Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

As primeiras visões do brasil

12,618 views

Published on

3º e.m. - 1ª prova - 1º trimestre

Published in: Education
  • Be the first to comment

As primeiras visões do brasil

  1. 1. AS PRIMEIRAS VISÕES DO BRASIL.
  2. 2. LOPO HOMEM.Terra brasilisAtlas de Miller
  3. 3. O que você deve saber ao final desse estudo:-O que foi o projeto colonial português-Quais foram e como se articularam os agentes do discurso-Como a literatura de viagens e de catequese contribuírampara o projeto colonial português-Que simbolos de nacionalidade o olhar europeu identificouem terras brasileiras-Que valores e visão de mundo esses textos apresentam
  4. 4. • Hans Staden ."A América é uma terra vasta onde vivem muitas tribos de homens selvagens com diversas línguas diferentes. (...) Essa terra tem uma aparência amistosa visto que s árvores ficam verdes por todo o ano (...) Todos os homens andam nus pois naquela parte da terra (...) nunca faz tanto frio (...) a parte localizada ao Sul do trópico de Capricórnio (...) é um pouco mais fria. Os selvagens dessa região chamam-se Carijó e usam peles de animais limpas e preparadas como vestimenta. Por causa do sol forte, os habitantes da terra têm uma cor marrom-avermelhada (...) trata-se de um povo orgulhoso e muito astuto (...) Existe naquele lugar uma grande serra que se estende até cerca de três milhas da costa; em alguns pontos ela é bem mais afastada, em outros ainda mais próxima (...) os Tupinambá residem na serra já mencionada, na beira do mar; mas seu território ainda se estende por cerca de 60 milhas por detrás dela. Residem nas margens do Paraíba, num rio que vem das montanhas e deságua no mar (...) Os inimigos são uma ameaça por todos os lados (...) no sul são os Tupiniquim (...)Hans Staden. A verdadeira história dos selvagens, nuse ferozes devoradores de homens.
  5. 5. 1492 – Cristóvão Colombo chega à América.1494 – Tratado de Tordesilhas é assinado.1497- 1498 – Vasco da gama descobre o caminho marítimo para asíndias.1500 – A esquadra de Cabral chega ao Brasil.1521 – inicio da colonização no Brasil.1532 – A maior colonia portuguesa é estabelecida no Brasil com afundação da cidade de São Vicente.
  6. 6. 1549 – Chega ao Brasil Tomé de Sousa, governador da colonia,com uma comitiva de mais de 1000 pessoas. Estava autorizado amatar e escravizar os índios que resistissem ao domínioportugues. Na comitiva, encontrava-se o padre Manuel daNóbrega.1565 – Os portugueses fundam o Rio de Janeiro.1578 – D. sebastião, rei de Portugal, desaparece na Batalha deAlcácer Quibir, o que faz com que o Reino perca sua soberania,passando a ser governado pelo rei da Espanha.
  7. 7. Mundus NovusJohann Froshchauer“cordel” europeu – relatos de selvageria, sexo, canibalismo, visões doparaíso.
  8. 8. André Thévet
  9. 9. Os agentes do discurso:-Relatos – Pero Vaz de Caminha ( escrivão); Fernão Cardim, Jeande Léry (religiosos); Hans Staden (aventureiro); André Thévet(historiador); Américo Vespúcio (navegador)Contexto de produção: descrição e experiência do conhecimentoda nova terra.Condições de circulação: Carta (velada) Textos jesuítas (disseminados)
  10. 10. “...Tambem ha huma fruita que lhe chamão Bananas, e pela lingua dos indios Pacovas: ha naterra muita abundancia dellas: parecem-se na feição com pepinos, nascem numas arvores mui tenras enão são muito altas, nem têm ramos senão folhas mui compridas e largas. Estas bananas crião-se emcachos, algum se acha que tem de cento e cincoenta pera cima, e muitas vezes he tam grande o pesodellas que faz quebrar a arvore pelo meio; como são de vez colhem estes cachos, e depois de colhidosmadurecem, e tanto que estas arvores dão huma fruita, logo as cortão porque não frutificão mais que aprimeira vez, e tornão a rebentar pelos pés outras novas. Esta he huma fruita mui sabrosa e das boas queha na terra, tem huma pelle como de figo, a qual lhes lanção fora quando as querem comer e se comemuitas dellas fazem dano á saude e causão febre a quem se desmanda nellas. E assadas maduras sãomuito sadias e mandão-se dar aos enfermos. Com esta fruita se mantem a maior parte dos escravosdesta terra, porque assadas verdes passão por mantimento e quase tem sustancia de pão. Ha duasqualidades desta fruita huma são pequenas como figos berjaçotes, as outras são maiores e mais compridas. Estas pequenas têm dentro em si huma cousa estranha, a qual he que quando as cortão pelo meiocom huma faca ou por qualquer parte que seja acha-se nellas hum signal á maneira de Crucifixo, e assitotalmente o parecem...”Pero de Magalhães Gândavo – Tratado da terra do Brasil
  11. 11. “... Quando saímos do batel, disse o capitão que seria bom irmos direitos à cruz, queestava encostada a uma árvore, junto com o rio, para se erguer amanhã, que é sexta-feira, e que nos puséssemos todos em joelhos e a beijássemos para eles verem oacatamento que lhe tínhamos. E assim fizemos. A esses dez ou doze que aí estavamacenaram-lhe que fizessem assim, e foram logo todos beijá-la. Parece-me gente de talinocência que, se homem os entendesse e eles a nós, seriam logo cristãos, porque eles,segundo parece, não têm, nem entendem em nenhuma crença. E portanto, se osdegredados, que aqui hão de ficar aprenderem bem a sua fala e os entenderem, nãoduvido que eles, segundo a santa intenção de Vossa Alteza, se hão de fazer cristãos ecrer em nossa santa fé, à qual praza a Nosso Senhor que os traga, porque, certo, estagente é boa e de boa simplicidade. E imprimir-se-á ligeiramente neles qualquer cunhoque lhes quiserem dar. E pois Nosso Senhor, que lhes deu bons corpos e bons rostos,como a bons homens, por aqui nos trouxe, creio que não foi sem causa. Portanto VossaAlteza, que tanto deseja acrescentar a santa fé católica, deve cuidar de sua salvação. Eprazerá a Deus que com pouco trabalho seja assim...”Carta de Pero Vaz
  12. 12. DEBRET. Castigo de escravo.
  13. 13. ALBERT ECKOUT (1637).
  14. 14. HOMEM E MULHERTUPIHOMEM E MULHERTAPUIA
  15. 15. THEODOR GALLE. América (1575).

×