Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Apresentação antropologica e cultura midiática

6,153 views

Published on

Trabalho de antropologia e cultura midiática

  • Be the first to comment

Apresentação antropologica e cultura midiática

  1. 1. Cultura Midiática Cultura da mídia face à eletricidade Antropologia e Cultura Brasileira Professor Paulo A C Vasconcelos
  2. 2. O que é cultura? Cultura é um conceito antropológico que desde a antigüidade tem-se tentado explicar as diferenças de comportamento entre os homens, a partir das diversidades genéticas ou geográficas.
  3. 3. O que é cultura midiática? É uma cultura em que acredita-se que as mídias podem ajudar a promover as transformações socioculturais necessárias à mudança da realidade presente, na qual o ser humano deve vencer urgentemente qualquer traço de indiferença para com o meio em que vive.
  4. 4. <ul><ul><li>A história do Jornal Impresso </li></ul></ul>
  5. 5. <ul><li>História da Mídia Impressa </li></ul><ul><li>A comunicação sempre esteve presente na evolução humana. A fabricação do papel foi dada pelos chineses, no século VI a. C., que proporcionou o desenvolvimento da cultura. Mas somente com a invenção da imprensa por Gutenberg, em 1438, a propagação da informação ganhou um grande impulso. </li></ul><ul><li>Com o aumento de informações em relação aos acontecimentos econômicos, sociais e políticos no séc.XV, resultou no aumento de registros impressos (gazetas, pasquins e folhetos), dando origem ao jornalismo. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>História da Mídia Impressa </li></ul><ul><li>A origem do jornal se deu em solos ingleses, franceses, alemães e mais tarde, em terreno norte-americano. </li></ul><ul><li>Já naquela época o jornalismo sofria rígidos controles do governo, o qual impunha leis severas para o seu funcionamento. </li></ul><ul><li>A censura começa a travar o pleno progresso dos impressos. Durante a I Guerra Mundial, os jornais passaram a viver sobre um regime de censura. Os impressos que não obedecessem às regras eram apreendidos e suspensos. As informações sobre a guerra eram obtidas por intermédio de oficiais militares que controlavam o que devia ser repassado ou não. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>História da Mídia Impressa </li></ul><ul><li>A industrialização foi um grande fator para a evolução do jornalismo. </li></ul><ul><li>A mecanização e tecnologia fez aumentar a produção em massa, com isso um numero maior de leitores. </li></ul><ul><li>Mas com a vinda do rádio e da TV, ficou mais disputado a atenção da sociedade. Forçando assim, o jornal à tender para uma postura mais empresarial do que de entretenimento já que o rádio e a TV faziam este papel. </li></ul>
  8. 8. <ul><ul><li>A história do Rádio </li></ul></ul>
  9. 9. <ul><li>A história do Rádio </li></ul><ul><li>1863 em Cambridge - Inglaterra, James Clerck Maxwell demonstra a provável existencia das ondas eletromagnéticas. </li></ul><ul><li>Henrich Rudolph Hertz (1857-1894) se interessa pelo assunto e em 1887 começam as primeiras propagações radiofônicas. </li></ul><ul><li>Em 1897 Oliver Lodge inventou o circuito elétrico sintonizado, que possibilitava a mudança de sintonia selecionando a freqüência desejada. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>A história do Rádio </li></ul><ul><li>No Brasil, um Padre-cientista gaúcho, chamado Roberto Landell de Moura , nascido em 21 de janeiro de 1861, construiu diversos aparelhos importantes para a história do rádio e que foram expostos ao público de São Paulo em 1893 . </li></ul><ul><li>1893 - Padre Roberto Landell de Moura , faz a primeira transmissão de palavra falada, sem fios, através de ondas eletromagnéticas. </li></ul>
  11. 11. A história do Rádio
  12. 12. <ul><ul><li>A história da TV </li></ul></ul>
  13. 13. Em 61 anos de atividade, a televisão brasileira passou por diferentes fases, em função da evolução de sua tecnologia e de sua linguagem. “ Propiciada pela fácil penetração nos mais diferentes meios, a televisão se transformou num agente de alteração comportamental, perdendo seu caráter de entretenimento ingênuo impondo-se como eficiente força de manipulação social.&quot; (EDGAR RIBEIRO DE AMORIM, 1990. ) A TV artesanal da década de 50 cedeu espaço à industrialização dos anos 60, à cor e à transmissão via satélite dos anos 70, à computadorização, ao vídeo residencial, às novas formas de transmissão dos anos 80. História da TV no Brasil
  14. 14. Passado o período da Primeira Guerra Mundial, um russo naturalizado norte-americano, V.K. Zworykin, solicitou uma patente pela descoberta do iconoscópio. Era o ano de 1923 e sua descoberta é considerada um momento decisivo no desenvolvimento da televisão, segundo registra John J. Floherty, no seu livro &quot;História da Televisão&quot;. História da TV no Brasil
  15. 15. História da TV no Brasil Em 1950, a TV chega a o Brasil, a primeira emissora a inaugurar foi o canal 3, extinta TV Tupi. Nessa época, haviam 200 receptores &quot;aparelhos de TV&quot;. Os 10 primeiros anos foram anos de testes, de aprimoramentos de transmissão, de iniciação das emissoras. A idéia partiu do jornalista Assis Chateubriand, quando partiu para os Estados Unidos, decidido a implantar a televisão no Brasil.
  16. 16. O primeiro programa a ser transmitido foi &quot;Show na Taba&quot;, um programa de variedades. O Brasil foi o pioneiro na América Latina e foi o 5º país do mundo a ter a televisão, depois dos EUA, Inglaterra, Holanda e França. Os anos 60 foram anos de inovação, algumas das principais emissoras de hoje foram inauguradas, a primeira TV em cores no Brasil foi lançada. Em 18 setembro de 1950 se dava pela primeira vez em domicílios brasileiros o milagre das ondas eletromagnéticas transmitidas de longas distancias e transformadas em imagens e sons. História da TV no Brasil
  17. 17. Com a implantação do plano real as classes mais baixas puderam comprar mais televisores, e os anos 90 foram marcados pela disputa de audiências das emissoras. A década de 2000 foi marcada pelos reality shows, mais tarde pelos programas de humor voltados ao público jovem e a conexão da TV com a internet. História da TV no Brasil
  18. 18. <ul><ul><li>A história do Cinema </li></ul></ul>
  19. 19. <ul><li>A história do Cinema </li></ul><ul><li>Caso alguém pergunte, num futuro distante, qual terá sido a mídia de maior impacto da era moderna, a resposta será quase unânime: o cinematógrafo. Inventado em 1895 pelos irmãos Lumière para fins científicos, o cinema revelou-se peça fundamental do imaginário coletivo do século XX, seja como fonte de entretenimento ou de divulgação cultural de todos os povos do globo. </li></ul>
  20. 20. A história do Cinema Nos anos 30, inicia-se a era do cinema falado. Já então, o pioneiro cinema nacional concorre com o forte esquema de distribuição norte-americano, numa disputa que se estende até os nossos dias.
  21. 21. A história do Cinema
  22. 22. <ul><ul><li>As transformações da cultura no século XX </li></ul></ul>
  23. 23. <ul><li>As transformações da cultura no século XX </li></ul><ul><li>No século XIX predominavam duas culturas nas sociedades ocidentais: </li></ul><ul><ul><li>Erudita </li></ul></ul><ul><ul><li>Popular </li></ul></ul>
  24. 24. As transformações da cultura no século XX Com o crescimento cada vez maior dos meios de comunicação em massa, no século XX, foram também crescendo as dificuldades para se estabelecer distinções claras entre o popular, o erudito e o massivo.
  25. 25. As transformações da cultura no século XX Nessa época surgiu uma nova definição para a palavra “mídias”, que torna-se necessária para dar conta dos trânsitos e hibridismos entre os meios de comunicação, hibridismo estes que eram acelerados ainda mais pela multiplicação dos meios de comunicação que não podiam ser considerados necessariamente como meios massivos.
  26. 26. <ul><ul><li>Influência da política e do poder na Cultura Brasileira </li></ul></ul>
  27. 27. <ul><li>INFLUÊNCIA DA POLÍTICA E DO PODER NA CULTURA BRASILEIRA </li></ul><ul><li>Democracia no mundo da mídia: </li></ul><ul><li>É imprescindível que se tenha uma mídia plural para que se assegure a democracia na sociedade; </li></ul><ul><li>Na sociedade brasileira ainda se vive, depois de tantos anos de democracia, no sistema de comunicação constituído pela ditadura. Democratizaram-se outras coisas na sociedade, mas, no entanto, no plano da comunicação, a ditadura continua. </li></ul>
  28. 28. <ul><li>INFLUÊNCIA DA POLÍTICA E DO PODER NA CULTURA BRASILEIRA </li></ul><ul><li>Tecnologia digital de TV: </li></ul><ul><li>Expectativa cultural: ampliação do espectro de fontes de informação, pluralidade de idéias e diversidade cultural; </li></ul><ul><li>Abordagem da mídia quanto à TV digital: Imagem melhor e possibilidade de interação (ponto de vista unicamente comercial) </li></ul><ul><li>N </li></ul>
  29. 29. POLÍTICA DE IMPLANTAÇÃO DA TV DIGITAL NO BRASIL Partes Interessadas Governo Federal • Integração e desenvolvimento : Propiciar educação à distância, tele-medicina, disseminação cultural, comércio eletrônico, serviços bancários, informações sob demanda, bate-papo e correio eletrônico. Radiodifusores • Interesses predominantemente comerciais: Levar conteúdo em alta definição de som e imagens e manter o modelo de negócio atual, baseado na venda de audiência para os anunciantes. Sociedade Civil • Democratização da informação : A importância do acesso à informação, entretenimento e interatividade a todos os segmentos da sociedade. Indústria Eletro-eletrônica • Interesses predominantemente comerciais: Impulsionar as vendas de televisores e celulares no país. Indústria de Telecomunicações • Interesses predominantemente comerciais: Implantar o padrão Europeu de TV digital (DVB), uma vez que esse padrão representa seus interesses comerciais e já está estabelecido em mais de cinqüenta países disseminado entre Europa, Ásia, África, Oceania e Oriente Médio. Consórcio das Academias • Interesse pela pesquisa: Desenvolver um padrão com tecnologia nacional.
  30. 30. POLÍTICA DE IMPLANTAÇÃO DA TV DIGITAL NO BRASIL Sistemas de modulação da TV Digital 1) O Norte Americano – Advanced Television Systems Committee (ATSC), adotado pelos Estados Unidos, Canadá, México e Coréia do Sul; 2) O Europeu – Digital Vídeo Broadcasting (DVB), adotado em mais de cinqüenta países, incluindo toda a Europa, Austrália, Nova Zelândia, Índia, Cingapura e Taiwan; 3) O Japonês – Integrated System Digital Broadcasting (ISDB), usado apenas no Japão.
  31. 31. <ul><li>POLÍTICA DE IMPLANTAÇÃO DA TV DIGITAL NO BRASIL </li></ul><ul><li>O padrão europeu interessava aos Telecoms pela possibilidade da produção em escala, visto que esse sistema é adotado em 51 países; </li></ul><ul><li>Interessava também aos representantes da Sociedade Civil, pois sendo o único sistema que permite a multiprogramação, é possível, na mesma faixa de freqüência, ter-se até 4 canais, resultando na democratização da informação; </li></ul><ul><li>O padrão japonês interessava, principalmente, aos radiodifusores que manteriam a monoprogramação e, assim, não pulverizariam a receita gerada pela publicidade; </li></ul><ul><li>O padrão norte-americano era aquele que menos interessava aos agentes. </li></ul><ul><li>Tanto o Governo quanto o grupo Intervozes e Telecom estavam direcionados para a possibilidade da democratização da informação, com o foco no consumidor; </li></ul><ul><li>A Academia utilizava no seu discurso o desenvolvimento de uma tecnologia totalmente nacional, fomento pesquisas e acalentando possibilidades de uso na educação à distância, caminhos para a interatividade plena. O discurso ressaltava, basicamente, o nacionalismo. </li></ul>
  32. 32. <ul><li>POLÍTICA DE IMPLANTAÇÃO DA TV DIGITAL NO BRASIL </li></ul><ul><li>Com a queda do Chefe da Casa Civil e a entrada do Ministro Hélio Costa, é elaborado o Decreto, estabelecendo o funcionamento da TV digital brasileira, sendo o sistema japonês escolhido para ser o padrão definitivo da TV digital no Brasil. </li></ul><ul><li>O governo primou pela valorização do desenvolvimento tecnológico. O que interessava como discurso, nesse momento, era a qualidade do som e da imagem e a robustez da TV móvel (portabilidade e mobilidade); </li></ul><ul><li>A não democratização da informação passa a ser justificada em seus discursos; </li></ul><ul><li>Os radifodifusores enfatizaram a questão tecnológica, com termos voltados para um novo tempo: desenvolvimento, tecnologia de ponta, qualidade da programação. </li></ul>
  33. 33. <ul><li>Contrariamente a esses, o Grupo Intervozes denunciava, como anti-democrática e elitista, a posição do Governo e dos radiodfiusores. Ressaltava a valorização da tecnologia em detrimento do consumidor, usando vocabulário que inseria termos como: denúncia, fraude, favorecimento, etc. </li></ul>POLÍTICA DE IMPLANTAÇÃO DA TV DIGITAL NO BRASIL
  34. 34. <ul><li>Aspectos culturais decorrentes da adoção do padrão Japonês ( ISDB) </li></ul><ul><ul><li>Já implantados: </li></ul></ul><ul><ul><li>Mobilidade; </li></ul></ul><ul><ul><li>Portabilidade; </li></ul></ul><ul><ul><li>Qualidade das produções; </li></ul></ul><ul><ul><li>Interatividade; </li></ul></ul><ul><ul><li>Previstos: </li></ul></ul><ul><ul><li>Multiprogramação; </li></ul></ul><ul><ul><li>Canais comunitários; </li></ul></ul><ul><ul><li>Implantação em todo o Brasil </li></ul></ul>
  35. 35. <ul><ul><li>Interatividade da TV, Celulares e Computadores. </li></ul></ul>
  36. 36. <ul><ul><li>A Influência da Televisão Brasileira na Cultura de Outros Países </li></ul></ul>
  37. 37. <ul><li>A Influência da Televisão Brasileira na Cultura de Outros Países </li></ul><ul><li>Hoje principalmente com a ajuda da tecnologia as emissoras brasileiras conseguem alcançar o público de outros países e como resultado acabam influenciando na cultura e nos costumes dessas sociedades. </li></ul><ul><li>A própria tele-novela que é um costume tipicamente brasileiro, já caiu nas graças do público internacional. </li></ul><ul><li>A Rede Globo, por exemplo, exporta suas novelas e minisséries para cerca de 130 países. </li></ul>
  38. 38. A Influência da Televisão Brasileira na Cultura de Outros Países &quot;Negócio da China&quot; foi vendida para Moçambique e depois estreou pelo canal Soico-STV, uma emissora africana que é parceira da Globo desde 2002 e já exibiu outras produções globais, como &quot;Maysa: Quando Fala o Coração&quot;, &quot;Os Maias&quot; e &quot;Antonia&quot;. A novela &quot;Caminho das Índias&quot; também foi exibida em seu horário nobre. Até o próprio Estados Unidos consome as novelas globais, &quot;Sete Pecados&quot; foi exibida através da America TeVe, emissora destinada aos hispânicos residentes no país e acabava atraindo o publico em geral. E se alguém pensa que o costume de parar tudo e se concentrar no último capitulo da novela é algo inclusivamente brasileiro está muito enganado. Uma prova de que os costumes brasileiros estão influenciando outros países foi um episódio ocorrido em 1995. Após quatro anos de guerra e 200.000 mortes, sérvios e muçulmanos da Bósnia-Herzegovina, que pleiteavam independência, fizeram uma trégua para assistir aos últimos capítulos de A Escrava Isaura, a mesma que fez da atriz Lucélia Santos uma celebridade na China.
  39. 39. A Influência da Televisão Brasileira na Cultura de Outros Países A pesar de toda rixa existente no futebol entre o Brasil e a Argentina, os argentinos tem uma certa admiração e a cultura brasileira tem muita influência no país. Muitas lojas de discos têm uma seção só de música brasileira, que vai de Caetano Veloso a Só pra Contrariar. A Xuxa e suas músicas em espanhol foram ícone de uma geração de argentinos, quando em 1991-93 ela apresentava diariamente &quot;El Show de Xuxa&quot; no canal Telefé, que também era transmitido a vários outros países da América Latina.
  40. 40. A Influência da Televisão Brasileira na Cultura de Outros Países Também não podemos esquecer que o carro chefe do Brasil, e que a televisão com certeza ajuda a disseminar lá fora são o futebol e o carnaval. Esses dois fatores culturais brasileiros vendem a imagem do Brasil lá fora chamando a atenção dos outros países para a “alegria do país” e a arte do futebol. Não é a toa que grande parte do turismo brasileiro se vale disso, dos gringos que querem conhecer o país do “Rei Pelé” e das “linda mulatas do samba.
  41. 41. <ul><ul><li>Novas Tecnologias </li></ul></ul>
  42. 42. Novas Tecnologias
  43. 43. <ul><ul><li>Internet e redes sociais </li></ul></ul>
  44. 44. Internet e redes sociais
  45. 45. <ul><li>Bibliografia </li></ul><ul><li>JUCÁ, Kelma. Um breve apanhado sobre a história da imprensa. Almanaque Abril. São Paulo: Editora Abril , 1999. Disponível em: < www.osjornais.blogger.com.br/2004_03_28_archive.html > . Acesso em : 25 abr.2011. </li></ul><ul><li>AMORIM, Edgard Ribeiro de . TV ano 40: quadro cronológico de televisão brasileira: 1950 - 1990 . São Paulo. Centro Cultural de São Paulo, 1990. </li></ul><ul><li>NASSAR, Silvio Júlio. 1000 perguntas: televisão . 1ª ed. Rio de Janeiro. Editora Estácio de Sá, 1984. </li></ul><ul><li>SANTAELLA, Lúcia. CULTURAS E ARTES DO POS-HUMANO: DA CULTURA DAS MIDIAS A CIBERCULTURA. 1ª ed. São Paulo. Paulus Editora. </li></ul><ul><li>LEMOS, André. Cibercidade – As cidades na cibercultura. 1ª ed. E-Papers. Rio de Janeiro, 2004. </li></ul><ul><li>SERTÓRI, Paulo Sérgio. A indústria cultural. Thésis: Revista dos Alunos da Pós-Graduação da Faculdade Cásper Líbero. São Paulo. v.2, n.4. maio 2001. </li></ul><ul><li>FERRARETTO, Luiz Artur. No ar: rádio : o veículo, a história e a técnica . 2. ed. Porto Alegre, RS: Sagra Luzzatto, 2001. </li></ul>
  46. 46. <ul><li>Bibliografia </li></ul><ul><li>BAZANINI, Roberto. DONAIRE, Denis. DONATO, Mauricio. A IMPLANTAÇÃO DA TV DIGITAL NO BRASIL NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE ESTRATÉGIA DECIDIDA CONTINUAMENTE: AS NEGOCIAÇÕES E OS ESTRATAGEMAS RETÓRICOS EMPREGADOS PELOS AGENTES FOMENTADORES. Disponível em: <http://www.ead.fea.usp.br/semead/11semead/resultado/trabalhosPDF/170.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2011 </li></ul><ul><li>RUBIM, Antonio Albino Canelas . Mídia e Política. Revista Mídia com Democracia. 6ª ed. FNDC. São Paulo 2007. </li></ul><ul><li>REINHOLZ, Fabiana . Comunicação e Desenvolvimento. Revista Mídia com Democracia. 11ª ed. FNDC. São Paulo 2011. </li></ul>

×