Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aula4 Pesquisa Norte Americana Modelo De Lasswell

5,816 views

Published on

  • Be the first to comment

Aula4 Pesquisa Norte Americana Modelo De Lasswell

  1. 1. Teoria da Comunicação I <ul><ul><li>A Pesquisa Norte-Americana – O modelo de Lasswell </li></ul></ul><ul><ul><li>Aula 3 </li></ul></ul><ul><ul><li>Valéria Machado </li></ul></ul>
  2. 2. Mass Communication Research <ul><li>Provém da Arte Retórica, de Aristóteles (384-322 a.C.) a mais antiga caracterização do processo de comunicação: </li></ul><ul><li>Uma “pessoa que fala” (quem); “pronuncia um discurso”, dizendo alguma coisa (o quê); e se dirige a alguém que “a ouve” (a quem). </li></ul><ul><li>Este é o paradigma clássico da comunicação. </li></ul>
  3. 3. Modelo de Lasswell <ul><li>Lasswell sustentou que uma forma de descrever um ato de comunicação é responder a cinco questões: </li></ul><ul><li>Quem? – Diz o Quê? – Em que Canal? – A Quem? – Com que Efeitos? </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A iniciativa do ato comunicativo é sempre do emissor e os efeitos ocorrem unicamente no receptor. </li></ul><ul><li>De acordo com Lasswell, o estudo da comunicação pode ocorrer em vários campos: </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Quem? - ocupa-se do comunicador e das circunstâncias em que ele dá a partida e dirige tal processo. Análise dos mecanismos de controle (control analysis). </li></ul><ul><li>Diz o quê? - análise do conteúdo (content analysis) ‏ </li></ul><ul><li>Em que canal? - análise da mídia (media analysis) – jornal, cinema, rádio etc. </li></ul><ul><li>A quem? - estudo da audiência e estudo sobre o receptor e a recepção das mensagens– análise das reações do público (audience analysis). </li></ul><ul><li>Com que efeitos? - análise dos efeitos das mensagens e da comunicação – análise dos efeitos proporcionados (effect analysis). </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><ul><li>Quem é, como funciona a rede Globo de televisão? </li></ul></ul><ul><ul><li>Por que a organização das notícias no Jornal Nacional é feita desse jeito, com essa linguagem? </li></ul></ul><ul><ul><li>Como funciona uma televisão? Quais são as características desse meio? Sua linguagem? </li></ul></ul><ul><ul><li>Quem é o telespectador do Jornal Nacional? </li></ul></ul><ul><ul><li>Como os telespectadores do Jornal Nacional recebem suas notícias? Que efeitos elas causam? </li></ul></ul>
  7. 7. <ul><li>É um modelo claramente funcionalista, pois atomiza e articula em vários segmentos funcionais , objetivados, o fenômeno da comunicação, propondo, conseqüentemente, vários campos de estudo. </li></ul><ul><li>Acerca dos processos de comunicação de massas, Lasswell aponta algumas premissas: </li></ul><ul><ul><li>Esses processos são estritamente assimétricos, com um emissor ativo que produz o estímulo e uma massa passiva de destinatários que, ao ser “atingida” pelo estímulo, reage; </li></ul></ul>
  8. 8. <ul><ul><li>A comunicação é intencional </li></ul></ul><ul><ul><li>Tem por objetivo obter um determinado efeito, observável e susceptível de ser avaliado na medida em que gera um comportamento que se pode de certa forma associar a esse objetivo. Este está sistematicamente relacionado com o conteúdo da mensagem. </li></ul></ul><ul><ul><li>A análise do conteúdo apresenta-se como o instrumento para inferir os objetivos de manipulação dos emissores. </li></ul></ul>
  9. 9. <ul><ul><li>Os papéis de comunicador e destinatário surgem isolados, independentes das relações sociais , situacionais e culturais em que os processos comunicativos se realizam , mas que o modelo em si não contempla: os efeitos dizem respeito a destinatários atomizados, isolados. </li></ul></ul><ul><li>Assim, o modelo mereceu várias críticas, como: </li></ul><ul><ul><li>o modelo é linear, quando o processo de comunicação é complexo, admitindo várias formas que transpassam dessa aparente linearidade. </li></ul></ul>
  10. 10. <ul><ul><li>é um modelo redutor, já que não dá conta de várias variáveis, como o feedback ; </li></ul></ul><ul><ul><li>é um modelo compartimentado, pois segmenta em diferentes elementos aquilo que, na realidade, é um todo, o processo de comunicação; </li></ul></ul><ul><ul><li>é um modelo que pressupõe que o efeito constitui uma mudança observável ou mesmo mensurável que se regista no receptor, quando isto pode não ocorrer; </li></ul></ul><ul><ul><li>finalmente, que não dá conta do contexto do processo de comunicação, nomeadamente da história e circunstâncias dos seus elementos. </li></ul></ul>
  11. 11. Referências <ul><li>POLISTCHUK, Ilana; TRINTA, Aluizio Ramos. Teorias da comunicação: o pensamento e a prática da Comunicação Social. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. </li></ul><ul><li>SOUSA, Jorge Pedro. Elementos de teoria e pesquisa da comunicação e dos media. Porto: BOCC, 2006. </li></ul><ul><li>WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. Portugal: Editorial Presença, 2006. </li></ul>

×