Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

O PRINCIPIO DA COOPERAÇÃO, de Mauricio Adballa (2002)

2,114 views

Published on

«OU MUDAMOS OU MORREMOS, essa é a alternativa. Onde buscar o princípio articulador de uma outra sociabilidade, de um novo sonho para frente? Em momentos de crise total precisamos consultar a fonte originária de tudo, A NATUREZA. QUE ELA NOS ENSINA? Ela nos ensina, foi o que a ciência já há um século identificou, que A LEI BÁSICA DO UNIVERSO, NÃO É A COMPETIÇÃO QUE DIVIDE E EXCLUI, MAS A COOPERAÇÃO QUE SOMA E INCLUI. Todas as energias, todos os elementos, todos os seres vivos, desde as bactérias e virus até os seres mais complexos, somos inter-retro-relacionados e, por isso, interdependentes. Uma teia de conexões nos envolve por todos os lados, fazendo-nos SERES COOPERATIVOS E SOLIDÁRIOS. Quer queiramos ou não, pois essa é a lei do universo. Por causa desta teia chegamos até aqui e poderemos ter futuro.
Aqui se encontra a saida para umo novo sonho civilizatório e para um futuro para as nossas sociedades: fazermos desta lei da natureza, conscientemente, UM PROJETO PESSOAL E COLETIVO, SERMOS SERES COOPERATIVOS. AO INVÉS DE TROCA COMPETITIVA ONDE SÓ UM GANHA DEVEMOS FORTALECER A TROCA COMPLEMENTAR E COOPERATIVA, ONDE TODOS GANHAM. Importa assumir, com absoluta seriedade, o princípio do prêmio de economia John Nesh, cuja mente brilhante foi celebrada por um não menos brilhante filme: o princípio ganha-ganha, onde todos saem beneficiados sem haver perdedores.
Para conviver humanamente inventamos a economia, a política, a cultura, a ética e a religião. Mas nos últimos séculos o fizemos sob a inspiração da COMPETIÇÃO QUE GERA O INDIVIDUALISMO. Esse tempo acabou. Agora temos que inaugurar a inspiração da COOPERAÇÃO QUE GERA A COMUNIDADE E A PARTICIPAÇÃO DE TODOS EM TUDO O QUE INTERESSA A TODOS.
Tais teses e pensamentos se encontram detalhados nesse brilhante livro de Maurício Abdalla, “O princípio da cooperação. Em busca de uma nova racionalidade.”
Se não fizermos essa conversão, preparemo-nos para o pior. Urge começar com as revoluções moleculares. Começemos por nós mesmos, sendo SERES COOPERATIVOS, solidários, com-passivos, simplesmente humanos. Com isso definimos a direção certa. Nela há esperança e vida para nós e para a Terra.
(Prefácio de Leonardo Boff)»

SE GOSTOU AJUDE O AUTOR COMPRANDO O ORIGINAL:

UPLOAD:
www.NOVACOMUNIDADE.org
MODELO COOPERATIVO FAMILIAR

"Tudo que o homem não conhece não existe para ele. Por isso o mundo tem, para cada um, o tamanho que abrange o seu conhecimento."
(Carlos Bernardo González Pecotche)

"Um povo ignorante é um instrumento cego da sua própria destruição."
(Simón Bolivar)

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

O PRINCIPIO DA COOPERAÇÃO, de Mauricio Adballa (2002)

  1. 1. 13
  2. 2. seja como categoria essencial, de ordem ontológica e antropológica. Conforme enunciei anteriormente, uma racionalidade fundada na cooperatividade torna o ser humano mais próximo da essência concreta de sua espécie. A competição, alçada à categoria que consolida a inter-relação entre os indivíduos humanos, estabelece uma contradição entre a práxis atual do ser humano e a sua essência histórica e antropológica e, por isso, vai tendo como conseqüência a aniquilação da espécie. 4.3. O princípio da cooperação nas relações humanas de produção e sociabilidade O forjamento de uma racionalidade fundada na troca competitiva, com todos os princípios dela decorrentes foi conformando na sociedade uma maneira de agir, de pensar, de conceber o universo e o outro, de se relacionar com a natureza, etc., caracterizando, assim, uma determinada forma de presença do ser humano no mundo. Como vimos, esta forma de presença e intervenção no mundo teve como conseqüências a destruição progressiva e irracional da natureza e a exclusão humana. Uma racionalidade fundada no princípio da cooperação deverá ter como conseqüências o equacionamento das principais crises vividas pela humanidade e a conformação de uma outra presença humana no mundo, que, além de garantir a sobrevivência da espécie, irá estabelecer a hegemonia de uma nova visão do universo. As crises apontadas nos capítulos iniciais deste livro são, como vimos, decorrentes da impossibilidade dos problemas serem resolvidos sem que se negue os princípios fundamentais da racionalidade do mercado. Só é possível vislumbrar soluções globais, factíveis e eficazes para os problemas relacionados às relações humanas de produção e sociabilidade se a economia e a sociedade forem pensadas a partir do principio da cooperação. 4.3.1. As relações de produção Subsumida ao princípio da cooperação, a economia deixaria de ser o ritual oblativo ao deus mercado e o palco no qual se efetivam as relações de troca competitiva e passaria a ser a práxis humana produtora e distribuidora dos bens necessários ao sustento de toda a humanidade. O mercado deixaria de ser o princípio fundamentador para ser apenas um fenômeno decorrente desta práxis e a seu serviço. Ele voltaria a ser uma atividade humana e perderia o status de princípio nomológico que reina sobre as relações humanas. Numa economia cooperativada a meta final da produção não pode ser a acumulação de lucros nas mãos de umas poucas pessoas, pois, nessa lógica produtiva, não há lugar para a figura de alguns ou de um, senão que todos são concebidos como participantes e proprietários da produção. Esta é uma característica fundamental das experiências de cooperativas autogestionárias. O problema da exclusão social e do desemprego não pode jamais ser atribuído diretamente à tecnologia ou ao rumo “natural” do desenvolvimento das capacidade humanas, como tem-se apregoado reiteradas vezes nos dias atuais. A aplicação dos conhecimentos científicos nas técnicas de produção só é um mal no modo de produção hoje dominante. A verdadeira causa do desemprego é a organização de uma economia que serve única e exclusivamente à acumulação e que é orientada pela troca competitiva. Neste modelo econômico, utiliza-se o trabalho humano e a produção apenas como uma mediação para se transformar dinheiro em mais dinheiro (D- M-D’). Neste sentido, quanto menor a mediação para se realizar um mesmo empreendimento, maior o retorno. Esta é a fórmula essencial de um sistema que visa apenas aumentar a sua performance, pouco se importando o que isso representa para o ser humano: reduzir o input (ou seja o que é despendido em termos de recursos, tem-

×