Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Dr. Marcos Flávio Rocha<br />Prof. Faculdade de Medicina Universidade de Fortaleza<br />Hospital Geral de Fortaleza<br />E...
Conflito de Interesse: Nenhum<br />Colaborador:<br />Dr: Guilherme Lima (Pe)<br />Linfadenectomia laparoscópica pélvica e ...
Câncer de Bexiga<br />Linfadenectomia pélvica<br />
Câncer de bexiga<br />Elevada  incidência<br />4ª causa de Ca no homens (EUA)<br />8ª causa de Ca nas mulheres (EUA)<br />...
Câncer de bexiga<br />Qual o exato papel da linfadenectomia no câncer de bexiga ?<br />É útil fazer a cistectomia associad...
Linfadenectomia: argumentos contra<br />Doença orgão confinada<br />Linfadenectomia desnecessária<br />1<br />Linfonodos c...
Linfadenectomia<br />Extent of pelvic lymphadenectomy and its impact on outcome in patients diagnosed with bladder cancer:...
Vias de progressão<br />Importância da profudidade do tumor primário e o desenvolvimento de metástase <br />MD Anderson Ca...
Incidência de envolvimento linfonodal <br />14 – 28%<br />Fatores importantes<br />Estágio<br />Grau tumoral<br />Invasão ...
Prognóstico LN+ pós cistectomia<br />Estadiamento patológico (pT)<br />Estadiamento Linfonodal (pN)<br />Nº total de linfo...
Estadiamento patológico (pT)<br />Pacientes  LN+ <br />M.A. Ghoneim, H. Abol-Enein / European Urology 46 (2004) 457–461<br />
Estadiamento Linfonodal Impacto prognóstico da categoria pN (nº de linfonodos)<br />35%<br />Lerner et al. Urol Clin North...
Estadiamento linfonodal (N)<br />Falsos negativos<br />25%<br />TC<br />RMN<br />PET<br />18 F-fluorodeoxyglucosc (FDC)<br...
Extensão da linfadenectomia<br />Poulsen et al, J Urol 1998<br />Estudo retrospectivo não randomizado<br />126 casos linfa...
Extensão da linfadenectomia<br />M.A. Ghoneim, H. Abol-Enein / European Urology 46 (2004) 457–461<br />
Extensão da Linfadenectomia<br />Dissecção limitada<br />Fossa obturatória<br />Dissecção convencional ou padrão<br />Nerv...
Prospectivo<br />N = 200 pacientes<br />LN+ = 48 (24%)<br />
Conclusões<br />Com cistectomia radical, a incidência de doença nodal é de aproximadamente 25%<br />O estadiamento patalóg...
Possíveis benefícios de uma linfadenectomia alargada<br />A  importância da acurácia do estadiamento tem aumentado  com a ...
Linfadenectomia padrão<br />Aumenta o tempo operatório em 1h<br />Linfadenectomia alargada<br />Aumenta o tempo operatório...
 linfadenectomia laparoscópica no câncer de bexiga – técnica operatória<br />
Câncer de bexiga<br />Qual o exato papel da linfadenectomia no câncer de bexiga ?<br />É útil fazer a cistectomia associad...
Câncer de Testículo<br />Linfadenectomia retroperitoneal<br />
Tumores de Testiculos Não-Seminomatosos<br />Estagio Clinico I (ausência de linfonodos + em imagem)<br /><ul><li>Observaçã...
  Quimioterapia Primaria
  Linfadenectomia Retroperitoneal Aberta</li></ul>Desvantagem da Observação:<br />	30% - Metástase Retroperitoneal<br />De...
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />	“Alternativa a técnica aberta convencional que poderia oferecer os ben...
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />CRÍTICAS<br />1.Porque a maioria dos pacientes que tem linfonodos + na ...
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />PROPOSTA<br />Realizar a linfadenectomia duplicando completamente a téc...
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscopica<br />143 EstagioClinico I<br /><ul><li> 98 EstagioPatologico I
 45 EstagioPatologico II
10 Sem QT adjuvante</li></ul> 	0 recorrencia<br />
Conclusão:<br />Linfadenectomia retroperitoneal laparoscópica oferece uma acurácia de estadiamento e resultados a longo pr...
Guidelines on Laparoscopy<br />Proposal for a "European Scoring System for Laparoscopic Operations in Urology".Eur Urol. 2...
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />Lado Direito<br />LIMITES<br /><ul><li> Lateral – Ureter
 Medial – Linha media da aorta
 Inferior – Bifurcação dos vasos ilíacos
 Superior – Hilo renal</li></li></ul><li>Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />Lado Esquerdo<br />LIMITES<br ...
 Medial – Linha media da cava*
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Linfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitoneal

6,646 views

Published on

Published in: Health & Medicine, Technology
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Linfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitoneal

  1. 1. Dr. Marcos Flávio Rocha<br />Prof. Faculdade de Medicina Universidade de Fortaleza<br />Hospital Geral de Fortaleza<br />Especialização em Videocirurgia Urológica na Universidade de Bordeaux e Clinic Saint Augustin - França<br />Linfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitonealCâncer de bexiga e testículo<br />
  2. 2. Conflito de Interesse: Nenhum<br />Colaborador:<br />Dr: Guilherme Lima (Pe)<br />Linfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitonealCâncer de bexiga e testículo<br />
  3. 3. Câncer de Bexiga<br />Linfadenectomia pélvica<br />
  4. 4. Câncer de bexiga<br />Elevada incidência<br />4ª causa de Ca no homens (EUA)<br />8ª causa de Ca nas mulheres (EUA)<br />Doença musculo-invasiva em 30%<br /> 85% óbitos em 2 anos (sem tratamento)<br />50-60% de sobrevida livre de doença (Cistectomia radical)<br />Cistectomia radical + linfadenectomia<br />25% metástase linfonodal<br />30%<br />25%<br />
  5. 5. Câncer de bexiga<br />Qual o exato papel da linfadenectomia no câncer de bexiga ?<br />É útil fazer a cistectomia associada a linfadenectomia ?<br />Como fazer a linfadenectomia ?<br />
  6. 6. Linfadenectomia: argumentos contra<br />Doença orgão confinada<br />Linfadenectomia desnecessária<br />1<br />Linfonodos comprometidos<br />Doença sistêmica<br />2<br />Não há estudos prospectivos randomizados que demostrem a superioridade da cistectomia radical sobre a cistectomia simples do ponto de vista oncológico<br />3<br />Ghoneim et al, European Urology 2004<br />
  7. 7. Linfadenectomia<br />Extent of pelvic lymphadenectomy and its impact on outcome in patients diagnosed with bladder cancer: analysis of data from the surveillance, epidemiology and end results program data base.<br />J Urol 2003;169: 946–50<br />Konety BR, Joslyn SA, O’Donnell MA. Konety BR, Joslyn SA, O’Donnell MA.<br />CONCLUSÃO:<br />Somente 40% dos pacientes submetidos a cistectomia realizam uma linfadenectomia<br />
  8. 8. Vias de progressão<br />Importância da profudidade do tumor primário e o desenvolvimento de metástase <br />MD Anderson Cancer Center<br />1980<br />2010<br />1930<br />1950<br />Limites da linfadenectomia<br />Extensão LN<br />Controle Ca<br />Sobrevida<br />Cistectomia<br />simples<br />Cistectomia + linfadenectomia<br />Limite proximal: bifucação dos vasos ilíacos<br />Resultados de controle local e sobrevida:<br /> muito pobres<br />Diminuição da recorrência local e aumento da sobrevida<br />?<br />Huange e Bochener, Curr Opin Urol 2005<br />Dangle et al, J Urol 2010<br />Colston et al, J Urol 1936<br />Jeweth et al, J Urol 1946<br />Wishnow et at, J Urol 1987<br />
  9. 9. Incidência de envolvimento linfonodal <br />14 – 28%<br />Fatores importantes<br />Estágio<br />Grau tumoral<br />Invasão linfovascular<br />M.A. Ghoneim, H. Abol-Enein / European Urology 46 (2004) 457–461<br />
  10. 10. Prognóstico LN+ pós cistectomia<br />Estadiamento patológico (pT)<br />Estadiamento Linfonodal (pN)<br />Nº total de linfonodos<br />Extensão da linfadenectomia<br />
  11. 11. Estadiamento patológico (pT)<br />Pacientes LN+ <br />M.A. Ghoneim, H. Abol-Enein / European Urology 46 (2004) 457–461<br />
  12. 12. Estadiamento Linfonodal Impacto prognóstico da categoria pN (nº de linfonodos)<br />35%<br />Lerner et al. Urol Clin North Am 1992<br />Sobrevida em 5 anos<br />< 5 linfonodos <br />> 5 linfonodos <br />Vieweg et al J Urol 1999<br />Sobrevida semelhante entre N0 e N1<br />Diminuição da sobrevida em N3 quando comparada a N1<br />17%<br />
  13. 13. Estadiamento linfonodal (N)<br />Falsos negativos<br />25%<br />TC<br />RMN<br />PET<br />18 F-fluorodeoxyglucosc (FDC)<br />11 C choline<br />TC + PET (SPECT)<br />Tamanho e forma dos linfonodos<br />Falsos negativos<br />20%<br />Karl et al, european urology 55 ( 2 0 0 9 ) 826–835<br />
  14. 14. Extensão da linfadenectomia<br />Poulsen et al, J Urol 1998<br />Estudo retrospectivo não randomizado<br />126 casos linfadenectomia alargada (até bifurcação aortica)<br />68 casos linfadenectomia padrão<br />Conclusão: Dissecção alargada aumenta a sobrevida livre de doença para pacientes ≤ pT3 (não para > pT3)<br />Leissner et al, BJU Int, 2000<br />Estudo retrospectivo<br />447 pacientes<br />Linfadenectomia alargada <br />Conclusão: melhora da sobrevida quando ≥ 16 linfonodos foram removidos<br />
  15. 15. Extensão da linfadenectomia<br />M.A. Ghoneim, H. Abol-Enein / European Urology 46 (2004) 457–461<br />
  16. 16. Extensão da Linfadenectomia<br />Dissecção limitada<br />Fossa obturatória<br />Dissecção convencional ou padrão<br />Nervo genitofemoral lateralmente, vasos ilíacos internos posteriormente, assoalho pélvico distalmente e bifurcação da iliaca comum ou ilíaca comum distal (+ pré-sacral) proximalmente<br />Dissecção alargada ou estendida<br />Até bifurcação aortica ou mesentérica inferior<br />
  17. 17.
  18. 18.
  19. 19. Prospectivo<br />N = 200 pacientes<br />LN+ = 48 (24%)<br />
  20. 20. Conclusões<br />Com cistectomia radical, a incidência de doença nodal é de aproximadamente 25%<br />O estadiamento patalógico pT é fator independente para incidência de LN+<br />Estadiamento pN1 foi encontrado em 30-40% dos casos LN+<br />Todos os linfonodos pN1 estão na pelve (não há skipped lesions) <br />Dissecção bilateral é obrigatória<br />Se linfonodos pélvicos são negativos pela congelação, dissecção mais extensa não é necessária<br />O prognóstico de casos com linfonodos extra-pélvicos é muito pobre. A utilidade de uma dissecção alargada é questionável<br />
  21. 21.
  22. 22.
  23. 23.
  24. 24.
  25. 25. Possíveis benefícios de uma linfadenectomia alargada<br />A importância da acurácia do estadiamento tem aumentado com a maior efetividade da QT adjuvante<br />Taxas elevadas de sobrevida em cinco anos (29-39%) tem sido observada em pacientes LN+ submetidos a linfadenectomia alargada e uma larga proporção a QT adjuvante<br />Um crescente número de evidências sugerem que o controle da doença e a sobrevida total pode ser beneficiada por uma linfadenectomia mais alargada e o aumento do nº de linfonodos removidos<br />Em pacientes LN- submetidos a dissecção alargada provavelmente tem uma sobrevida livre de doença maior devido a remoção de micrometástese não detectadas<br />Não há evidências que a linfadenectomia alargada aumente a morbidade da cirurgia<br />
  26. 26.
  27. 27.
  28. 28. Linfadenectomia padrão<br />Aumenta o tempo operatório em 1h<br />Linfadenectomia alargada<br />Aumenta o tempo operatório em 2h<br />
  29. 29.
  30. 30.
  31. 31. linfadenectomia laparoscópica no câncer de bexiga – técnica operatória<br />
  32. 32. Câncer de bexiga<br />Qual o exato papel da linfadenectomia no câncer de bexiga ?<br />É útil fazer a cistectomia associada a linfadenectomia ?<br />Como fazer a linfadenectomia ?<br />
  33. 33. Câncer de Testículo<br />Linfadenectomia retroperitoneal<br />
  34. 34. Tumores de Testiculos Não-Seminomatosos<br />Estagio Clinico I (ausência de linfonodos + em imagem)<br /><ul><li>Observação Rigorosa
  35. 35. Quimioterapia Primaria
  36. 36. Linfadenectomia Retroperitoneal Aberta</li></ul>Desvantagem da Observação:<br /> 30% - Metástase Retroperitoneal<br />Desvantagem da QT / Linfadenectomia:<br /> 70% - Tratamento desnecessário<br />DILEMA<br />
  37. 37. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br /> “Alternativa a técnica aberta convencional que poderia oferecer os benefícios da cirurgia minimamente invasiva”<br />Indicação inicial - DIAGNÓSTICO<br /> Estadiamento patológico (TCGNS)<br />Estagio Clinico I (N0 nos exames de imagem)<br />
  38. 38. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />CRÍTICAS<br />1.Porque a maioria dos pacientes que tem linfonodos + na LRPL recebem QT adjuvante e na cirurgia aberta não?<br />Bhayani SB, Ong A, Oh WK et al: Laparoscopic Retroperitoneal lymph node dissection for clinical stage I nonseminomatous germ cell testicular cancer. Urology 62,2003.<br />2.Se não pode ser curativa nos casos de linfonodo + (PSII) porque não fazer a técnica aberta que por sua vez pode ser curativa nestes casos ?<br />3.Porque a maioria das publicações iniciais sobre LRPL omite a dissecção retroaortica e ou retrocaval? Técnica incompleta?<br />Janetschek G, Peschel R, Hobisch A, et al:Laparoscopic retroperitoneal lymph node dissection. J Endourology 15,2001.<br />
  39. 39. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />PROPOSTA<br />Realizar a linfadenectomia duplicando completamente a técnica aberta nos aspectos oncológicos, preservando os benefícios da cirurgia laparoscópica sobre a técnica convencional<br />AMPLIANDO AS INDICAÇÕES<br />1.Alem de estadiamento (CSI), a LRPL passou a ter papel como tratamento nos portadores de linfonodos + (PSII), sem a necessidade de QT adjuvante.<br />Allaf ME, Lima G, Kavoussi LR: Laparoscopic retroperitoneal lymph node dissection: Duplication of open technique. Urology 65, 2005.<br />2.Terapia de resgate nos casos de massas retroperitoneais residuais pos quimioterapia. Palese MA, Su LM and Kavoussi LR: Laparoscopic retroperitoneal lymph node dissection after chemotherapy. Urology 60, 2002.<br />
  40. 40. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscopica<br />143 EstagioClinico I<br /><ul><li> 98 EstagioPatologico I
  41. 41. 45 EstagioPatologico II
  42. 42. 10 Sem QT adjuvante</li></ul> 0 recorrencia<br />
  43. 43.
  44. 44.
  45. 45.
  46. 46.
  47. 47.
  48. 48. Conclusão:<br />Linfadenectomia retroperitoneal laparoscópica oferece uma acurácia de estadiamento e resultados a longo prazo similares a linfadenectomia aberta<br /> Em centros com experiência no procedimento a taxa de complicações é pequena<br />A linfadenectomia retroperitoneal laparoscópica representa uma ferramenta valiosa para cirurgiões laparoscopistas experientes<br />Mais estudos devem focar o potencial curativo do procedimento em estágio patológico IIA<br />
  49. 49. Guidelines on Laparoscopy<br />Proposal for a "European Scoring System for Laparoscopic Operations in Urology".Eur Urol. 2001 Jul;40(1):2-6. Guilloneau B, Abbou CC, Doublet JD, et al.<br />
  50. 50. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />Lado Direito<br />LIMITES<br /><ul><li> Lateral – Ureter
  51. 51. Medial – Linha media da aorta
  52. 52. Inferior – Bifurcação dos vasos ilíacos
  53. 53. Superior – Hilo renal</li></li></ul><li>Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />Lado Esquerdo<br />LIMITES<br /><ul><li> Lateral – Ureter
  54. 54. Medial – Linha media da cava*
  55. 55. Inferior – Bifurcação dos vasos ilíacos
  56. 56. Superior – Hilo renal</li></ul>* Não dissecar alem da a.m.inferior para evitar lesão do plexo hipogástrio e conseqüente ejaculação retrograda.<br />
  57. 57. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />COMPLICAÇÕES<br />Intra-operatórias – Sangramento<br />Pós-operatórios imediatas – Linfocele<br />Pós-operatórios tardias – Ejaculação retrograda<br />
  58. 58. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />Etapas da Cirurgia:<br />1. Posicionamento do paciente<br />2. Confecção do pneumoperitoneo e colocação dos trocartes<br />3. Mobilização do colon<br />4. Dissecçãodo cordão espermático e da veia testicular<br />5. Dissecção lateral: remocao dos linfonodos entre ureter e cava/aorta<br />6. Exposição da aorta e dissecção interaortocaval<br />7. Dissecçãoretrocaval<br />8. Dissecçãoretroaortica<br />
  59. 59. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />1. Posicionamento do paciente<br />
  60. 60. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br />2. Colocação dos trocartes.<br />Quatro trocartes de 10/12 mm equidistantes na linha media.<br />Primeiro trocarte 2 a 4 cm abaixo do apêndice xifóide.<br />
  61. 61. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscopica<br />
  62. 62. Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica<br /> A linfadenectomia retroperitoneal laparoscópica, em mãos experientes, pode alcançar resultados oncológicos similares aos da cirurgia aberta, oferecendo aos pacientes os benefícios da cirurgia laparoscópica<br />
  63. 63. Dr. Marcos Flávio Rocha<br />Prof. Universidade de Fortaleza<br />Especialização em videocirurgia urológica na Universidade de Bordeaux e Clinic Saint Augustin - França<br />Linfadenectomia laparoscópica pélvica e retroperitonealCâncer de bexiga e testículo<br />

×