Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Pedro das malasartes picoto ppt

1,375 views

Published on

  • Be the first to comment

Pedro das malasartes picoto ppt

  1. 1. Pedro das Malasartes E 1 do P B icôto– Crestuma 2012/ 2013
  2. 2. Pedro das Malasartes Autora: Luísa Ducla Soares Ilustrações: Alunos do 2º ano EB1 do Picôto - Crestuma 2012/2013
  3. 3. Uma viúva morava num monte com o seuúnico filho, chamado Pedro. Por ser tonto, tontoe para nada mostrar jeito ou arte, todos oconheciam por Pedro das Malasartes. Certo dia, ela pediu-lhe que fosse buscar umporco à quinta dos vizinhos. - Trá-lo com muito cuidado. Vê lá, que ele nãote fuja. Passaram horas, mais horas e o rapaz semvoltar. Meteu-se a mãe ao caminho, aflita, paraver se o encontrava. Achou-o estendido no chão,a meio da estrada, com o porco enorme em cimada barriga. - Então, que te aconteceu? - Trouxe o bicho ao colo para não se cansar.Mas não aguento tanto peso. Ela ajudou-o a levantar-se, atou uma cordinhaà pata do animal, conduzindo-o assim até casa. - Aprendeste como deves fazer? Fixastemesmo? - Com uma cordinha, com uma cordinha…- repetia o moço para o ensinamento não lhe sairda cabeça. 
  4. 4. Na manhã seguinte, a mãe mandou-o trazerumas garrafas de vinho. Pedro foi à adega, atou um cordel a cadagarrafa e assim as foi arrastando, aos safanões,por entre as pedras. Claro que quando entrou nacozinha as garrafas estavam todas partidas. Dovinho… nem sinal! A podre mulher levou as mãos à cabeça. - Ai, que parvoíce! P ara a próxima vezpõe as garrafas num cesto com palha paranão se partirem. - Nunca mais me vou esquecer! – prometeu ofilho obediente.
  5. 5. De manhã à noite a mãe trabalhava nacostura para ganhar o sustento de ambos mas,a dada altura, faltaram-lhe as agulhas.Prestável como era, o rapaz imediatamente seofereceu para ir comprar meia dúzia delas àaldeia. Dessa vez foi num pé e veio no outro. - Fiz tudo direitinho, não tem que sepreocupar, querida mãe. Aqui estão as agulhasnum cesto cheio de palha para não separtirem. Perdeu a desgraçada a tarde inteira aremexer na palha, picou os dedos e, mesmoassim, só conseguiu encontrar uma. - O melhor é não contar com ele para osrecados – concluiu desiludida.
  6. 6. Sem nada que fazer, resolveu o patetarefrescar-se numa poça de lama. Deitou-se ládentro, rebolou-se, rindo à gargalhada com abrincadeira. Quando a mãe o viu todo sujo, começou abarafustar. - Que porcaria! Vai já ao rio lavar essaroupa nojenta! Só te quero de volta quandoestiveres limpo… - Mas como é que eu vou saber se a roupaestá bem lavada? - Ora, pergunta a alguém que vá a passar… Despiu-se o rapaz na praia, ajoelhou-se naareia e começou a esfregar com quanta forçatinha a camisa, as calças, as cuecas, as meias,as botas. Já estava farto de esfregar quando surgiu,junto à outra margem, um barquinho de pesca. - Ó do barco, acudam-me, acudam-me, queestou numa aflição! - pôs-se o rapaz a gritar,entrando pelo rio dentro até ao pescoço.
  7. 7. Por cuidar que algum banhista se afogava,atirou-se o pescador pela borda fora para osalvar. Quando chegou ao pé do moço e este lheperguntou se a roupa estava bem lavada, ohomem até espumou de raiva. - Atiro-me eu à água, vestido, para isto?!Vou obrigar-te a dar um mergulho, para verescomo é bom! Vais-me pagar! - Ai, ai, ai! Não posso pagar-lhe de outramaneira? Tenho medo de mergulhos… - Deseja-me muito vento para navegar à velae não criar calos a remar – disse o pescador,compreendendo que o jovem tinha umparafuso a menos. -M uito vento! Que nunca lhe falte ovento! Vento, vento e mais vento! Pedro das Malasartes vestiu a roupa a pingare deitou pernas à estrada.
  8. 8. Não tardou muito que encontrasse umterreiro onde os feirantes estavam a montar osseus toldos de lona e a espalhar asmercadorias. - Viva! – exclamou o rapaz, louco por feirase, para ser simpático, acrescentou – “ Que selevante muito vento! Que nunca falte o vento!” As ciganas, que acreditavam em pragas,receando ver os seus montes de camisolasvoarem pelos ares, ficaram furiosas. Umvendedor de loiça, um pouco mais calmo,explicou-lhe: - Não percebes que o vento atira abaixo ostoldos e a mercadoria? O que tu deves dizer é oseguinte: “ É preciso que não caia nada.” O nosso rapazola prometeu fixar a lição.
  9. 9. Para evitar mais críticas, protestos daspessoas, meteu-se pelo mato. Ao menos abicharada não implicava com ele. Para seuazar, sendo época de caça, deu com umgrupo de caçadores. Educado como era,dirigiu-lhes logo a palavra. - Ora muito bom dia! Só desejo que “ hojenão caia nada” . - O quê? – irritaram-se os homens. –Merecias um tiro… É preciso que caiampatos, perdizes, coelhos. A quem vem à caçadeve desejar-se “ muito sangue” . - Não me esqueço – assegurou o rapaz. –“M uito sangue! M uito sangue!”
  10. 10. Comoobarulhodosdisparosnãolheagradava,rapidamentedesandoudali. Sóparoun
  11. 11. No largo tudo era finalmente paz. Os sinostocavam e da igreja saía um cortejo decasamento. Como os convidados vinhamcumprimentar os noivos, ele não quis ficaratrás. Aproximou-se do parzinho recém-casado, feliz por apresentar também os seusvotos. - “ Que se separem depressa! Que seseparem depressa!” A noiva, furiosa, atirou-lhe com o ramo derosas à cara. Foi preciso os convidadosagarrarem o noivo para ele não lhe pregarduas bofetadas. Um dos convidados, que já o conhecia,pretendeu dar-lhe uma lição. - Para a outra vez dizes: “ Muitos destesé que fazem falta, principalmente paraa gente nova.”
  12. 12. “ Muitos destes é que fazem falta, é quefazem falta…” Estava certo de que a frase não mais lhesairia da memória. Rumou então pela rua principal, por ondeia a passar um enterro. Os acompanhantesvinham todos muito chorosos pois o mortoera um soldado que perdera a vida, na florda idade, numa batalha. Pedro não deixou escapar a oportunidadede ter uma palavra amável para quem tantatristeza mostrava. - “ Muitos destes é que fazem falta.Principalmente para a gente nova.” Os outros soldados por pouco não deramcabo dele. Valeu-lhe o padre que acalmou a multidãoe procurou ensiná-lo: - O que deves desejar é: “ Que Deus oleve para o céu e depressa!” - Nunca mais me engano! – prometeu opató.
  13. 13. Seguiu até ao jardim, sentou-se num banco,à sombrinha, a ver quem passava. Não teve muito que esperar. Nessa mesmatarde celebrava-se um batizado. Que lindobebé, corado e gordinho ali chegou, todobem vestido, ao colo da madrinha! O nossomoço aproximou-se, deu-lhe um beijo natesta, exclamando com entusiasmo: - “ Que Deus o leve para o céu e depressa!” A mãe da criança desmaiou, o pai ficouverde, a madrinha desatou a tremer. Com aconfusão, o bebé tanto berrava que ninguémsabia o que lhe havia de fazer. Foi essa asorte de Pedro das Malasartes pois assim sóum miúdo correu atrás dele à pedrada.
  14. 14. Quando chegou a casa, ao pôr do Sol, exaustode tantas aventuras, já a roupa lhe tinha secadono corpo. - Estás muito limpinho. Hoje portaste-mebem. – alegrou-se a pobre viúva, sem calcular oque se tinha passado. E abraçou-o. - Gosto de ti! – disse ela. Ele sorriu, repetindo: - Gosto de ti!
  15. 15. Projeto de Literacia Infantilrealizado pelos alunos do 2º ano da EB1 do Picôto – Crestuma Professora: Virgínia Ferreira 2012/2013

×