Cadeira de
HISTÓRIA DO PORTO
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
Professor Doutor
Artur Filipe dos San...
A CADEIA DA RELAÇÃO
Centro Português de Fotografia
Parte 2
Artur Filipe dos Santos
2
Coleção de Manuais da Universidade
Sé...
AUTOR
Artur Filipe dos Santos
artursantosdocente@gmail.com
www.artursantos.no.sapo.pt
www.politicsandflags.wordpress.com
•...
A Universidade Sénior
Contemporânea
Web: www.usc.no.sapo.pt
Email: usc@sapo.pt
Edições online: www.edicoesuscontemporanea....
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
5
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Edifício mandado
construir...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
6
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Concebido numa época
marca...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
7
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Com cerca de duzentos anos...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
8
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Entretanto, em 1608, fora
...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
9
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Contudo, poucos anos
depoi...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
10
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• E, em 1643, D. João IV
(1...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
11
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Em face do avançado estad...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
12
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Mas como a Casa do Despac...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
13
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• E, em finais de 1796, o, ...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
14
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Ao longo das quatro
faces...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
15
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• No topo, sobre o
respecti...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
16
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A pequena fachada
voltada...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
17
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A meio desta fachada
há u...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
18
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Ali sentiam a angústia da...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
19
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Esta fachada não tem
mais...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
20
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Muitas das janelas (ao to...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
21
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Esta observação
quotidian...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
22
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• “Visitantes ilustres” • N...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
23
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Camilo Castelo Branco
ocu...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
24
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Na cela que Camilo
ocupar...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
25
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O salteador Zé do
Telhado...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
26
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• PROCESSO ZÉ DO TELHADO -
...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
27
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Por acórdão da mesma
Rela...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
28
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A condenação reportou-
se...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
29
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• e roubo na casa de referi...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
30
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• e, após isso, ela ainda n...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
31
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Para além de outros
crime...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
32
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A sua qualidade de chefe ...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
33
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A acção do Zé do Telhado,...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
34
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Esses grupos, veras milíc...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
35
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• é o João Barandão, é o
Re...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
36
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• PROCESSO CAMILO
CASTELO B...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
37
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• CAMILO CASTELO
BRANCO
• C...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
38
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Foi ainda o 1.º
Visconde ...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
39
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Teve uma vida atribulada,...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
40
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• VIDA
• Camilo Castelo Bra...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
41
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Camilo foi assim
perfilha...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
42
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Foi recolhido por uma tia...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
43
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Na adolescência, formou-s...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
44
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Com apenas 16 anos (18 de...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
45
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O casamento precoce
parec...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
46
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O seu caráter instável,
i...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
47
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Tenta no Porto, o curso d...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
48
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Em 1850, toma parte na
po...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
49
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Apaixona-se por Ana
Augus...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
50
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Ana Plácido tornara-se
mu...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
51
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Depois de algum tempo a
m...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
52
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Foram ambos enviados
para...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
53
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Depois de absolvidos do
c...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
54
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Entretanto, Ana Plácido
t...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
55
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Quando o ex-marido de
Ana...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
56
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Em Fevereiro de 1869,
rec...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
57
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Em 1870, devido a
problem...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
58
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Outras obras de Camilo
es...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
59
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Camilo dedicou ainda o
ro...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
60
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Entre 1873 e 1890,
Camilo...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
61
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Reunia-se com personalida...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
62
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Francisco Peixoto de Bour...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
63
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A 17 de setembro de
1877,...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
64
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Em 1885 é-lhe
concedido o...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
65
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Camilo passa os últimos
a...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
66
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Desde 1865 que Camilo com...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
67
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Ao longo dos anos,
Camilo...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
68
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A 1 de Junho de 1890, o
D...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
69
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Quando Ana Plácido
acompa...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
70
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A 3 de Junho, às seis da
...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
71
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
72
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
73
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• PROCESSO DO CAMILO
• Trib...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
74
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A queixa foi assinada
pel...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
75
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Camilo e Ana acabaram por...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
76
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O flagrante não se
verifi...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
77
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Na sequência da pronúncia...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
78
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Estava ao rubro a curiosi...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
79
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• que a foi tirar ao Conven...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
80
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A sentença, proferia em
1...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
81
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Camilo permaneceu na
cade...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
82
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Acabrunhado, terá
desabaf...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
83
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• a gratidão de Camilo
levá...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
84
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• PROCESSO DO MÉDICO
URBINO...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
85
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• 1.º Distrito, Tribunal
Cr...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
86
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Este nasceu, nesta
cidade...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
87
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A Relação do Porto, por
a...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
88
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Na Rua das Flores viveu
o...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
89
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O cunhado Guilherme
morre...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
90
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• A mulher do José
também f...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
91
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O cunhado José dera
em bo...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
92
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Este, que já magicara nas...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
93
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Passados meses, apareceu
...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
94
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O Urbino receitou às
cria...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
95
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O Mário, mais crescido
e ...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
96
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• O processo longo, cheio
d...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
97
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• - Juro aqui, diante de
De...
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
98
A Cadeia da Relação – CP Fotografia
• Condenado, demitido das
s...
Bibliografia
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Cadeia_da_Rela%C3%A7%
C3%A3o
• http://www.cpf.pt/edificio.htm
• http://portoar...
Créditos Fotográficos
• porto-sentido.blogs.sapo.pt
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Cadeia_da_Rela%C3%A7%C3%A3o
• https://c...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Parte 2 - Artur Filipe dos Santos

543 views

Published on

Edifício mandado construir em 1765, por João de Almada e Melo, para cadeia no Porto e que hoje abriga também o Tribunal da Relação do Porto.
Concebido numa época marcada por profundas alterações ao nível da doutrina penal e do sistema prisional, o espaço interior foi modificado consoante as necessidades funcionais evidenciadas, pontualmente, por cada instituição.

Web: www.usc.no.sapo.pt
Email: usc@sapo.pt
Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com

A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras lecionadas(23), acessivéis a séniores, estudantes e profissionais através de livraria online.

AUTOR
Artur Filipe dos Santos
artursantosdocente@gmail.com
www.artursantos.no.sapo.pt
www.politicsandflags.wordpress.com
 
Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo.
Director Académico da Universidade Sénior Contemporânea, membro da Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo. Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Professor convidado das Escola Superior de Saúde do Insttuto Piaget (Portugal). Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior. Formador em Networking e Sales Communication no Network Group +Negócio Portugal.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Parte 2 - Artur Filipe dos Santos

  1. 1. Cadeira de HISTÓRIA DO PORTO Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Professor Doutor Artur Filipe dos Santos Carlos SilvaCarlos Silva -- portoporto--sentido.blogs.sapo.ptsentido.blogs.sapo.pt
  2. 2. A CADEIA DA RELAÇÃO Centro Português de Fotografia Parte 2 Artur Filipe dos Santos 2 Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  3. 3. AUTOR Artur Filipe dos Santos artursantosdocente@gmail.com www.artursantos.no.sapo.pt www.politicsandflags.wordpress.com • Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo. • Director Académico da Universidade Sénior Contemporânea, membro da Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo. Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Professor convidado das Escola Superior de Saúde do Insttuto Piaget (Portugal). Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior. Formador em Networking e Sales Communication no Network Group +Negócio Portugal. 3 Artur Filipe dos Santos
  4. 4. A Universidade Sénior Contemporânea Web: www.usc.no.sapo.pt Email: usc@sapo.pt Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com • A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras lecionadas(23), acessivéis a séniores, estudantes e profissionais através de livraria online. 4
  5. 5. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 5 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Edifício mandado construir em 1765, por João de Almada e Melo, para cadeia no Porto e que hoje abriga também o Tribunal da Relação do Porto. http://www.patrimoniocultural.pt/
  6. 6. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 6 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Concebido numa época marcada por profundas alterações ao nível da doutrina penal e do sistema prisional, o espaço interior foi modificado consoante as necessidades funcionais evidenciadas, pontualmente, por cada instituição. http://www.patrimoniocultural.pt/
  7. 7. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 7 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Com cerca de duzentos anos de história, o edifício encerra algumas das memórias mais relevantes da cidade do Porto Em 1797, ocorreu a primeira sessão do tribunal, terminando com um período demasiado longo, ponteado de inúmeras dificuldades que, desde os finais de seiscentos, obstaram à obtenção de um edifício próprio para funcionamento do Tribunal, que chegou a funcionar na Casa da Câmara, no Colégio de S. Lourenço e no Palácio dos Condes de Miranda. http://www.patrimoniocultural.pt/
  8. 8. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 8 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Entretanto, em 1608, fora acomodado num edifício expressamente erguido para o efeito, no Morro da Vitória, junto à "Porta do Olival" (a segunda mais importante da cidade), numa zona que passaria a estar intimamente relacionada com questões do foro jurídico.
  9. 9. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 9 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Contudo, poucos anos depois, em 1632, o forte movimento opositor ao governo espanhol terão estado na origem de um incêndio que o devastou parcialmente, ao qual se seguiu uma reconstrução revestida de maior monumentalidade que o professo Manuel Pereira de Novais elogiara rasgadamente. www.feelporto.com
  10. 10. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 10 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • E, em 1643, D. João IV (1634-1685) autorizava a transição dos presos para a nova Cadeia, enquanto o Tribunal seria instalado no mesmo edifício passados sete anos, em 1650. commons.wikimedia.org
  11. 11. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 11 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Em face do avançado estado de degradação que o imóvel já apresentava em 1747, as autoridades régias ordenaram a aquisição de várias estruturas adjacentes, a fim de se proceder à construção das denominadas "novas cadeias", para as quais se solicitou o risco do conhecido arquitecto toscano Nicolau Nasoni (1691- 1773), enquanto se demolia gradualmente o anterior edifício.
  12. 12. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 12 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Mas como a Casa do Despacho da Relação derruíra, o Tribunal foi obrigado a recolher-se, de novo, à Casa da Câmara, até ser deslocado para o palacete da Praça das Hortas. E por razões ainda desconhecidas, o projecto inicial de Nasoni foi substituído pelo do arquitecto- engenheiro Eugénio dos Santos e Carvalho (1711- 1760), a quem o Marquês de Pombal (1699-1782) incumbira de reconstruir a parte da cidade de Lisboa destruída pelo terramoto de 1755. http://talvezpensar.bloguepessoal.com/
  13. 13. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 13 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • E, em finais de 1796, o, então, príncipe regente e futuro D. João VI (1767-1826), ordenou a mudança do Tribunal para o actual imóvel, cuja construção se iniciara trinta anos antes. Na verdade, este terá sido o primeiro grande edifício civil erguido na cidade do Porto no âmbito da renovação urbanística promovida pelo governador geral da província e da cidade do Porto, João de Almada e Melo (1757-1786), primo de Pombal, o que poderá, de alguma forma, explicar toda a simbologia evocativa do despotismo iluminado impressa na sua estrutura. http://talvezpensar.bloguepessoal.com/
  14. 14. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 14 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Ao longo das quatro faces sobressai, notoriamente, a grande cornija. A fachada principal encontra-se virada para a Rua de S. Bento da Vitória, onde se situava a entrada para o Tribunal. http://www.patrimoniocultural.pt/
  15. 15. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 15 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • No topo, sobre o respectivo frontão, vêem-se as estátuas da Justiça, do Direito e da Razão, que ladeiam aquela.
  16. 16. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 16 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A pequena fachada voltada para a antiga Porta do Olival mostra, na parte inferior, um chafariz (a Fonte de Neptuno) com dois golfinhos no seu espaldar vertendo água pela boca. Num medalhão está esculpida a figura de Neptuno.
  17. 17. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 17 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A meio desta fachada há uma varanda sustentada por cinco fortíssimas mísulas com gradeamento em ferro forjado. Para a varanda dá a porta da capela onde os presos condenados à morte passavam a sua última noite.
  18. 18. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 18 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Ali sentiam a angústia da decorrência imparável do relógio da vizinha Torre dos Clérigos. «A cima- fronte desta fachadinha, já que por ela acima trepa maior número de pilastras, também é dotada, no friso, de mais espessos triglifos. E, a sobrepujar a cornija, vêem-se, ao centro as Armas Reais, acaireladas de farfalhudo paquife, e aos lados duas panóplias túrgidas de objectos mavórcios» ( In "O Tripeiro" IV Série, Ano X, 1, 1970).
  19. 19. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 19 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Esta fachada não tem mais de oito ou nove metros, pelo que mais parecia uma esquina. Por isso o edifício era também conhecido como a "casa de três bicos" ou "casa de três esquinas.
  20. 20. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 20 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Muitas das janelas (ao todo são 103) gradeadas da fachada que dá para o Jardim, correspondiam a instalações de presos. A entrada destes ea por este lado. O detidos, dali, observavam a frescura do lago e o deslizar suave e manso dos aristocráticos cisnes envolvidos na plebeidade despreocupada dos patos. commons.wikimedia.org
  21. 21. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 21 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Esta observação quotidiana e permanente, por parte de quem não tinha mesmo mais que fazer, mereceu à ex-cadeia o significativo epíteto de «Hotel Mira-Patos». Textos do Juíz Concelheiro (jubilado) José Pereira da Graça. In site do Tribunal da Relação do Porto http://talvezpensar.bloguepessoal.com/
  22. 22. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 22 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • “Visitantes ilustres” • No número 8 dos chamados quartos de Malta (eram catorze) passaram, por exemplo, os Mártires da Pátria, o duque da Terceira (António José de Sousa Manuel de Menezes Severim de Noronha) lugar- tenente da rainha D. Maria II nas províncias do Norte, detido em Outubro de 1846; juntamente com vários generais e oficiais. António José de Sousa Manuel de Meneses Severim de Noronha1 GCNSC (Lisboa, 18 de Março de 1792 — Lisboa, 26 de abril de 1860), 7.º Conde de Juro e Herdade e 1.º Marquês de Vila Flor e ainda 1.º Duque da Terceira com Honras de Parente, foi um importante general e homem de Estado português do tempo do liberalismo, sendo uma das mais importantes figuras do tempo, tanto no plano político, como, e talvez sobretudo, no plano militar. De herói das guerras liberais tornou-se no líder incontestado dos cartistas, a facção mais conservadora do liberalismo português, embrião do futuro Partido Regenerador. Wikipedia
  23. 23. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 23 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Camilo Castelo Branco ocupou (1860) o quarto de São João, enquanto Ana Plácido recolhia ao pavilhão das mulheres, acusados, ambos, do crime de adultério.
  24. 24. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 24 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Na cela que Camilo ocupara daria entrada mais tarde o célebre banqueiro Roriz. E, no quarto a seguir a este, Urbino de Freitas, professor da Faculdade de Medicina, acusado de ter assassinado por envenenamento os sobrinhos para ficar senhor da herança que a eles caberia. odoloeventual.blogspot.com
  25. 25. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 25 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O salteador Zé do Telhado, o caudilho miguelista Pita Bezerra e o jornalista político João Chagas também conheceram as celas da velha cadeia.
  26. 26. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 26 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • PROCESSO ZÉ DO TELHADO - MARCO DE CANAVESES • O processo iniciou-se em 30 de Maio de 1859, com acusação pública em 9 de Dezembro do mesmo ano. Foi condenado por sentença do juiz António Pereira Ferraz, de 27 de Abril de 1861, na pena de trabalhos públicos por toda a vida, na costa ocidental de África e no pagamento das custas. Esta pena foi mantida pela Relação do Porto, substituindo apenas a expressão "costa ocidental de África", por "Ultramar". • PROCESSOS FAMOSOS alfarrabiosdebraga.blogspot.com
  27. 27. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 27 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Por acórdão da mesma Relação de 11 de Agosto de 1865, foi comutada a pena aplicada na de 15 anos de degredo para a África Ocidental, a contar desde a data do Decreto de 28 de Setembro de 1863. revistasemagazinesantigos.blogspot.com
  28. 28. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 28 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A condenação reportou- se a diversos crimes cometidos com violência: • tentativa de roubo, com começo de execução, em casa de António Patrício Lopes Monteiro, se Santa Marinha do Zêzere, comarca de Baião; homicídio na pessoa de João de Carvalho, criado de D.ª Ana Victória de Abreu e Vasconcelos, de Penha Longa, Baião; jumento.blogspot.com
  29. 29. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 29 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • e roubo na casa de referida senhora (Casa de Carrapatelo) de objectos de ouro e prata no valor de oitocentos mil e um conto de reis e algumas sacas com dinheiro, cujo valor a queixosa calculou em doze contos de reis, não sabendo ao certo quanto era, porque o dinheiro se encontrava na casa mortuário onde jazera, poucos dias antes, seu pai; camilo20.wordpress.com
  30. 30. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 30 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • e, após isso, ela ainda nem sequer lá voltara a entrar; roubo em casa do Pr. Padre Albino José Teixeira, de Unhão, comarca de Felgueira, no valor de um conto e quatrocentos mil reis em dinheiro e ainda objectos de prata e outro; outro homicídio na pessoa de um correligionário, ferido num confronto com as autoridades. querosaber.sapo.pt
  31. 31. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 31 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Para além de outros crimes de roubo e de resistência à autoridade, foi também condenado como autor e chefe de associação de malfeitores e de tentativa de evasão do reino sem passaporte e com violação dos regulamentos policiais.bloguedooscar.blogspot.com
  32. 32. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 32 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A sua qualidade de chefe é que o tornou responsável pelo homicídio do Carrapatelo, pois o autor material foi um capanga que abateu o criado quando este tentou reagir, num momento em que o caudilho (Chefe de facção, de partido ou de bando armado ,que defende uma ideia) ainda nem entrara na residência.
  33. 33. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 33 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A acção do Zé do Telhado, alcunha de José Teixeira da Silva, integra-se no fenómeno organizativo de grupos de assaltantes que tem a sua génese, de formação espontânea, durante as invasões francesas. Perante a total falta de reacção do exército português à entrada dos napoleónicos, grupos de populares procuram quebrar a total impunidade dos invasores. A vida de José do Telhado / Raphael Augusto de Sousa. - 2ª ed. - Porto : [s.n.], 1874 purl.pt
  34. 34. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 34 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Esses grupos, veras milícias populares, entretanto com experiência guerrilheira acumulada, foram aproveitados na guerra civil liberal por forças políticas e militares em campo: os "corcundas" (absolutistas) e os "malhados" (liberais). Terminada a guerra, ficou o gosto e o proveito da guerrilha por conta própria: triplov.com
  35. 35. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 35 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • é o João Barandão, é o Remexido, é o Zé do Telhado. Este atingira, ao serviço liberal, a glória, com a atribuição da Torre e Espada. Finda a guerra pretendeu um emprego no Depósito do Tabaco, no Porto. Não conseguiu.
  36. 36. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 36 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • PROCESSO CAMILO CASTELO BRANCO • Camilo esteve preso duas vezes no Cadeia da Relação. A primeira em 1846, também por razões amorosas com Patrícia Emília, uma vila-realense que consigo seguiu para Coimbra e Porto. Esteve preso apenas 11 dias porque seu tio desistiu da acusação e pediu a sua liberdade. http://pimentaeouro.blogs.sapo.pt/
  37. 37. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 37 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • CAMILO CASTELO BRANCO • Camilo Ferreira Botelho Castelo Branco (Encarnação, Lisboa, 16 de março de 1825 — Vila Nova de Famalicão, São Miguel de Seide, 1 de junho de 1890) foi um escritor português, romancista, cronista, crítico, dramaturgo, historiador, poeta e tradutor.
  38. 38. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 38 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Foi ainda o 1.º Visconde de Correia Botelho, título concedido pelo rei D. Luís. Foi um dos escritores mais prolíferos e marcantes da literatura portuguesa. pt.wikisource.org
  39. 39. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 39 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Teve uma vida atribulada, que lhe serviu muitas vezes de inspiração para as suas novelas. Foi o primeiro escritor de língua portuguesa a viver exclusivamente dos seus escritos literários. Apesar de ter de escrever para o público, sujeitando-se assim aos ditames da moda, conseguiu manter uma escrita muito original.
  40. 40. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 40 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • VIDA • Camilo Castelo Branco nasceu em Lisboa, no Largo do Carmo, a 16 de março de 1825. Oriundo de uma família da aristocracia de província com distante ascendência cristã-nova, era filho de Manuel Joaquim Botelho Castelo Branco, nascido na casa dos Correia Botelho em São Dinis, Vila Real, a 17 de Agosto de 1778 e que teve uma vida errante entre Vila Real, Viseu e Lisboa, onde faleceu a 22 de Dezembro de 1890, tomado de amores por Jacinta Rosa do Espírito Santo Ferreira (Sesimbra, Santiago, 27 de Janeiro de 1799 - 6 de Fevereiro de 1827), com quem não se casou mas de quem teve os seus dois filhos. casadecamilo.wordpress.com
  41. 41. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 41 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Camilo foi assim perfilhado por seu pai em 1829, como «filho de mãe incógnita». Ficou órfão de mãe quando tinha um ano de idade e de pai aos dez anos, o que lhe criou um caráter de eterna insatisfação com a vida.
  42. 42. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 42 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Foi recolhido por uma tia de Vila Real e, depois, por uma irmã mais velha, Carolina Rita Botelho Castelo Branco, nascida em Socorro, Lisboa, a 24 de março de 1821, em Vilarinho de Samardã, em 1839, recebendo uma educação irregular através de dois Padres de província. www.citi.pt
  43. 43. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 43 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Na adolescência, formou-se lendo os clássicos portugueses e latinos e literatura eclesiástica e contactando a vida ao ar livre transmontana. pt.wikipedia.org
  44. 44. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 44 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Com apenas 16 anos (18 de agosto de 1841), casa-se em Ribeira de Pena, Salvador, com Joaquina Pereira de França (Gondomar, São Cosme, 23 de Novembro de 1826 - Ribeira de Pena, Friúme, 25 de Setembro de 1847), filha de lavradores, Sebastião Martins dos Santos, de Gondomar, São Cosme, e Maria Pereira de França, e instala-se em Friúme.
  45. 45. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 45 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O casamento precoce parece ter resultado de uma mera paixão juvenil e não resistiu muito tempo. No ano seguinte, prepara-se para ingressar na universidade, indo estudar com o Padre Manuel da Lixa, em Granja Velha. www.britannica.com
  46. 46. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 46 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O seu caráter instável, irrequieto e irreverente leva-o a amores tumultuosos (Patrícia Emília do Carmo de Barros (Vila Real, 1826 - 15 de Fevereiro de 1885), filha de Luís Moreira da Fonseca e de sua mulher Maria José Rodrigues, e a Freira Isabel Cândida).
  47. 47. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 47 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Tenta no Porto, o curso de Medicina, que não conclui, optando depois por Direito. A partir de 1848, faz uma vida de boémia repleta de paixões, repartindo o seu tempo entre os cafés e os salões burgueses e dedicando-se entretanto ao jornalismo. guimaraes-editores.blogspot.com
  48. 48. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 48 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Em 1850, toma parte na polémica entre Alexandre Herculano e o clero, publicando o opúsculo O Clero e o Sr. Alexandre Herculano, defesa que desagradou a Herculano. books.google.com
  49. 49. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 49 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Apaixona-se por Ana Augusta Vieira Plácido e, quando esta se casa, em 1850, tem uma crise de misticismo, chegando a frequentar o seminário, que abandona em 1852. www.citi.pt
  50. 50. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 50 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Ana Plácido tornara-se mulher do negociante Manuel Pinheiro Alves, um brasileiro que o inspira como personagem em algumas das suas novelas, muitas vezes com caráter depreciativo. Camilo seduz e rapta Ana Plácido. casadecamilo.wordpress.com
  51. 51. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 51 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Depois de algum tempo a monte, são capturados e julgados pelas autoridades. Naquela época, o caso emocionou a opinião pública, pelo seu conteúdo tipicamente romântico de amor contrariado, à revelia das convenções e imposições sociais. http://pt.wikipedia.org/
  52. 52. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 52 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Foram ambos enviados para a Cadeia da Relação, no Porto, onde Camilo conheceu e fez amizade com o famoso salteador Zé do Telhado. Com base nesta experiência, escreveu Memórias do Cárcere.
  53. 53. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 53 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Depois de absolvidos do crime de adultério pelo Juiz José Maria de Almeida Teixeira de Queirós (pai de José Maria de Eça de Queirós), Camilo e Ana Plácido passaram a viver juntos, contando ele 38 anos de idade.www.citi.pt
  54. 54. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 54 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Entretanto, Ana Plácido tem um filho, supostamente gerado pelo seu antigo marido, que foi seguido por mais dois de Camilo. Com uma família tão numerosa para sustentar, Camilo começa a escrever a um ritmo alucinante.
  55. 55. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 55 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Quando o ex-marido de Ana Plácido falece, a 15 de Julho de 1863, o casal vai viver para uma casa, em São Miguel de Seide, que o filho do comerciante recebera por herança do pai. www.citi.pt
  56. 56. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 56 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Em Fevereiro de 1869, recebeu do governo da Espanha a comenda de Carlos III pt.wikisource.org
  57. 57. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 57 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Em 1870, devido a problemas de saúde, Camilo vai viver para Vila do Conde, onde se mantém até 1871. Foi aí que escreveu a peça de teatro «O Condenado» (representada no Porto em 1871), bem como inúmeros poemas, crónicas, artigos de opinião e traduções.casadecamilo.wordpress.com
  58. 58. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 58 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Outras obras de Camilo estão associadas a Vila do Conde. Na obra «A Filha do Arcediago», relata a passagem de uma noite do arcediago, com um exército, numa estalagem conhecida por Estalagem das Pulgas, outrora pertencente ao Mosteiro de São Simão da Junqueira e situada no lugar de Casal de Pedro, freguesia da Junqueira. www.luso-livros.net
  59. 59. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 59 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Camilo dedicou ainda o romance «A Enjeitada» a um ilustre vilacondense seu conhecido, o Dr. Manuel Costa. casadecamilo.wordpress.com
  60. 60. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 60 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Entre 1873 e 1890, Camilo deslocou-se regularmente à vizinha Póvoa de Varzim, perdendo-se no jogo e escrevendo parte da sua obra no antigo Hotel Luso-Brazileiro, junto do Largo do Café Chinês. www.luso-livros.net
  61. 61. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 61 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Reunia-se com personalidades de notoriedade intelectual e social, como o pai de Eça de Queirós, José Maria de Almeida Teixeira de Queirós, magistrado e Par do Reino, o poeta e dramaturgo poveiro Francisco Gomes de Amorim, Almeida Garrett, Alexandre Herculano, António Feliciano de Castilho, entre outros. Sempre que vinha à Póvoa, convivia regularmente com o Visconde de Azevedo no Solar dos Carneiros.casadecamilo.wordpress.com
  62. 62. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 62 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Francisco Peixoto de Bourbon conta que Camilo, na Póvoa, «tendo andado metido com uma bailarina espanhola, cheia de salero, e tendo gasto, com a manutenção da diva, mais do que permitiam as suas posses, acabou por recorrer ao jogo na esperança de multiplicar o anémico pecúlio e acabou, como é de regra, por tudo perder e haver contraído uma dívida de jogo, que então se chamava uma dívida de honra». www.luso-livros.net
  63. 63. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 63 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A 17 de setembro de 1877, Camilo viu morrer na Póvoa de Varzim, aos 19 anos, o seu filho predileto, Manuel Plácido Pinheiro Alves, do segundo casamento com Ana Plácido, que foi sepultado no cemitério do Largo das Dores.casadecamilo.wordpress.com
  64. 64. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 64 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Em 1885 é-lhe concedido o título de 1.º Visconde de Correia Botelho. A 9 de março de 1888, casa-se finalmente com Ana Plácido. www.luso-livros.net
  65. 65. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 65 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Camilo passa os últimos anos da vida ao lado dela, não encontrando a estabilidade emocional por que ansiava. As dificuldades financeiras, a doença e os filhos incapazes (considera Nuno um desatinado e Jorge um louco) dão-lhe enormes preocupações.casadecamilo.wordpress.com
  66. 66. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 66 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Desde 1865 que Camilo começara a sofrer de graves problemas visuais (diplopia e cegueira nocturna). Era um dos sintomas da temida neurosífilis, o estado terciário da sífilis ("venéreo inveterado", como escreveu em 1866 a José Barbosa e Silva), que além de outros problemas neurológicos lhe provocava uma cegueira, aflitivamente progressiva e crescente, que lhe ia atrofiando o nervo óptico, impedindo-o de ler e de trabalhar capazmente, mergulhando-o cada vez mais nas trevas e num desespero suicidário. www.luso-livros.net
  67. 67. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 67 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Ao longo dos anos, Camilo consultou os melhores especialistas em busca de uma cura, mas em vão. casadecamilo.wordpress.com
  68. 68. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 68 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A 1 de Junho de 1890, o Dr. Magalhães Machado visita o escritor em Seide. Depois de lhe examinar os olhos condenados, o médico com alguma diplomacia, recomenda- lhe o descanso numas termas e depois, mais tarde, talvez se poderia falar num eventual tratamento. www.luso-livros.net
  69. 69. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 69 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Quando Ana Plácido acompanhava o médico até à porta, eram três horas e um quarto da tarde, sentado na sua cadeira de balanço, desenganado e completamente desalentado, Camilo Castelo Branco disparou um tiro de revólver na têmpora direita. Mesmo assim, sobreviveu em coma agonizante até às cinco da tarde. pt.wikisource.org
  70. 70. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 70 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A 3 de Junho, às seis da tarde, o seu cadáver chegava de comboio ao Porto e no dia seguinte, conforme o seu pedido, foi sepultado perpetuamente no jazigo de um amigo, João António de Freitas Fortuna, no cemitério da Venerável Irmandade de Nossa Senhora da Lapa pt.wikisource.org
  71. 71. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 71 A Cadeia da Relação – CP Fotografia
  72. 72. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 72 A Cadeia da Relação – CP Fotografia
  73. 73. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 73 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • PROCESSO DO CAMILO • Tribunal Criminal, 1.º Distrito do Porto. • Por queixa de Manuel Pinheiro Alves, marido de Ana Augusta Plácido, foi instaurado processo de querela, por adultério, contra Camilo Castelo Branco e aquele Ana. O processo foi objecto de despacho lavrado, em 22 de Dezembro, pelo juiz José Maria de Almeida Teixeira de Queirós, pai do Eça, titular daquele Tribunal Criminal, sito na Praça D.ª Filipa de Lencastre, na esquina com a Rua da Picaria.
  74. 74. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 74 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A queixa foi assinada pelo advogado Alexandre Couto Pinto e os acusados tiveram como defensor Marcelino de Matos que também havia de defender, noutro processo, o Zé do Telhado.
  75. 75. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 75 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Camilo e Ana acabaram por ser pronunciados, ela por adultério e ele por ter copulado com mulher casada, por decisão do Tribunal da Relação do Porto, já que o juiz Queirós apenas pronunciara a Ana. Isto por que só o adultério da mulher era punível e, relativamente ao homem compartiticipante, a punibilidade pressupunha o flagrante delito (sós e nus na mesma cama) ou a existência de cartas ou outro documento escrito.
  76. 76. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 76 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O flagrante não se verificava e apenas existia uma carta dirigida a um tio (informador de Pinheiro Alves da infidelidade da mulher) de Ana, mas em que não era mencionado o nome desta.
  77. 77. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 77 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Na sequência da pronúncia, Ana Plácido e, mais tarde Camilo, recolheram à Cadeia da Relação. Depois de muitos incidentes (pedidos de escusa de juízes, recursos), chegando o processo a subir ao Supremo Tribunal de Justiça, foi efectuado o julgamento, num ambiente extremamente emotivo, correspondente à grandiosidade do escândalo.
  78. 78. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 78 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Estava ao rubro a curiosidade das provectas virgens, das matronas desocupadas e dos conquistadores frustrados, além dos seráficos moralistas de fachada. Se a Relação ultrapassara a desadequação legal à evolução se senso comum, pronunciando ambos os Réus, considerando que "seria um contra-senso inqualificável que esse homem que a teve teúda e manteúda já nesta cidade na Rua da Picaria, já em Lisboa e na Foz:
  79. 79. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 79 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • que a foi tirar ao Convento da Conceição em Braga aonde se achava, para assim continuar com ela uma vida de escândalo e imoralidade que afecta a sociedade em geral ficasse impune ...", o júri, acaba, de forma oposta por tornear aquela desadequação, não considerando provados quesitos fundamentais.
  80. 80. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 80 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A sentença, proferia em 17 de Outubro de 1861 (peça que, presentemente, não se encontra no processo por ter desaparecido), limitou-se a absolver os acusados e emitir mandados de soltura.
  81. 81. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 81 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Camilo permaneceu na cadeia, em prisão preventiva, um ano e dezasseis dias. Ana um pouco mais. Durante a prisão, ele receou que o tio da Ana que esteve na base da descoberta da situação de amantismo, pagasse a alguém, dentro da Cadeia, para o matar.
  82. 82. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 82 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Acabrunhado, terá desabafado os seus temores perante um outro preso o qual lhe terá garantido que estivesse descansado, pois, se alguém ali lhe tocasse com um dedo, três dias e três noites não chegariam para enterrar os mortos. Este outro preso era José do Telhado.
  83. 83. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 83 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • a gratidão de Camilo levá-lo-ia a compartilhar o seu advogado de defesa. A aura romântica do assaltante também a isso se terá ficado a dever.
  84. 84. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 84 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • PROCESSO DO MÉDICO URBINO DE FREITAS (crime da rua das flores)
  85. 85. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 85 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • 1.º Distrito, Tribunal Criminal do Porto. • Processo instaurado em 23 de Abril de 1890 por crime de homicídio com envenenamento, cometido na pessoa do menor Mário Guilherme Augusto Sampaio por Vicente Urbino de Freitas, médico e professor da Escola Médica do Porto. grandesdramas.blogspot.com
  86. 86. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 86 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Este nasceu, nesta cidade, em 1849 e foi lente de Fisiologia na Escola Médico-Cirúrgica desta cidade, chegando a produzir notáveis trabalhos sobre lepra. Foi condenado, com intervenção do júri, em pena maior e degredo. odoloeventual.blogspot.com
  87. 87. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 87 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A Relação do Porto, por acórdão de 3 de Fevereiro de 1894 fixou a pena em nove anos de prisão maior celular, seguida de degredo por 20 anos com prisão por dois anos no lugar do degredo, ou, em alternativa, na pena de degredo por trinta anos por prisão por 10 anos no lugar do degredo. dererummundi.blogspot.com
  88. 88. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 88 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Na Rua das Flores viveu o rico comerciante de linhos José António Sampaio casado com Maria Carolina Bastos Sampaio. Tiveram três filhos: Guilherme, José e Maria das Dores. Em 1877, a Maria das Dores casou com o talentoso médico.
  89. 89. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 89 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O cunhado Guilherme morreu pouco depois do respectivo casamento, deixando os filhos Mário Guilherme e Maria Augusta.
  90. 90. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 90 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • A mulher do José também faleceu precocemente, deixando a filha Berta Fernanda, que passou a viver com os primos Mário e Maria Augusta em casa dos avós.
  91. 91. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 91 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O cunhado José dera em boémio e, amantizado com uma inglesa, veio até ao Porto, instalando-se no Hotel Paris, na Rua da Fábrica. Teve a infelicidade de se sentir doente e a ideia fatal de mandar chamar o prestigiado cunhado. odoloeventual.blogspot.com
  92. 92. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 92 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Este, que já magicara nas hipóteses de vir a ser proveitoso herdeiro do sogro, terá começado a vislumbrar formas de eliminar concorrentes à herança. Certo é que o padecente, após o tratamento ministrado, morreu com horríveis sofrimentos típicos da ingestão de veneno.
  93. 93. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 93 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Passados meses, apareceu um misteriosa encomenda em casa dos sogros do Urbino, contendo amêndoas e precisamente três bolos, tantos quantas as crianças da casa. As crianças comeram os bolos e a avó teve a curiosidade de os provar, achando-lhes sabor algo esquisito. Todos se sentiram mal. Foi logo chamado naturalmente o médico da casa. dererummundi.blogspot.com
  94. 94. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 94 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O Urbino receitou às crianças clisteres, recomendando-lhes que fizessem um retenção tão longa quanto possível. As meninas, porém, logo evacuaram.
  95. 95. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 95 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O Mário, mais crescido e controlado, conseguiu fazer maior retenção, logo sofrendo espasmos horríveis à semelhança do falecido tio José, acabando por sucumbir.
  96. 96. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 96 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • O processo longo, cheio de incidente e muito volumoso, acabou em julgamento. Em plena audiência a sogra acusou-o: dererummundi.blogspot.com
  97. 97. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 97 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • - Juro aqui, diante de Deus e dos homens, que foi este homem que matou o meu filho José e o meu neto Mário! Foi este homem, a quem eu dei um conto de reis para ir ao estrangeiro, onde foi aprender os venenos para matar a minha família!
  98. 98. Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 98 A Cadeia da Relação – CP Fotografia • Condenado, demitido das suas funções, deportado para o Brasil, proibido de exercer medicina, morreu tristemente já regressado ao País. Teve, apesar de tudo, a sorte de nunca ter perdido a dedicação incondicional da Maria das Dores, sua mulher.
  99. 99. Bibliografia • http://pt.wikipedia.org/wiki/Cadeia_da_Rela%C3%A7% C3%A3o • http://www.cpf.pt/edificio.htm • http://portoarc.blogspot.pt/ • http://www.trp.pt/historia.html • http://www.trp.pt/historia/86-cadeiarelacao.html • http://www.trp.pt/historia/87- processoshistoricos.html • http://odoloeventual.blogspot.pt/2006/04/grandes- dramas-judicirios-urbino-de.html 99
  100. 100. Créditos Fotográficos • porto-sentido.blogs.sapo.pt • http://pt.wikipedia.org/wiki/Cadeia_da_Rela%C3%A7%C3%A3o • https://casadecamilo.wordpress.com/tag/cadeia-da-relacao-do-porto/ • http://2.bp.blogspot.com/_93MOhC8UNcI/S9yAAJprqpI/AAAAAAAAACo/1NubnK7 ZFvE/s1600/Porto+-+Casa+dos+24.jpg • portoarc.blogspot.com • www.redeconhecimentojustica.mj.pt 100

×