O surdo na educação infantil

11,101 views

Published on

Surdo. Língua de sinais. Educação infantil

Published in: Education
2 Comments
15 Likes
Statistics
Notes
  • Olá, meu nome é Daieli Althaus, sou Professora da Educação Especial e atualmente trabalho no Colégio de Aplicação - UFSC de Florianópolis. Estou concluindo o curso de Especialização em Educação de Surdos pelo IFSC-Palhoça e minha pesquisa é sobre a Atuação do Professor de Libras na Educação Infantil. Preciso muito encontrar Professores de Libras que atuam ou já atuaram com ensino de crianças de 0 a 6 anos. Se você já atuou nessa faixa etária ensinando Libras peço que responda um questionário muito simples e rápido. É alguns minutinhos do teu tempo que irá colaborar para que essa pesquisa seja realizada. Se você conhece algum professor me envie o contato, por gentileza. Está sendo muito difícil encontrar Professores de Libras com experiência na Educação Infantil. Desde já agradeço. Grande abraço. Segue o link do questionário http://goo.gl/forms/6zAnMpzyBC
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • ok
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
11,101
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
16
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
2
Likes
15
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O surdo na educação infantil

  1. 1. Metodologia voltada para o aluno surdo na educação infantil. LIMA JÚNIOR, V. B.
  2. 2. <ul><li>Surdez. </li></ul><ul><li>Lei/decreto/portaria. </li></ul><ul><li>O surdo e a sua Língua. </li></ul><ul><li>O surdo e família. </li></ul><ul><li>Apoio na formação do aluno, professor e intérprete. </li></ul><ul><li>Metodologia voltada para o aluno surdo. </li></ul>
  3. 3. Surdez <ul><li>Deficiência auditiva ou surdez é a incapacidade parcial ou total de audição. Pode ser de nascença ou causada posteriormente por doenças. Considera-se deficiência auditiva a perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um (41) decibéis ou mais. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>No Brasil, há 5.750.809 pessoas com problemas relacionados a surdez, das quais 519.460 até 17 anos de idade e 276.884 entre os 18 e os 24 anos, segundo o Censo Demográfico de 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). </li></ul>
  5. 5. Lei/decreto/portaria <ul><li>Lei 10.436 24 abril 2002. </li></ul><ul><li>Decreto 5.626 22 de dezembro de 2005. </li></ul><ul><li>Lei 10.098 19 de dezembro de 2000. </li></ul><ul><li>Portaria do MEC 1.679 2 de dezembro 1999. </li></ul>
  6. 6. O surdo e a sua Língua <ul><li>LIBRAS ( Língua de Sinais Brasileira). </li></ul><ul><li>A Libras não é universal. </li></ul><ul><li>Gramática própria (svo,sov,osv). </li></ul><ul><li>Segunda Língua oficial do Brasil pela Lei 10.436. </li></ul>
  7. 7. O surdo e família <ul><li>A aquisição da língua de sinais vai acontecer se a criança surda estiver em contato com usuários de língua de sinais. Inicia por volta dos 12 meses da criança surda e vai até por volta dos 2 anos. </li></ul><ul><li>Pesquisas mostram que apenas 5% a 10% dos pais sabem a língua de sinais. </li></ul>
  8. 8. Apoio na formação <ul><li>O Estado disponibiliza: sala de recursos e instrutor para o aprendizado de Libras. </li></ul><ul><li>Curso básico de Libras para professores. </li></ul><ul><li>Capacitações para intérpretes e professores. </li></ul>
  9. 9. Metodologia voltada ao aluno surdo . <ul><li>O surdo é um indivíduo normal como qualquer um de nós. Apenas fala outra língua(Língua de sinais). Não distingue os sons articulados, por isso o seu aprendizado se faz através de experiências visuais. </li></ul><ul><li>Para um surdo, uma palavra é como uma sequência de números, exemplo: </li></ul><ul><li>Consciência = 29072450231 </li></ul><ul><li>Educação = 57921619 </li></ul>
  10. 10. <ul><li>A responsabilidade de ensinar é inteiramente do professor, o intérprete é apenas um apoio ou mediador. </li></ul><ul><li>É importante trabalhar em parceria com o intérprete, sempre buscando métodos para atender a todos os alunos. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Cabe ao intérprete ser fiel na interpretação, não ensinar no lugar do professor. Não monitorar. Não substituir o professor. </li></ul><ul><li>Propiciar a interação entre os alunos surdos, professores e alunos ouvintes. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Devido a falta de preparação ou metodologia inadequada, muitos surdos ao final da escolarização básica, não são capazes de ler e escrever satisfatoriamente ou ter um domínio adequado dos conteúdos acadêmicos. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Muitos surdos tem apenas uma noção da Língua Portuguesa assim como nós temos da Língua Inglesa. </li></ul><ul><li>Imagine você fazendo um curso superior, uma pós ou mestrado em outra língua. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>O surdo apreende o mundo através da visão, por isso é fundamental que o professor utilize recursos visuais como: fotos, figuras, desenhos, mapas, quadros, retro, data-show, etc. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Ministre o seu tempo e não dê muita matéria em um só dia. Pesquisas mostram que quando as matérias são dadas em doses menores e bem trabalhadas, a retenção é bem mais eficaz. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>A Língua Portuguesa deve ser ensinada como segunda Língua para surdos pois a sua primeira é a Libras. </li></ul><ul><li>A partir do domínio da Libras o surdo poderá desenvolver-se nas disciplinas e em outras Línguas. </li></ul>
  17. 17. Referências <ul><li>LIBRAS em contexto: Curso Básico: Livro do Estudante/ Tanya A. Felipe. 5ª. Edição- Rio de Janeiro: LIBRAS Editor Gráfica, 2005. </li></ul><ul><li>O tradutor intérprete de língua brasileira de sinais e Língua Portuguesa / Secretaria de Educação Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos : MEC ; SEESP , 2003. Dra. Ronice Muller de Quadros. </li></ul><ul><li>A inclusão de alunos com surdez,cegueira e baixa visão na Rede Estadual de Minas Gerais: orientações para pais,alunos e profissionais da educação. Belo Horizonte: SEE/MG, 2008 </li></ul>
  18. 18. <ul><li>QUADROS, Ronice Muller de. Idéias para ensinar português para alunos surdos, Magali L. P. Schmiedt. – Brasília : MEC, SEESP, 2006. </li></ul><ul><li><http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm> Acesso em 11 jul. 2010 </li></ul><ul><li><http://www.cedipod.org.br/edu1679.htm> Acesso em: 11 jul. 2010 </li></ul>

×