Reitoria da Universidade de Lisboa | Sala de Conferências | 6ª feira | 18h00        3º Ciclo, ASSOCIADO ÀS COMEMORAÇÕES UL...
Reitoria da Universidade de Lisboa | Sala de Conferências | 6ª feira | 18h00         3º Ciclo, ASSOCIADO ÀS COMEMORAÇÕES U...
Reitoria da Universidade de Lisboa | Sala de Conferências | 6ª feira | 18h00        3º Ciclo, ASSOCIADO ÀS COMEMORAÇÕES UL...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Ciência na UL: 3º Ciclo de Palestras "Ciência em Português"

445 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
445
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ciência na UL: 3º Ciclo de Palestras "Ciência em Português"

  1. 1. Reitoria da Universidade de Lisboa | Sala de Conferências | 6ª feira | 18h00 3º Ciclo, ASSOCIADO ÀS COMEMORAÇÕES ULIS2011-100 ANOS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA E AO PROGRAMA 100 LIÇÕESPoliciamento em Portugal e caminhos da proximidade. 28 JaneiroSusana Durão, Instituto de Ciências Sociais da ULNos últimos quinze anos, de forma mais ou menos sistemática, têm vindo a ser introduzidos em Portugal estilos de policiamento de proximidade. Na apresentaçãoproponho interpretações sobre as diferenças entre este e o modelo de policiamento comunitário, as dificuldades de gestão local do policiamento e o “género” daaproximação.Convidado: Tenente Coronel Fernando Bessa, Guarda Nacional RepublicanaLínguas, genes, e história: a crioulização no Golfo da Guiné. 4 FevereiroTjerk Hagemeijer, Centro de Linguística da FLULDo contacto entre o português e línguas do continente africano surgiram, no século XVI, quatro novas línguas nas ilhas de S. Tomé, Príncipe e Ano Bom. Apoiando-senuma abordagem interdisciplinar, esta palestra visa reconstituir o processo de formação destas línguas.Convidado: Prof. Isabel Castro Henriques, Departamento de História da Faculdade de Letras da ULÁcaros: feios, porcos e maus? 11 FevereiroSara Magalhães, Centro de Biologia Ambiental da FCULCom certeza que já viram fotografias dum ácaro que povoa os nossos colchões, uma criatura dantesca cheia de pêlos e com uma boca assustadora, que obviamenteassociamos com pavor a todo o tipo de doenças que nos espreitam a qualquer esquina, até dentro da nossa cama. Tendo convivido com ácaros desde o meudoutoramento, fui, ao contrário de todos, criando uma relação afectuosa com essas criaturas. Daí que me proponho erigir contra o preconceito em relação a essesbichinhos, e demonstrar-vos, através de exemplos concretos, que os ácaros são, afinal de contas, bonitos, limpinhos e bons.Convidado: Prof. Margarida Matos, Centro de Biologia Ambiental da Faculdade de Ciências da ULQuantos anéis de ouro são produzidos numa Supernova? 18 FevereiroDaniel Galaviz Redondo, Centro de Física Nuclear, FCULAs estrelas são as grandes fábricas de elementos no nosso Universo, sintetizando a partir de hidrogénio e hélio todos os elementos que conhecemos na nossanatureza. Iremos dar um passeio pelas diferentes fases da vida de uma estrela e os núcleos que são produzidos em cada uma delas.Convidado: Prof. Rui Agostinho, Observatório Astronómico de Lisboa da UL
  2. 2. Reitoria da Universidade de Lisboa | Sala de Conferências | 6ª feira | 18h00 3º Ciclo, ASSOCIADO ÀS COMEMORAÇÕES ULIS2011-100 ANOS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA E AO PROGRAMA 100 LIÇÕESInvestigação em Humanidades e as novas tecnologias. 25 FevereiroJosé Camões, Centro de Estudos de Teatro, FLULA informática não está originalmente vocacionada para as letras, ao contrário da tipografia que deu forma ao pensamento durante séculos. É, pois, necessário criar edisponibilizar ferramentas que complementem a construção de bases de dados, desenvolvendo aplicações que permitam o diálogo entre elas e acervos textuais degrandes dimensões, de modo a servirem os estudos humanísticos (História, Literatura, Língua, Teatro, Música) e serem modelo para outras áreas do saber.Convidado: Prof. Rui Vieira Nery, Fundação Calouste Gulbenkian e Instituto de Etnomusicologia da UNLComo respondem as plantas ao stress? 4 MarçoSusana Serrazina, Centro de Biodiversidade, Genómica Integrativa e Funcional, FCULAs plantas, apesar de distantes de nós taxonomicamente, também têm perturbações orgânicas provocadas por variados estímulos ou agressões, como calor, pragas,ferida… Estes organismos podem ser capazes de sobreviver a todos estes factores mesmo não tendo a capacidade de se mover, podendo o stress em plantasconstituir um importante factor evolutivo.Convidado: Prof. Maria Salomé Pais Telles Antunes. Departamento de Biologia Vegetal da Faculdade de Ciências da ULA Saudade Escrevo e Eu Translado. 11 MarçoMargarida Vale de Gato, Centro de Estudos Anglísticos, FLULRelacionando a prática de tradução com a experiência do exílio, da deslocação entre nacionalidades e da negociação de identidades de pertença, esta palestracentrar-se-á em fragmentos de textos literários luso-americanos, questionando as formações ideológicas implicadas pela contaminação entre os idiomas portuguêse inglês.Convidados: Prof. Landeg White, Universidade Aberta e Prof. Teresa Cid, Departamento de Estudos Anglísticos da Faculdade de Letras da ULO sobreiro e o aumento da seca em Portugal: será que irá sobreviver? 18 MarçoCathy Besson, Instituto Dom Luís, ULCom esta palestra pretende-se sintetizar os resultados da investigação dos últimos 10 anos realizada no Montado Alentejano. Mostraremos a fotossíntese,crescimento, transpiração e acesso à água do sobreiro em resposta ao aumento do stress hídrico e as prováveis consequências das alterações climáticas previstasnos Montados Portugueses.Convidado: Prof. João Santos Pereira, Instituto Superior de Agronomia da UTL
  3. 3. Reitoria da Universidade de Lisboa | Sala de Conferências | 6ª feira | 18h00 3º Ciclo, ASSOCIADO ÀS COMEMORAÇÕES ULIS2011-100 ANOS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA E AO PROGRAMA 100 LIÇÕESEsquizofrenia molecular: estado nativo ou amilóide? 25 MarçoPatrícia Faísca, Centro de Física da Matéria Condensada, FCULMuitas doenças neurodegenerativas, como é o caso da doença de Alzheimer, estão associadas ao aparecimento de uma fibra proteica chamada amilóide. Porque ecomo é que as proteínas formam amilóide em vez de adoptarem o seu estado biologicamente activo? Será possível impedir a formação de amilóide e encontrar umacura para estas doenças? E o é que a física tem a ver com tudo isto?Convidado: Prof. Ana Nunes, Centro de Física da Matéria Condensada da Faculdade de Ciências da ULA construção de uma tradição académica: a Escola Politécnica de Lisboa, 1837-1911 1 AbrilLuís Miguel Carolino, Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, UL/UNL e Museu de Ciência, ULAo ser (re)criada, em 1911, a Universidade de Lisboa beneficiou de uma tradição académica de ensino superior de ciências já existente na capital. Com origemremota nas academias militares de finais do séc. XVIII, esta tradição teve um forte impulso com a criação da Escola Politécnica de Lisboa, em 1837, a antecessoradirecta da Faculdade de Ciências. Nesta comunicação analisa-se o papel do ensino e da investigação desenvolvida na Escola Politécnica enquanto alicerces dessatradição académica.Convidado: Prof. Ana Simões, Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências da Faculdade de Ciências da ULMatar os tumores à fome. 8 AbrilCarla Afonso, Centro de Química e Bioquímica, FCULO cancro é uma doença muito prevalente para a qual tem sido difícil encontrar um tratamento eficaz. Mas afinal o que é o cancro? O que o faz crescer? Queestratégias podemos encontrar para o combater? Estas são as perguntas que a comunidade científica tenta responder.Convidado: Prof. Sérgio Dias, Instituto Português de Oncologia (IPO) e Centro de Investigação e Patobiologia Molecular da UNLContribuição da Nanomedicina no Desenvolvimento de Novas Vacinas. 15 AbrilLídia Gonçalves, iMed, FFULNo desenvolvimento de novas vacinas as nanopartículas têm sido utilizadas como sistemas transportadores por permitirem: diminuição dos efeitos de toxicidade;aumento da protecção do antigénio; diminuição da dose requerida; melhoramento das condições de preservação; possibilidade de aplicações orais; e estimulação daimunidade a nível das mucosas.Convidado: Prof. António José Almeida, Instituto do Medicamento e Ciências Farmacêuticas da Universidade de Lisboa (iMed.UL) da Faculdade de Farmácia da UL

×