Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Memorialdo Convento_espaçosocial_exp12

3,537 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Memorialdo Convento_espaçosocial_exp12

  1. 1. Expressões, 12.º anoA – Procissão da Quaresma• Os penitentes que integram a procissão: comportamentossadomasoquistasSentimentos e comportamentosAdaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler• As mulheres: reclamam mais violência e vigor na atuação do seu“servidor”; experimentam prazer perante o sofrimento dopenitente; estão livres para passear sozinhas (o que propicia oadultério)• Os homens: ignoram o desregramento femininoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  2. 2. A – Procissão da Quaresma• Caracterização da cidade de LisboaSensacionismo das descriçõesAdaptado de JACINTO, Conceição, e LANÇA, Gabriela, 2008. Análise da obra Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Porto Editora• Apresentação dos excessos praticados durante o Entrudo• Descrição da procissão• Descrição da penitência física e mortificação da alma após osdesregramentos durante o EntrudoO narrador afirma que, apesar da tentativa de purificação através do incenso,Lisboa permanecia uma cidade suja, caótica e as suas gentes dominadas pelahipocrisia de uma alma que, ironicamente, este define como “perfumada”.Expressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  3. 3. Antítese “No geral do ano há quem morra por muito tercomido durante a vida toda […]. Mas não falta[…] quem morra por ter comido pouco durantetoda a vida […]” (p. 35)Metáfora “[…] esta cidade, mais que todas, é uma bocaque mastiga de sobejo para um lado e deescasso para o outro […]” (p. 36)Paralelismo “[…] entre a papada pletórica e o pescoçoengelhado, […] entre a pança repleta e abarriga agarrada às costas.” (p. 36)A – Procissão da QuaresmaRecursos estilísticos(exemplos)Expressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  4. 4. Enumeração “[…] a cidade é imunda, alcatifada deexcrementos, de lixo, de cães lazarentos egatos vadios, e lama mesmo quando nãochove.” (p. 36)Comparação “[…] não podendo falar, berra como toiro emcio […]” (p. 38)Polissíndeto “[…] ela olha-o dominante, talvezacompanhada de mãe ou prima, ou aia, outolerante avó, ou tia azedíssima […]”(pp. 37-38)A – Procissão da QuaresmaRecursos estilísticos(exemplos)Expressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  5. 5. Ironia “Lisboa cheira mal, cheira a podridão, oincenso dá um sentido à fetidez, o mal é doscorpos, que a alma, essa, é perfumada.”(p. 37)Uso dodiminutivo comvalor depreciativo“[…] o bispo vai fazendo sinaizinhos da cruzpara este lado e para aquele […]” (p. 37)“moidinha dos pés, arrastadinha dos joelhos”(p. 41)Adaptação deprovérbiospopulares“[…] a quaresma, como o sol, quando nasce, épara todos.” (p. 36)A – Procissão da QuaresmaRecursos estilísticos(exemplos)Expressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  6. 6. B – Auto de féO auto de fé apresentado com um divertimento de interesse:• para a Igreja, que dele “aproveita em reforço piedoso eoutras utilidades” (p. 127)• para el-rei, que reforça o seu poder económico com os bensdos condenados• para o povo, que assiste ao cerimonial como a uma “festa”(p. 128).Sentimentos e comportamentosExpressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  7. 7. B – Auto de fé• Enumeração dos condenados: uma mulher relaxada e “outroschamuscados, assados, dispersos e varridos” (p. 128)Sensacionismo das descriçõesMiguel MendonçaExpressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  8. 8. Gradação “[…] ao lado de outros chamuscados,assados, dispersos e varridos […]” (p. 128)Antítese “[…] tanto vale […] o doce como o amargo, opecado como a virtude […]” (p. 128)Polissíndeto “[…] Que se há de dizer, por exemplo, destafreira professa, que era afinal judia, e foicondenada a cárcere e hábito perpétuo, etambém esta preta de Angola, caso novo, queveio do Rio de Janeiro, com culpas de judaísmo,e este mercador do Algarve […]” (p. 128)B – Auto de féRecursos estilísticos(exemplos)Expressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  9. 9. Enumeração “[…] a preta de Angola, o mulato da Caparica,a freira judia, os religiosos que diziam missa,confessavam e pregavam sem terem ordenspara tal, o juiz de fora de Arraiolos […]” (p. 129)Metáfora “[…] o Santo Ofício, podendo, lança as redesao mundo e trá-las cheias […]” (p. 129)Ironia “[…] o Santo Ofício, podendo, lança as redesao mundo e trá-las cheias, assimpeculiarmente praticando a boa lição de Cristoquando a Pedro disse que o queria pescadorde homens.” (p. 129)B – Auto de féRecursos estilísticos(exemplos)Expressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  10. 10. C – TouradaSentimentos e comportamentosAs touradas são consideradas “bem bom divertimento”(p. 130), atraindo toda a população (“Estão as bacadas eos terrados formigando de povo”, p. 131), que delira comos acontecimentos cruéis.Expressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  11. 11. C – TouradaSensacionismo das descrições• a organização e a decoração da praça profusa e ricamenteenfeitadaAdaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler• os espectadores, que povoam as bancadas e os terraços• os aguadores, que molham a praça• os reis e as altezas, que assistem desde as janelas do paço• os aguadores, que molham a praçaExpressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  12. 12. C – TouradaSensacionismo das descrições• os cavalos, luzidamente aparelhadosAdaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler• os touros, violentamente torturados e mortos• o delírio dos homens e das mulheres, excitados com o derramardo sangue• a prática das mantas de fogo sobre os touros• a tortura dos coelhos e das pombas, encerrados em bonecos debarro pintados, contra os quais investem os tourosExpressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  13. 13. Comparação “[…] um gancho de ferro, na ponta de umbraço, abre caminho tão fácil como a colubrinaque veio da Índia e está na torre de S. Gião[…]” (p. 131)Enumeração “[…] mostra de um lado e do outro o gloriosoSanto António sobre campos de prata, e asguarnições são igualmente douradas, com umgrande penacho de plumas de muitas cores […]”(p. 131)Polissíndeto “[…] não tardam aí o sangue e a urina, e asbostas dos touros, e os benicos dos cavalos[…]” (p. 132)Recursos estilísticos(exemplos)C – TouradaExpressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  14. 14. Expressões, 12.º anoIronia “Cheira a carne queimada, mas é um cheiroque não ofende estes narizes, habituados queestão ao churrasco do auto-de-fé, e aindaassim vai o boi ao prato, sempre é um finalproveito, que do judeu só ficam os bens quecá deixou.” (p. 133)Paralelismo “[…] um olho no bicho que foge, outro no bichoque marra […]” (p. 134)Recursos estilísticos(exemplos)C – TouradaO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  15. 15. D – Procissão do Corpo de DeusTorna-se evidente, neste episódio, a denúncia e crítica donarrador à vivência excessiva e alienante deste cerimonialreligioso, à depravação do rei nos conventos de freiras, à visãoestritamente oficial da Igreja e ao comportamento histérico dosparticipantes.Sentimentos e comportamentosin RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de LerExpressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  16. 16. D – Procissão do Corpo de DeusDescrição dos preparativos para a procissão, na véspera:• A decoração do Terreiro do Paço, as ruas enfeitadas, asjanelas decoradas• A vigilância dos escravos pretos e dos quadrilheiros• A pavimentação das ruas com areia vermelha e ervas• A exposição e o despique das damas às janelas• As brincadeiras dos rapazes pelas ruas e os “solaus echocolate” dentro das casasSensacionismo das descriçõesAdaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de LerExpressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  17. 17. D – Procissão do Corpo de DeusDescrição da procissão:• O desfile das bandeiras dos ofícios• As fanfarras de trombetas e tambores• A representação de S. Jorge• O desfile das diferentes irmandades• O desfile das comunidades religiosas• A multidão do clero das paróquias• A participação de el-rei• Os pensamentos do patriarca e do rei revelados pelo narradorSensacionismo das descriçõesAdaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de LerExpressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  18. 18. Lítote “[…] catorze pilares, que não têm menos deoito metros de altura […]” (p. 198)Enumeração “ […] capas vermelhas, azuis, brancas, negrase carmesins, opas cinzentas, murçascastanhas, e azuis e roxas, e brancas evermelhas, e amarelas, e carmesins, e verdes,e pretas […]” (pp. 205-206)Paralelismo “São ditos de maneta e visionária, ele porquelhe falta, ela porque lhe sobra […]” (p. 200)D – Procissão do Corpo de DeusRecursos estilísticos(exemplos)Expressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  19. 19. Metáfora “Por trás das janelas acabam as damas dearmar os penteados, enormes fábricas deluzimentos e postiços […]” (p. 200)Antítese “[…] ela é mesquinhamente feia e eudivinamente bela, ela tem a boca grande e aminha é um botão […]” (p. 201)Ironia “[…] tolo foi Cristo que nunca pôs mitra nacabeça, seria filho de Deus, não duvido, masrústico era, porque desde sempre se sabe quenenhuma religião vingará sem mitra, tiara ouchapéu de coco […]” (p. 212)D – Procissão do Corpo de DeusRecursos estilísticos(exemplos)Expressões, 12.º anoO espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  20. 20. Polissíndeto “[…] não são coisas que se façam a dragões,nem a serpentes, nem a gigantes […]” (p. 204)Comparação “[…] melhor vestem as bestas do que oshomens que as veem passar […]” (p. 204)O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)D – Procissão do Corpo de DeusRecursos estilísticos(exemplos)Expressões, 12.º ano

×