Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Grupo de Acompanhantes da UTI: Estratégia de Intervenção Terapêutica em Hospital                               Pediátrico ...
Resultados: As discussões e reflexões construídas ao longo dos encontros semanaisrevelam uma variedade importante de temát...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Grupo de Acompanhantes da UTI: Estratégia de Intervenção Terapêutica em Hospital Pediátrico de Salvador.

2,092 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Grupo de Acompanhantes da UTI: Estratégia de Intervenção Terapêutica em Hospital Pediátrico de Salvador.

  1. 1. Grupo de Acompanhantes da UTI: Estratégia de Intervenção Terapêutica em Hospital Pediátrico de Salvador.Adriana Duarte Athayde, Andreza Mariana Carvalho Oliveira, Camila Luzia Cruz Baqueiro, Carolina Trindade West e Layla Dourado de Castro. Hospital Martagão GesteiraIntrodução: A construção processual de estratégias de intervenção terapêutica nos variadosserviços de saúde pressupõe o desenvolvimento continuado de práticas humanizadas,organizadas em concordância com os princípios e diretrizes preconizados pelo SUS e maisespecialmente pela Política de Humanização da Saúde. Neste sentido, compreende-se quea formação de um espaço de escuta materializa uma importante estratégia de interferênciano processo de saúde, capaz de promover o empoderamento dos diversos atores sociaisenvolvidos – usuários, profissionais, familiares - acreditando que estes são capazes detransformar a realidade social e a si próprios. Em consonância com a necessidade de serepensar as práticas desenvolvidas no âmbito hospitalar, especialmente no que concernemas particularidades observadas em hospital pediátrico, a exemplo da presença permanentede familiares no processo de adoecimento e recuperação das crianças, a construção de umgrupo de acompanhantes da UTI considera a importância de um espaço formalizado para aescuta de uma experiência particular. Diante disto, torna-se urgente a reorganização daassistência, historicamente centrada no atendimento ao paciente, para que se possa enfimconsiderar a importância de uma atenção especializada ao acompanhante. Na medida emque a dimensão subjetiva é tomada como foco permanente de atenção pode-se pensar aconstrução de processos integradores, comprometidos com a produção de saúde e com aprodução de sujeitos.Objetivo: O grupo de acompanhantes da UTI tem por objetivo a construção de um espaçocompartilhado de fala, escuta e reflexão subjetiva dos diversos aspectos relacionados àexperiência do processo de hospitalização infantil. Neste sentido, os encontros possibilitamaos acompanhantes um acolhimento de suas angústias, possibilidades e temoresenvolvidos, que incluem a representação social e individual desta unidade, aspectospsicológicos da criança hospitalizada, cuidados especiais direcionados aos pacientes epercepção dos responsáveis sobre o atendimento.Material e Método: Os procedimentos metodológicos utilizados na construção semanal destegrupo envolvem o convite aos acompanhantes da UTI pediátrica (entendendo-se poracompanhante não apenas o familiar, mas a pessoa que acompanha naquele dia a criança),de modo que eles expressem o seu desejo ou não em fazer parte do grupo. Participamainda do encontro os profissionais do Serviço de Psicologia do Hospital Martagão Gesteira(psicóloga e/ou estagiária) e ocasionalmente do Serviço Social. O grupo acontece em salareservada na UTI e tem duração média de uma hora, com número de participantes variadopor semana. São utilizados como materiais para reflexão textos e dinâmicas diversas.
  2. 2. Resultados: As discussões e reflexões construídas ao longo dos encontros semanaisrevelam uma variedade importante de temáticas e considerações, na medida em que aformação de cada grupo é singular e atesta uma dinâmica única. Neste sentido, valedestacar aqui os pontos de sustentação e questões que se repetem com freqüência norelato das experiências de cada acompanhante, quais sejam: Possibilidade deaprendizagem a partir da vivência em Unidade de Terapia Intensiva infantil; Importância doacompanhante como co - participante no processo de cuidado; Capacidade de resiliênciaapresentada pela criança; Expectativas envolvidas no processo de hospitalização infantil;Angústias relacionadas à duração da internação; Percepção da UTI; Manipulaçõesrealizadas nas crianças e o sentimento de impotência diante da situação vivida.Discussão/Conclusão: A experiência no Grupo de Acompanhantes da UTI possibilita avivência de um processo importante de reelaboração dos aspectos relacionados à vida decada sujeito e no seu vínculo com a criança. Neste sentido, torna-se indispensável oincentivo a este processo de reflexão, de forma que os “modos de estar no mundo” destasacompanhantes e de suas famílias possam ser re-siginifacados a partir das experiênciasvivenciadas. Diante disso, não são incomuns relatos de ganho e aprendizado diário,intensificação da capacidade de resiliência e força envolvida neste, por vezes longo, períodode hospitalização. Fez-se necessário ainda a legitimação dos discursos e posicionamentosdefendidos, oferecendo um importante espaço de escuta onde cada participante possa seposicionar livremente diante de suas percepções e experiências particulares. As discussõespossibilitaram ainda a sensibilização dos acompanhantes acerca de sua importância noprocesso de hospitalização das crianças. Neste sentido, um destaque especial foidirecionado ao debate sobre o lugar ocupado por esses acompanhantes na UTI. O ambientehospitalar, longe de reservar grandes semelhanças com o espaço residencial ou familiar,ainda assim pode guardar importantes relações, pois também aqui (ou principalmente) ofamiliar próximo é uma figura de apoio à criança, em que frequentemente ela depositaconfiança, se reconhece, e pode se sentir mais confortável diante de uma paisagem que lheé tão estranha. A tentativa aqui empreendida envolve a possibilidade de melhor dimensionaro bem que esses acompanhantes podem realizar e de fato realizam por suas crianças,atenuando desta forma a sensação de impotência e culpa frequentemente evocada.Referências:BOUSSOL, R. S.; ANGELOLL, M. Buscando preservar a integridade da unidade familiar: afamília vivendo a experiência de ter um filho na UTI. Revista da Escola de Enfermagem daUSP. v. 35, n 2, p. 172 – 179. jun. 2001.HAYAKAWAL,, L. Y.; MARCONI, S. S.; HIGARASHIL, I. H.; WAIDMAI, M. A. P. Rede socialde apoio à família de crianças internadas em uma unidade de terapia intensiva pediátrica.Revista Brasileira de Enfermagem. v. 63, n 3, p. 440 – 445. mai./jun. 2010.Visita ao site: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_2004.pdf

×