Sistemas Economicos E Sociais

28,779 views

Published on

16 Comments
30 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
28,779
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
894
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
16
Likes
30
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sistemas Economicos E Sociais

  1. 1.  O trabalho é uma necessidade de sobrevivência eterna da raça humana, sem a qual o homem não pode existir.  Diferente dos animais irracionais, que se adaptam passivamente ao meio ambiente, o homem atua sobre ele ativamente, obtendo os bens materiais necessários para sua existência com seu trabalho, que inclui o isso e a fabricação de instrumentos especiais.  A sociedade não escolhe estes instrumentos ao seu arbítrio; cada nova geração recebe os instrumentos de produção que foram criados por gerações anteriores e que ela usa, modifica e melhora.
  2. 2. Assim, a humanidade tem conhecido quatro regimes diferenciados de relações de produção: primitivismo, escravidão, feudalismo e capitalismo, sendo que existiu uma experiência - tentativa de um regime socialista . OBS: O Modo de Produção Asiático deverá ser estudado a parte pois não se ncaixa na evolução do primitivismo ao capitalismo.
  3. 3. SISTEMAS ECONÔMICOS E SOCIAIS DEFINIÇÃO: Um sistema econômico pode ser definido como sendo a forma política, social e econômica pelo qual estar organizada uma sociedade. Engloba o tipo de propriedade, a gestão da economia, os processos de circulação das mercadorias, o consumo e os níveis de desenvolvimento tecnológico e da divisão do trabalho. Os sistemas econômicos e sociais estão relacionados a maneira como a sociedade lida com o trabalho sobre o espaço, ou seja, os Modos de Produção
  4. 4.  Modos de Produção: o retrato da sociedade  Reúne as características do trabalho , seja ele artesanal, manufaturado ou industrial. ARTESANATO MANUFATURA MAQUINOFATURA FERRAMENTAS ROBOTIZAÇÃO MECANIZAÇÃO TRABALHO TRABALHO MANUAIS DIVISÃO MANUAL DO
  5. 5. Não produzia agricultura. Eram nômades que caçavam, pescavam, coletavam e dividiam os alimentos entre sua tribo; Não havia excedente de comida. Não havia o conceito de divisão de classes sociais (poderoso mandando no mais fraco) e sim de divisão de gêneros (mulher cozinhava e cuidava dos filhos e homem caçava e defendia a família); Usavam instrumentos rudimentares: pau, machado de pedra, faca de Acho Melhor vc pederneira e lança com ponta de pederneira; mais tarde foi inventado puxar ela pelo cabelo! o arco e a flecha. Nasce o artesanato; Com somente este instrumento e armas, o homem tinha sérias dificuldades para enfrentar as forças da natureza e fornecer seu alimento;
  6. 6.  Com o domínio da agricultura, os homens começaram a ter noção de território, se tornaram sedentários, e assim sendo, surgiu toda uma divisão de trabalho: uns plantavam, outros trabalhavam nos moinhos, e alguns teriam de defender as terras de outros que também queriam poder usá-las, formando os primeiros exércitos.  Com essa nova estruturação de sociedade, surgiram as classes sociais, a exploração de homem pelo homem, as lutas entre tribos, e nessas lutas, os perdedores começaram a virar escravos, aumentando mais ainda a noção de classes superiores e inferiores. Com isso gerou-se excedente de produção.
  7. 7. Espólios de Guerra, Dívidas e Comércio Pintura de DEBRET Mercadores de escravos analisando os dentes da escrava BRANCA
  8. 8. ORIGENS: O modo de produção escravista surgiu na Grécia Antiga, e posteriormente, com sua dominação e assimilação por Roma, foi o modo de produção praticado por todo o Império Romano. DEFINIÇÃO: É a prática social em que um ser humano tem direitos de propriedade sobre outro designado por escravo, ao qual é imposta tal condição por meio da força. Em algumas sociedades desde os tempos mais remotos os escravos eram legalmente definidos como uma mercadoria. Os preços variavam conforme as condições físicas, habilidades profissionais, sexo, a idade, a procedência e o destino.
  9. 9.  Os senhores, dispondo de trabalho quase que de graça, não se interessam no aperfeiçoamento das técnicas de produção, e os escravos não tinham, evidente, interesse no seu trabalho;  Com o surgimento da propriedade privada, os parentes mais próximos dos chefes dos clãs ficaram com as melhores terras, ficando com as piores terras e marginalizados os parentes mais afastados.  Com o aumento das famílias nobres, eram necessários mais terras e mais gente para trabalhar no cultivo dessas terras. Esse problema era resolvido com guerras de conquista: guerreava-se com povos vizinhos, as terras conquistadas eram repartidas entre os nobres, e o povo derrotado era escravizado.  Isso criou muita insatisfação nos escravizados gerando uma revolução social, que acabou sendo iniciada pelos próprios escravos e acompanhada pelos segmentos mais pobres da população socialmente livre.
  10. 10. A base das relações de produção neste regime era a propriedade privada do senhor, tanto dos meios de produção como dos trabalhadores: os escravos.
  11. 11.  Com o fim do Império Romano as estruturas sociais criadas e a ordem “civilizada” das coisas veio abaixo. As cidades se despovoaram devido as invasões dos povos bárbaros (não falavam a mesma língua e tinham costumes diferentes).  As grandes propriedades latifundiárias e escravistas vieram abaixo pois o comércio perdeu sua função. Em seu lugar nasceu a VILA ou ALDEIA (pequena propriedade) onde moravam colonos que plantavam. Essas vilas e as relações nelas estabelecidas contribuíram para a formação dos FEUDOS. (todos os bens e tributos trocados entre nobres - incluindo aí as propriedades, que eram mais conhecidas como senhorios.)  No final do século II, as guerras de conquistas praticamente cessaram, fato que diminuiu muito o número de escravos. Com isso, o preço deles foi ficando cada vez mais alto.  Muitos escravos fugiram e viraram foras da Lei (Robim Hood) e outros abrigaram-se nos Feudos que eram dos grandes proprietários de terra da elite Romana. Assim surgem os castelos e seus SERVOS.
  12. 12.  Os servos não eram escravos: eles cultivavam um pedaço de terra cedido pelo senhor, sendo obrigados a pagar a ele impostos, rendas, e ainda a trabalhar as terras que o senhor conservava para si.  O servo tinha o usufruto da terra, ou seja, uma grande parte do que a terra produzia era para ele. Assim, trabalhava uma parte do tempo para si e outra para o senhor.  Outra diferença importante é que o senhor de escravos era o dono do escravo, podendo vendê-lo, alugá-lo e castigá-lo. Com o senhor de terras isso não ocorria: o servo, enquanto pessoa, não era propriedade do senhor.
  13. 13. Definição: Uma organização política e social que se baseava em relações servo- contratuais (servil) Era baseado em 3 divisões de classe: a) Clero (religiosos) b) Nobres (Guerreiros) c) Servos (Mão-de-obra) O que determinava o status social era o nascimento
  14. 14. Porque palavras como mercadoria, dinheiro, comerciante eram raras na sociedade feudal?  As sociedades feudais se caracterizaram por uma economia baseada na produção agrícola. Essa produção estava organizada em feudos.  Cada feudo produzia quase tudo o que seus habitantes precisavam. Por isso, o comércio europeu decaiu muito entre os séculos V e XI. Nessa época era mais vantajoso ser agricultor do que comerciante. Mas o que aconteceu no século XI para que essa situação começasse a mudar?
  15. 15.  Baixa produtividade feudal;  Auto-suficiência do feudo;  Ação dos salteadores;  Estradas Precárias;  Escassez de moeda;  Guerras, pestes e fome;  O padrão de riqueza era a terra;  A igreja condenava a usura (juros por empréstimo) e o lucro;  Mediterrâneo dominado pelo Islã (mouros).  Alto custo do comércio; pagamento de pedágio;  Produzir excedente significava pagar mais tributos;
  16. 16. A FORÇA DO COMÉRCIO:  As Cruzadas levaram os cristãos a sair da Europa e a criar ou conquistar reinos e cidades no Oriente.  Com as Cruzadas, membros da nobreza feudal conheceram produtos orientais, como a seda e a porcelana chinesa, os tapetes persas e as especiarias. Somente reis e senhores feudais podiam comprar esses artigos de luxo, que eram levados à Europa por comerciantes principalmente de Veneza, de Gênova e de outras cidades italianas.  Esses comerciantes começaram a enriquecer . Surgiram novos negócios. Tudo isso mexeu com a economia feudal. Nasce a BURGUESIA.
  17. 17. $$$ CAPITALISMO $$$ Etimologia: A palavra capitalismo tem sua origem em capital que vem de caput, cabeça; em referência às cabeças de gado, como era medida a riqueza nos tempos antigos. Origens: Encontramos a origem do sistema capitalista na passagem da Idade Média para a Idade Moderna. Com o renascimento urbano e comercial dos séculos XIII e XIV, surgiu na Europa uma nova classe social : a burguesia. Esta nova classe social buscava o lucro através de atividades comerciais. Neste contexto, surgem também os banqueiros e cambistas, cujos ganhos estavam relacionados ao dinheiro em circulação. Definição: É um sistema econômico, dominante no mundo ocidental a partir do séc. XV, baseado na exploração do homem pelo homem, na propriedade privada dos meios de produção e no lucro.
  18. 18. CAPITALISMO Características Básicas: Troca de mercadorias por dinheiro Liberdade de Propriedade comércio Economia de Objetivo: privada dos Política Aberta Sociedade de Trabalho Aparecimento regido pela “lei mercado LUCRO meios de classes Assalariado da “mais valia”; da oferta e ABERTA; Pluripartidarista produção; procura”; Burguesia : donos dos meios de produção OFERTA  PROCURA Concentração de renda - LUCRO = PREÇOS BAIXOS Proletariado: trabalhadores assalariados OFERTA  PROCURA vendem a mão de obra para sobreviver = PREÇOS BAIXOS
  19. 19. ARISTROCRACIA RELIGIOSOS MILITARES BURGUESIA PROLETARIADO
  20. 20. VÍDEO : ILHA DAS FLORES
  21. 21. MAIS-VALIA O conceito de Mais-valia foi empregado por Karl Marx para explicar a obtenção dos lucros no sistema capitalista. Para Marx o trabalho gera a riqueza, portanto, a mais-valia seria o valor extra da mercadoria. A diferença entre a riqueza que o empregado produz e o que ele recebe como pagamento. M.V. = R.P.E. – PG.
  22. 22. Mais Valia absoluta e relativa Karl Marx chama a atenção para o fato de que os capitalistas, uma vez pago o salário de mercado pelo uso da força de trabalho, podem lançar mão de duas estratégias para ampliar sua taxa de lucro: 1) Estender a duração da jornada de trabalho mantendo o salário constante - o que ele chama de mais-valia absoluta; (Revolução Industrial – 12 a 14 h. de trabalho/ dia) 2) Ampliar a produtividade física do trabalho pela via da mecanização – uso da tecnologia para produzir mais rápido - o que ele chama de mais-valia relativa. (Revolução Cada tipo de mais-valia desses correspondeu a Técnico-Científica – 8h. /dia) um determinado período do capitalismo.
  23. 23. A burguesia fede Burguesia A burguesia fede - fede, fede, fede A burguesia quer ficar rica Cazuza A burguesia quer ficar rica Enquanto houver burguesia Composição: Cazuza/ Ezequiel Neves/ Enquanto houver burguesia Não vai haver poesia George Israel Não vai haver poesia A burguesia não repara na dor Porcos num chiqueiro Da vendedora de chicletes A burguesia fede São mais dignos que um burguês A burguesia só olha pra si A burguesia quer ficar rica Mas também existe o bom burguês A burguesia só olha pra si Enquanto houver burguesia Que vive do seu trabalho A burguesia é a direita, é a guerra Não vai haver poesia honestamente A burguesia fede A burguesia não tem charme nem é Mas este quer construir um país A burguesia quer ficar rica discreta E não abandoná-lo com uma pasta de Enquanto houver burguesia Com suas perucas de cabelos de boneca dólares Não vai haver poesia A burguesia quer ser sócia do Country O bom burguês é como o operário As pessoas vão ver que estão sendo roubadas A burguesia quer ir a New York fazer É o médico que cobra menos pra Vai haver uma revolução compras quem não tem Ao contrário da de 64 Pobre de mim que vim do seio da E se interessa por seu povo O Brasil é medroso burguesia Em seres humanos vivendo como Vamos pegar o dinheiro roubado da burguesia Sou rico mas não sou mesquinho bichos Vamos pra rua Eu também cheiro mal Tentando te enforcar na janela do Vamos pra rua Eu também cheiro mal carro Vamos pra rua A burguesia tá acabando com a Barra No sinal, no sinal Vamos pra rua Afunda barcos cheios de crianças No sinal, no sinal Pra rua, pra rua E dormem tranqüilos A burguesia fede Vamos acabar com a burguesia E dormem tranqüilos A burguesia quer ficar rica Vamos dinamitar a burguesia Os guardanapos estão sempre limpos Enquanto houver burguesia Vamos pôr a burguesia na cadeia As empregadas, uniformizadas Não vai haver poesia Numa fazenda de trabalhos forçados São caboclos querendo ser ingleses Eu sou burguês, mas eu sou artista São caboclos querendo ser ingleses Estou do lado do povo, do povo
  24. 24. TITÃS Homem Primata Homem primata Desde os primórdios Capitalismo Selvagem Até hoje em dia Ôô ô O homem ainda faz o que o macaco fazia eu não trabalhava, eu não sabia Eu me perdi na selva de pedra que o homem criava e também Eu me perdi, eu me perdi destruía Homem primata Capitalismo Selvagem "I'm a cave man Ôô ô a young man I fight with my hands (with my hands) Eu aprendi I am a jungle man, a vida é um jogo a monkey man cada um por si e Deus contra todos Concrete jungle! você vai morrer, Concrete jungle!!" e não vai pro céu é bom aprender, a vida é cruel
  25. 25. Suas crianças derrubando reis Geração Coca-Cola Fazer comédia no cinema com as suas leis Legião Urbana Somos os filhos da revolução Composição: Renato Russo / Fê Lemos Somos burgueses sem religião Quando nascemos fomos programados Somos o futuro da nação A receber o que vocês Geração Coca-Cola Nos empurraram com os enlatados Geração Coca-Cola Dos U.S.A., de nove as seis. Geração Coca-Cola Desde pequenos nós comemos lixo Geração Coca-Cola Comercial e industrial Depois de 20 anos na escola Mas agora chegou nossa vez Não é dificil aprender Vamos cuspir de volta o lixo em cima de vocês Todas as manhas do seu jogo sujo Somos os filhos da revolução Não é assim que tem que ser Somos burgueses sem religião Vamos fazer nosso dever de casa Somos o futuro da nação E aí então vocês vão ver Geração Coca-Cola Suas crianças derrubando reis Depois de 20 anos na escola Fazer comédia no cinema com as suas leis Não é difícil aprender Somos os filhos da revolução Todas as manhas do seu jogo sujo Somos burgueses sem religião Não é assim que tem que ser Somos o futuro da nação Vamos fazer nosso dever de casa Geração Coca-cola E aí então vocês vão ver Geração Coca-cola Geração Coca-cola Geração Coca-cola
  26. 26. 1) Capitalismo Comercial = Acúmulo de capitais na época do mercantilismo (expansão marítima- comercial) - pacto colonial – DIT . Este período estende-se do século XVI ao XVIII. Inicia-se com as Grandes Navegações e Expansões Marítimas Européias, fase em que a burguesia mercante começa a buscar riquezas em outras terras fora da Europa. Os comerciantes e a nobreza estavam a procura de ouro, prata, especiarias e matérias-primas não encontradas em solo europeu. Estes comerciantes, financiados por reis e nobres, ao chegarem à América, por exemplo, vão começar um ciclo de exploração, cujo objetivo principal era o enriquecimento e o acúmulo de capital. Neste contexto, podemos identificar as seguintes características capitalistas : busca do lucros, uso de mão-de-obra assalariada, moeda substituindo o sistema de trocas, relações bancárias, fortalecimento do poder da burguesia e desigualdades sociais CARACTERÍSTICAS: Capitalismo Comercial – Período dos Grandes Descobrimentos ( Expansão Marítimo-Comercial)  Inicia com a intensificação das relações comerciais entre Europa e Ásia.  A relação de trabalho era escrava e servil.  Período de escravização, aculturação e genocídio dos nativos da América / África. (colonialismo)  Pacto Colonial  Estados Absolutistas Fortes – Direito Divino dos Reis ( intervencionismo econômico ).  Balança Comercial favorável.  O comércio é a essência do sistema de lucro.  A terra (territórios) gera riqueza  Pirataria
  27. 27. 2) Capitalismo Industrial = surge com a 1º Revolução Industrial (inovações tecnológicas, velocidade na produção), como o uso da eletricidade e da petroquímica (oco, automóveis)  Período de partilha da África e da Ásia pelos europeus ( o trabalho torna-se mercadoria ) No século XVIII, a Europa passa por uma mudança significativa no que se refere ao sistema de produção. A Revolução Industrial, iniciada na Inglaterra, fortalece o sistema capitalista e solidifica suas raízes na Europa e em outras regiões do mundo. A Revolução Industrial modificou o sistema de produção, pois colocou a máquina para fazer o trabalho que antes era realizado pelos artesãos. O dono da fábrica conseguiu, desta forma, aumentar sua margem de lucro, pois a produção acontecia com mais rapidez. Se por um lado esta mudança trouxe benefícios ( queda no preço das mercadorias), por outro a população perdeu muito. O desemprego, baixos salários, péssimas condições de trabalho, poluição do ar e rios e acidentes nas máquinas foram problemas enfrentados pelos trabalhadores deste período. O lucro ficava com o empresário que pagava um salário baixo pela mão-de-obra dos operários. As indústrias, utilizando máquinas à vapor, espalharam-se rapidamente pelos quatro cantos da Europa. O capitalismo ganhava um novo formato. Muitos países europeus, no século XIX, começaram a incluir a Ásia e a África dentro deste sistema. Estes dois continentes foram explorados pelos europeus, dentro de um contexto conhecido como neocolonialismo. As populações destes continentes foram dominadas a força e tiveram suas matérias-primas e riquezas exploradas pelos europeus. Eram também forçados a trabalharem em jazidas de minérios e a consumirem os produtos industrializados das fábricas européias.
  28. 28. CARACTERÍSTICAS: Capitalismo Industrial : período de inovações tecnológicas / velocidade de produção.  Inicia com a 1ª Revolução Industrial – Reino Unido ( carvão mineral / vapor ) e atinge a maturidade com a 2ª Rev. Ind. – França, EUA, Alemanha, Japão, Canadá e Rússia ( petroquímica, eletricidade e motores)  Imperialismo na partilha da Africa e da Ásia. (neocolonialismo)  Alemanhã não consegue colônias e inicia a 1ª Guerra Mundial  O trabalho passa a ser assalariado ( melhor que o escravo pois tem renda p/ consumir) – trabalho vira mercadoria  O lucro vem da Mais-valia (é o nome dado por Karl Marx à diferença entre o valor produzido pelo trabalho e o salário pago ao trabalhador, que seria a base da exploração no sistema capitalista.)  Liberalismo Econômico para atender a burguesia industrial. (Defendiam a Livre concorrência e a Lei da oferta e da procura ) Seu principal teórico foi Adam Smith.  O trabalho gera riqueza. ( para o patrão).  Busca de matérias primas para atender a crescente industria. ( degradação ambiental aumenta a velocidade)
  29. 29. 3) Capitalismo Financeiro = Tem como características a formação de CONGLOMERADOS ECONÔMICOS como as holdings (Ex: Banco Itaú), os cartéis (Ex: 7 irmãs) e trustes ( Ex: Mitsubishi) e de BLOCOS ECONÔMICOS (U.E., Mercosul, NAFTA, etc.) Surge após a 1º Guerra Mundial da união do capital industrial + o de financiamento (bancário) surgindo a bolsa de valores. O Capitalismo Financeiro surge com a primeira guerra mundial e consolidou-se nos EUA e no Japão depois da 2º guerra mundial. Ganhou força com a Terceira Revolução Industrial (informática, robótica, nuclear, telecomunicações ). Iniciada no século XX, esta fase vai ter no sistema bancário, nas grandes corporações financeiras e no mercado globalizado as molas mestras de desenvolvimento. Podemos dizer que este período está em pleno funcionamento até os dias de hoje. Grande parte dos lucros e do capital em circulação no mundo passa pelo sistema financeiro. A globalização permitiu as grandes corporações produzirem seus produtos em diversas partes do mundo, buscando a redução de custos. Esta empresas, dentro de uma economia de mercado, vendem estes produtos para vários países, mantendo um comércio ativo de grandes proporções. Os sistemas informatizados possibilitam a circulação e transferência de valores em tempo quase real. Apesar das indústrias e do comercio continuarem a lucrar muito dentro deste sistema, podemos dizer que os sistemas bancário e financeiro são aqueles que mais lucram e acumulam capitais dentro deste contexto econômico atual.
  30. 30. CARACTERÍSTICAS: Capitalismo Financeiro ou GLOBALIZAÇÃO: Surge após a 1ª Guerra Mundial  União do capital dos BANCOS + EMPRESAS = BOLSA DE VALORES.  Pós-crise de 1929 – Intervencionismo Econômico ( Keynesianismo - Estado como agente de controle total ou majoritário da economia ) – oposto de neoliberalismo ( o estado só interfere em setores estratégicos)  Destruição da livre concorrência (competição / liberalismo) através da criação de fusão de empresas ( monopólios e oligopólios)  Privatizações de empresas.  Blocos Econômicos ( Multipolaridade )  Surgimento de tecnopólos (REVOLUÇÃO Técnico-Científica)  Surgimento de 3 pólos de poder no mundo ( EUA, Alemanha, Japão)
  31. 31. Áreas ainda indefinidas : 1- CEI ( Ex-URSS) 2- China 3- Oriente Médio ( área de disputa pelos 3 pólos de poder)
  32. 32. Norte x Sul
  33. 33. SOCIALISMO Etimologia: o primeiro a utilizar o termo socialismo, foi Henri de Saint Simon (1760- 1825), o pensador original que defendia a tecnocracia e o planejamento industrial como forma de acabar com a desigualdade do capitalismo. Origens: Os primeiros críticos do capitalismo (intelectuais e classe trabalhadora industrial) surgiram no FINAL do séc. XVIII a partir da Revolução Industrial e do aparecimento do proletariado (classe pobre, mão-de-obra) em oposição a burguesia (detentora dos meio de produção). Definição: É um sistema econômico e social, onde os interesses sociais coletivos prevalecem sobre os individuais. Conjunto de doutrinas que, tendo por OBJETIVO o bem comum, preconizam uma reforma radical da organização social, mediante o fim do regime das classes e a coletivização dos meios de produção e de distribuição.
  34. 34. SOCIALISMO Ideal ou Lenin com base nas idéias de Marx definiu o "socialismo" Utopia? como uma fase de transição entre o capitalismo e o comunismo. Como por fim ao Capitalismo ? _ Segundo Marx seria promover uma luta de classes (burguesia X proletariado) onde o proletariado chegaria ao poder e destruiria o grande mal do capitalismo – a propriedade privada dos meios de produção – substituindo-a pela posse coletiva dos meios de produção Vladmir Lenin, 1º presidente do Partido Bolchevique e líder da União Soviética
  35. 35. SOCIALISTAS ROMÃNTICOS ou UTÓPICOS Foram os primeiros a criticar a sociedade capitalista. Se basearam no livro de Tomas Morus , UTOPIA (1516), que colocava a culpa das injustiças sociais na propriedade privada Saint-Simon Robert Owen SOCIALISTAS CIENTÍFICOS No séc. XIX outros pensadores como Karl Marx e Friedrich Engels criticaram mais profundamente o sistema capitalista e a religião e construíram teorias de como viver uma sociedade mais justa. Foram chamados de materialistas históricos. Karl Marx e Friedrich Engels SOCIALISMO REAL x IDEAL O socialismo nunca existiu de fato nos países que se consideravam socialistas ou comunistas. Esses países tentaram uma experiência que ficou conhecido como socialismo real
  36. 36. As características do SOCIALISMO e a sua propagação pelo mundo Até 1917 a Rússia era um país feudal e capitalista. O povo não participava da vida política e vivia em condições miseráveis. Esta situação fez com que a população, apoiada nas idéias socialistas, principalmente nas de Marx, derrubasse o governo do czar Nicolau II e organizasse uma nova sociedade oposta à capitalista – a socialista. A Rússia foi o primeiro país a se tornar socialista e, posteriormente, passou a se chamar União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Em linhas gerais, podemos caracterizar o socialismo como um sistema onde: • não existe propriedade privada ou particular dos meios de produção; • a economia é controlada pelo Estado ( planificada) com o objetivo de promover uma distribuição justa da riqueza entre todas as pessoas da sociedade; • o trabalho é pago segundo a quantidade e qualidade do mesmo. • A economia e a política são fechados gerando burocratização do sistema
  37. 37. Kolkhozes : cooperativas rurais onde os camponeses cultivavam a terra com máquinas e tratores do Estado, resultantes da reunião de várias propriedades particulares. A colheita era vendida para o Estado. Sovkhozes : Fazendas Estatais onde os camponeses trabalhavam para o Estado. Em 1990, a URSS tinha 25500 fazendas, sendo 45% sovkhoz e 55% kolkhoz. O tamanho médio dos sovkhoz era duas vezes maior que do kolkhoz. Esperava-se deste modo, fazer com que a produtividade agrícola aumentasse com a mecanização das lavouras, cumulando-se assim a renda necessária para a sustentação dos grandes projetos de eletrificação e industrialização.
  38. 38. Após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), outros países se tornaram socialistas, como, por exemplo. A Iugoslávia, a Polônia, a China, o Vietnã, a Coréia do Norte e Cuba. Entretanto, este novo sistema colocado em prática nesses países, principalmente na União Soviética, apresenta vários problemas: • falta de participação do povo nas decisões governamentais; • falta de liberdade de pensamento e expressão; DITADURA • formação de um grupo político altamente privilegiado. Os dirigentes do Estado tinham altos salários, residências confortáveis, automóveis e outros privilégios que não condiziam com a filosofia de seu sistema político social. Os países socialistas tiveram grandes indicadores sociais até a 3º Revolução Industrial, mas depois dela não conseguiram acompanhar o crescimento tecnológico e científico mundial e ficaram para trás afetando todo o seu sistema devido a insatisfação social que gerou nas pessoas. Seu isolamento lhes custa caro até hoje, e agora tentam correr atrás do prejuízo baseado na Nova Ordem Mundial. A maioria dos brasileiros ainda não sabe, mas o principal motivo que levou o mundo cristão (“mundo ocidental”) a repudiar as nações comunistas foi o fato de proibirem o cristianismo e imporem o ateísmo de Karl Marx.
  39. 39. O Socialismo é um sistema de transição para o Comunismo. ETAPAS: CAPITALISMO → SOCIALISMO → COMUNISMO - Transição do Capitalismo para o Socialismo: presença do Estado para defender os interesses dos trabalhadores contra os capitalistas. - Socialismo: se caracteriza pelo início da desaparição do Estado, das classes socias e da economia mercantil monetária. - Comunismo: fim completo do Estado e das classes sociais.
  40. 40. socialismo
  41. 41. A Revolução dos Bichos
  42. 42.  No Brasil, o pensamento socialista não teve raízes na classe operária. Ele foi introduzido de fora por intelectuais burgueses.  Partidos brasileiros adeptos do Socialismo: PT (Partido dos Trabalhadores); PSOL (Partido Socialismo e Liberdade); PSTU (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado); PCO (Partido da Causa Operária); PCB (Partido Comunista Brasileiro); PC do B (Partido Comunista do Brasil); PPS (Partido Popular Socialista); PSB (Partido Socialista Brasileiro); PSC (Partido Social Cristã).

×