstia rendilhado 1ª fase: exantema em face redução da Não se faz prevenção Poupa palmas e 2ª fase: disseminação do exantema hemoglobina e redução Quando o exantema aparece já não plantas para tronco e parte proximal de substancial de há transmissibilidade Desaparece sem MMS e MMI reticulócitos no SP descamar 3ª fase: ressurgimento das lesões Sorológico: IgM Complicações: artropatias de curso depois da melhora clínica, após 1 a 3 Em limitado em mãos,punhos e joelhos, semanas. O exantema pode imunocomprometidos e mais comum em adolescentes do reaparecer com mudanças falência medular: uso de sexo feminino ambientais como luz solar imunoglobulina IV Transfusão em anemia Crise aplástica transitória: efeito aplástica citopático do vírus em céls eritróides,febre, prostração e sinais de anemia grave. O exantema raramente está presente!
  4. 4. DOENÇA AGENTE LESÃO/ SINAIS EVOLUÇÃO CLÍNICA DIAGNÓSTICO/ OBSERVAÇÕES/ VACINAÇÃO ETIOLÓGICO/ EVOLUÇÃO DO TRATAMENTO TRANSMISSÃO EXANTEMAEscarlatina Streptoccocus Áspero em lixa, Língua em Período prodrômico: Febre alta de Hemograma: A doença tem curso benigno, o risco pyogenes β “pele de galinha”, framboesa 24h, adenomegalia e dor de garganta leucocitose com é o desenvolvimento de hemolíticos descamação em Sinal de Pastia Amidalite purulenta, edemaciadas, eosinofilia complicações: febre reumática e Secreção oral, até lâmina após (exantema hiperemiadas e recobertas por Teste rápido com glomerulonefrite 24-48 h após ATB resolução intenso em exsudato purulento material coletado por eficaz rash se inicia em flexuras com swab tórax e dissemina formação de Tto: Penicilina G para pescoço e linhas benzatina, IM, dose membros, transversais) única ou Amoxicilina, poupando palmas Sinal de Filatov VO, 10 dias ou e plantas (fronte e Eritromicina, 10 dias ( bochechas alérgicos) hiperemiadas com região perioral pálida)Síndrome de Desconhecido Pleomórfico Edema nas mãos Período prodrômico: febre por mais Crianças< 5anos Complicações cardíacasKawasaki evoluindo com e nos pés com de 5 dias, queilite e adenopatia trombocitose crescente Aneurisma craniano pigmentação superfícies cervical; Pode ser ásperas em lixa e Alterações em pele e mucosas; maculopapular e descamação em Descamação peri-ungueal ; morbiliforme lâmina ConjuntivitesEnteroviroses Não pólio Maculopapular Período prodrômico: febre e Doença mão, pé e Podendo ser faringite boca purpúreo ou Febre baixa; vesículas em lábios, petequial língua, mucosa jugal, gengivas, faringe e amígdalas que podem ulcerar; exantema maculopapular ou vesicular em mãos, pés e nádegas. A superfície dorsal das extremidades é mais acometida.
  5. 5. DOENÇA AGENTE LESÃO/ SINAIS EVOLUÇÃO CLÍNICA DIAGNÓSTICO/ OBSERVAÇÕES/ VACINAÇÃO ETIOLÓGICO/ EVOLUÇÃO DO TRATAMENTO TRANSMISSÃO EXANTEMADengue Flavivírus de 4 tipos Qualquer tipo: prurido Período prodrômico: febre e cefaléia É na verdade um diagnóstico petequial, diferencial... purpúreo, concentrando-se nas extremidadesVaricela Vírus da varicela- Inicia-se com rush Prurido intenso É mais grave em adultos Testes sorológicos: IgM Complicações infecciosas, zóster macular que Lesões em O curso geralmente é benigno, e IgG bacterianas ou neurológicas É altamente evolui com diversos estágios alguns grupos possuem mais risco de Tratamento (encefalites, ataxia cerebelar) contagioso formação de de evolução desenvolver a forma grave, bem sintomático: analgésicos Latência em gânglios nervosos Secreções vesículas, depois (pleomorfismo) como infecção bacteriana e antitérmicos; Reativação = Herpes Zoster respiratórias e pústulas com secundária: recém-nascidos, Anti-histamínicos para A vacinação é feita com o vírus vivo gotículas centro umbilicado lactentes, adolescentes, adultos e aliviar o prurido; atenuado e não faz parte do Secreções das que ulceram e imunocomprometidos soluções de anti- calendário vacinal do ministério vesículas de cicatrizam Sintomas prodrômicos: febre, sépticos para lavar as Vacina em dose única para crianças varicela ou herpes- Inicia-se em face cefaléia, anorexia, mal estar e dor lesões e ATB adequada e 2 doses em adultos zóster e couro cabeludo abdominal de 24 a 48 h antes do em caso de infecção CRIES: vacina em casos especiais e distribui-se para surgimento do exantema secundária. Omo LLA, imunossuprimidos, tronco e A febre é moderada e pode persistir Uso de antivirais em candidatos a transplantes, extremidades, por até 4 dias após surgimento do pcts > 12 anos, se a profissionais de saúde expostos, concentram-se exantema doença estiver portadores de afecções em face e tronco disseminada ou em dermatológicas graves, etc (distribuição resolução não fazer centrípeta) uso!!!
  6. 6. ♥ Figuras ♥ SARAMPO ] sinal de koplik RUBÉOLA Observar que as lesões do sarampo apresentam padrão mais escarlatiforme, enquanto a rubéola apresenta aspecto mais róseo-esbranquiçado. Aspecto morbiliforme presente nos dois quadros.
  7. 7. Eritema Infeccioso Exantema Súbito “fácies esbofeteada” Observar aspecto rendilhado da lesão Exantema distribuído por todo o corpo EscarlatinaLíngua em framboesa Sinal de Filatov Pele em “lixa” Descamação em lâmina
  8. 8. Síndrome de Kawasaki EnterovirosesMÃO PÉ BOCA
  9. 9. VARICELA HERPES-ZÓSTER Herpes-zóster: observar a distribuição da lesão, respeitando os limites do dermátomo acometidoObservar pleomorfismo das lesões

×