Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

MemorialdoConvento_narrador_exp12

2,940 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

MemorialdoConvento_narrador_exp12

  1. 1. O narrador em Memorial do Convento (ex. 9.1., pág. 303)Expressões, 12.º anoA obra de Saramago subverte[…] o estatuto do narrador,estilhaçando as diversasmodalidades por que este éhabitualmente classificado. Onarrador dos livros de JoséSaramago é “tudo de todas asmaneiras”, simultaneamenteexterior e interior, ausente eparticipante, majestático eempenhado, individual ecoletivo, reflexivo e descritivo,memorialístico e atual…Narrador polivalenteCumpre diversas funçõesNarrador heterodiegético:“El-rei foi a Mafra escolhero sítio onde há de serlevantado o convento.” (l. 7)Narrador homodiegético:“[…] porém sosseguemos,a pobre não emprestes, arico não devas, a frade nãoprometas, e D. João V é reide palavra. Haveremosconvento.” (ll. 5-6)Narrador reflexivoe descritivo:“[…] um homem pode sergrande voador, mas é-lhemuito conveniente que saiabacharel, licenciado e doutor,e então, ainda que não voe, oconsideram.” (ll. 13-15)“[…] estava a abegoaria emabandono, dispersos pelochão os materiais que nãovalera a pena arrumar,ninguém adivinharia o que alise andara perpetrando. Dentrodo casarão esvoaçavampardais […]” (ll. 17-20)
  2. 2. De certo modo, o narradoridentifica-se com uma espécie decruzamento teórico e práticoentre vox populi, vox Dei econsciência moral individual[…], que lhe permite tantodescrever o acontecimentoquanto julgá-lo, quanto, ainda,inscrevê-lo numa ordemhistórica em ordem a um futuroprenunciado.REAL, Miguel, “A herança do escritor” in Jornal deLetras, Artes e Ideias, n.º 1037, 30 de junho de 2010Narrador sentenciadore moralizador:“Nem sempre se pode tertudo […]” (l. 1)“[…] a pobre nãoemprestes, a rico nãodevas, a frade nãoprometas […]” (ll. 5-6)Narrador críticoe irónico:“[…] com todas as disposições,licenças e matriculaçõesnecessárias, partiu o padreBartolomeu Lourenço paraCoimbra […]” (ll. 25-28)“[…] uma multidão de homens,exagero será dizer multidão,enfim, umas centenas deles[…]” (ll. 36-38)“[…] como se vê não hádiferença nenhuma.” (ll. 50-51)Narrador omnisciente(gestor da matériahistórica e ficcional)“Haveremos convento.” (l.6)“Até à vila de Mafra, aondeprimeiro vai, não tem aviagem história, salvo a daspessoas que por esteslugares moram […].”(ll. 29-32)Expressões, 12.º anoO narrador em Memorial do Convento (ex. 9.1., pág. 303)
  3. 3. Narrador polivalenteCumpre diversas funçõesNarrador polivalenteCumpre diversas funçõesNarraNarraDescreveDescreveRefleteRefleteComentaComenta CriticaCritica IronizaIronizaManipula (o tempo/a História/a ficção)Manipula (o tempo/a História/a ficção)Conversa com o(s)narrador(es)Conversa com o(s)narrador(es) JulgaJulgaMoralizaMoralizaRecorda e prenunciaRecorda e prenunciaAdaptado de REAL, Miguel, 1996. Narração, Maravilhoso, Trágico e Sagrado emMemorial do Convento de José Saramago. Lisboa: CaminhoExpressões, 12.º anoO narrador em Memorial do Convento (ex. 9.1., pág. 303)

×